Catedral Sé de Olinda

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Sé de Olinda)
Ir para: navegação, pesquisa
Catedral Sé de Olinda
Fachada atual da Sé de Olinda, recuperada através de grande projeto de pesquisa arqueológica iniciado em 1967, que retomou traços do que possivelmente fora o templo no século XVI.
Estilo dominante Maneirista
Início da construção 1537
Fim da construção Século XVIII
Reconstrução
Inauguração 1540
Religião Católica
Diocese Arquidiocese de Olinda e Recife
Arcebispo Antônio Fernando Saburido
Abade Dom Bruno Carneiro Lira, OSB
Website www.arquidioceseolindarecife.org
Geografia
País  Brasil
Cidade Olinda
Endereço Alto da Sé, s/n.

A Catedral Sé de Olinda ou Sé de Olinda é um templo católico localizado em Olinda, no estado de Pernambuco, da Arquidiocese de Olinda e Recife.

Histórico[editar | editar código-fonte]

Igreja da Sé em ruínas após o grande incêndio provocado pelos neerlandeses em 1631 — no contexto da Invasão Holandesa —, pelo pintor Frans Post.
Altar lateral (Capela de São Salvador do Sacramento), o único que ainda preserva sua decoração barroca em boas condições.

A primeira edificação destinada ao culto erguida no local da Sé atual era uma capela simples, construída na técnica da taipa de mão. Foi levantada entre 1537 e 1540, sendo dedicada a Jesus Cristo como Salvador do Mundo. Uma vez que a taipa é material de pouca resistência, a capela logo começou a decair, e foi substituída por outro templo em 1584, maior, de alvenaria e com várias capelas secundárias, erguido por iniciativa do Frei Antônio Barreiro, terceiro Bispo do Brasil.

Em 1591 foi acrescentada uma abóbada na capela-mor, obra de Braz da Mata, um português de Lisboa, e em 1599 a nave foi amplidada. Em 1616 foram construídas a sacristia e dependências anexas por Cristóvão Álvares, e pouco mais tarde foi elevada a Matriz de São Salvador do Mundo.

Com a invasão holandesa a igreja foi profanada e usada mesmo como estrebaria, e sua decadência se completou no incêndio que consumiu parte da cidade em 1631, da Matriz não restando quase nada. Depois da expulsão dos holandeses a cidade reergueu a igreja com grandes esforços, e as obras se prolongaram até o século XVIII. Neste ínterim, em 1676, com a criação do Bispado de Olinda, a antiga Matriz foi elevada à condição de Catedral.

Mais tarde o prédio teve a fachada substituída e sofreu diversas outras intervenções também no interior, que foram levadas a cabo pelo Arcebispo Dom Miguel de Lima Valverde em 1919, e descaracterizaram largamente o estilo original. Contudo, entre 1974 e 1976 a edificação foi restaurada, readquirindo até onde foi possível suas feições originais de transição entre a renascença e o barroco (período maneirista), dentro do Programa de Restauração das Cidades Históricas do Governo Federal em conjunto com a Fundação Nacional de Arte de Pernambuco (FUNDARPE).

Características[editar | editar código-fonte]

A fachada se divide em três blocos principais, com o corpo da catedral ladeado por duas torres sineiras iguais. As torres, com pilastras em relevo nos cantos, são de secção quadrada e mostram somente duas estreitas aberturas retangulares sobrepostas até o nível do coruchéu, que tem aberturas em arco redondo para os sinos e um arremate superior prismático, com pequenos pináculos nos cantos. O corpo da igreja tem no nível térreo três portas, sendo a central maior e em arco, e encerrada em um frontispício com dois pares de colunas jônicas. Sobre as portas laterais, janelas quadradas que se ligam à cornija que delimita o nível do frontão de empenas retas, com óculo inscrito, cruz no topo e pináculos laterais.

O interior é dividido em três naves, separadas por arcadas com colunas toscanas de pedra. A decoração original desapareceu em grande parte, mas especialmente nas capelas laterais ainda existem remanescentes da decoração com azulejos, alguns painéis pintados, elementos de talha dourada e estatuária antiga.

A nave central possui um clerestório, sinal de influência romano-gótica, e um teto forrado de vinte e quatro painéis com ilustrações do Evangelho, como a partida do Egito e o desterro de Nossa Senhora. Na capela-mor permanecem o trono episcopal e outras cadeiras com fina lavra em jacarandá, e as tumbas dos bispos Dom Mathias de Figueiredo e Mello (em sepultura rasa), Dom Francisco Xavier Aranha e Dom João da Purificação Marques Perdigão (em jazigos nas paredes).

Na sacristia, à direita do templo, se preservam ainda uma grande bancada entalhada em jacarandá, pinturas e objetos de culto.

Vista Panorâmica do Alto da Sé, a partir do mirante do Elevador de Olinda, com a Igreja da Sé em destaque.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Catedral Sé de Olinda

Ligações externas[editar | editar código-fonte]