Consequencialismo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Wikitext.svg
Este artigo ou seção precisa ser wikificado (desde maio de 2014).
Por favor ajude a formatar este artigo de acordo com as diretrizes estabelecidas no livro de estilo.
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde outubro de 2011). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
NoFonti.svg
Este artigo ou secção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde julho de 2011). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Consequencialismo é um termo filosófico que começou por ser usado para um teoria acerca da responsabilidade, mas é agora habitualmente usado para uma teoria acerca do correcto e do incorrecto. O termo foi criado por Elizabeth Anscombe em “Modern Moral Philosophy”, 1958, para defender a tese de que um agente é responsável tanto pelas consequências intencionais de um acto, como pelas não intencionais quando previstas.

A tese de Anscombe difere da tese anterior de Sidgwick, que não fazia a distinção entre as consequências não intencionais previstas e imprevistas para a atribuição de responsabilidades. As consequências deveriam ser levadas em consideração quando se faz juízos sobre o correcto e incorrecto. Uma acção é justa se, e somente se, o seu resultado total for o melhor possível. Existem, contudo, muitos outros tipos. Muitos autores agora usam o termo “utilitarismo” para designar um tipo de consequencialismo. Alguns reservam o termo “utilitarismo” para o ponto de vista que combina o consequencialismo com a premissa hedonista de que apenas o prazer tem valor intrínseco. Outros reservam o termo para o ponto de vista que combina o consquencialismo com a premissa eudemonística de que a felicidade tem valor intrínseco.[1]

O consequencialismo também pode ser contrastado com teorias morais e com a ética da virtude. Criticando as teorias consequencialistas, que postulam que as consequências da acção devem ser o foco principal do nosso pensamento sobre a ética, as teorias da virtude ética insistem que é mais o carácter da acção, e não as consequências, que devem ser o foco principal. Alguns especialistas em ética da virtude sustentam que as teorias consequencialistas desconsideram o desenvolvimento e a importância do carácter moral. Por exemplo há quem argumente que as consequências em si não têm conteúdo ético, a menos que tenham resultado de uma virtude como a benevolência. No entanto, a ética da virtude e o consequencialismo podem não ser totalmente antagónicas. Há teorias consequencialistas que podem considerar o carácter de várias maneiras.[2] Por exemplo, os efeitos sobre o carácter do agente, ou quaisquer outras pessoas envolvidas numa acção, podem ser considerados como uma consequência relevante. Da mesma forma, com uma teoria consequencialista pode-se ter por objectivo a maximização de uma virtude particular, ou conjunto de virtudes. Por fim, pode-se adoptar por um determinado tipo de consequencialismo, como aquele que argumenta que a actividade virtuosa, em última análise, produz as melhores consequências.[3]

Referências

  1. Dicionário de Filosofia coordenado por Thomas Mautner. Edições 70, 2010
  2. "Reasons and Persons", por Derek Parfit - Oxford University Press, (1984)
  3. Simon Blackburn, Dicionário de Filosofia. Gradiva, 1997
Portal A Wikipédia possui o:
Portal de Filosofia

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Walter Sinnott-Armstrong, Consequetilaism, 2006. Stanford Encyclopedia of Philosophy

Ícone de esboço Este artigo sobre filosofia / um filósofo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.