Esmerilhão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma caixa taxonómicaEsmerilhão
Falco columbarius training.jpg

Estado de conservação
Status iucn3.1 LC pt.svg
Pouco preocupante (IUCN 3.1)
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Aves
Ordem: Falconiformes
Família: Falconidae
Género: Falco
Espécie: F. columbarius
Nome binomial
Falco columbarius
Linnaeus, 1758
Distribuição geográfica
Amarelo = VerãoVerde = ano todoAzul = Inverno
Amarelo = Verão
Verde = ano todo
Azul = Inverno
Falco columbarius

O esmerilhão (Falco columbarius) é uma ave falconiforme da família dos falconídeos.

Características[editar | editar código-fonte]

É o menor falconídeo da região paleártica ocidental[1] . Chega a medir até 33 cm de comprimento. Apresenta um claro dimorfismo sexual. Possui a silhueta de um falcão de pequenas dimensões. Enquanto a fêmea e os juvenis são bastante semelhantes, com o peito barrado sobre fundo branco, e dorso acastanhado escuro, o macho apresenta barras pequenas no peito, em fundo alaranjado e dorso cinzento-azulado.

Alimentação[editar | editar código-fonte]

Alimenta-se essencialmente de pequenas aves complementando ocasionalmente a sua dieta com insetos ou pequenos mamíferos, répteis e anfíbios, em particular enquanto jovem[1] .

É um dos melhores caçadores entre as aves de dimensão comparável, com uma percentagem de sucesso dos seus ataques entre os 5% e 10%. O método de caça é geralmente o de assustar possíveis presas escondidas entre a vegetação sobrevoando o território em voos baixos e bastante rápidos, após o que as captura seja em voo picado, seja, no caso das aves, perseguindo-as em voo. É relativamente comum ver casais de esmerilhão a darem caça a uma presa em conjunto.

Em particular durante a época de criação, não se inibe de exibir comportamentos oportunistas que podem fornecer uma parte importante da sua dieta. Exemplos são a captura de presas afugentadas por outros predadores ou por actividades humanas, e a captura de jovens aves, por vezes directamente do ninho[1] .

Distribuição Geográfica[editar | editar código-fonte]

É uma ave migratória. As populações Europeias reproduzem-se na generalidade no Norte da Europa e migram para a bacia do Mediterrâneo no Inverno. As poucas possibilidades de observação em Portugal limitam-se a certas áreas do Alentejo e Vale do Tejo.

As populações americanas migram para o sul dos EUA e norte da América do Sul, nomeadamente norte do Peru e Venezuela, e por vezes Brasil, restrito à costa do estado da Bahia e ao Amazonas.

As populações da Ásia central, da costa do Pacífico e de ilhas atlânticas como a Islândia e Grã-Bretanha, limitam-se a descer das regiões montanhosas para as planícies e zonas costeiras.

Habitat[editar | editar código-fonte]

Gosta de espaços abertos com poucas árvores como pradarias, estepes, turfeiras ou mesmo simples terrenos baldios, mas adapta-se bem a uma grande variedade de terrenos desde orlas de floresta a zonas rochosas ribeirinhas, desde que existam na proximidade espaços abertos onde possa caçar[1] .

Estado de Conservação[editar | editar código-fonte]

Apesar do estado da espécie estar classificado como pouco preocupante na Lista Vermelha da IUCN, o número de indivíduos na Europa e América do Norte, onde a evolução da espécie está bem documentada, sofreu uma forte redução em particular entre as décadas de 50 e 80. As principais ameaças foram o desaparecimento de habitats, e a contaminação com pesticidas e seus derivados. O esmerilhão retém os poluentes existentes nas suas presas que foram sendo acumulados ao longo da cadeia alimentar. Alguns destes poluentes têm efeitos negativos sobre o sucesso reprodutivo, por exemplo, ao fragilizar a casca dos ovos que deixam de suportar o peso da fêmea e partem.

Por vezes o resultado deste fenómeno foi dramático. Por exemplo, nas Shetland o número de esmerilhões caiu para metade durante 1981 e 1983 devido à alta concentração de mercúrio nos ovos. Mudanças nas práticas agrícolas na Europa têm vindo no entanto a permitir alguma recuperação dos números [1] .

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b c d e Mens&Vogel tijdschrift voor Studie en Bescherming van de Europese Avifauna, nr 4, 2010, p.6-11
Ícone de esboço Este artigo sobre Falconiformes, integrado no Projeto Aves é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.