Artur Ávila

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Artur Ávila
Matemático
Nacionalidade  Brasileiro e França Francês[1]
Nascimento 29 de junho de 1979 (35 anos)
Local Rio de Janeiro
Atividade
Campo(s) Matemático
Alma mater Universidade Federal do Rio de Janeiro

Instituto de Matemática Pura e Aplicada

Tese 2001: Bifurcations of Unimodal Maps
Orientador(es) Welington de Melo[2]
Prêmio(s) Prêmio Salem (2006), Prêmio EMS (2008), Medalha Fields (2014)

Artur Ávila Cordeiro de Melo (Rio de Janeiro, 29 de junho de 1979) é um matemático brasileiro, também naturalizado francês.[1] [3] É conhecido por ter sido o primeiro latino-americano e lusófono a receber a Medalha Fields,[4] prêmio oferecido apenas a matemáticos e considerado equivalente ao Prêmio Nobel (já que o Prêmio Nobel não premia cientistas na área da matemática).

Carreira[editar | editar código-fonte]

Estudou no Colégio de São Bento e no Colégio Santo Agostinho no Rio de Janeiro. Ávila graduou-se na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e cursou o mestrado e o doutorado em matemática concomitantemente, no Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada (IMPA). Aos 19 anos começou sua tese de doutorado baseada na teoria de sistemas dinâmicos. Finalizada em 2001, quando viajou à França para fazer pós-doutorado.[5] Trabalha nas áreas de dinâmica unidimensional e holomorfa.[6] Desde 2003 trabalha no Centre National de la Recherche Scientifique (CNRS), na França, e desde 2008 é directeur de recherche nesse estabelecimento. Seu orientador de pós-doutorado foi Jean-Christophe Yoccoz.[7]

Considerado um prodígio desde a adolescência, em 2005, aos 26 anos, Artur tornou-se conhecido entre os matemáticos por conseguir provar a "Conjectura dos dez martínis", problema proposto em 1980 pelo norte-americano Barry Simon. Simon prometeu pagar dez doses de martini a quem explicasse sua teoria sobre o comportamento dos "Operadores de Schrödinger", ferramentas matemáticas ligadas à física quântica. Artur solucionou o problema junto com a matemática Svetlana Jitomirskaya[8] e ganhou de presente algumas rodadas de martini.[9] [10]

Dentre outros, Ávila trabalhou com Marcelo Viana, Mikhail Lyubich e Jean-Christophe Yoccoz. Em 2005 provou com Viana uma hipótese de Maxim Kontsevich e Anton Zorich sobre os expoentes de Lyapunov do fluxo de Teichmüller sobre o espaço módulo de diferenciais de Abel sobre superfícies de Riemann compactas (isto é, que os expoentes de Lyapunov não-triviais são todos distintos).[11]

Honrarias[editar | editar código-fonte]

Ávila foi agraciado com o Prêmio Salem em 2006, o Prêmio EMS em 2008 e o Prix Jacques Herbrand de 2009. Foi convidado para apresentar uma conferência plenária no Congresso Internacional de Matemáticos de 2010.[12] Recebeu uma Medalha Fields de 2014, considerada o Nobel de Matemática, pelos seus trabalhos em teoria de sistemas dinâmicos,[13] tornando-se o primeiro cientista latino-americano e lusófono a conquistar tal distinção.[14] [15] Em 1° de janeiro de 2015 foi nomeado cavaleiro da Legião de Honra da França, que lhe foi concedida como título excepcional já que Ávila não tem os 20 anos mínimos de carreira exigidos para receber a honraria.[16] Em 2014, 1926 pessoas foram distinguidas com um título civil e 965 com um título militar.[17]

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

É casado com a economista gaúcha Susan Schommer, que faz pós-doutorado no IMPA.[18]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Elon Lindenstrauss, Ngô Bảo Châu, Stanislav Smirnov e Cédric Villani
Medalha Fields
2014
com Manjul Bhargava, Martin Hairer e Maryam Mirzakhani
Sucedido por