007 - O Amanhã nunca Morre

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de 007 - O Amanhã Nunca Morre)
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde outubro de 2010)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.
Tomorrow Never Dies
007 - O Amanhã Nunca Morre (PT/BR)
Pôster promocional
 Reino Unido
1997 • cor • 119 min 
Direção Roger Spottiswoode
Produção Michael G. Wilson
Barbara Broccoli
Roteiro Bruce Feirstein
Baseado em James Bond de Ian Fleming
Elenco Pierce Brosnan
Jonathan Pryce
Michelle Yeoh
Teri Hatcher
Joe Don Baker
Judi Dench
Gênero Ação
Espionagem
Suspense
Idioma Inglês
Música David Arnold
Cinematografia Robert Elswit
Edição Michel Arcand
Dominique Fortin
Estúdio Eon Productions
Distribuição United Artists Pictures
United International Pictures (Reino Unido)
Lançamento Reino Unido 12 de dezembro de 1997
PortugalEstados Unidos 19 de dezembro de 1997
Brasil 16 de janeiro de 1998
Orçamento US$110 milhões
Receita US$333,011,068
Cronologia
Último
Último
GoldenEye
The World Is Not Enough
Próximo
Próximo
Site oficial
Página no IMDb (em inglês)

007 - O Amanhã Nunca Morre (Tomorrow Never Dies, no título original em inglês) é o décimo oitavo filme de James Bond no cinema. Lançado em 1997, foi dirigido por Roger Spottiswoode e tem Pierce Brosnan pela segunda vez no papel do agente da MI6 007. Na história, Bond, com a ajuda da agente especial chinesa Wai Lin, descobre que o magnata da mídia, Elliot Carver, manipula as notícias com seu império das comunicações jogando potências internacionais umas contra as outras para formar a Terceira Guerra Mundial. O filme faturou 333 milhões de dólares mundialmente.

O roteiro foi escrito por Bruce Feirstein, produzido por Michael G. Wilson e Barbara Broccoli, e foi o primeiro filme de James Bond feito após a morte do produtor Albert R. Broccoli, para quem o filme presta homenagem nos créditos finais. Locações incluídas são França, Tailândia, Alemanha, México e Reino Unido. O Amanhã Nunca Morre teve um bom desempenho nas bilheterias e ganhou uma nomeação para os prêmios Globo de Ouro apesar de críticas mistas. Enquanto o seu desempenho na bilheteria doméstica superou a de seu antecessor, GoldenEye,[1] foi o único filme de Bond com Pierce Brosnan que não abriu em primeiro lugar nas bilheterias, que foi lançado no mesmo dia que Titanic, mas em segundo lugar.[2]

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Na sequência pré-créditos, M envia 007 para um bazar de armas na fronteira russa. Dentre as figuras identificadas pelas imagens de satélite e TV está o terrorista americano Henry Gupta, que compra um decodificador de GPS.

A marinha britânica lança um míssil para o local, mas Bond percebe duas ogivas nucleares soviéticas num jato Aero L-39 Albatros. Como o míssil britânico não pode ser impedido, Bond sequestra o jato e pilota-o para longe após lutar com o co-piloto para impedir que as bombas explodam causando um desastre radioativo. Muitas das armas e terroristas são destruídos pelo míssil, mas Gupta foge.

Elliot Carver, magnata da mídia líder do Carver Media Group Network (CMGN), quer usar o decodificador adquirido por Gupta para provocar uma guerra entre a China e o Reino Unido. Como o atual governo chinês não quer deixar a CMGN ter direitos exclusivos de exibição no país, Carver que substituí-los por políticos mais favoráveis. Com o decodificador, uma fragata inglesa é desviada até o Mar da China Meridional. Lá, um barco stealth liderado por Stamper, capanga de Carver, afunda o navio com uma broca e destrói um Mig chinês que fora investigar. Pensando ter sido um ataque chinês, o Almirante Roebuck dá a M 48 horas para investigar.

Como a Carver Media deu notícias do ocorrido bem rápido e o MI6 percebeu um sinal suspeito em um satélite da CMGN durante o ataque, M manda Bond investigar Carver. Em uma festa da CMGN em Hamburgo, Bond seduz e faz amor com Paris, uma ex-namorada sua e atual esposa de Carver, e com a ajuda de informações dela recupera o decodificador na sede do jornal de Carver. Quando Carver descobre, manda matar os dois, e Paris é morta pelo assassino profissional Kaufman, mas Bond escapa. Bond pula no mar da China para investigar os destroços, e descobre que alguns mísseis estão faltando. Após emergir, Bond e a agente chinesa Wai Lin, também enviada para o local por seu governo, são capturados pelos homens de Carver e mandados para a sede da CMGN no Vietnã. Os dois escapam, e decidem resolver o caso juntos.

