Gaita de fole

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Gaita de fole
Informações
Classificação Hornbostel-Sachs
Extensão
Várias extensões possíveis.
Ver texto.
Instrumentos relacionados
Oboé, Clarinete
Relacionados
Música tradicional, Folk, Etnomusicologia

Gaita de fole (também gaita de foles, cornamusa, museta, musette ou simplesmente gaita) é um instrumento da família dos aerofones, composto de pelo menos um tubo melódico (chamado ponteiro ou cantadeira, pelo qual se digita a música) e dum insuflador mediado por uma válvula (chamado soprete ou assoprador), ambos ligados a um reservatório de ar (chamado fole ou bolsa); na maioria dos casos, há pelo menos mais um tubo melódico, pelo qual se emite uma nota pedal constante em harmonia com o tubo melódico (chamado bordão ou ronco). É um instrumento modal, na maioria das vezes jônio (modo de dó), apesar de haver modelos em modos mixolídio (modo de sol) e eólio (modo de lá), para além de possíveis outros.

A cantadeira possui a peculiar configuração de ser construída baseada numa nota (chamada tonal, geralmente soada com todos os furos fechados), e afinada noutra (chamada sensível, geralmente a primeira nota aberta), a qual rege a afinação da nota pedal soada pelo bordão (geralmente uma oitava abaixo da nota sensível da cantadeira). As possíveis afinações variam de gaita para gaita, geralmente em dó, ré, sol, lá, si ou si bemol.

Outra peculiaridade das gaitas-de-fole é integrarem o restrito grupo de instrumentos de ar que tocam contínua e mecanicamente, sem necessidade de pausa para o músico respirar.

Subdivisões morfológicas[editar | editar código-fonte]

Podemos dividir as gaitas-de-fole em três categorias relativas à morfologia do ponteiro, a peça onde o gaiteiro toca com os dedos: 1º as que possuem ponteiros cónicos e que regra geral funcionam com palheta dupla; 2.º as de ponteiros cilíndricos que costumam possuir palheta simples; 3.º e as de ponteiros cilíndricos duplos com palheta dupla e sem qualquer bordão a emitir nota pedal. Esta classificação refere-se unicamente ao modo como os ponteiros são torneados no seu interior e não ao seu aspecto externo já que pode acontecer que ponteiros com conicidade interna sejam cilíndricos no seu exterior e vice-versa. As palhetas, quer sejam de lâmina dupla ou simples, são geralmente feitas com cana-do-reino (Arundo donax). Já as palhetas de lâmina simples, são chamadas de palhão.

Gaitas-de-fole com ponteiro cônico[editar | editar código-fonte]

A conicidade do ponteiro atribui a estas gaitas-de-fole uma potência sonora relevante, devido à sua palheta dupla (cuja resistência das lâminas as tornam mais potentes do que as de palheta simples). A digitação do ponteiro costuma ser tocada em modo aberto ou semi-fechado. Nos seus bordões usam-se os palhões. São gaitas típicas da Europa Ocidental, com subdivisões no que se refere à classificação de outros pormenores (grupo ibérico, franco, bretão etc.). A maioria dos modelos é insuflado através do assoprete. Alguns exemplos de gaitas desse tipo:

Flag of Scotland.svg Gaita das Highlands (gaita escocesa, great Highland bagpipes ou pìobh-mhòr) – Terras Altas/Escócia † Þ Flag of Scotland.svg Gaita das Bordas (Lowland pipes ou Northumbrian half-longs) – Bordas/Escócia e Nortúmbria/Inglaterra ‡ Þ
Flag of Ireland.svg Gaita irlandesa (uilleann pipes ou pìobh-uilleann) – Irlanda ‡ Þ Flag of Bulgaria.svg Kaba (Kaba Gaida) – Montanhas Rhodope/Bulgária † Þ
Flag of Galicia.svg Gaita galega Galiza e Portugal ‡ Þ Flag of Rhineland-Palatinate.svg Dudelsack Renânia/Alemanha e Países Baixos ‡ Þ
Flag of Asturias.svgLabaro cantabro.svg Gaita asturiana Astúrias e Cantábria ‡ Þ Flag of Molise.svg Zampogna (Zampogna di Scapoli) – Isérnia/Itália ‡ Ψ Ħ
Flag of Castilla y León.svg Gaita sanabresa Zamora ‡ Þ Flag of Limousin.svg Chevrette (Chabrette) – Limusine/França ‡ Þ
Pt-mdr1.png Gaita Mirandesa (gaita portuguesa, gaita de foles
ou gaita mirandesa) – Trás-os-Montes/Portugal ‡ Þ
Flag of Auvergne.svg Cabrette Auvérnia/França ‡ Ψ
Flag of Auvergne.svg Grande cornamusa Auvérnia/França ‡ Þ Flag of Languedoc-Roussillon.svg Bodega (Cabra) – Languedoque/França
Flag of Brittany (Gwenn ha du).svg Biniou koz Bretanha/França ‡ Þ Flag of Calabria.svg Grande zampogna Campânia/Itália ‡ Ψ Ħ
Flag of Scotland.svg Parlour pipe Escócia ‡ Þ Flag of Catalonia.svg Sac de gemecs Catalunha ‡ Þ
Emilia-Romagna-Bandiera.png Piva emiliana – (Piva emiliana) - Emìlia-Romanha/Italia ‡ Þ Flag of Liguria.svg Musa do apennin – (Müsa apenninica) - Liguria/Italia ‡ Þ
: Ponteiro com palheta simples
:Ponteiro com palheta dupla
Þ: bordão com palheta simples
Ψ: bordão com palheta dupla
Ħ: Ponteiro duplo
Obs.: as regiões supracitadas indicam os locais aos quais os referidos modelos são tradicionalmente vinculados.

