Diocese de Beja

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Diocese de Beja
Diœcesis Beiensis
(sive Pacensis)
Sé Catedral de Beja
Localização
País Portugal
Território A Diocese de Beja coincide com o Distrito de Beja
Arquidiocese Metropolitana Arquidiocese de Évora
Estatísticas
Área 12 300 km²
Informação
Rito Romano
Criação da Diocese Século VI; restaurda em 10 de Julho de 1770
Catedral Sé Catedral de Beja
Padroeiro São José Operário
Governo da Diocese
Bispo D. António Vitalino Fernandes Dantas
Jurisdição Diocese
Contactos
Endereço Rua D. Afonso Henriques, 1A, 7800-049 Beja
Página Oficial www.diocese-beja.pt
E-mail [diocese@diocese-beja.pt]
dados em catholic-hierarchy.org

A Diocese de Beja é uma circunscrição eclesiástica da Igreja Católica em Portugal.

A antiga Diocese de Pax Iulia remonta ao tempo dos Godos, tendo desaparecido após a invasão muçulmana da Península Ibérica.

Após a Reconquista Cristã, a diocese pacense não foi restaurada, tendo Beja permanecido uma mera vila, e o território do antigo bispado integrado na diocese de Évora. Por seu turno, Afonso IX de Leão, ao criar uma diocese em Badajoz, após a conquista daquela cidade (1230), pretendeu que aquela era a legítima herdeira da diocese de Pax Iulia, o que a leva a ser oficialmente conhecida, em latim, ainda hoje, pelo nome de pacense.

Embora Beja tenha sido elevada a cidade pelo Rei D. Manuel I em 10 de Abril de 1521 (uma homenagem que o monarca prestava à cabeça do seu primitivo domínio ducal), tal acto não foi associado (como sucedeu, por exemplo, nos casos do Funchal, Elvas, Angra do Heroísmo, Leiria, Miranda do Douro ou Portalegre) à sua elevação a diocese, o que só viria a acontecer já no século XVIII, com a reorganização das dioceses portuguesas promovida por D. José I, tendo sido criada em 10 de Julho de 1770 pelo Papa Clemente XIV, por meio da Bula "Agrum Universalis Ecclesiae".

A Diocese de Beja orgulha-se do seu património cultural e é pioneira, ao nível nacional e internacional, no seu estudo, salvaguarda e valorização. O Departamento do Património Histórico e Artístico da Diocese de Beja, fundado por decreto episcopal, em 1984, e dirigido desde então pelo Prof. Doutor José António Falcão, conservador-chefe de museus e docente universitário, um dos mais destacados patrimonialistas portugueses, constitui uma referência no sector. A sua actividade deve-se à visão larga do bispo D. Manuel Franco da Costa de Oliveira Falcão, cujo pontificado representa um ponto alto nos fastos da Igreja Pacense, e foi prosseguida, com entusiasmo, pelo sucessor deste grande prelado, D. António Vitalino Fernandes Dantas.

Entre outras iniciativas, o Departamento diocesano do Património organizou a Rede de Museus da Diocese de Beja, recuperou - em parceria com as paróquias, os municípios e o Estado - boa parte dos principais monumentos religiosos da região e seus espólios móveis, levou a efeito regularmente exposições no país e no estrangeiro, criou percursos de touring cultural e paisagístico, criou o Festival Terras sem Sombra de Música Sacra do Baixo Alentejo, publicou vasta bibliografia, formou responsáveis nas comunidades, etc. Tão louvável acção tem sido premiada pela União Europeia, pelo Ministério da Cultura, pela Fundação Calouste Gulbenkian, pelo Turismo do Alentejo e por outras instâncias.

Lista de bispos de Pax Iulia[editar | editar código-fonte]

  1. Santo Apríngio (531)
  2. Palmácio (589)
  3. Lauro (597)
  4. Modário (633)
  5. Teodoreto, Teodoredo (646)
  6. Adeodato (653, 666)
  7. João (681, 683, 688 e 693)
  8. Isidoro Pacense (século VIII)

Lista de bispos de Beja[editar | editar código-fonte]

  1. Frei Manuel (I) do Cenáculo Vilas-Boas, O.F.M. (1770-1802)
  2. Frei Francisco Leitão de Carvalho, O. Cist. (1802-1806)
  3. Frei Joaquim do Rosário, O.F.M. (1807-1808), não chegou a entrar na Diocese
  4. Frei Manuel (I) do Cenáculo Vilas-Boas, O.F.M. (administrador apostólico, 1808-1814)
  5. Manuel (II) de Sousa Carvalho (1814), não tomou posse
  6. ... (1814-1819)
  7. Luís da Cunha de Abreu e Melo (1819-1833)
  8. Manuel (III) Pires de Azevedo Loureiro (1833 (1844)-1848)
  9. José (I) Xavier de Cerveira e Sousa (1849-1859)
  10. José (II) António da Mata e Silva (1859-1860)
  11. António (I) da Trindade de Vasconcelos Pereira de Melo (1861-1863)
  12. António (II) Xavier de Sousa Monteiro (1883-1906)
  13. Sebastião Leite de Vasconcelos (1907-1919)
  14. José (II) do Patrocínio Dias (1920-1965)
  15. António (III) Cardoso Cunha, bispo auxiliar (1956-1965)
  16. Manuel (IV) dos Santos Rocha (1965-1980)
  17. Manuel (V) Franco da Costa de Oliveira Falcão (1980-1999)
  18. Frei António (IV) Vitalino Fernandes Dantas, O. Carm. (desde 1999)

Figuras Eclesiásticas Ilustres da Diocese[editar | editar código-fonte]

Santos[editar | editar código-fonte]

Bispos naturais da Diocese[editar | editar código-fonte]

Clérigos Seculares e Regulares[editar | editar código-fonte]

Religiosas[editar | editar código-fonte]

Fundações Religiosas da Diocese[editar | editar código-fonte]

Escutismo[editar | editar código-fonte]

  1. Escutismo nesta diocese: Região de Beja

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Bandeira do Vaticano Circunscrições eclesiásticas da Igreja Católica em Portugal Bandeira de Portugal
Metrópoles Eclesiásticas
Patriarcado de Lisboa | Arquidiocese de Braga | Arquidiocese de Évora
Dioceses
Algarve | Angra | Aveiro | Beja | Bragança-Miranda | Coimbra | Funchal | Guarda
Lamego | Leiria-Fátima | Portalegre-Castelo Branco | Porto | Santarém
Setúbal | Viana do Castelo | Vila Real | Viseu
Ordinariato Castrense
Dioceses históricas entretanto extintas
Aquæ Flaviæ (Chaves) | Betecas (Boticas) | Caliábria | Castelo Branco
Dume | Elvas | Magneto (Meinedo) | Miranda | Penafiel | Pinhel | Salácia