Paty (personagem)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo. Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Disambig grey.svg Nota: Se procura o município do estado do Rio de Janeiro, veja Paty do Alferes.
Patty
Língua original Espanhol
Nascimento 1963
Idade 8
Origem México
Dublagem Brasil Cecília Lemes, Leda Figueiró
Série(s) Chaves
Temporada(s) 1972/1975/1978-1979/1987
Primeira aparição As Novas Vizinhas (1972, 1975,1978 e 19.87)
Última aparição As Novas Vizinhas Parte 2 (1972) As Novas Vizinhas Parte 4 (1975) Aula de Geografia e Aritmética (1979)
Interpretado por Angel Roldán, Ana Lilian de la Macorra, Rosita Bouchot, Verónica Fernández
Projecto Televisão  · Portal Televisão

Patricia Jiménez[1], mais conhecida como Paty ou Patty, é uma personagem do seriado Chaves. Ela mora no apartamento 24 ou 23 acima da escada, nas três primeiras versões da saga "As Novas Vizinhas". Na versão do Programa Chespirito, a casa fica no segundo pátio. No seriado original, a Paty ocupava a casa do Jaiminho.

Paty foi interpretada por quatro atrizes: a primeira, da versão de 1972, Interpretada por Angel Roldán. A segunda foi Rosita Bouchot (1975). Já a terceira e mais conhecida no Brasil foi Ana Lilian de la Macorra (de 1978 a 1979). A quarta versão foi interpretada por Veronica Fernández (nome artístico Patty Strevel) enteada da atriz María Antonieta de Las Nieves. Em maio de 2016, Edgar Vivar (Seu Barriga) afirmou em uma entrevista que a Paty de 1972 foi interpretada pela atriz Ángel Roldan, que interpretou Cândida, uma das alunas da escolinha no episódio "O festival da burrice", de 1974.

Histórico[editar | editar código-fonte]

Paty fez sua estreia em 1972, na primeira temporada da série, durante a saga de três esquetes "As Novas Vizinhas", sendo interpretada por uma atriz de nome desconhecido. A história focava na chegada de Patty e sua tia Glória ao cortiço, encantando imediatamente os homens e meninos da vila.

A saga foi regravada em 1975, agora com quatro episódios, e Patty sendo interpretada por Rosita Bouchot. Apesar do primeiro desses episódios ter sido exibido no Brasil antes do lançamento dos episódios perdidos de 2012, com o título de "Dia Internacional da Mulher", ele não conta com a participação de Paty, enquanto Glória não é mencionada pelo nome.

Para a sétima temporada (1978), a saga é refeita mais uma vez com Ana Lilian de la Macorra[2], assistente de produção do programa Chapolin, interpretando Paty. Desta vez, ela se torna uma personagem secundária e participa inclusive de episódios na escolinha e no restaurante, permanecendo na série até 1979. Até o início de 2012, essa foi a única versão da personagem a ser exibida no Brasil, portanto, sendo a mais reconhecida.

A última versão de "Novas Vizinhas" foi feita em 1987 no Programa Chespirito, agora com Paty Strevel, enteadda de Maria Antonieta de las Nieves na vida real. Esta versão trouxe muitas modificações: Glória se torna madrinha ao invés de tia, Quico e Seu Madruga não estão mais presentes, e o arco conta com apenas dois episódios. Strevel também se tornou parte do elenco de apoio da série, voltando para alguns episódios posteriores.

Personalidade[editar | editar código-fonte]

É uma menina doce e encantadora, principalmente para Chaves e Quico. Quando os meninos a veem ficam hipnotizados e dão a ela refrescos e brinquedos, como a bola do Quico e a bolinha do Chaves. Isso deixa a Chiquinha com raiva, o que a leva a sempre fazer trotes para deixá-la triste, mesmo tentando bater nela de vez em quando. Ela também é rival da Paty no sonho de Chaves no episódio "Os sonhos do restaurante", pois Chaves, em seu sonho, sempre quer o bolo que Paty traz e não o de Chiquinha, independente do sabor. Além disso, quando Chiquinha convida o Chaves para brincar de comidinha e outras brincadeiras de menina, ele se recusa, e quando a Paty aparece, ele aceita brincar na hora.

Paty tem uma personalidade gentil, mas é um pouco boba e avoada. A relação com o Chaves varia entre platônica e romântica, o que deixa sua arqui-inimiga mais irritada.

Brinquedos[editar | editar código-fonte]

Em todas as versões, Paty tem um brinquedo que carrega a todo lugar e era roubado por Chiquinha em alguma ocasião. O primeiro foi uma boneca de pano com pernas longas. nas versões seguintes, passa a ser um urso de pelúcia para diferenciá-la da personagem Pópis, que era caracterizada por também ter uma boneca. O urso mudou em cada versão: preto com uma touca na segunda, branco na terceira, verde claro e bem pequeno na quarta. Em algumas ocasiões, era também vista com uma bola.

