Palácio das Mangabeiras

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Palácio das Mangabeiras
Tipo Patrimônio estadual
Estilo dominante Arquitetura moderna brasileira
Arquiteto Oscar Niemeyer[1]
Início da construção 1951[1]
Fim da construção 1955[1]
Proprietário atual Governo do Estado de Minas Gerais
Geografia
País Brasil
Local Belo Horizonte, MG,
Brasil Brasil
Endereço Mangabeiras
Belo Horizonte - MG
CEP 30210-110
Coordenadas 19° 57' 17" S 43° 54' 46" O

O Palácio das Mangabeiras foi a residência oficial dos Governadores do estado brasileiro de Minas Gerais. Foi inaugurado em 1955, durante o governo de Juscelino Kubitschek. O projeto inicial foi feito por Oscar Niemeyer, com jardins planejados por Roberto Burle Marx. Em governos posteriores, o palácio passou por obras de expansão que alteraram a construção do projeto inicial.[1]

O palácio localiza-se na Serra do Curral, no bairro de Mangabeiras em Belo Horizonte. Foi construído no período de 1951 a 1955, a pedido do então governador mineiro Juscelino Kubitschek, que desejava transferir a residência de sua família para um lugar diferente do Palácio da Liberdade, pois considerava este inadequado para conciliar as atividades profissionais e familiares.[2]

Desde a inauguração, o palácio sempre serviu de residência para todos os governadores mineiros, entretanto o Governador Romeu Zema, que iniciou o mandato em janeiro de 2019, optou por residir em imóvel próprio. O governador vinha negociando parcerias com entidades privadas para decidir o futuro do palácio.[3][4]

Em decreto emitido pelo Governador Romeu Zema em 5 de Junho de 2019, o Palácio das Mangabeiras deixou de ser considerado residência oficial do chefe do executivo e passou a integrar a lista de bens dominicais do estado de Minas Gerais.[5] Apesar de desocupado, o palácio ainda gerava despesas de mais de um milhão de reais por ano, envolvendo custos de água e energia elétrica, serviços de apoio, limpeza, engenharia e vigilância.[6]

Referências

  1. a b c d Daniel Camargos (13 de junho de 2014). «Se essas paredes falassem...». Revista Encontro. Consultado em 24 de janeiro de 2019. Cópia arquivada em 24 de janeiro de 2019 
  2. Sérgio Rodrigo Reis (27 de julho de 2013). «Conversa de JK e Niemeyer em exibição no Palácio da Liberdade». Estado de Minas. Consultado em 24 de janeiro de 2019. Cópia arquivada em 29 de julho de 2013 
  3. Julia Affonso e Ricardo Brandt (31 de outubro de 2018). «Em vídeo, Zema compara Palácio do Governo de Minas com 'Mansão das Mordomias'». Estado de S. Paulo. Consultado em 24 de janeiro de 2019 
  4. Juliana Cipriani (24 de janeiro de 2019). «Zema já articula parceria para decidir futuro do Palácio das Mangabeiras». Estado de Minas 
  5. Juliana Cipriani (6 de Junho de 2019). «Decreto de Zema abre brecha para vender Palácio das Mangabeiras». Estado de Minas 
  6. Fiúza, Patrícia; Leocádio, Thaís (10 de junho de 2021). «Vazia na gestão de Zema, antiga residência oficial do governador ainda custa R$ 97 mil por mês». G1. Consultado em 22 de junho de 2021