Epona

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Epona, 3o. séc. A.C., de Freyming (Moselle), França (Musée Lorrain, Nancy)

Na religião galo-romana, Epona era uma protetora de cavalos, burros, e mulas. Era particularmente uma deusa da fertilidade, como mostrado pelos atributos dela de uma patera, cornucópia, orelhas de grânulos e a presença de potros em alguma esculturas1 sugerindo que a deusa e seus cavalos eram líderes de alma na condução ao além-túmulo, em paralelo aos Rhiannon dos Mabinogion. De forma incomum para uma deidade céltica, a maioria das quais eram associadas a localidades específicas, o culto de Epona, "basicamente a única divindade céltica cultuada na própria Roma,"2 foi difundido no Império Romano entre o primeiro e terceiro séculos D.C..

Etimologia do nome[editar | editar código-fonte]

Embora conhecida apenas dos contextos romanos, o nome Epona, 'Grande Égua' é da língua gaulesa; é derivada do proto-céltico inferido *ekwos 'cavalo'3 — que dá nascimento ao moderno 'potro' ebol galês — junto ao sufixo aumentativo -on frequentemente, porém não exclusivamente, encontrada em teônimos (por exemplo Sirona, Matrona, e no singular feminino gaulês usual -a.4 Em um episódio preservado em um comentário de Pausânias,5 uma Deméter arcaica também tinha sido uma Grande Égua, que era montada por Posidão na forma de um garanhão e que tinha parido Árion e a Filha que não recebia nome, fora dos mistérios arcadianos.6 Deméter era venerada como uma égua em Lycosoura na Arcádia em tempos históricos.

Evidência de Epona[editar | editar código-fonte]

Epona e seus cavalos, de Köngen, Alemanha, cerca de 200 A.C.

Fernand Benoit7 encontrou as atestações mais primitivas de um culto à Epona nas províncias danubianas e insistia que tinha sido introduzida nas limas da Gália por cavaleiros do leste. Esta sugestão geralmente não tem sido aceita.

Embora o nome esteja na origem gaulesa, inscrições dedicatórias à Epona estão em latim ou, raramente, em grego. Eram feitas não apenas por Celtas, mas também por germânicos, romanos e outros habitantes do Império Romano. Uma inscrição à Epona de Mainz, Alemanha, identifica o devoto como sírio.8 Uma inscrição latina longa do primeiro século antes de Cristo, gravado em uma folha de comando e acompanhando o sacrifício de uma potranca e o presente votivo de um caldeirão, foi encontrado em 1887 em Rom, Deux-Sèvres, no Rauranum Romano. A inscrição oferece à deusa uma profusão arcaica de epítetos para uma deusa, Eponina 'cara pequena Epona': ela é Atanta, Potia deusa dos cavalos 'Senhora poderosa' (compare com Potnia em grego) e "Heppos" (ίππος = cavalo), Dibonia (Latim, a 'deusa boa')", Catona 'da batalha', Vovesia nobre e boa.9

Seu dia de banquete no calendário romano era 18 de dezembro como mostrado por um calendário rústico de Guidizzolo, Itália,10 embora esta possa ter sido apenas uma celebração local. Era incorporada ao culto imperial por ser invocada na crença do Imperador, como Epona Augusta ou Epona Regina.

A suposta autonomia da civilização céltica na Gàlia sofreu um revés mais adiante com o estudo de Fernand Benoit11 do simbolismo funeral do cavaleiro com o demônio ("anguiforme") com rabo de serpente, que estabeleceu como um tema de vitória sobre a morte, e Epona; ambos descobriram ser manifestações tardias do simbolismo influenciado pelo Mediterrâneo, que tinha alcançado a Gália através de contatos com a Etrúria e Magna Grécia. Benoit comparou o cavaleiro com a maioria dos cavaleiros ilustrados em torno dos litorais mediterrâneos. Percepções das deusas célticas nativas mudaram sob a hegemonia romana: apenas os nomes permaneceram os mesmos. Como a Gália foi romanizada sob o inicial império, o papel do soberano de Epona evoluiu para um protetor da cavalaria.12 O culto de Epona foi muito difundido no Império Romano pela cavalaria auxiliar, alae, especialmente a Guarda Montada Imperial ou equites singulares augustii recrutada da Gália, Germânia mais baixa, e Panônia. Uma série de suas dedicatórias à Epona e outras deidades célticas, romanas e germanas foram encontradas em Roma, no Laterano.13 Como Epane ela está atestada na Cantábria, Espanha do Norte, sobre o Monte Bernorio, Palencia.14

Segundo Plutarco, citando Agesilau, historiador grego do qual sobrevivem poucos fragmentos[carece de fontes?], em seu livro História da Itália, Epona era filha de Fulvius Stellus com uma uma égua15 . Aristonímio de Éfeso e Fulvius Stellus eram homens que detestavam mulheres, se relacionaram, respectivamente, com uma jumenta e uma égua, e destas relações nasceram lindas mulheres, Onoscelis e Epona15 Nas palavras de Plutarco: "Fulvius Stella abominando a companhia de mulher, acoplou-se a si mesmo a uma égua, de quem ele gerou uma criança de mãe solteira muito bonita, e foi chamada pelo nome cabível, Epona..."15

Iconografia[editar | editar código-fonte]

Um apoio de Epona, flanqueado por dois pares de cavalo, da Macedônia Romana.

