Sinclair Lewis

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Sinclair Lewis Medalha Nobel
Pseudónimo(s) Tom Graham
Nascimento 7 de fevereiro de 1885
Sauk Centre, Minnesota, Estados Unidos
Morte 8 de março de 1976 (55 anos)
Roma, Itália
Nacionalidade norte-americano
Cônjuge
  • Grace Livingstone Hegger
  • Dorothy Thompson
Alma mater Universidade de Yale
Ocupação escritor e dramaturgo
Gênero literário ficção
Magnum opus Rua Principal (1920)
Assinatura
Sinclair Lewis signature.svg

Harry Sinclair Lewis (Sauk Centre, 7 de fevereiro de 1885Roma, 10 de janeiro de 1951) foi um escritor e dramaturgo norte-americano.

Em 1930, foi o primeiro escritor dos Estados Unidos e o primeiro das Américas, a receber um Prêmio Nobel de Literatura.[1] Seus trabalhos são conhecidos por tecerem críticas ao capitalismo e materialismo norte-americano do período entreguerras. Também era conhecido e respeitado por suas personagens femininas da classe trabalhadora.[2]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Lewis nasceu na vila de Sauk Centre, no Minnesota, em 1885. Era filho de Edwin J. Lewis, médico que autoritário que tinha grandes dificuldades em lidar com seu filho sensível e pouco atlético. Sua mãe, Emma Kermott Lewis, morreu em 1891 e no ano seguinte seu pai se casou com Isabel Warner, cuja companhia Lewis aparentemente gostava. Ele também tinha dois irmãos mais velhos. Fred (nascido e 1875) e Claude (nascido em 1878).[3]

Sua infância foi solitária. Desde muito jovem, gostava de ler livros e de manter um diário. Na adolescência, Lewis era muito magro, muito alto e era acometido por acne, o que tornou difícil sua socialização, principalmente entre as garotas. Aos 13 anos, fugiu de casa, querendo se tornar baterista na Guerra Hispano-Americana, mas seu pai o encontrou e o fez voltar.[3]

No final de 1902, Lewis saiu de casa para se matricular na Oberlin Academy, uma escola preparatória do Oberlin College que preparava alunos que tentariam ingressar na Universidade de Yale. No Oberlin, ele desenvolveu um entusiasmo religioso que aumentou e diminuiu durante a maior parte de sua adolescência. Lewis ingressou em Yale em 1903, mas não obteve seu diploma de bacharelado até 1908, tendo tirado vários períodos longe da universidade para viajar.[3]

Sua aparência pouco atraente, os modos do campo e a loquacidade aparentemente presunçosa dificultavam para Lewis fazer e manter amigos em Oberlin e Yale. Ele teve algumas amizades relativamente duradouras entre alunos e professores, alguns dos quais reconheceram seu talento como escritor.[3]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Os primeiros trabalhos criativos publicados de Lewis - poesia romântica e pequenos esboços - apareceram na Yale Courant e na Yale Literary Magazine]], da qual ele se tornou editor. Após a formatura, Lewis mudou de emprego em emprego e de um lugar para outro em um esforço para sobreviver, escrevendo ficção para publicação e para afastar o tédio. Enquanto trabalhava em redações e editoras, ele desenvolveu uma habilidade para publicar histórias populares superficiais que eram compradas por uma variedade de revistas. Lewis também ganhou dinheiro vendendo enredos para Jack London, incluindo uma para o romance inacabado de London The Assassination Bureau, Ltd.[3]

Seu primeiro livro publicado foi Hike and the Aeroplane, em 1912, sob o pseudônimo de Tom Graham, um livro "caça-níquel" de qualidade duvidosa. Seu primeiro livro sério foi Our Mr. Wrenn, publicado em 1914, seguido de The Trail of the Hawk, 1915 e The Job, em 1917. No mesmo ano, ele lançou outro romance "caça-níquel", The Innocents: A Story for Lovers, originalmente publicado de maneira seriada em revistas. Free Air, outro livro seriado, foi publicado em 1919.[3]

Sucesso comercial[editar | editar código-fonte]

