David Foster Wallace

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes. (desde dezembro de 2009). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
David Foster Wallace
Em janeiro de 2006
Nascimento 21 de fevereiro de 1962
Ithaca, Nova Iorque
Morte 12 de setembro de 2008 (46 anos)
Claremont, Califórnia
Nacionalidade estadunidense Estados Unidos
Cônjuge Karen L. Green (2004 –)
Ocupação escritor
Gênero literário ficção
Magnum opus Infinite Jest

David Foster Wallace (Ithaca, 21 de fevereiro de 196212 de setembro de 2008) foi um romancista, contista e ensaísta estadunidense.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Pouco após seu nascimento, sua família mudou-se para o centro de Illinois, onde seu pai foi efetivado como instrutor de filosofia na universidade estadual e sua mãe se formou em Letras, tornando-se professora da Universidade de Parkland algum tempo depois. Durante a adolescência, Wallace foi um jogador de tênis federado, chegando a ganhar alguns torneios regionais.

Formou-se com dupla graduação em Língua Inglesa (Letras) e Filosofia, com foco em lógica modal e matemática. Sua tese em filosofia rendeu-lhe o prêmio Gail Kennedy Memorial, formando-se summa cum laude em 1985. Procurou obter um mestrado em artes na Universidade do Arizona, o que conseguiu em 1987, ano da publicação de seu primeiro livro, A Vassoura do Sistema.

Em 1992, inscreveu-se para e ganhou uma cadeira no Departamento de Letras na Universidade de Illinois.

Em 1996, é publicado Infinite Jest, seu livro de maior aclamação até o momento. Wallace ministrou um ou dois cursos por ano na Universidade de Pomona, concentrando-se mais em escrever.

Em 12 de setembro de 2008, David Foster Wallace foi encontrado enforcado. Segundo seu pai, ele sofria de depressão há mais de 20 anos, mas esta vinha se tornando mais severa nos meses que precederam seu suicídio.

Estilo e temas[editar | editar código-fonte]

Sua escrita caracteriza-se principalmente pela ironia, presença quase constante em seus textos. Wallace é adepto da prosa pós-modernista, repleta de metalinguagens e autoparódias, muito embora revele uma preocupação acerca do mau uso/uso excessivo de tais recursos (isso é visto de forma clara no conto Octeto, da coletânea Breves Entrevistas com Homens Hediondos).

Wallace demonstra grande domínio dos mais variados recursos estilísticos da prosa, fazendo grande uso do discurso indireto livre (uma tendência nos autores modernos), de grandes orações concatenadas de forma levemente maníaca e, o que já é conhecido como sua marca registrada, de extensivas notas de rodapé, tão úteis e importantes quanto o próprio corpo do texto.

Seu estilo é frequentemente chamado de "enciclopédico". O tema sobre o qual mais se debruça é o das relações humanas inseridas na época em que vivemos. Além disso, parece ter uma grande preocupação com a maneira como a linguagem define a sociedade e o convívio, tendência confirmada em contos como A Morte Não É o Fim e Tri-Stan: I Sold Sissee Nar to Ecko.

Romances[editar | editar código-fonte]

Coletânea de contos[editar | editar código-fonte]

Não-ficção[editar | editar código-fonte]

  • Signifying Rappers: Rap and Race In the Urban Present (co-autoria com Mark Costello) (1990)
  • A Supposedly Fun Thing I'll Never Do Again (ensaios) (1997)
  • Up, Simba! (2000)
  • Everything and More: A Compact History of Infinity (2003)
  • Consider the Lobster (ensaios) (2005)
  • McCain's Promise: Aboard the Straight Talk Express with John McCain and a Whole Bunch of Actual Reporters, Thinking About Hope (reedição em brochura de Up, Simba!) (2008)
  • This Is Water: Some Thoughts, Delivered on a Significant Occasion, about Living a Compassionate Life (2009)
  • Fate, Time, and Language: An Essay on Free Will (2010)

No Brasil[editar | editar código-fonte]

Em Portugal[editar | editar código-fonte]

Referências