Gaitas-de-fole com ponteiro cilíndrico[editar | editar código-fonte]

Muitas gaitas de ponteiro cilíndrico começaram a ser populares a partir do barroco, por serem excelentes instrumentos de câmara. Isso deve-se ao facto de apresentarem um som geralmente mais doce e suave, graças ao seu torneado assim como à palheta simples e ao lúmen cilíndrico do ponteiro. A partir do período barroco proliferaram diferentes modelos do instrumento, em especial na França e Alemanha. Contudo há que frisar que existem modelos com palheta dupla no ponteiro e a sua digitação pode variar entre o aberto, o semi-fechado e o fechado – dependendo do modelo. Grande parte destas gaitas é insuflada por um fole mecânico (de ar-frio). Muitos modelos cilíndricos possuem ponteiro duplo. Alguns exemplos de gaitas com ponteiro cilíndrico:

Flag of Scotland.svg Smallpipe escocesa - Escócia Flag of Scotland.svg Shuttle pipe Bordas/Escócia
Brasao-nortumbria.jpg Smallpipe nortumbriana Nortúmbria/Inglaterra
e Bordas/Escócia
‡ Þ
Flag of the Czech Republic.svg Bohemischer Boch (Ceske Dudy) –
Baviera/Alemanha e Boêmia/Chéquia † Þ
Flag of Aquitaine.svg Boha Aquitânia/França † Þ Wroclaw horizontal flag.svg Slaski (Slaski Gajdy) – Silésia/Polônia † Þ
Flag of Tunisia.svg Mezoued (Zukra) - Tunísia † Ħ Flag of Serbia.svg Gajdy Sérvia † Þ Ħ
Dalarna vapen.svg Säckpipa Dalarna/Suécia † Þ Flag of Croatia.svg Diple Dalmácia/Croácia
Flag of Bulgaria.svg Dhzura (Dhzura Gaida) - Bulgária Flag of Calabria.svg Surdulina (Zampogna) – Calábria/Itália † Þ Ħ
Flag of Hungary.svg Duda Hungria † Þ Bannerasicilia.gif Ciaramedda (Zampogna) – Sicília/Itália † Þ Ħ
POL województwo wielkopolskie flag.svg Flag of Poland.svg Dudy Grande Polônia/Polônia † Þ Flag of Turkey.svg Tulum Turquia
Flag of Macedonia.svg Gaida (gaita macedônica) – Macedônia † Þ Flag of Croatia.svg Surle Zagórjia/Croácia † Ħ
POL województwo małopolskie flag.svg Flag of Poland.svg Koza Pequena Polônia/Polônia † Þ Flag of France.svg Musette de Cour França ‡ Ψ Ħ
: ponteiro com palheta simples
: ponteiro com palheta dupla
Þ: bordão (drone) com palheta simples
Ψ: bordão (drone) com palheta dupla
Ħ: ponteiro duplo
Obs.: as regiões supracitadas indicam os locais aos quais os referidos modelos são tradicionalmente vinculados.