Ao se mudar para Washington, D.C., Lewis se dedicou a escrever. Já em 1916, ele começou a tomar notas para um romance realista sobre a vida em uma pequena cidade. O trabalho nesse romance continuou até meados de 1920, quando ele completou Main Street, que foi publicado em 23 de outubro de 1920.[4] Nos primeiros seis meses, o livro vendeu 125 mil cópias e em alguns anos teria vendido milhões.[3]

Nobel de Literatura[editar | editar código-fonte]

Em 1930, Lewis ganhou o Prêmio Nobel de Literatura, tornando-se o primeiro norte-americano a receber o prêmio. Ele foi nomeado por Henrik Schück, membro da Academia Sueca.[5] Em seu discurso de agradecimento, Lewis teceu fortes críticas o mercado literário norte-americano, onde havia um temor de qualquer literatura considerada "não americana" o suficiente.[6]

Últimos anos[editar | editar código-fonte]

Depois de ganhar o Nobel, Lewis escreveu mais 11 romances, dez deles publicados ainda em vida. O mais lembrado deste período é It Can't Happen Here (1935), um livro que conta a eleição do primeiro fascista como presidente.[3][7]

Depois de uma bebedeira severa em 1937, Lewis se internou para tratamento no Austen Riggs Center, um hospital psiquiátrico em Stockbridge, Massachusetts. Seus médicos deram-lhe uma avaliação direta de que ele precisava decidir "se ele iria viver sem álcool ou morrer por causa dele". Dez dias depois, ele recebeu alta, sem compreender seu problema com a bebida.[8]

Em 1940, Lewis visitou um velho conhecido, William Ellery Leonard, em Madison, Wisconsin. William então combinou uma reunião de Lewis com o reitor da Universidade de Wisconsin-Madison e o levou a um tour pelo campus. Lewis se encantou com a universidade e com a cidade, recebendo um convite para ficar e lecionar no curso de escrita criativa que abriria no próximo semestre. Lewis ficou animado por seu cargo de professor, mas subitamente, um mês depois, em novembro, após ministras apenas cinco aulas aos seus 24 alunos, ele lhes disse que já tinha ensinado tudo o que sabia e deixou a cidade no dia seguinte.[9]

Na década de 1940, ele se estabeleceu em Duluth, Minnesota, onde escreveu o livro Kingsblood Royal (1947), livro que se tornou influente durante os movimentos pelos direitos civis.[10]

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Em 1914, Lewis se casou com Grace Livingston Hegger (1887–1981), editora da revista Vogue, com quem teve um filho, Wells Lewis (1917–1944), nomeado em homenagem ao escritor britânico H. G. Wells. Lewis e Grace se divorciaram em abril de 1925. Wells Lewis era tenente do Exército dos Estados Unidos durante a Segunda Guerra Mundial e morreu em 29 de outubro de 1944 nos esforços Aliados de resgate de companheiros na França.[11]

Em 14 de maio de 1928, ele se casou com Dorothy Thompson, colunista de política em um jornal. Eles tiveram um filho, Michael Lewis (1930–1975), que se tornaria ator de teatro. O casamento acabou em 1937 e eles se divorciaram em 1942.[12]

Morte[editar | editar código-fonte]

O alcoolismo debilitou muito a saúde de Lewis e médicos já tinham lhe avisado sobre as consequências da bebida. Lewis morreu em 10 de janeiro de 1951, em Roma, aos 65 anos, devido a um infarto causado por uma pneumonia.[13] Seu corpo foi cremado e suas cinzas sepultadas no Cemitério de Greenwood, em Sauk Centre, Minnesota. Seu último livro, World So Wide (1951), foi publicado postumamente.

Legado[editar | editar código-fonte]

Comparado com seus contemporâneos, sua reputação sofreu um grande declínio entre os estudiosos da literatura do século XX. Apesar de sua popularidade na década de 1920, no começo do século XXI suas obras foram eclipsadas pela proeminência de escritores com menor sucesso comercial no mesmo período, como F. Scott Fitzgerald e Ernest Hemingway.[14][15]

O interesse em seus trabalhos foi renovado a partir de 2010, principalmente sua distopia satírica de 1935, It Can't Happen Here. Depois da eleição de 2016, o livro se tornou um dos mais vendidos nos Estados Unidos.[16]

Obras[editar | editar código-fonte]

Romances[editar | editar código-fonte]