Desenho[editar | editar código-fonte]

Paty aparece com mais frequência no desenho animado, em episódios como "Um amor chegou à vizinhança", "A namorada do Chaves", "As olimpíadas", entre outros, ao contrário do seriado original, onde ela aparecia raramente. Em parte, isso se deve à ausência da Chiquinha no desenho, onde a principal rival dela é Pópis. Ambas se desafiam para ver quem é a melhor (inclusive aos olhos do Chaves) e ora brigam bastante, ora se dão bem. A partir da terceira temporada, se torna presença constante no elenco e, às vezes, partilha alguns dos traços de Chiquinha com Nhonho e Pópis.

Teve dois visuais: na segunda metade da primeira temporada trajava uma roupa de jardineira laranja, e a partir da segunda, passou a usar um vestido verde e um chapéu.

Assim como no Clube do Chaves, no desenho, ela também mora no segundo pátio, no apartamento da escada, já que o apartamento da escada do primeiro pátio é ocupado por Jaiminho. Nos primeiros episódios, os apartamentos são opostos (Paty mora no primeiro pátio, e Jaiminho, no segundo). Diferente da série, a Paty do desenho é atlética, inteligente e parece corresponder aos sentimentos do Chaves, mesmo dizendo que quer namorá-lo quando crescerem.

Vozes[editar | editar código-fonte]

A primeira dubladora da Paty foi Cecília Lemes, a segunda voz da Chiquinha, e depois a personagem passou a ser dublada por Leda Figueiró. Leda também dublou Paty no desenho, mas apenas na primeira temporada, sendo substituída nas seguintes por Aline Ghezzi.

Relação com outros personagens[editar | editar código-fonte]

Chaves - No seriado original, o sentimento romântico vem quase sempre só da parte do Chaves. No desenho, apesar de não demonstrar sempre, Paty também é apaixonada pelo Chaves. Isso não a impede de rir ou ficar brava quando ele dá uma mancada.

Quico - Paty possui uma boa amizade com Quico, que por sua vez, gosta dela. Ele e Chaves disputam a atenção da bela garota em algumas ocasiões.

Chiquinha - A sua inimiga e rival na série original. Chiquinha fica com ciúme quando Paty se entende bem com o Chaves, por isso é tão raro ver elas se dando bem uma com a outra.[2]

Glória - Têm uma boa relação entre tia e sobrinha. No Programa Chespirito, as personagens passam a ser madrinha e afilhada.

Nhonho - Nos episódios da escola (no seriado original), a interação entre eles não é mostrada, sendo que no episódio do "Dia das Crianças", ambos têm atritos entre si. Nas esquetes dos anos 80, Nhonho chegou a se apaixonar pela menina, brigando com o Chaves pelo amor dela. Na série animada, eles são apenas amigos, já que Nhonho é interessado em Pópis.

Pópis - No seriado, as duas têm pouca a nenhuma interação. Porém, na série animada, elas quase sempre são mostradas como boas amigas, mas há alguma inimizade da parte de Pópis, quando esta disputa pela atenção do Chaves.

Seu Madruga - Seu Madruga é um dos poucos personagens que não possuem atritos com Paty, mesmo chegando a defendê-la contra as maldades da Chiquinha. No desenho, Paty o aborrece vez ou outra, quando está com as outras crianças.

Dona Florinda - Não demonstra antipatia por ela. Na série animada, Dona Florinda a vê como mais um dos amigos de Quico. A relação entre as duas é quase sempre bem neutra, a não ser por Dona Florinda querer que Paty seja namorada de seu filho(o que é demonstrado bastante na série animada)

Referências

  1. Livro Chaves de um sucesso, por Pablo Kaschner, 2006 (página 82) ISBN: 8577560031
  2. a b Vila do Chaves. «Personagens de Chaves». Vila do Chaves. Consultado em 10 de julho de 2015. 


Dona Clotilde - Por demonstrar antipatia á Glória, já que Seu Madruga é apaixonado pela jovem vizinha, Dona Clotilde remete a mesma repulsa á garota Paty(tanto que chega a considerá-la tão vulgar quanto á tia, segundo ela), que em retorno a isto, comenta com a tia que a senhora do 71 tem cara de bruxa, tendo quase a mesma relação que as demais crianças.

Professor Girafales- A relação entre eles geralmente se trata somente do fato dele ser o professor dela na escola, onde ela se mostra relapsa aos estudos e fala muita asneira, sendo repreendida por ele. Por mais que o professor demonstre interesse por Glória em algumas ocasiões, isso não reflete em Paty.