Aquitânia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Aquitaine
Aquitânia
Bandeira
Flag of Aquitaine.svg
Brasão
Blason de l'Aquitaine et de la Guyenne.svg
Informações
Prefeitura regional Bordeaux
Arrondissements 18
Cantões 235
Comunas 2296
Sítio oficial aquitaine.fr
Dados Estatísticos
Área 41 309 km²
População 3 177 625 hab. (2008)
Densidade populacional 76,9 hab./km²
Dados políticos
Presidente do conselho regional Alain Rousset (PS)
(desde 2010)
Departamentos
Dordogne
Gironde
Landes
Lot-et-Garonne
Pyrénées-Atlantiques
Mapa - Localização de Aquitânia
Aquitaine map.png
Localização da Região de Aquitânia na França
Bordéus e o rio Garona

A Aquitânia (em francês: Aquitaine) é uma região administrativa do sudoeste da França limitada a oeste pelo Oceano Atlântico e a sul pela Espanha. Compreende os departamentos de Dordonha, Gironda, Landes, Lot-et-Garonne e Pirenéus-Atlânticos[1] .

História[editar | editar código-fonte]

Provavelmente o primeiro homem que chegou na Aquitânia foi o homem de Cro-Magnon mais ou menos há 40 mil anos. No paleolítico superior, os Aquitanos deixaram vários vestígios entre eles pinturas nas cavernas Lascaux e um busto chamado Vênus de Brassempouy ou Dama de Brassempouy. Do período neolítico são achados vestígios humanos pela presença de dólmens (espécies de túmulos) e pelos menires (monumentos em pedra).

Durante a conquista romana da Gália por Júlio César, a população que lá residia era chamada de ibérica pelo imperador romano. Na verdade eram os vascones, prováveis antepassados dos bascos. Não se sabe ao certo em que época eles começaram a habitar a região. A Aquitânia foi conquistada pelos romanos em 56 a.C. por Marco Licínio Crasso a mando de Júlio César. Sob o Império Romano faziam parte da Aquitânia o sudoeste da Gália dos Pirenéus ao vale do rio Loire incluindo Auvergne. Saintes e Bordéus foram capitais da Gália Aquitânia.

Os visigodos chegaram a região em 412-413 vindos de Provença e da Itália pouco antes do início da Idade Média. A região foi posteriormente conquistada pelos francos e finalmente estruturada como um ducado independente, Ducado da Aquitânia. Em 671, a Aquitânia conseguiu sua independência liderada pelo duque Loup. O duque da Aquitânia, Eudes, vence uma batalha contra os sarracenos que invadiam a Aquitânia. Entre 742 e 743, os filhos de Carlos Martel fazem campanhas contra a Aquitânia.

Em 781, Carlos Magno (rei franco) nomeia seu filho, Luís I o Piedoso (aos três anos de idade) rei da Aquitânia. Com a morte de Carlos Magno, Luís passa seu trono a seu filho, Pepino. Com a morte de Pepino, Luís nomeou outro filho (Carlos II, o Calvo) como rei mas com sua morte surgiu uma guerra pela sucessão do trono entre o filho de Pepino (Pepino II) e Carlos, o calvo. A disputa só terminou em 860.

Em 877, a Aquitânia se dividiu em dois ducados: Gasconha e Aquitânia. Em 1058, eles se uniram novamente.

No século XII, a duquesa Leonor da Aquitânia casou-se com o rei Luís VII de França com quem teve duas filhas. O casamento foi anulado com a alegação de laços de consanguinidade, causa frequente quando a nobreza queria desfazer um casamento, porque Leonor queria se casar novamente mas com o rival de Luís VII, o rei inglês Henrique II. Com a morte de Henrique II, seu filho Ricardo Coração de Leão assumiu o trono e o título de Duque de Aquitânia sempre ameaçado pelo seu irmão, João I de Inglaterra - o João Sem Terra - que não poupou esforços na tentativa de usurpar o trono enquanto o irmão lutava contra Saladino na Terceira Cruzada.

Com a morte de Ricardo, atingido por uma flecha numa batalha sem nenhuma importância, João tornou-se o Rei da Inglaterra assumindo também o Ducado de Aquitânia, contra a vontade dos seus opositores, que preferiam seu sobrinho Artur, filho de seu irmão Godofredo com Constance de Bretanha.

Um século mais tarde a França e a Inglaterra se enfrentaram na Guerra dos Cem Anos (1337 - 1453), quando o rei inglês Eduardo III (descendente da dinastia Plantageneta e do rei Henrique II) reivindicou o trono de França. Com o fim da guerra, a Aquitânia passou a fazer parte definitivamente de França.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Área: 41 400 km² (7.6 % da superfície total de França). População: 2 967 000 (4.97% da população total de França) (2002).

A região é banhada ao oeste pelo Oceano Atlântico (golfo da Biscaia ou da Gasconha) desde o estuário da Gironda até à desembocadura do rio Bidasoa (Costa da Prata). Ao sul, está atravessada pelos Pirenéus que a separa de Espanha (Aragão, Navarra e País Basco).

As cidades mais importantes da Aquitânia são: Bordéus (Bordeaux), Pau, Baiona (Bayonne), Agen, Mont-de-Marsan, Biarritz, Périgueux, Bergerac, Dax e Libourne.

Economia[editar | editar código-fonte]

  • Agricultura: cultivo de uvas é uma das principais produções da região.
  • Indústrias:
    • Petróleo e gás natural são encontrados e produzidos na região.
    • Produção de vinhos: a produção dos famosos vinhos de Bordéus.
    • Aeroespacial

Língua[editar | editar código-fonte]

Fala-se principalmente o francês. Alguns falam a língua occitana (de origem românica), gascão (língua própria da Aquitânia) e euskera ou língua basca.

Comunas[editar | editar código-fonte]

Aquitanos famosos[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Aquitânia

Referências