Casa da Dinda

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Casa da Dinda
Presidente Collor corre nas proximidades da Casa da Dinda
Nomes anteriores Casa Pirangi
Tipo Mansão
Estilo dominante Neoclássico
Início da construção 1964
Local Lago Norte, DF,
Brasil Brasil
Endereço Sml Ml 10 Conjunto 1 5, 23 - Setor de Mansões do Lago Norte - Lago Norte - DF
Coordenadas 15.7738547° S 47.8159916° O

Casa da Dinda é o nome da mansão da família Collor de Mello no Lago Norte, e foi a escolha do então eleito presidente Fernando Collor de Mello como moradia oficial na sua passagem pela Presidência da República. Fica localizada, mais precisamente, na Sml Ml 10 Conjunto 1 5, Casa 01 - Setor de Mansões do Lago Norte.

Anteriormente chamada de Casa Pirangi, quando o ex-governador do Rio Grande do Norte Sílvio Pizza Pedrosa passou a exercer o cargo de subchefe da Casa Civil nos governos JK e João Goulart, construindo a residência no setor de mansões do Lago Norte, a mansão foi comprada por Arnon Afonso de Farias Melo, em 1964.

Recebeu então o novo nome, Casa da Dinda, em homenagem à avó de dona Leda Collor, mãe do ex-presidente e esposa de Arnon, então senador.

Fernando Collor escolheu a mansão como opção contra as residências funcionais, o Palácio da Alvorada e a Granja do Torto, que em sua concepção eram "escolha de marajás". Ele ficou famoso por ser o "caçador de marajás".

Imediatamente se tornou rota dos grupos turísticos e escolares, que compareciam aos montes nos domingos, esperando-o deixar a mansão para fazer sua tradicional caminhada de 30 minutos.

Jardins[editar | editar código-fonte]

Presidente Collor colhe espigas de milho, na chácara em frente à Casa da Dinda, acompanhado do caseiro Antônio.

A propriedade de 13 mil m² foi alvo do paisagista José Roberto Nehring, dono da Brasil's Garden, que plantou ao redor da mansão 200 árvores de grande porte e outras 40 frutíferas. Mas sem dúvida o maior destaque ficou por conta das portentosas e polêmicas cachoeiras motorizadas, inseridas em meio a lagos artificiais.

Embora o ex-presidente tenha negado em entrevista à Rede Record, caiu em domínio público que um lago do jardim recebia água filtrada e oxigenada do Lago Paranoá, antes de chegar às carpas japonesas.

Collor teria dito: "Nunca tive carpas aqui, gostaria de ter tido".

No que o repórter rebateu: "Nem lambaris?" Rindo, o ex-presidente concluiu: "Nem lambaris".

Também caiu em domínio público que a reforma dos jardins da Dinda teriam custado US$ 2.5 milhões, pagos pelo esquema PC Farias.

Através de fotos feitas pela Revista Veja em sua edição de 09/09/1992, na matéria As Floridas Cachoeiras da Corrupção, o povo brasileiro ficou sabendo do suntuoso jardim de marajá que Fernando Collor havia construído para si mesmo. Surgiram até termos como "babilônicos" jardins e coisas do tipo.

Foi considerado um dos pontos altos do escândalo que tirou o presidente do poder.

Abandono[editar | editar código-fonte]

Após a renúncia e cassação dos direitos políticos, Fernando Collor mudou-se para Miami e abandonou a mansão, que sofreu com o tempo e o descuido.

As fontes secaram, as cachoeiras quebraram e tornaram-se depósitos de entulho. A piscina se encheu de lama, sendo que uma das árvores rompeu seus azulejos e os toldos da varanda rasgaram, além de outros sinais de abandono.

Jornais como o Correio Braziliense e o Estadão chegaram a fazer reportagens sobre a decadência da mansão que serviu de residência oficial.

Reforma[editar | editar código-fonte]

Antes de ser eleito senador por Alagoas em 2006, Fernando Collor promoveu uma reforma em sua antiga mansão, mas pouco sabe-se sobre o resultado da reforma.

Sabe-se apenas que o ex-presidente, hoje senador, aceitou morar em um apartamento funcional, alegando que voltar a residir na mansão lhe traria más recordações.

== Fontes ==http://construi.com.br/158reforma-minha-casa/ dicas para reformar sua casa confira Correio Braziliense: http://www2.correioweb.com.br/cw/EDICAO_20030723/pri_cid_230703_155.htm

ISTOÉ Online: http://www.terra.com.br/istoe/1945/brasil/1945_assombracoes_coloridas.htm

http://www.romualdoassessorias.com.br/v1/news/noticias.php?noticia=27&titulo=Collor%20pede%20gabinete%20e%20apartamento%20ao%20Senado