Esculturas de Epona caem em cinco tipos, como distintas por Benoit: passeando, ficando de pé ou sentadas diante de um cavalo, ficando de pé ou sentadas diante de dois cavalos, um domador de cavalos à maneira de um potnia theron e a égua e o potro simbólicos. No tipo equestre, comum na Gália, e retratada sentando ao lado da sela sobre um cavalo ou (raramente) descansando em uma; no tipo imperial (mais comum fora da Gália) ela senta em um trono flanqueado por dois ou mais cavalos ou potros.16 Na distante Dácia, é representada sobre uma stela (agora no Szépmüvézeti Museum, Budapeste) no formato de Cibele, sentada frontalmente sobre um trono com suas mãos sobre os pescoços de seus animais, em par: seus cavalos são substituições para os leões de Cibele.

Em textos e inscrições romanas[editar | editar código-fonte]

Epona é mencionada na A Besta Dourada de Apuleio, onde um nicho edicular com sua imagem sobre uma coluna em um estábulo recebeu guirlandas com rosas colhidas recentemente.17 Em suas Sátiras, o poeta romano Juvenal também liga o culto e a iconografia de Epona à área do estábulo.18 Pequenas imagens de Epona foram encontradas em sítios romanos de estábulos e de celeiros em um amplo território.

Na Grã-Bretanha[editar | editar código-fonte]

A data provável de cerca de 1400 A.C. designa ao cavalo de giz gigante entalhado no gramado da encosta em Uffington, na Inglaterra do Sul, que é muito prematuramente associada diretamente com Epona um milênio ou mais tarde, mas claramente representa um totem da idade do Bronze de algum tipo. Os tradicionais cavaleiros ingleses cavalos de recreio desfilam no Dia de Maio em Padstow, Cornwall e Minehead, Somerset, que sobreviveu ao meio do século XX, mesmo que as danças Morris tenham sido esquecidas, podem ter raízes profundas na veneração de Epona, como pode a aversão inglesa em comer carne de cavalo.19 Em Padstow, outrora, no fim das festividades o cavalo de recreio era ritualmente submerso no mar.20

Um provinciano embora não pouco rude bronze romano (7.5 cm de altura) de uma Epona sentada, flanqueada por uma égua e garanhão pequenos, encontrados na Inglaterra,21 é conservado no Museu Britânico.22 Abandonado sobre o colo e sobre a patera erguida na sua mão direita são orelhas de grânulo desproporcionalmente grande; orelhas de grânulo também se sobressaem das bocas dos pôneis, cujas cabeças eram giradas em direção à deusa. Em seu braço esquerdo ela segura um jugo, que se curva acima dos seus ombros, um atributo único para esta estatueta de bronze.23

A deusa galesa Rhiannon monta um cavalo branco e tem muitos atributos de Epona. Um ritual popular galês do Sul chamado Mari Lwyd (Égua Cinza) ainda é realizado em dezembro - uma sobrevivência aparente da veneração da deusa. Um cavalo de pantomima é pensado ser um sobrevivente correlacionado.

Hoje[editar | editar código-fonte]

Na Ilha Mackinac, Michigan, Epona é celebrada a cada junho com excursões a estábulos, uma bênção dos animais e a Epona e a Barkus Parade. Na Ilha Mackinac, Michigan não se permitem quaisquer automóveis pessoais: a fonte primária de transporte permanece o cavalo, então celebrar Epona tem um significado especial nesta ilha no Upper Midwest.24

