Santa Maria de Jetibá

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Santa Maria de Jetibá
  Município do Brasil  
Símbolos
Bandeira de Santa Maria de Jetibá
Bandeira
Brasão de armas de Santa Maria de Jetibá
Brasão de armas
Hino
Gentílico santa-mariense [1]
Localização
Localização de Santa Maria de Jetibá no Espírito Santo
Localização de Santa Maria de Jetibá no Espírito Santo
Santa Maria de Jetibá está localizado em: Brasil
Santa Maria de Jetibá
Localização de Santa Maria de Jetibá no Brasil
Mapa de Santa Maria de Jetibá
Coordenadas 20° 02' 27" S 40° 44' 45" O
País Brasil
Unidade federativa Espírito Santo
Municípios limítrofes Santa Leopoldina, Santa Teresa, Itarana, Domingos Martins e Afonso Cláudio
Distância até a capital 80 km
História
Fundação 6 de maio de 1988
Administração
Prefeito(a) Hilário Roepke (MDB, 2017 – 2020)
Características geográficas
Área total [2] 735,552 km²
População total (IBGE/2014[3]) 38 290 hab.
Densidade 52,06 hab./km²
Clima Tropical de Altitude (Cwa)
Altitude 700 m
Fuso horário Hora de Brasília (UTC−3)
Indicadores
IDH (PNUD/2010[4]) 0,671 médio
 • Posição ES: 51º
PIB (IBGE/2008[5]) R$ 662,945,689 mil
PIB per capita (IBGE/2008[5]) R$ 19 165,24

Santa Maria de Jetibá é um município brasileiro do estado do Espírito Santo. Sua população estimada em 2014 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) era de 38 290 habitantes.

História[editar | editar código-fonte]

Em 1872 e 1873 desembarcaram no porto de Vitória algumas centenas de famílias alemãs. Esses alemães eram provenientes em sua maioria da Pomerânia, então pertencente à Prússia e atualmente território da Polônia. Ao todo, chegaram ao estado do Espírito Santo 4 mil pomeranos. Os pomeranos eram um povo que vivia isolado entre a Alemanha e a Polônia, com hábitos culturais diferentes do restante da população.

Embora não se considerassem alemães, pois não havia de fato uma unificação alemã a época, os imigrantes pomeranos, assim como os de outras localidades, eram tratados como tal e foram enviados para o alto das serras, onde já tinham se instalado outros imigrantes alemães, numa região isolada por florestas. Na região das serras, antigamente habitada pelo índios botocudos (que foram dizimados), os colonos alemães passaram a se multiplicar em larga escala. Famílias com doze a vinte filhos eram comuns e, ainda hoje, os descendentes de pomeranos formam a maioria da população na região.

Na colônia houve uma divisão étnica: de um lado do rio Jucu viviam os alemães provenientes do Hunsrück e do outro lado os colonos provenientes da Pomerânia. Todavia, os pomeranos estavam em maior número e, com o passar do tempo, os hunsrückers foram assimilados pelos pomeranos. Os colonos viviam em uma região isolada por florestas e esse isolamento criou enormes dificuldades para o desenvolvimento dessa colônia. Os pomeranos vieram para o Brasil fugindo da miséria na Europa e acabaram encontrando no país abandono e passaram por grandes dificuldades.

Porém, esse isolamento contribuiu fortemente para a cultura da região: mantendo pouco contato com o restante da população brasileira, os pomeranos conseguiram manter sua cultura e idioma preservados. Ainda hoje, os descendentes dos pomeranos levam um estilo de vida muito semelhante ao dos imigrantes que ali chegaram no fim do século XIX, vivendo basicamente da agricultura de subsistência e frequentando os cultos luteranos.

Hoje estima-se que vivem no Espírito Santo aproximadamente 250 mil descendentes de imigrantes alemães, dos quais 120 mil são pomeranos.

Em 2018, um projeto de lei encaminhado pela Prefeitura Municipal à Câmara de vereadores e sancionado pelo executivo, tornou o hino da Pomerânia como co-oficial de Santa Maria de Jetibá.[6]

Formação administrativa[editar | editar código-fonte]

Até 1943, a localidade era conhecida como Jequitibá, sendo um distrito do município de Cachoeiro de Santa Leopoldina (depois denominado apenas Santa Leopoldina).

