A Momentary Lapse of Reason

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
A Momentary Lapse of Reason
Álbum de estúdio de Pink Floyd
Lançamento 7 de Setembro de 1987 (RU)
8 de Setembro de 1987 (EUA)
Gravação 1987
Gênero(s) Rock progressivo, rock psicodélico, arena rock, pop rock[1]
Duração 51:14
Gravadora(s) EMI Records (RU)
Columbia Records (EUA)
Produção Bob Ezrin e David Gilmour
Cronologia de Pink Floyd
Último
Último
The Final Cut
(1983)
Delicate Sound of Thunder
(1988)
Próximo
Próximo

A Momentary Lapse of Reason é o décimo terceiro álbum de estúdio da banda de rock progressivo e psicodélico Pink Floyd, lançado nos Estados Unidos e Reino Unido em setembro de 1987. É um trabalho marcado pela liderança do guitarrista e cantor David Gilmour, com a colaboração do baterista Nick Mason e o ex-tecladista da banda Richard Wright, inicialmente para um disco solo de Gilmour. A obra também faz parte de um período com crises no conjunto causadas por divergências entre os integrantes nos anos anteriores, principalmente devidas à Roger Waters, ex-baixista, vocalista e principal compositor. Por questões legais, Richard não poderia ser reintegrado ao Pink Floyd como membro, ao qual deixou em meados 1979 após ser expulso por Roger.

Grande parte do projeto foi gravado no Astoria, um barco-estúdio de David Gilmour, e sob tensão marcada por uma disputa judicial entre Gilmour e Mason com Waters, que desejava deter todos os direitos de uso do nome Pink Floyd, resolvido somente meses após o lançamento do disco. Ao contrário dos títulos anteriores do conjunto, principalmente os criados por Roger, A Momentary Lapse of Reason não é um trabalho conceitual, nem temático, sendo assim uma coletânea de canções de rock escritas por David Gilmour em parceria com o músico Anthony Moore.

Embora a obra tenha recebido várias críticas negativas, em maioria devidas ao conteúdo letrístico, também ridicularizadas publicamente por Roger Waters, o disco se tornou um sucesso comercial maior que seu antecessor, The Final Cut, em vendas e público com sua turnê mundial. Nos Estados Unidos, o álbum foi certificado com disco de platina quádruplo.

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Após o lançamento de The Final Cut em 1983, disco considerado por muitos como um trabalho solo de Roger Waters,[2] [3] os três membros do Pink Floyd trabalharam individualmente em projetos solo. O guitarrista David Gilmour produziu em meados de 1984 About Face, que demonstrava, liricamente a intensa insatisfação do músico em sua relação com Roger. O cantor viajou em turnê de seu disco, assim como Waters com The Pros and Cons of Hitch Hiking.[4] Apesar de que ambos os músicos trabalhavam com vários instrumentistas de sucesso - no caso de Roger Waters, Eric Clapton, ambos notaram que seus nomes, como artistas solo soavam pouco atraentes em comparação ao Pink Floyd. A fraca venda de ingressos aos eventos de Gilmour forçou-o a cancelar várias de suas apresentações, enquanto o crítico David Fricke afirmou que os shows de Roger eram "um eco petulante e uma tentativa transparente de demonstrar que o Pink Floyd era Roger Waters". Após seis meses, o músico retornou aos palcos, realizando uma segunda turnê, a qual realizou sem o apoio da gravadora, CBS Records, que deixou claro ao baixista que desejava, na verdade um trabalho inédito do Pink Floyd. Em resposta, Waters recusou, rotulando a CBS de "uma máquina".[5]

Durante este período, após Nick Mason participar de uma das apresentações de Roger em 1985 na cidade de Londres, este passou a perceber e acreditar que perdeu bastante por não realizar uma turnê através do Pink Floyd, nome ao qual realmente tinha força. O fato coincidiu com o lançamento de seu segundo trabalho solo, Profiles, que contém a participação de David Gilmour em "Lie For a Lie", single do trabalho.[6] [7] Gilmour e Mason estavam tendo aulas de voo, e desejavam comprar um de Havilland Dove pelo interesse mútuo que tinham pela aviação. David Gilmour também ocupara-se com participações em alguns projetos musicais, como no Live Ad para Bryan Ferry em 1985, e também co-produzindo o álbum de estreia do grupo The Dream Academy.[8]