Ar-quente e ar-frio[editar | editar código-fonte]

Há ainda uma distinção entre as gaitas-de-fole: as que são insufladas por meio dum assoprete – chamadas de ar-quente por necessitarem do fôlego do músico –, e as que são insufladas por um fole mecânico conhecido por barquim – chamadas de ar-frio (ou cauld-wind no Scots). Na verdade essa distinção não é, musical e morfologicamente, muito relevante. Isso porque o sistema sonoro das palhetas, ainda que apresentando diferenças perante o nível de umidade de cada sistema, permanece praticamente o mesmo. Tanto é que muitos instrumentos tradicionalmente de ar quente são encontrados munidos de fole mecânico, e vice-versa. A distinção relativa ao torneado do ponteiro e os tipos de palhetas utilizados são muito mais relevantes para as classificações organológicas.

A distinção quanto ao torneamento da cantadeira e os tipos de palhetas utilizados são muito mais relevantes aos musicólogos.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

Não há certeza sobre a origem do termo gaita. De acordo com Joan Corominas, viria do gótico gaits (goat, cabra), mas muitos outros filólogos discordam dessa teoria, inclusive defendendo a hipótese de ser uma palavra de origem árabe, já que em árabe “ألغيْطه” (al-ghaytah) significa “palheta”. Já fole viria do latim follis (bolsa, almofada de vento). Em última análise, podemos “traduzir” o termo gaita-de-fole como bolsa de cabra, referência direta ao fole do instrumento.

Em muitas regiões distintas, o instrumento foi batizado simplesmente com o termo que designa o animal do qual se extrai o couro para sua bolsa: ghaida, gaida, gajdy, cabra etc.

Em português, registram-se oficialmente outros termos que definem gaita, todos galicismos a referir, originalmente, modelos franceses de gaita-de-fole:

  • cornamusa;
  • museta (há instrumento português homônimo similar ao oboé);
  • musette.

Também, é curioso notar que a palavra gaiteiro no idioma português significa, diretamente, pessoa festeira, o que denuncia a associação do instrumentista aos eventos populares. Termo esse que distingue o instrumentista de gaita-de-fole daquele que toca harmônica, chamado gaitista.

As palavras folegar e fôlego compartilham da mesma raiz da palavra fole.

Polêmica sobre a grafia correta[editar | editar código-fonte]

Muito se discute a respeito da correta grafia do termo. Apesar de ser muito comum o termo gaita de foles, acredita-se que seja uma corruptela recente do termo. Inicialmente porque o instrumento, tradicionalmente mais arraigado entre as populações rurais, ainda é referido como gaita-de-fole nas regiões onde ainda é comum, como em Trás-os-Montes.

Uma das prováveis teorias é a de que eruditos da cena urbana tenham acrescentado o S em fole por referência aos instrumentos de ar frio, os quais usam um fole mecânico para insuflar o outro fole, a bolsa (feito as musetas), enquanto outros acreditam que a corruptela faz referência à forma latina do termo: follis.

Ocorre que, em qualquer idioma em que haja registro do termo, não se manteve a terminação IS, principalmente porque nos chegaram hoje versões do romanso, ou do latim tardio:

  • espanhol: fuelle
  • francês: fou
  • galego: fole, fol
  • italiano: folle
  • leonês: fuelle
  • português: fo(l)le
  • provençal (> espanhol): fol
  • romeno: foale
  • veneziano: fola, folo, friul, fol(e)

Em especial, em galego registra-se gaita de fol ou gaita de fole, o que é relevante tendo em vista sua proximidade com o português. Ainda assim, gaita de foles não é considerado hoje um termo errado, ainda que impreciso. Há quem defenda, inclusive, que literários e músicos do cenário urbano, já em fins do século XIX, passaram a utilizar o termo gaita-de-foles para designar as musetas, como a gaita irlandesa, as quais possuem dois foles: a bolsa e o fole mecânico.

Cada secção, um termo[editar | editar código-fonte]

Gaita das Highlands
nº01
Ponteiro ou Cantadeira
Tubo melódico pelo qual se digita a música, cuja extremidade geralmente possui uma campânula.
nº05-07
Bordão, Ronco ou Roncão
Tubo melódico pelo qual soa-se a constante nota pedal, geralmente distinguindo-se entre baixo e tenor quando há mais de um. A depender do modelo e costume, o bordão composto apenas de ombreira e copa é também chamado de ronqueta.
nº03
Ombreira
Sessão inferior do bordão, ligada ao soquete.
nº06
Entremeia
Sessão intermediária do bordão.
nº05
Copa
Sessão superior do bordão, cuja ponta geralmente possui um sino.
nº04
Soprete ou Assoprador
Peça pela qual insufla-se o fole nos modelos de ar quente, regulado por uma válvula que impede a saída de ar pelo mesmo.
nº03
Buxa ou Soquete
Peça pela qual ligam-se bordões, assoprador e cantadeira ao fole.
nº02
Fole, Odre ou Bolsa
Reservatório de ar, por meio do qual soam-se as palhetas do instrumento.
Fole mecânico
Peça pela qual insufla-se o fole nos modelos de ar frio, ligado por um tubo de plástico ou similar, e regulado por uma válvula.
nº03
Palheta
e Palhão
Item que produz o som da gaita, a ser ressoado pelos tubos melódicos; composta de duas lâminas de cana-do-reino ou similar, unidas a um pequeno tubo chamado tudel, presas por um anel metálico ou similar chamado frenilho. Quando composta de uma lâmina simples, é chamada de palhão.
nº08
Franjas
e Cordão
Enfeites compostos por fios a enfeitar a veste do fole e/ou o cordão do bordão, muito comuns nos modelos ibéricos.
nº08
Borlas
Pingentes geralmente presos às extremidades do cordão.
nº02
Vestimenta
ou Capa
Tecido que envolve a bolsa, de forma ornamental.

