Réveillon de Copacabana

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Fogos de artifício do Réveillon de Copacabana, durante as comemorações de Ano-Novo.

O Réveillon em Copacabana é a maior festa de passagem do ano do Brasil e do mundo, que acontece do dia 31 de dezembro para o dia 1 de janeiro na praia de Copacabana, localizada no Rio de Janeiro. A festa conta com uma queima de fogos com duração de cerca de 17 minutos, shows de diversos artistas, atraindo atualmente cerca de dois milhões de pessoas.

A palavra réveillon se origina do verbo francês réveiller que tem o significado de acordar, assim o réveillon é o despertar do ano novo.

História[editar | editar código-fonte]

Quem começou a passar a virada do ano na praia de Copacabana foram os praticantes do Candomblé nos anos 70. A festa tinha proporções menores, e todos usavam branco para saudar Iemanjá com oferendas levadas ao mar antes da meia-noite.

O uso das roupas brancas e a entrega de flores ao mar foi incorporado à tradição do ano novo e não é repetida somente no Rio de Janeiro, mas em todas as partes do Brasil. Segundo o Candomblé, a cor branca é utilizada para representar o luto pela morte que permite o renascimento e continuação da vida.

Década de 1980[editar | editar código-fonte]

Quem começou com a tradição dos fogos de artifício foi o Mario da antiga churrascaria By Marius, em 1978, reunindo comerciantes do Leme para levantar verbas e realizar a queima de.fogos. Na década de 1980 o antigo hotel Meridien (esquina Princesa Isabel.) iniciou sua tradicional cascata de fogos que encerrava a queima. O prédio de 39 andares recebia uma cascata de fogos que saia de seu topo e ia descendo pelos andares do arranha-céu.

Assim, outros hotéis também começaram a financiar a festa dos fogos atraindo turistas e moradores. Com o crescimento da festa a cidade do Rio de Janeiro teve de se preocupar com a segurança dos frequentadores do Réveillon de Copacabana. A partir de um grave acidente na areia, os fogos foram transferidos para balsas no meio do mar. E evitando tumultos após o show de pirotecnia, em 1993 a prefeitura programou shows na praia para que as pessoas não saíssem todas no mesmo momento. Jorge Ben e Tim Maia se apresentaram e conseguiram aliviar o fluxo.

A partir dessa experiência de grande sucesso dos concertos na virada, a prefeitura registrou o evento como oficial, levando diversas atrações todos os anos aos palcos de Copacabana.

Atrações[editar | editar código-fonte]

