Parque Estadual do Sumidouro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

O Parque Estadual do Sumidouro, também chamado de Minas Gerais da pedra lascada,[1][2] é uma unidade de conservação localizada nos municípios brasileiros de Pedro Leopoldo e Lagoa Santa no estado de Minas Gerais.

Foi criada pelo Decreto 20.375 em 4 de janeiro de 1980 com o nome de Parque Ecológico do Vale do Sumidouro.[3] Possui uma sede provisória na Casa Fernão Dias, localizada no povoado Quinta do Sumidouro, no município de Pedro Leopoldo.[4] O parque possui uma área de 2.004 hectares.[5]

A Lapa do Sumidouro, um dos pontos do parque, é formada por 157 sítios arqueológicos e 35 grutas, além de pinturas rupestres com 4 mil anos de idade que sofreram algum tipo intempérie e vandalismo, o que motivou a proibição de visitação em alguns pontos.[2]

Interior da Gruta da Lapinha

Biologia[editar | editar código-fonte]

Meio biótico[editar | editar código-fonte]

A vegetação do Parque é constituída de vários biomas como cerrado, campo e cerradão, sendo o primeiro parque de cerrado do estado.

Fauna[editar | editar código-fonte]

Entre as espécies animais destacam-se os mamíferos sendo representados por espécies de tatu, gato do mato, lontra e tamanduá colete. Os répteis são representados pela jibóia, cascavel e jararaca enquanto que as aves estão representadas pelo gavião, irerê, siriema, pica-pau branco e biguá.[6]

Flora[editar | editar código-fonte]

Várias espécies vegetais se encontram na área como ipê amarelo, ipê roxo, moreira, manjoba, aroeirinha, gabiroba, jatobá do campo, entre outras.[6]

Meio hidrológico[editar | editar código-fonte]

A Lagoa do Sumidouro é a mais importante da região, com 15 km de perímetro.[6] Destaca-se também o Poço Azul.

Meio geológico[editar | editar código-fonte]

A região abriga importantes formações do Carste Lagoa Santa.

Meio arqueológico[editar | editar código-fonte]

Em sua área, estão presentes a Gruta da Lapinha no santa luzia e a Lapa do Sumidouro. É uma região de extrema importância arqueológica pois nela foram encontrados os fósseis do que seria o primeiro ser humano a ter vivido nas Américas, Luzia. Os fosséis foram encontrados em Lapa Vermelha. A Gruta da Lapinha foi um dos sítios estudados pelo dinamarquês Peter Lund (1801-1880), considerado o pai da paleontologia brasileira.[5] Na Lapa do Sumidouro, é possível encontrar pinturas rupestres com 4 mil anos de idade.[1][7] Cerca de 157 sítios arqueológicos e 35 grutas já foram catalogadas na área.[1]

Pesquisas científicas[editar | editar código-fonte]

Existem algumas pesquisas em andamento na região como o projeto de pesquisa "Origem e micro-evolução do homem nas Américas" do Laboratório de Estudos Evolutivos Humanos do Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo (USP), liderado pelo Professor Walter Neves.[7] Esta pesquisa busca verificar a presença de um sítio arqueológico em campo aberto de paleoíndios.[8]

Turismo[editar | editar código-fonte]

A Gruta da Lapinha e a Gruta Arruda são bastante conhecidas também pela sua utilização turística pois possuem inúmeras formações calcáreas em seu interior. Existem vários salões que podem ser visitados tendo-se a possibilidade de verificar vários espeleotemas, dentre os quais as estalactites e as estalagmites se destacam. A extensão da Gruta da Lapinha é de 511 metros e suas formações calcáreas datam de 600 milhões de anos atrás.[1]

Em setembro de 2008, a direção proibiu a visitação no Sumidouro devido a vandalismos principalmente na região onde se encontram as pinturas rupestres. Atividades como o uso da lagoa, práticas de alpinismo, passeios a cavalo ou caminhadas pela mata não mais estão sendo permitidas. No entanto, a Gruta da Lapinha e uma área onde se encontra uma espécie de mirante na Lagoa do Sumidouro ainda podem ser visitadas.[1]

Administração[editar | editar código-fonte]

O parque é administrado pelo Instituto Estadual de Florestas (IEF) de Minas Gerais.

Referências

  1. a b c d e Lobato, Paulo Henrique (19 de abril de 2009). «Parque do Sumidoro terá estrutura digna de sua importância». Estado de Minas. Consultado em 27 de junho de 2009 
  2. a b IEPHA. (18 de abril de 2010). Iepha/MG apresenta: Inventário no Sumidouro
  3. «Decreto nº 20.375, de 3 de janeiro de 1980» 🔗 (PDF). Diário do Executivo - "Minas Gerais". Imprensa Oficial. 4 de janeiro de 1980. Consultado em 27 de junho de 2009 
  4. «Governo investe na preservação das áreas verdes na RMBH». IEF MG. 29 de outubro de 2007. Consultado em 27 de junho de 2009  |nome1= sem |sobrenome1= em Authors list (ajuda)
  5. a b «Sumidouro - Parque protegido». Jornal Estado de Minas. 17 de maio de 2008. Consultado em 27 de junho de 2009 
  6. a b c «Parque Estadual do Sumidouro». IEF MG. Consultado em 27 de junho de 2009 
  7. a b «Expedição Velhas 2009 chega ao Parque do Sumidouro». Agência Minas. 15 de maio de 2009. Consultado em 27 de junho de 2009 
  8. «Conselho do Parque Estadual do Sumidouro toma posse». IEF MG. Consultado em 27 de junho de 2009 
Ícone de esboço Este artigo sobre Unidades de Conservação da Natureza é um esboço relacionado ao Projeto Brasil. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.