Pela Lei Estadual nº. 4067 de 6 de maio de 1988, o distrito é elevado à categoria de município com a atual denominação de Santa Maria de Jetibá. Além da sede, figura no município de Santa Maria de Jetibá o distrito de Garrafão.[7]

Demografia[editar | editar código-fonte]

A maioria da população é descendente de pomeranos e alemães.[8][9]

Cor/Raça Percentagem
Brancos 81,8%
Negros 1,9%
Pardos 15,6%
Amarelos 0,7%

Fonte: Censo 2010

Geografia[editar | editar código-fonte]

A sede da cidade é localizada a 700 metros de altitude e o ponto mais alto é a Pedra do Garrafão, com 1 450 metros de altitude. O ponto mais baixo é a divisa com Santa Leopoldina, que fica a 300 metros de altitude. Como os demais municípios da região serrana do Estado, Santa Maria de Jetibá tem um clima ameno, influenciado principalmente pela altitude. É o quinto município mais elevado do Estado em termos de altitude na sede, perdendo apenas para Venda Nova do Imigrante, que está a 730 metros acima do nível do mar, Ibatiba com 740 metros e Dores do Rio Preto com 774 metros acima do nível do mar e Ibitirama com 770 metros de altitude.

Clima[editar | editar código-fonte]

Santa Maria de Jetibá tem um clima tropical de altitude (ou subtropical úmido), tipo Cwa segundo a classificação climática de Köppen-Geiger, registrando temperaturas entre as mais amenas no Espírito Santo, por causa da altitude. Possui verões relativamente quentes e úmidos e invernos secos e amenos. A primavera e o outono são estações de transição, apresentando características simultâneas do inverno e do verão ao longo de seus dias.

Gráfico climático para Santa Maria de Jetibá
JFMAMJJASOND
 
 
188
 
29
18
 
 
103
 
28
18
 
 
125
 
27
17
 
 
88
 
26
15
 
 
60
 
25
13
 
 
36
 
24
12
 
 
49
 
24
13
 
 
48
 
25
14
 
 
66
 
25
16
 
 
125
 
26
17
 
 
193
 
27
17
 
 
209
 
26
16
Temperaturas em °CPrecipitações em mm
Fonte: Climate-data.org

Idioma[editar | editar código-fonte]

Santa Maria de Jetibá é uma cidade bilíngue. É uma das poucas comunidades falantes do Pomerano no Brasil, ao lado de Laranja da Terra, de Pomerode em Santa Catarina, e de cidades do Rio Grande do Sul, como São Lourenço do Sul, Arroio do Padre e Canguçu. A língua atualmente conta com uma proposta de grafia elaborada pelo etnolinguista Ismael Tressmann. A grafia elaborada pelo pesquisador culminou na publicação de um dicionário pomerano/português. Nas escolas municipais de Santa Maria de Jetibá são ofertadas aulas em língua pomerana. A cidade também possui estação de rádio em língua pomerana, a Pommer Rádio.[10]

Turismo[editar | editar código-fonte]

A cidade conta vários pontos turísticos como o Horto Florestal (reserva de preservação encontrado na comunidade de São Luís), , Pedra do Garrafão, e diversas cachoeiras espalhadas pelo interior do município.

Referências

  1. [[1]]
  2. IBGE (10 de outubro de 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  3. «Estimativa populacional 2014 IBGE». Estimativa populacional 2014. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2014. Consultado em 29 de agosto de 2014 
  4. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil» (PDF). Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2010. Consultado em 2 de agosto de 2013 
  5. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 de dezembro de 2010 
  6. Lei aprovada no Município institui hino da Pomerânia como co-oficial, Prefeitura Municipal de Santa Maria de Jetibá, acessado em 21 de outubro de 2019
  7. «Espírito Santo » Santa Maria de Jetibá » Infográficos: Histórico»  IBGE.
  8. «Santa Maria de Jetibá realiza a II PomerBR». Consultado em 15 de outubro de 2012. Arquivado do original em 16 de março de 2017 
  9. «Santa Maria de Jetibá realiza 23ª Festa Pomerana». Consultado em 20 de maio de 2019. Arquivado do original em 4 de março de 2014 
  10. Pommer Rádio, programação[ligação inativa]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]