História[editar | editar código-fonte]

O instrumento inserido no contexto popular na Idade Média.

É extremamente polêmica a discussão sobre as origens do instrumento, pautada por diferentes teorias. Contudo, é aceito por muitos que sua provável gênese tenha se dado entorno do Mediterrâneo ou Oriente Próximo, onde havia farta matéria-prima e onde o instrumento proliferou em variedades. Em especial, questiona-se muito hoje se a civilização egípcia realmente cultivou o instrumento de forma relevante, visto a inexistência de registos – o que contradiz o hábito deles de observar aspectos cotidianos de seu povo.

A partir de então, a polêmica se torna maior ainda quando debate-se sobre sua difusão. Alguns crêem que o Império Romano a tenha disseminado pela Europa, visto os registros escritos do historiador romano Gaio Suetônio Tranqüilo e do filósofo grego Dio Crisóstomo (ambos do século I a II d.C.) sobre um aerofone semelhante a uma gaita-de-fole, utilizada por soldados durante marchas e momentos de lazer, chamada Tibia utricularis. Outros pesquisadores, no entanto, não aceitam essa tese, pois defendem que os povos antigos já comerciavam entre si, havendo um grande intercâmbio de cultura muito antes da ascensão romana.

A verdade é que pouco se sabe sobre esse período seminal. Os primeiros registros sólidos de diferentes modelos do instrumento datam a partir de meados da Idade Média, por meio de esculturas, pinturas, gravuras e textos. Suas propriedades sonoras, de alta potência, sempre agradaram muito as populações mais modestas, pastoris, entre as quais o instrumento gozou de maior admiração.

A partir da Renascença e principalmente a partir do período Barroco é que se desenvolveram modelos de gaita-de-fole mais “sofisticados”, com fole mecânico e inúmeras chaves e reguladores, capazes de soarem mais de uma oitava numa escala cromática – são as musetas, que apesar do nome, proliferam inicialmente não só na França como na Alemanha também, dois caldeirões de ideias novas para a música e a lutheria. Esses modelos chegaram posteriormente à Inglaterra e finalmente à Irlanda, sendo adaptados à estética local.

Infelizmente, foi justamente nesse período que as gaitas-de-fole começaram a sofrer seu declínio, especialmente as de ar quente. A estética musical começava a se transformar, novos instrumentos como os metais passam a competir com as gaitas e as possibilidades sonoras de apelam ao gosto das pessoas. As gaitas-de-fole passam a ser cada vez menos preservadas e, pouco a pouco, retornam às suas origens: populações pastoris, isoladas em pontos ermos, são preservadas em suas tradições.

No final do século XVII, o instrumento ainda gozava de admiração entre as elites.

Uma das raras exceções a essa trajetória é a gaita das Highlands, a essa altura tratada pelo povo britânico como um instrumento de guerra e mantido entre os batalhões reais, preservando-se e desenvolvendo-se suas características e repertório. Também, graças ao Império Britânico é que a gaita das Highlands disseminou-se pelo globo, sendo difundida entre os povos outrora colonizados e dentre os quais até hoje se toca o instrumento.

A partir de inícios do século XX é que se retomou de forma relevante o gosto pelo instrumento. Muitos creditam ao Romantismo, uma retomada burguesa de ideais tradicionais, essa renovação do instrumento. Inicialmente a partir de iniciativas pontuais, como a oficialização de bandas e campeonatos entre os escoceses e encontros de músicos tradicionais na França. O sopro de revitalização aumentou ao longo das décadas, e cada vez mais povos perceberam a riqueza daqueles antigos instrumentos. Em meados dos anos 1970, alguns modelos centrais do instrumento – como a gaita galega, a irlandesa e a das Highlands – sofreram alterações morfológicas e de repertório que atendiam estéticas musicais modernas, dividindo opiniões sobre sua legitimidade. Novas gaitas, como a smallpipe escocesa, surgem a início dos anos 1980, ajudando a difundir ainda mais o gosto por esses instrumentos.