Na Cultura Popular[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Epona

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. Salomon Reinach, "Épona", Revue archéologique (1895:163-95); Henri Hubert, Mélanges linguistiques offerts à M. J.Vendryes (1925:187-198).
  2. Phyllis Pray Bober, revisando Réne Magnen, Epona, Déesse Gauloise des Chevaux, Protectrice des Cavaliers no American Journal of Archaeology 62.3 (July 1958, pp. 349-350) p. 349. Émile Thevenot contribuiu com um corpus de 268 inscrições e representações dedicatórias.
  3. Compare equus em latim e hippos em grego.
  4. Delmarre, 2003:163-164.
  5. Pausanias, viii.25.5, 37.1 and 42.1 O mito foi notado em Bibliotheke 3.77 e refletia também um poema perdido de Calímaco e na "Nova História'' de Ptolomeu Hefesto (Theoi.com: texts).
  6. Karl Kerenyi, The Gods of the Greeks (1951) pp 184ff "Demeter, and Poseidon's stallion-marriages".
  7. Benoît, F. (1950). Les mythes de l'outre-tombe. Le cavalier à l'anguipède et l'écuyère Épona. Brussels, Latomus Revue d'études latines.
  8. CIL 13, 11801
  9. G.S.Olmstead, "Inscrições poéticas gaulesas e inscrições poéticas célticas-ibéricas" Mankind Quarterly 28.4, pp339-387.
  10. Vaillant, 1951.
  11. Benoit 1950.
  12. Oaks 1986:79-81.
  13. Spiedel, 1994.
  14. Simón.
  15. a b c Plutarco, Histórias paralelas, 29, Aristonímio de Éfeso e Fulvius Stellus
  16. Nantonos, 2004.
  17. "respicio pilae mediae, quae stabuli trabes sustinebat, in ipso fere meditullio Eponae deae simulacrum residens aediculae, quod accurate corollis roseis equidem recentibus fuerat ornatum." (iii.27). Na tradução de Robert Graves' de A Besta Dourada, interpôs uma explanação "a Mãe com cabeça de égua" que não aparece no texto latino; teria ligado Epona à mitologia primitiva de Deméter, que estava coberta como uma égua de Posidão na forma de garanão (veja acima);não há justificativa para identificar Epona a Deméter, entretanto.
  18. Satire VIII linhas 155-57, onde o narrador zomba de um cônsul por seu inapropriado interesse em cavalos:
  19. Theo Brown, "Tertullian and Horse-Cults in Britain" Folklore 61.1 (March 1950, pp. 31-34) p. 33.
  20. Herbert Kille, "West Country hobby-horses and cognate customs" Proceedings of the Somerset Archaeological and Natural History Society 77 (1931)
  21. Wiltshire é acreditada, mas foi adicionada à proveniência, meramente "trouvée en Angleterre", depois que a peça tinha sido descrita o catálogo de vendas da coleção Ferencz Pulszky, Paris, 1868.
  22. "provinciano, mas não bárbaro" é a avaliação do estilo por Catherine Johns, "A Roman Bronze Statuette of Epona", The British Museum Quarterly 36.1/2 (Autumn 1971:37-41).
  23. Identificado como um jugo por Catherine Johns 1971; seu erro de identificação como uma serpente conduziu a uma identificação enganosa de uma Epona "chthonica".
  24. [http://Mackinac Island Lilac Festival.
  25. Susan McKenna-Lawlor Profile Contribuição do Leonardo Space and the Arts Workshop no Domingo, 21 de Março de 1999
  26. McKenna-Lawlor, S. M. P., "Contribuição à missões de espaço profundo da Irlanda" Irish Astronomical Journal (ISSN 0021-1052), vol. 18, March 1988, pp 179-183.

Referências[editar | editar código-fonte]

  • Benoît, F. (1950). Les mythes de l'outre-tombe. Le cavalier à l'anguipède et l'écuyère Épona. Brussels, Latomus Revue d'études latines.
  • Delamarre, X. (2003). Dictionaire de la Langue Gauloise. 2nd edition. Paris, Editions Errance.
  • Euskirchen, Marion (1993). "Epona" Dissertation, Bonn 1994 (Sonderdruck aus: Bericht der Römisch-Germanischen Kommission 74.1993.)
  • Evans, Dyfed Llwyd (2005–2007), Epona: uma deusa gaulesa e bretã (Cavalo Divino)
  • Green M. J. (1986), The Gods of the Celts, Stroud, Gloucestershire.
  • Magnen, R. Epona (Delmas, 1953).
  • Nantonos and Ceffyl (2004), Epona.net, um recurso acadêmico
  • Oaks, L. S. (1986), "The goddess Epona", in M. Henig and A. King, Pagan Gods and Shrines of the Roman Empire (Oxford), pp 77–84.
  • Reinach, Salomon (1895). "Épona". Revue archéologique 1895, 163-95,
  • Simón, Francisco Marco, "Religion and Religious Practices of the Ancient Celts of the Iberian Peninsula" in e-Keltoi: The Celts in the Iberian Peninsula, 6 287-345, section 2.2.4.1 (on-line)
  • Speidel, M. P. (1994). Riding for Caesar: the Roman Emperors' Horse Guards. Cambridge, Massachusetts, Harvard University Press.
  • Thevenot, Emile 1949. "Les monuments et le culte d' Epona chez les Eduens," L'antiquité Classique 18 pp 385–400. Epona e os éduos.
  • Vaillant, Roger (1951), Epona-Rigatona, Ogam, Rennes, pp 190–205.


Ligações externas[editar | editar código-fonte]



Ícone de esboço Este artigo sobre mitologia celta é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.