Women in Red

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
logo oficial do projeto Women in Red

Women in Red (Mulheres em vermelho em português), também conhecido pelo acrônimo WiR, é um projeto para combater o problema de viés de gênero na Wikipédia, criando verbetes sobre mulheres notáveis que ainda não possuem um artigo escrito na Wikipédia. A ausência de um artigo na Wikipédia pode ser notada pela hiperligação vermelha.

História[editar | editar código-fonte]

O projeto foi concebido na Wikipédia em inglês pelos editores Roger Bamkin e Rosie Stephenson-Goodknight em 2015. Inicialmente, o nome concebido ao projeto era "Project XX", mas o nome foi alterado para Women in Red.[1]

Em 2016, Stephenson-Goodnight e Emily Temple-Wood foram premiadas por Jimmy Walespelo prêmio Wikimedista do Ano durante o evento Wikimania de 2016. Temple-Wood criou e melhorou cerca de 400 artigos na Wikipédia, especialmente sobre mulheres cientistas, LGBT e saúde das mulheres. Rosie melhorou mais de 3.000 artigos, e co-criou vários grupos para aumentar o número de editoras mulheres e artigos sobre mulheres, como o WikiProject:Women, WikiProject Women in Red, e um grupo de usuárias.[2][3]

Objetivos[editar | editar código-fonte]

O projeto tenta diminuir o viés de gênero na Wikipédia, promovendo a criação de novos artigos sobre mulheres e recrutar novas editoras mulheres. Dados da Wikimedia Foundation dizem que apenas 17% das biografias são sobre mulheres, e que entre 8,5% e 16% dos editores da Wikipédia são do sexo feminino.[4][5][3]

Uma das atividades promovidas pelo projeto são editatonas. Uma editatona ocorre em um meio virtual ou real, ensinando e incentivando a criação de artigos novos, além da melhoria de artigos já existentes.[3] Algumas dessas editatonas ocorrem em parceria com instituições, como a BBC e sua série 100 Mulheres, que promoveu a criação de 100 biografias sobre mulheres não existentes na Wikipédia.[6][7]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Flor, Aline (8 de Março de 2017). «A Wikipedia precisa de mais mulheres (nos teclados e nos ecrãs)». Publico.pt. Consultado em 18 de Outubro de 2018 
  2. Erhart, Ed (24 de junho de 2016). «Jimmy Wales names Emily Temple-Wood and Rosie Stephenson-Goodknight as Wikipedians of the Year» (em inglês). Wikimedia Foundation. Consultado em 18 de Outubro de 2018 
  3. a b c Redden, Molly (19 de março de 2016). «Women in science on Wikipedia: will we ever fill the information gap?». The Guardian. Consultado em 25 de novembro de 2017. Cópia arquivada em 8 de novembro de 2017 
  4. Andrew Lih (20 de junho de 2015). «Can Wikipedia Survive?». Washington: The New York Times. Consultado em 21 de junho de 2015. Cópia arquivada em 21 de junho de 2015. ...the considerable and often-noted gender gap among Wikipedia editors; in 2011, less than 15 percent were women. 
  5. «A ação de indianas para enriquecer perfis de mulheres na Wikipédia». Nexo Jornal. 21 de Setembro de 2017. Consultado em 18 de Outubro de 2018. uma pesquisa realizada pela própria Fundação Wikimedia em 2011 mostrou que apenas 9% de quem edita o site eram mulheres. Na Índia, essa porcentagem correspondia a 3%. 
  6. «100 Women: maratona mundial adiciona perfis de mulheres à Wikipedia». Donna. 8 de Dezembro de 2016. Consultado em 18 de Outubro de 2018 
  7. «BBC 100 Women 2016: How to join our edit-a-thon» (em inglês). BBC. 7 de Dezembro de 2016. Consultado em 18 de Outubro de 2018 

Ligação externa[editar | editar código-fonte]

https://en.wikipedia.org/wiki/Women_in_Red