Hoje, as gaitas-de-fole de diferentes modelos alegram o público, seja por meio de performances tradicionais ou modernas, com a adição de novos arranjos. Infelizmente, porém, essa retomada deu-se de forma tardia a muitos modelos do instrumento, que chegaram hoje até nós apenas na forma de um ou dois modelos únicos quando muito, e com repertório tradicional limitado ou nenhum, visto a falta de registros duma tradição oral e a extinção dos músicos tradicionais. Foi o caso de modelos como a säckpipa sueca e da düdelsack germânica, ou da gaita transmontana, que estava em via de extinção.

Tradição versus massificação[editar | editar código-fonte]

À medida que um determinado modelo de gaita-de-fole volta a se consolidar como instrumento popular, é comum a aparição de diferentes correntes que seguem ideologias opostas: os que preferem a cristalização do instrumento tal como rege sua tradição, e os que buscam experimentações modernas, a combinar diferentes instrumentos em diferentes composições rítmicas. Apesar das aparências, contudo, essas diferenças são complementares e a existência desses dois grupos necessária para o desenvolvimento do instrumento e sua maior aceitação por um público hoje muito diferente do que fora há alguns séculos.

Típica cena da Natividade, em que um gaiteiro figura-se ao fundo.

O mito celta[editar | editar código-fonte]

Dentre as hipóteses menos consideradas por historiadores sérios está o famoso mito celta. Para muitas pessoas, a gaita-de-fole estaria associada a povos descendentes dos celtas, os quais teriam criado e desenvolvido o instrumento. Muitas influências modernas contribuíram para essa crença, como o movimento New Age e a ignorância de outros modelos além da gaita das Highlands.

O fato é que as gaitas-de-fole se desenvolveram independentemente dos povos celtas, sem qualquer relação com eles. Para além das diversas torrentes migratórias ao longo dos séculos por diferentes povos, hoje questiona-se muito a real extensão desse povo.

Esse mito hoje serve sobretudo às indústrias culturais de massas, em especial à fonográfica e à cinematográfica.

Gaita-de-fole e a religiosidade[editar | editar código-fonte]

Diferentes modelos de gaitas-de-fole estiveram intimamente ligados à religiosidade ao longo dos séculos. Registros medievais trazem-nos a associação desses a festividades, cultos, peregrinações e procissões. Isso se deve muito pelo fato de diversas comunidades pastoris apresentarem fortes crenças religiosas, meio em que as gaitas-de-fole eram mais populares. Ademais, igrejas européias de diferentes períodos apresentam esculturas e pinturas de anjos a tocar gaitas-de-fole, em parte por iniciativa dos próprios artesãos e alvineiros -- os quais em grande parte tinham contato com o instrumento.

Apesar disso, com a ascensão doutro aerofone – o órgão de tubos – e o vínculo arraigado das gaitas com festividades folclóricas e populares, vincularam-na cada vez mais a uma imagem pagã, sendo prescrita em diferentes momentos da história em diferentes localidades, especialmente por religiões cristãs. A Reforma Protestante, de John Knox, é um exemplo de como a imagem do instrumento foi alterando-se com o tempo: tocar gaita-de-fole passou a ser um pecado na Escócia do século XVI.

Referências

  • OLIVEIRA, Ernesto Veiga de. Instrumentos Populares Portugueses
  • GIACOMETTI, Michel. Cancioneiro Popular Português
  • CHEAPE, Hugh. The Book of the Bagpipe

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Gaita de fole


Gaitas-de-fole

Ponteiro cônico
Biniou koz | Bodega | Cabrette | Chevrette | Düdelsack | Gaita asturiana | Border pipes |Great Highland bagpipe | Gaita galega | Uilleann pipes | Gaita sanabresa | Gaita transmontana | Grande cornamusa | Grande zamponha | Kaba | Parlour pipe | Sac de gemecs | Zampogna di Scapoli

Ponteiro cilíndrico
Boha | Bohëmischer Boch | Ciaramedda | Dhzura | Diple | Duda | Dudy | Gaida | Gajdy | Koza | Mezoued | Musette de cour | Säckpipa | Shuttle pipe | Slaski | Scottish smallpipes | Northumbrian smallpipes | Surdulina | Surle | Tulum