  • 1993-1994: O cantor britânico Rod Stewart, fez o maior show de rock gratuito da história, registrado até no Guinness, o livro dos recordes, com um público de 3,5 milhões de pessoas[1][carece de fontes?].
Rod Stewart se apresentou em 1994 para 3,5 milhões de pessoas.
  • 1994-1995: Homenagem a Tom Jobim com um show que contou com Gilberto Gil, Gal Costa, Caetano Veloso, Chico Buarque, Milton Nascimento e Paulinho da Viola.
  • 1995-1996: A prefeitura neste ano resolveu continuar apenas com o show de fogos e não colocar atrações na virada. O mesmo ocorreu no ano seguinte e também em 2021.
  • 1997-1998: A queima passou a ser produzida pela espanhola Igual Pirotecnia, utilizada até o réveillon de 2001, e retomada no réveillon de 2010.
  • 2000-2001: Houve um acidente com fagulhas e restos de explosivos que matou 1 pessoa e deixou 49 feridas. Desde esse episódio os fogos que antes eram colocados na areia, são colocados em balsas.
  • 2001-2002: Foi feita uma homenagem à Cássia Eller, que havia falecido dois dias antes. Gabriel, o Pensador e Zeca Baleiro se apresentaram no palco de Copacabana um ano após o acidente, que causou a queima de fogos em balsas a partir desse ano. Foram 4 balsas que detonaram mais de 70 toneladas de explosivos.
  • 2002-2003: O palco da praia mais famosa do Brasil contou com shows de Lenine, Jorge Ben Jor e Cidade Negra.
  • 2003-2004: Lulu Santos, a escola de samba Beija-flor, Jorge Aragão e a banda Los Hermanos compuseram a lista de atrações daquele ano.
  • 2004-2005: Alcione, Dudu Nobre, Elba Ramalho e Barão Vermelho se apresentaram na virada do ano. Houve uma queima de fogos de 15 minutos, mas, como o tempo estava muito quente, proporcionou muita fumaça preta em direção á praia na hora do show pirotécnico, e rendeu vaias do público.
  • 2005-2006: A festa contou com Fernanda Abreu e Emílio Santiago no palco da orla e houve uma queima de fogos com duração de 15 minutos.
  • 2006-2007: Logo após a queima de fogos, o público da praia se deslocou para a Praia de Ipanema prestigiar o show dos Black Eyed Peas. A chuva, problemas no som e shows menos populares esvaziaram Copacabana.
  • 2007-2008: MC Leozinho e o sambista Diogo Nogueira. A maior queima de fogos da história foi nessa edição, em que os fogos começaram um minuto e meio antes da hora e explodiram quase de uma vez, com explosões nas balsas, tanto que nos últimos minutos quase não se viam mais fogos, mas o espetáculo ainda durou quase 25 minutos.
  • 2008-2009: Teve Grupo Revelação e Mart'nália. Também teve mais de 20 minutos de fogos. A falta de sincronismo e a fumaça em parte do céu diminuíram um pouco a empolgação do público.
  • 2009-2010: Os Paralamas do Sucesso, Lulu Santos e Arlindo Cruz tocaram para mais de 1 milhão de pessoas. A queima de fogos durou 15 minutos e foi administrada pela mesma empresa espanhola que administrava o Réveillon entre 1997 e 2000.
  • 2010-2011; Apresentação do cantor Roberto Carlos e o lançamento oficial da logomarca dos Jogos Olímpicos Rio 2016. Pela primeira vez, os fogos sincronizavam com músicas clássicas em Copacabana.
  • 2011-2012: A festa contou com Beth Carvalho, David Guetta, O Rappa, Banda Blitz e Bloco Sargento Pimenta se apresentando no palco. Contou com uma trilha sonora que também foi usada na virada de 2018/2019
  • 2012-2013: O palco contou com Claudia Leitte e Sorriso Maroto. Teve público recorde do século, 2.3 milhões de pessoas. Contou com a trilha sonora de Os Vingadores, também tocada no réveillon de 2018 para 2019,
  • 2013-2014: O tema do Réveillon foi o filme Rio 2, que estreou em 27 de março de 2014. No palco, se apresentaram Carlinhos Brown, Lulu Santos, Nando Reis e Dream Team do Passinho. A trilha sonora dos fogos foi entoada por músicas que puderam ser ouvidas no primeiro filme da franquia. O recorde da presença de 2.3 milhões de pessoas se repetiu.
  • 2014-2015: Maria Rita e os Titãs fizeram o réveillon daquele ano em dois palcos simultâneos. A primeira parte da trilha sonora para o show piromusical contou com 9 minutos de músicas que puderam ser ouvidas nas cerimônias de abertura e encerramento dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de Londres 2012, já a segunda parte foi composta especialmente para a queima de fogos, entoando canções que representam a Cidade Maravilhosa, e terminando com uma versão de música clássica do Parabéns Pra Você. Uma das balsas pegou fogo no meio do espetáculo, mas ninguém se feriu.
  • 2015-2016: O tema deste ano foi o centenário do Samba e os Jogos Olímpicos Rio 2016. Seu Jorge e Zeca Pagodinho foram as atrações principais do evento. A primeira parte da trilha sonora da queima foi composta por músicas clássicas brasileiras e olímpicas, a segunda parte foi dedicada ao samba e funk.
  • 2016-2017: Por causa da crise financeira, a prefeitura montou apenas um palco e uma queima de fogos de 12 minutos. A trilha sonora da queima contou com músicas já usadas em 2010, 2013 e 2014, incluindo uma inédita. Teve um show do Grande Encontro entre Elba Ramalho, Alceu Valença e Geraldo Azevedo.
  • 2017-2018: A queima de fogos contou com 11 balsas, 10 telões espalhados pela praia, além de contar com 25 toneladas que fizeram um lindo espetáculo de 17 minutos e o público de 2,4 milhões de pessoas (segundo a RioTUR) que foram as areias de Copacabana presenciar a chegada de 2018. As atrações foram: DJ Tucho, Alex Cohen, Ana Petkovic, Belo, Cidade Negra, Frejat. logo após a queima de fogos, quem animou o público que foi até Copacabana foi a cantora Anitta, G.R.E.S. Portela, G.R.E.S. Mocidade Independente de Padre Miguel (vencedoras do carnaval 2017) e pra finalizar a noite, DJ Luiz Henrique, às 02h50.
  • 2018-2019: A queima de fogos durou 14 minutos, contando com trilha sonora de músicas já tocadas em 2010 e em 2012, além de uma inédita.
  • 2019-2020: Para celebrar 2020, o espetáculo contou quatro palcos, além das apresentações de artistas, como Gilberto Gil, Diogo Nogueira, Ferrugem, DJ Marlboro e, entre os intervalos e fechamento do evento, a apresentação do DJ Luiz Henrique, que já havia participado da edição de 2017-2018. O tema da festa foi "Amar a cada vista". a queima de fogos teve a mesma duração de 14 minutos na virada de 2018 para 2019, além do show pirotécnico ainda contar com desenhos tridimensionais. Houve um recorde no público: quase 3 milhões de pessoas estiveram presente na praia durante a despedida de 2019.
  • 2020-2021: Devido à pandemia, não houve comemorações de ano novo na praia de Copacabana para evitar aglomerações. Em julho, a prefeitura do Rio chegou a anunciar uma live musical sem a presença de público e com show de luzes na praia no lugar dos fogos, mas, com o aumento no número de casos de Covid-19, o projeto foi cancelado.
  • 2021-2022: Pelo segundo ano consecutivo, também por causa da pandemia, os shows musicais foram cancelados. No entanto, foi confirmada a queima de fogos com duração de 16 minutos. Além do show pirotécnico, 25 Torres de som serão espalhadas em toda a orla para a trilha sonora na virada.

Números[editar | editar código-fonte]

A partir do início do milênio a tradicional queima de fogos passou a ser feita em balsas distantes da praia para evitar acidentes. Ao todo 24 toneladas de fogos em 11 balsas fazem o show pirotécnico que dura 16 minutos.

Para organizar os 2.330 fogos são necessários 90 dias de preparação e uma equipe de 1,5 mil pessoas.

Os turistas deixam na cidade cerca de 650 milhões de dólares todos os anos no período, atualmente há três palcos com diversas atrações durante a noite toda. São colocados cerca de 500 banheiros químicos e os recolhidos ao final da festa 360 toneladas de lixo. [2]

Referências