Frei Betto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta biografia de uma pessoa viva cita fontes fiáveis e independentes, mas elas não cobrem todo o texto. Ajude a melhorar esta biografia providenciando mais fontes fiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes fiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Frei Betto
Nome completo Carlos Alberto Libânio Christo
Nascimento 25 de agosto de 1944 (70 anos)
Belo Horizonte
Nacionalidade Brasileira
Ocupação Religioso, Teólogo, Escritor

Carlos Alberto Libânio Christo, o Frei Betto[1] , (Belo Horizonte, 25 de agosto de 1944) é um escritor e religioso dominicano brasileiro, filho do jornalista Antônio Carlos Vieira Christo e da escritora e culinarista Maria Stella Libanio Christo, autora do clássico "Fogão de Lenha - 300 anos de cozinha mineira" (Garamond).

Professou na Ordem Dominicana, em 10 de fevereiro de 1966, em São Paulo.

Adepto da Teologia da Libertação, é militante de movimentos pastorais e sociais, tendo ocupado a função de assessor especial do presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva entre 2003 e 2004. Foi coordenador de Mobilização Social do programa Fome Zero.

Esteve preso por duas vezes sob a ditadura militar: em 1964, por 15 dias; e entre 1969-1973.[2] Após cumprir quatro anos de prisão, teve sua sentença reduzida pelo STF para dois anos. Sua experiência na prisão está relatada nos livros "Cartas da Prisão" (Agir), "Dário de Fernando - nos cárceres da ditadura militar brasileira" (Rocco) e Batismo de Sangue (Rocco). Premiado com o Jabuti de 1983, traduzido na França e na Itália, Batismo de Sangue descreve os bastidores do regime militar, a participação dos frades dominicanos na resistência à ditadura, a morte de Carlos Marighella e as torturas sofridas por Frei Tito. Baseado no livro, o diretor mineiro Helvécio Ratton produziu o filme Batismo de Sangue, lançado em 2007.[3]

Frei Betto recebeu vários prêmios por sua atuação em prol dos direitos humanos e a favor dos movimentos populares.[carece de fontes?]

Assessorou vários governos socialistas, em especial Cuba, nas relações Igreja Católica-Estado.[4] [5]

Prêmios[editar | editar código-fonte]

  • Prêmio Juca Pato, 1985, com "Batismo de Sangue".
  • Prêmio Jabuti, da Câmara Brasileira do Livro, duas vezes: em 1982, pelo mesmo "Batismo de Sangue" e 2005, com "Típicos Tipos – perfis literários".
  • Intelectual do Ano, título dado pela União Brasileira de Escritores em 1986, por seu livro "Fidel e a Religião".
  • Prêmio de Direitos Humanos da Fundação Bruno Kreisky, em Viena, em 1987.
  • Melhor Obra Infanto-Juvenil, da Associação Paulista de Críticos de Arte, por seu livro "A noite em que Jesus nasceu", em 1988.
  • Troféu Sucesso Mineiro, em 1996, da Prefeitura Municipal de Belo Horizonte.
  • Prêmio Paolo E. Borsellino, na Itália, por seu trabalho em prol dos direitos humanos. Foi o primeiro brasileiro a receber o prêmio, concedido em maio de 1998.
  • Prêmio CREA/RJ de Meio Ambiente, em 1998, do CREA/RJ.
  • Medalha Chico Mendes de Resistência, concedida pelo Grupo Tortura Nunca Mais do Rio de Janeiro em 1998.
  • Troféu Paulo Freire de Compromisso Social em 2000.
  • Medalha da Solidariedade do governo cubano, em 2000.
  • Uma das 13 Personalidades Cidadania 2005, numa iniciativa da UNESCO, Associação Brasileira de Imprensa e jornal Folha Dirigida.
  • Medalha do Mérito Dom Helder Câmara do Instituto Cidadão, pelos serviços prestados na preservação e fiscalização da gestão pública moral e legal, em 2006.
  • Título de Cidadão Honorário de Brasília, em 2007, concedido pela Câmara Legislativa do Distrito Federal.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Publicou obras que abrangem diferentes gêneros:

  • Ficção: Hotel Brasil e Entre todos os homens
  • Literatura infanto-juvenil: Uala, o amor
  • Ficção juvenil: Alucinado som de tuba e O vencedor
  • Ensaio: A obra do artista - Uma visão holística do universo e Sinfonia universal- a cosmovisão de Teilhard de Chardin, Treze contos diabólicos e um Angélico
  • Memórias: A mosca azul, Batismo de sangue e Alfabetto: autobiografia escolar.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Projetos relacionados[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Frei Betto

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Skidmore, Thomas E.. The Politics of Military Rule in Brazil, 1964-1985. [S.l.]: Oxford University Press US, 1990. p. 355. ISBN 0-19-506316-3.
  2. Marcos Petrucelli (Data desconhecida). Batismo de Sangue (Batismo de Sangue, Brasil, 2006). Visitado em 11 de Maio de 2012.
  3. Alan Riding (1989-02-05). Brazil's Cardinal's Praise of Castro Stirs Protest The New York Times. Visitado em 2008-02-06.
  4. Richard N. Ostling (1985-12-30). Castro Looks at Christianity Time. Visitado em 2008-02-06.