White Light/White Heat

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
White Light/White Heat
Álbum de estúdio de The Velvet Underground
Lançamento 30 de Janeiro de 1968
Gravação Scepter Studios, Nova York
Duração 40:13
Gravadora(s) Verve
Produção The Velvet Underground
Opiniões da crítica

O parâmetro das opiniões da crítica não é mais utilizado. Por favor, mova todas as avaliações para uma secção própria no artigo. Veja como corrigir opiniões da crítica na caixa de informação.

Cronologia de The Velvet Underground
The Velvet Underground and Nico
(1967)
The Velvet Underground
(1969)

White Light/White Heat é o segundo álbum de estúdio da banda de rock & roll norte-americana The Velvet Underground, lançado em janeiro de 1968.

Sobre o álbum[editar | editar código-fonte]

Após a vendas decepcionantes do primeiro álbum, The Velvet Underground and Nico, o relacionamento da banda com o produtor do disco, Andy Warhol, esmoreceu. Os velvets fizeram turnê no fim de 1967, e muitas das performances ao vivo apresentavam improvisações barulhentas, as quais se tornaram elementos-chave em White Light/White Heat. A banda eventualmente demitiu Andy Warhol e Nico e foi gravar seu segundo álbum com outro produtor, Tom Wilson. As gravações duraram apenas dois dias, com um estilo bastante diferente de The Velvet Underground and Nico. Apesar de ter vendido pouco, o som distorcido e cheio de feedbacks presente em White Light/White Heat desde então se tornou uma influência majoritária no movimento do punk rock. Em 2003, a revista Rolling Stone, em sua lista dos "500 Maiores Álbuns de Todos os Tempos", colocou em 292º lugar.

Canções[editar | editar código-fonte]

Praticamente todas as canções do álbum contêm um quê de experimentalismo ou avant-garde. "The Gift", por exemplo, contém o recital de um conto e instrumentação de rock barulhenta em dois canais de estéreo diferentes. "I Heard Her Call My Name" é notável por seus solos de guitarra distorcidos e o uso proeminente de feedback.

O álbum também é memorável pelas letras de Lou Reed, que freqüentemente enfocam temas como uso de drogas e absurdos sexuais, incluindo a canção "Lady Godiva's Operation", que fala sobre a operação para trocar de sexo de uma drag queen, e a faixa-título, que glorifica o uso de anfetaminas.

A última música é "Sister Ray", uma improvisação barulhenta de 17 minutos.

Capa[editar | editar código-fonte]

A capa de White Light/White Heat é a imagem fraca de uma tatuagem de caveira. É difícil perceber o desenho, já que ele é preto e a cor de fundo é um tom um pouco mais claro de preto.

Faixas[editar | editar código-fonte]

Todas as faixas por Lou Reed, exceto onde anotado.

Lado 1
  1. "White Light/White Heat" - 2:47
  2. "The Gift" (Reed, Morrison, Cale, Tucker) - 8:18
  3. "Lady Godiva's Operation" - 4:56
  4. "Here She Comes Now" (Reed, Morrison, Cale) - 2:04
Lado 2
  1. "I Heard Her Call My Name" - 4:38
  2. "Sister Ray" (Reed, Morrison, Cale, Tucker) - 17:27

Pessoal[editar | editar código-fonte]