João de Inglaterra

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de João I de Inglaterra)
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes. (desde abril de 2010). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
João
Rei da Inglaterra e Lorde da Irlanda
Duque da Normandia e Aquitânia
Rei da Inglaterra
Reinado 6 de abril de 1199
a 19 de outubro de 1216
Coroação 27 de maio de 1199
Predecessor Ricardo I
Sucessor Henrique III
Esposas Isabel, Condessa de Gloucester
Isabel de Angoulême
Descendência
Henrique III de Inglaterra
Ricardo, 1.º Conde da Cornualha
Joana de Inglaterra
Isabel da Inglaterra
Leonor de Leicester
Casa Plantageneta
Pai Henrique II de Inglaterra
Mãe Leonor da Aquitânia
Nascimento 24 de dezembro de 1166
Palácio de Beaumont, Oxford, Inglaterra
Morte 19 de outubro de 1216 (49 anos)
Castelo de Newark, Newark, Nottinghamshire, Inglaterra
Enterro Catedral de Worcester

João (Oxford, 24 de dezembro de 1166 – Newark, 19 de outubro de 1216), também conhecido como João Sem-Terra, foi o Rei da Inglaterra de 1199 até sua morte. Após a Batalha de Bouvines, João perdeu o Ducado da Normandia para o rei Filipe II de França, resultando na queda de quase todo Império Angevino e contribuindo para o crescimento da dinastia Capetiana no século XIII. A Primeira Guerra dos Barões no final de seu reinado levou a selagem da Magna Carta, um documento que algumas vezes é considerado como um dos primeiros passos rumo a Constituição do Reino Unido.

João, o filho mais novo de Henrique II de Inglaterra e Leonor da Aquitânia, não tinha esperanças inicialmente de herdar terras significativas. Ele tornou-se o filho favorito de seu pai após uma frustrada rebelião de seus irmãos mais velhos entre 1173 e 1174. João foi nomeado Lorde da Irlanda em 1177 e recebeu terras na Inglaterra e no continente. Seus irmãos mais velhos, Guilherme, Henrique e Godofredo, morreram jovens; quando Ricardo I tornou-se rei em 1189, João era um herdeiro em potencial ao trono. Ele tentou sem sucesso uma rebelião contra os administradores reais de Ricardo enquanto o rei participava da Terceira Cruzada. Mesmo assim, João foi proclamado rei em 1199 depois da morte de Ricardo, chegando a um acordo com Filipe II em 1200 para reconhecer sua posse das terras continentais angevinas.

Quando a guerra voltou a estourar com a França em 1202, João conseguiu vitórias iniciais, porém a falta de recursos militares e seu tratamento de nobres normandos, bretões e angevinos resultaram na queda de seu império no norte da França em 1204. Ele passou grande parte da década seguinte tentando reconquistar essas terras, levantando enormes receitas, reformando as forças armadas e reconstruindo alianças continentais. As reformas judiciais de João tiveram um impacto duradouro na Inglaterra, também mostrando-se uma fonte adicional de receitas. O rei foi excomungado em 1209 após uma discussão com o Papa Inocêncio III, porém a questão foi resolvida em 1213. João tentou derrotar Filipe novamente em 1214, porém falhou. Ao voltar para a Inglaterra, ele enfrentou uma rebelião de muitos de seus barões, que estavam insatisfeitos com suas políticas fiscais e o tratamento recebido. Apesar de João e os barões terem concordado com a Magna Carta em 1215, nenhum dos lados cumpriu as exigências do acordo. Uma guerra civil começou pouco depois, com os barões recebendo ajuda de Luís VIII de França. Logo o confronto chegou em um impasse. João morreu de disenteria em 1216 enquanto fazia campanha no leste da Inglaterra; os apoiadores de seu filho Henrique III conseguiram derrotar Luís e os barões rebeldes no ano seguinte.

Crônicos contemporâneos muito criticaram João como rei e desde então seu reinado foi assunto de grande debate e revisões históricas do século XVI em diante. O historiador Jim Bradbury resumiu a opinião histórica contemporânea das qualidades positivas de João, salientando que ele é normalmente considerado um "administrador dedicado, um homem e general capaz". Mesmo assim, historiadores modernos concordam que ele também tinha muitas falhas, incluindo aquilo que Ralph Turner descreve como "traços de personalidade de mau gosto, até mesmo perigosos", como mesquinhez, maldade e crueldade. Essas qualidades negativas mostraram-se um abundante material para escritores na era vitoriana, e João permanece até hoje um personagem recorrente na cultura popular ocidental, principalmente como vilão em filmes e histórias mostrando as lendas de Robin Hood.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre João de Inglaterra


João de Inglaterra
Casa de Plantageneta
24 de dezembro de 1166 – 19 de outubro de 1216
Precedido por
Ricardo I
Royal Arms of England (1198-1340).svg
Rei da Inglaterra, Duque da Normandia e Conde do Maine
6 de abril de 1199 – 19 de outubro de 1216
Sucedido por
Henrique III
Novo título Lorde da Irlanda
maio de 1177 – 19 de outubro de 1216
Precedido por
Leonor e Ricardo I
Duque da Aquitânia
6 de abril de 1199 – 19 de outubro de 1216
com Leonor (1199–1204)