No ano de 1982, em entrevista para a Rolling Stone, Roger fez uma previsão para sua carreira, pensando que em algum momento poderia trabalhar com outros músicos. Mais tarde, em 1985 anunciou sua saída do Pink Floyd, afirmando que o grupo era "uma força criativa gasta".[9] [10] Em contrapartida, David Gilmour discordava, e desejava prosseguir as atividades da banda para que esta não se perdesse em meio a sua história. "Eu disse a ele [Waters] antes de sair: 'Se você vai, cara, não perca seu tempo, entretanto gostaríamos de continuar.'". Duramente, Roger advertiu: "Você nunca conseguirá fazer porra nenhuma".[11] O baixista escreveu à EMI e Columbia sua intenção em deixar o Pink Floyd, e pediu-lhes para livrá-lo de suas obrigações contratuais. Também dispensou Steve O'Rourke, empresário da banda em relação as suas atividades artísticas, e contratou Peter Rudge para conduzir seus negócios.[6] Enquanto isso, Gilmour e Mason, aparentemente estavam livres para usarem o nome da banda.[12]

Na ausência de Waters, Gilmour viu necessidade em chamar músicos para a criação de um novo projeto musical. Poucos meses antes, Jon Carin esteve num estúdio improvisado de David, local onde compôs a progressão de acordes que mais tarde tornaria-se a faixa "Learning to Fly", e trazendo, como consequência sua integração à equipe de produção do projeto.[13] Gilmour também convidou Bob Ezrin, co-produtor de The Wall para contribuir com o novo material, e consolidar o que fosse necessário.[14] Anteriormente a isso, Bob havia recusado uma proposta de Roger Waters para atuar em Radio K.A.O.S., por sua incapacidade de produzir algo que satisfizesse o músico. "[...] muito mais fácil para Dave e eu fazermos nossa versão de um trabalho do Pink Floyd."[15] Ezrin chegou ao Reino Unido em 1986, e Gilmour declarou que Bob teve que lidar com várias demos incompletas.[16] Nesta fase, não havia ainda um compromisso definido em lançar um novo álbum do Pink Floyd, e David anunciou publicamente que o trabalho em progresso poderia transformar-se em um disco solo. Em uma reunião com Ezrin e o representante da CBS, Stephen Ralbosky, o guitarrista tinha plena certeza quanto a opinião de Ralboskv: "Esta música não lembra o Pink Floyd".[17] David Gilmour reconheceu que o novo disco estava muito difícil de ser criado sem a presença de Roger Waters.[18]

Faixas[editar | editar código-fonte]

Todas as músicas compostas por David Gilmour, exceto onde estiver indicado.

Todos os vocais por David Gilmour, exceto a voz em "Signs of Life", por Nick Mason.

N.º Título Compositor(es) Vocais Duração
1. "Signs of Life"   Gilmour, Ezrin Instrumental, (com vocais falados por Nick Mason) 4:24
2. "Learning to Fly"   Gilmour, Moore, Ezrin, Carin Gilmour 4:53
3. "The Dogs of War"   Gilmour, Moore Gilmour 6:05
4. "One Slip"   Gilmour, Manzanera Gilmour 5:10
5. "On the Turning Away"   Gilmour, Moore Gilmour 5:42
6. ""Yet Another Movie" / "Round and Around"" (Instrumental) Gilmour, Leonard / Gilmour Gilmour 7:27
7. "A New Machine (Part 1)"   Gilmour Gilmour 1:46
8. "Terminal Frost"   Gilmour Instrumental 6:16
9. "A New Machine (Part 2)"   Gilmour Gilmour 0:38
10. "Sorrow"   Gilmour Gilmour 8:46
Duração total:
51:14


Músicos[editar | editar código-fonte]

Pink Floyd:

Fotomontagem feita com imagens do palco da turnê de A Momentary Lapse of Reason, no período 1987 - 90.

Músicos de Apoio:

Referências

  1. A Momentary Lapse of Reason (Remastered) de Pink Floyd iTunes. Página visitada em 18 de junho de 2013.
  2. Watkinson & Anderson 2001, p. 133
  3. Mabbett 1995, p. 89
  4. Blake 2008, pp. 302–309
  5. Schaffner 1991, pp. 256–257
  6. a b Blake 2008, pp. 311–313
  7. Schaffner 1991, p. 257
  8. Schaffner 1991, pp. 258–260
  9. Schaffner 1991, pp. 262–263
  10. Jones, Peter (22 de novembro de 1986). It's the Final Cut: Pink Floyd to Split Officially p. 70. Billboard. Página visitada em 22 de setembro de 2009.
  11. Schaffner 1991, p. 245
  12. Schaffner 1991, p. 263
  13. Blake 2008, p. 316
  14. Blake 2008, pp. 315, 317
  15. Schaffner 1991, pp. 267–268
  16. Erro de citação: Tag <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs chamadas Blakep318
  17. Schaffner 1991, pp. 268–269
  18. Blake 2008, p. 320


Ícone de esboço Este artigo sobre um álbum de Pink Floyd é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.