Após informarem a marinha britânica e a força aérea chinesa dos planos de Carver, Bond e Wai Lin descobrem o barco stealth, e o invadem para impedí-lo de bombardear Beijing com um míssil britânico. Bond explode parte do casco do barco e o expõe aos radares, mas Wai Lin é capturada. Bond pega Gupta como refém, mas Carver mata Gupta dizendo que "sua utilidade acabou". Segue-se uma batalha entre Bond e a tripulação, na qual Carver é morto por sua própria broca. Enquanto Bond tenta explodir o míssil, Stamper revela estar com Wai Lin. Bond e Stamper lutam enquanto o segundo tenta afogar Wai Lin. Bond prende o rival no lançador de mísseis e vai salvar a chinesa enquanto a marinha britânica destrói o barco. Os dois agentes sobrevivem em meio aos destroços e fazem amor.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Produção[editar | editar código-fonte]

Depois que GoldenEye foi muito bem sucedido em ressuscitar a série 007, logo os produtores foram pressionados a fazer outro filme de James Bond. Essa pressão veio tanto da MGM, que havia sido vendida para o bilionário Kirk Kerkorian e queria o filme pronto com o lançamento de ações ao público, quanto dos espectadores.

O diretor de GoldenEye, Martin Campbell, não quis voltar, com seu agente declarando que o diretor não queria fazer dois filmes de 007 seguidos. Roger Spottiswoode foi anunciado em 1996.

Roteiro[editar | editar código-fonte]

O roteiro é creditado apenas a Bruce Feirstein (roteirista final de GoldenEye), que fez o primeiro script e o texto final (após passar pelas mãos de Spottiswoode, Nicholas Meyer após uma brainstorm com sete roteiristas de Hollywood, Dan Petrie Jr e David Campbell Wilson). Sem nenhuma inspiração de qualquer livro de Ian Fleming, ficou pronto pouco antes do início das filmagens, principalmente porque um dos eventos que ele citava, a devolução de Hong Kong aos chineses, ocorreu em Janeiro de 1997. Feirstein baseou Elliot Carver em Robert Maxwell, barão da mídia britânico que também foi membro do Parlamento (a suposta causa mortis de Maxwell é usada na história que M fabrica para a morte de Carver, "caiu de seu iate"), mas a maioria dos críticos o considerou uma paródia ao australiano Rupert Murdoch, da News Corporation.

O título é o primeiro sem ligação com Ian Fleming. Feirstein se inspirou na canção dos Beatles "Tomorrow Never Knows", mas inicialmente batizou "Tomorrow Never Lies", que seria o slogan do jornal de Carver, Tomorrow. Um erro no fax passado à MGM transformou em Tomorrow Never Dies, que agradou tanto ao estúdio que resolveram manter.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Michelle Yeoh inicialmente respondeu ao convite para trabalhar no filme dizendo que não servia para Bond girl, mas sim para o papel de James Bond; eventualmente ao entrar para o filme quis fazer todas as suas cenas, sem dublês, mas o diretor negou por algumas serem muito arriscadas.

Teri Hatcher estava grávida de 3 meses ao iniciar as filmagens, mas disse que isso não a prejudicou; porém Hatcher depois se arrependeu do papel, dizendo que era "tão artificial que não dava satisfação". Pierce Brosnan disse que Monica Bellucci foi considerada para o papel de Paris, mas "os idiotas disseram não".

Elliot Carver foi inicialmente oferecido a Anthony Hopkins.

Filmagens[editar | editar código-fonte]

As filmagens começaram em 18 de Janeiro de 1997, com a sequência pré-créditos nos Alpes franceses. Como os estúdios Leavesden, criados para GoldenEye, estavam sendo usados por George Lucas para Star Wars Episode I: The Phantom Menace, outro parque industrial abandonado foi transformado em estúdio. O Estúdio 007 em Pinewood Studios também serviu de locação. Uma das cenas de Bond e Paris em Hamburgo foi filmada no mesmo clube de golfe usado em Goldfinger.

O governo vietnamita havia concordado com filmagens em Ho Chi Minh, mas mudou de ideia pouco antes do início das filmagens, forçando os produtores a filmarem as cenas do Vietnã na Tailândia. As cenas aquáticas passam-se tanto no mar tailandês (próximo a locações antes usadas em The Man with the Golden Gun) quanto no tanque construído no México para Titanic.

Um dos BMW adaptados.

Spottiswoode disse que a produção queria cenas de ação com grandes novidades. Considerando que após a perseguição com um tanque em GoldenEye não poderia ter um veículo maior, Spottiswoode criou a perseguição com uma motocicleta BMW pelas ruas de Saigon. Para novidade também se fez a cena de perseguição com Bond dirigindo seu BMW 750i pelo controle remoto do celular, pois assim não teria um motorista visível. A cena foi filmada em um estacionamento de shopping center londrino (embora o salto final foi feito em locação em Hamburgo), com um BMW adaptado para o volante ficar no banco de trás.

Locais de filmagem[editar | editar código-fonte]

Música[editar | editar código-fonte]

David Arnold foi contratado para fazer a trilha sonora seguindo uma recomendação de John Barry, que se impressionou com o trabalho de Arnold em uma coletânea de covers dos temas de 007. A trilha combina techno com orquestra similar à de Barry, com grande presença do tema de James Bond nas cenas de ação. A banda Propellerheads ajudou na trilha da cena da perseguição no estacionamento, e Moby fez um remix do tema do espião.

Doze músicas foram submetidos para a possível música-tema. A de Sheryl Crow foi escolhida, enquanto "Surrender", escrita por Arnold e cantada por k.d. lang acabou nos créditos finais. A banda Pulp rebatizou sua versão rejeitada como "Tomorrow Never Lies" e a lançou como lado b do single "Help the Aged". Swan Lee, Saint Etienne, e Marc Almond também criaram possíveis temas.

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]