  • 1912: Hike and the Aeroplane (juvenil, como Tom Graham)
  • 1914: Our Mr. Wrenn: The Romantic Adventures of a Gentle Man
  • 1915: The Trail of the Hawk: A Comedy of the Seriousness of Life
  • 1917: The Job: An American Novel
  • 1917: The Innocents: A Story for Lovers
  • 1919: Free Air, publicado em série em The Saturday Evening Post, Maio 31, Junho 7, Junho 14 e Junho 21, 1919
  • 1920: Main Street: The Story of Carol Kennicott]]
  • 1922: Babbitt publicado em Cosmopolitan, Outubro 1922
  • 1925: Arrowsmith
  • 1926: Mantrap, publicado em série em Collier's, 1926
  • 1927: Elmer Gantry
  • 1928: The Man Who Knew Coolidge: Being the Soul of Lowell Schmaltz, Constructive and Nordic Citizen
  • 1929: Dodsworth
  • 1933: Ann Vickers publicado em série em Redbook, Agosto, Novembro e Dezembro 1932
  • 1934: Work of Art
  • 1935: It Can't Happen Here (Não Pode Acontecer Cá), (onde ele critica o fascismo)
  • 1938: The Prodigal Parents
  • 1940: Bethel Merriday
  • 1943: Gideon Planish
  • 1945: Cass Timberlane: A Novel of Husbands and Wives, publicado em Cosmopolitan, Julho 1945.
  • 1947: Kingsblood Royal
  • 1949: The God-Seeker
  • 1951: World So Wide (postumamente)

Referências

  1. «Sinclair Lewis Biographical». Nobel Prize. Consultado em 2 de dezembro de 2021 
  2. «Sinclair Lewis». Biography. Consultado em 2 de dezembro de 2021 
  3. a b c d e f g h Schorer, Mark (1962). Sinclair Lewis, a collection of critical essays. Hoboken, Nova Jersey: Prentice Hall Direct. ISBN 978-0135352786 
  4. «The Romance of Sinclair Lewis». The New York Review of Books. Consultado em 2 de dezembro de 2021 
  5. «Nomination Database». Nobel Prize. Consultado em 2 de dezembro de 2021 
  6. «Nobel Lecture: The American Fear of Literature». Nobel Prize. 12 de dezembro de 1930. Consultado em 2 de dezembro de 2021 
  7. «Sinclair Lewis, First American to Win Nobel Prize for Literature». Thoughtco. Consultado em 2 de dezembro de 2021 
  8. Lingeman, Richard R. (2005). Sinclair Lewis: Rebel From Main Street. Nova York: Borealis Books. 702 páginas. ISBN 978-0873515412 
  9. Hove, Arthur (1991). The University of Wisconsin: A Pictorial History. [S.l.]: University of Wisconsin Press. pp. 493–495. ISBN 9780299130008 
  10. Jim McAllister (ed.). «Essex County Chronicles: Late Salem priest had a remarkable life». Salem News. Consultado em 2 de dezembro de 2021 
  11. Steidl, Franz (2008). Lost Battalions: Going for Broke in the Vosges, Autumn 1944. New York: Random House. p. 292. ISBN 978-0891417279 
  12. Cott Nancy (ed.). «A Good Journalist Understands That Fascism Can Happen Anywhere, Anytime: On the 1930s Antifascist Writing of Dorothy Thompson». Literary Hub. Consultado em 2 de dezembro de 2021 
  13. «Author of 'Main Street* Was Nobel Prize Winner Sinclair Lewis, Famed Author, Dies In Italy». Madera Tribune. 10 de janeiro de 1951. Consultado em 2 de dezembro de 2021 
  14. Benjamin Schwarz, ed. (1 de fevereiro de 2002). «Sheer Data». The Atlantic. Consultado em 2 de dezembro de 2021 
  15. «Our Damaged Nobel Laureate». Los Angeles Times. 31 de março de 2002. Consultado em 2 de dezembro de 2021 
  16. Brian Stelter, ed. (28 de janeiro de 2017). «Amazon's best-seller list takes a dystopian turn in Trump era». CNNMoney. Consultado em 2 de dezembro de 2021 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Sinclair Lewis
Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Sinclair Lewis

Precedido por
Thomas Mann
Nobel de Literatura
1930
Sucedido por
Erik Axel Karlfeldt