Engenharia física

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Análise de um laser por um engenheiro físico.

A Engenharia Física é um ramo da engenharia dedicado à aplicação da física ao melhoramento dos processos industriais. Está orientada para gerar - através da investigação aplicada - o desenvolvimento de tecnologias alternativas para uso industrial, mediante a formulação teórica abstrata dos fenômenos físicos que envolvem um projeto. Baseando-se numa ciência natural, a engenharia física procura levar à prática todos os seus conceitos teóricos e experimentais.

O encurtamento do tempo que decorre entre uma nova descoberta e a sua aplicação no mercado torna necessária a existência de profissionais que combinem uma sólida compreensão de Física (propriedades de materiais, óptica, lasers, eletrônica) com um bom conhecimento das tecnologias e das suas possibilidades. Os Engenheiros Físicos são estes profissionais e constituem um recurso precioso para empresas de alta tecnologia.

Áreas de aplicação e de especialização[editar | editar código-fonte]

Projeto de engenharia física: detetor de muóns do CERN.

Formação[editar | editar código-fonte]

Os cursos superiores de engenharia física visam formar engenheiros multidisciplinares e por isso têm uma ênfase muito maior em disciplinas básicas (como a matemática e principalmente a física) do que outras engenharias. Diferente das engenharias tradicionais, o ideal da Engenharia Física é o de formação de profissionais cujo conhecimento não defase em curto intervalo de tempo, mas apenas se inove ao longo dos anos, posto que o engenheiro físico possui a base necessária à compreensão de fenômenos aeronáuticos, aeroespaciais, mecânicos, elétricos, nucleares, petrolíferos, dentre outros. Nesta perspectiva que se encontram engenheiros físicos nos mais diversos campos. Fomenta esta justificativa a grade com disciplinas altamente abstratas, o que torna o engenheiro físico um profissional com intelecto diferenciado.

Os currículos dos cursos são diversificados, abrangendo várias áreas do conhecimento relacionado as ciências físicas, como por exemplo a termodinâmica, a mecânica clássica, a mecânica quântica, a física do estado sólido, o eletromagnetismo e a acústica. Além disso, inclui as disciplinas tradicionais dos outros cursos de engenharia, tais como mecânica dos sólidos, controle, mecânica dos fluídos, desenho técnico, tecnologia mecânica, ciências dos materiais, eletroquímica, eletricidade, circuitos elétricos, microcontroladores, microprocessadores, ciências do ambiente, economia, estatística e controle de qualidade. Num curso de engenharia física, também são focadas componentes de instrumentação.

Um engenheiro físico detém capacidades para efetuar tanto investigação básica como também desenvolvimento de dispositivos, ligando o conhecimento de ciência fundamental à componente de instrumentação.

Onde estudar[editar | editar código-fonte]

Brasil[editar | editar código-fonte]

No Brasil, o primeiro curso de engenharia física começou a ser oferecido pela Universidade Federal de São Carlos em 2000 e os alunos tem a oportunidade de integrar uma empresa júnior da própria engenharia física (Physis Jr.). Em 2010 o curso passou a ser oferecido pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) com duração de 5 anos e seu primeiro formando, Lucas Taparello Tarasconi, concluiu o curso em 2014/1, portanto em 9 semestres.Desde 2010 o curso é oferecido pela Universidade Estadual do Mato Grosso do Sul (UEMS), em Dourados. Atualmente o curso também está sendo oferecido na Universidade de São Paulo (USP), na Escola de Engenharia de Lorena, na Universidade Federal do Oeste do Pará (UFOPA) desde 2011, e na Universidade Federal de Goiás (UFG) onde o curso é oferecido desde 2013[1] . Uma das ênfases do curso de física na Universidade Federal do ABC é engenharia física. Existente também na Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri- Campus Janaúba.Entretanto o curso já existe há várias décadas em universidades estrangeiras.

Em 2012, a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) anunciou[2] o início da disponibilidade do curso de Engenharia Física para o Vestibular 2013 (egresso em 2013), por meio do famoso 'Cursão' (integrado de Física, Matemática e Matemática Aplicada). Optantes pelo Cursão no vestibular podem optar por seguir a área de Engenharia Física a partir do 3º semestre. Outros cursos também foram criados e outros cortados, além de uma nova faculdade anunciada. Neste mesmo ano a Universidade Federal de Goiás (UFG) também anunciou o início da disponibilidade do curso de Engenharia Física para o Vestibular 2013 (egresso em 2013).

Portugal[editar | editar código-fonte]

Em Portugal, o curso superior de engenharia física é oferecido em diversas universidades, desde o final da década de 1970. O primeiro foi o de Licenciatura em Engenharia de Produção Industrial - Ramo de Engenharia Física, da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa, lançado em 1977 e que foi o antecessor do atual Mestrado Integrado em Engenharia Física.

Hoje em dia, já adaptados ao Processo de Bolonha, existem os cursos de Mestrado Integrado em Engenharia Física da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto, da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra, de Mestrado Integrado em Engenharia Física da Universidade de Aveiro, da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa e da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa e de Mestrado Integrado em Engenharia Física e Tecnológica do Instituto Superior Técnico.

Demais países[editar | editar código-fonte]

Embora recente no Brasil, o curso é antigo no exterior. Em 1924 o curso já era oferecido na Universidade de Oklahoma[3] . Atualmente, é oferecido em diversas universidades respeitadas ao redor do planeta,[4] como na Universidade de British Columbia, na Universidade de Toronto e na Universidade de Princeton.

Saídas Profissionais[editar | editar código-fonte]

- Desempenho de funções técnicas de nível avançado, de laboratórios de controle de qualidade e normalização e em empresas que recorrem a tecnologias de ponta. Também tem sido verificada a entrada de engenheiros físicos na área acadêmica e contratação no exterior.

- Participação em iniciativas de criação de novas empresas de raíz tecnológica inovadora.

- Prosseguimento de estudos de terceiro ciclo( Doutoramento) em áreas como Física e as Engenharias ou em domínios interdisciplinares.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Eng. Física - um novo profissional
  2. Unicamp cria cursos e faculdade
  3. About Engineering Physics in Oklahoma.
  4. Universidades ao redor do planeta que oferecem o curso de engenharia física.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Portal A Wikipédia possui o
Portal de engenharia

As ligações externas abaixo encontram-se em ordem alfabética.

Brasil[editar | editar código-fonte]

Portugal[editar | editar código-fonte]

Empresas[editar | editar código-fonte]