Hérnia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Hérnia abdominal)
Ir para: navegação, pesquisa
Hérnia
Hérnia inguinal unilateral
Classificação e recursos externos
CID-10 K40-K46
CID-9 550-553
MedlinePlus 000960
eMedicine emerg/251 ped/2559
Star of life caution.svg Aviso médico

Hérnia é o deslocamento de partes do organismos através de orifícios nas paredes fibrosas (fáscias) natural ou adquirido. Formam uma saliência/protuberância visível e dolorosa. No caso das hérnias abdominais, elas geralmente aparecem quando o portador tenta levantar muito peso, sofre um golpe ou por causa de outras doenças.[1]

Os órgãos são mantidos no lugar por aponeuroses, músculos e pele, com algumas áreas fechadas por ossos. Mas quando, por qualquer motivo, ocorre um enfraquecimento desta parede, com a formação de um orifício na parte muscular ou aponeurótica da parede, as estruturas que estão dentro do abdome podem deslizar por um orifício (chamado de hiato ou túnel).

O tamanho do orifício (chamado de anel) é muito importante: caso o anel deste orifício seja largo o bastante para entrar e sair o intestino, por exemplo, ele causará apenas desconforto ao paciente. Mas caso o anel do orifício seja pequeno, corre-se o risco da alça intestinal entrar e não conseguir sair, trancando a circulação desta alça intestinal (estrangulamento).

Tipos[editar | editar código-fonte]

As hérnias podem ser classificadas de acordo com a sua localização e origem. Chama-se de hérnias abdominais aquelas cujo conteúdo se herniam através da parede abdominal.

Hérnia inguinal[editar | editar código-fonte]

Diagrama representando uma hérnia inguinal indireta

As hérnias inguinais são aquelas que ocorrem na região da virilha, e correspondem a 75% de todas as hérnias abdominais. Este tipo de hérnia é 25 vezes mais comum em homens do que em mulheres. São divididas em diretas e indiretas (mais comuns). As hérnias inguinais diretas são as decorrentes da fraqueza da parede do canal inguinal, e são mais comuns em pessoas mais velhas e que se submetem a um grande esforço abdominal (profissionais, esporte, tosse crônica, constipação, obesidade). As hérnias inguinais indiretas ocorrem devido a uma falha congênita da região inguinal, e por isso são mais comuns em crianças e adultos jovens.

O paciente com hérnia inguinal se queixa de abaulamento nesta região, com dor discreta associada, que piora com o esforço abdominal (tosse, evacuação, exercício, levantar objetos pesados). Ao exame, o médico percebe o abaulamento da região inguinal, que fica mais evidente quando o paciente aumenta a pressão abdominal por solicitação do médico. A diferenciação do tipo de hérnia inguinal, direta ou indireta, não tem importância no momento da consulta, porque o tratamento é semelhante para os dois tipos.

O tratamento das hérnias inguinais em alguns casos é cirúrgico. Quando a técnica usada é reparo com tensão existe 15% de chance delas voltarem a ocorrer. Técnicas mais modernas, sem tensão, tem menor índice de recorrência.[2]

Hérnia de hiato esofágico[editar | editar código-fonte]

Hiatus hernia.PNG

Na hérnia de hiato uma porção do estômago vai para dentro do tórax, através da entrada do esófago no diafragma (hiato esofágico). Estas hérnias causam refluxo do ácido estomacal para o esôfago (refluxo gastroesofágico), o que pode levar a azia, dor e erosão do esôfago. Muitas pessoas com essa hérnia não tem sintomas perceptíveis e não precisam de tratamento.[2] A cirurgia para reparar este tipo de hérnia pode ser feita por laparoscopia ou por procedimentos minimamente invasivos. Menos invasivo geram menos cicatrizes, menor risco de infecção e recuperação mais rápida. A recuperação leva um ou dois dias, mas o paciente deve evitar carregar peso por duas semanas.[3]

Hérnia de disco intervertebral[editar | editar código-fonte]

Raio X de uma hérnia de disco.

Na hérnia de disco, o disco cartilaginoso entre duas vértebras se rompe e o núcleo pulposo derrama sobre os nervos próximos podendo comprimi-los, resultando em dor, fraqueza e dormência. É mais comum em pessoas mais velhas, por golpe no local ou após carregar muito peso em posição inadequada. Pessoas obesas e trabalhadores braçais tem maior risco. [4]

Hérnia umbilical[editar | editar código-fonte]

A hérnia umbilical é causada por um defeito no fechamento da cicatriz umbilical, que pode ser congênito ou adquirido durante a vida. Nas crianças, em geral a hérnia umbilical se fecha até os dois anos, mas caso persista até os cinco anos, será necessário o tratamento cirúrgico. O exame abdominal revela a presença de abaulamento umbilical, principalmente quando o paciente faz força com o abdome. O tratamento é simples, e consiste na sutura do defeito umbilical.

Hérnia epigástrica[editar | editar código-fonte]

As hérnias epigástricas são as que acometem a linha mediana do abdome, tanto acima (mais comum) quanto abaixo da cicatriz umbilical. Também se caracterizam por abaulamento da região abdominal, e são tratadas com sutura do orifício herniário. São mais comuns em homens do que em mulheres.

As hérnias umbilicais e epigástricas apresentam baixo índice de recidiva.

Hérnia incisional[editar | editar código-fonte]

As hérnias incisionais ocorrem em locais do abdômen que já foram submetidos a uma incisão cirúrgica, e são resultantes da cicatrização inadequada dessas incisões. Este tipo de hérnia tem como característica apresentar altos índices de recidiva e de complicações. Os principais fatores que levam ao desenvolvimento de hérnias incisionais são: infecção da ferida cirúrgica no pós-operatório, obesidade, tratamento com corticoides e quimioterapia, complicações respiratórias (tosse) no pós-operatório, má nutrição e idade avançada.

Nas hérnias incisionais pequenas, o tratamento pode ser realizado apenas com a sutura simples do defeito da parede abdominal(herniorrafia). No entanto, nos casos de grandes hérnias incisionais, há a necessidade de colocação de uma rede propria, que é reabsorvida e serve para reforço da aponevrose. Nos pacientes obesos, a colocação da rede por via laparoscópica (por dentro do abdomén) pode apresentar vantagens. Quando a técnica utilizada é reparo com tensão a chance de novos casos é de 50%.[2]

Hérnia muscular[editar | editar código-fonte]

Ocorre quando fibras musculares atravessam partes danificadas da fáscias (tecido fibroso) que os revestem. São mais comuns na perna (hérnia femoral) e após ferimentos e/ou cirurgias no local. Podem ser consequência também de vulnerabilidade genéticas, má-formação da fáscia ou de treino muito pesado, especialmente com a hipertrofia e o uso de anabolizantes. [5]

Outros[editar | editar código-fonte]

  • Hérnia de Bochdaleck ou Diafragmática: falha de fechamento do diafragma, geralmente ocorre do lado esquerdo do diafragma, comprometendo o funcionamento do pulmão
  • Hérnia de Petit ou Lombar inferior: tem como principal queixa percepção de um tumor de consistência firme no dorso, que pode estar acompanhada de sensação de ardência ou dor. Ocorre nas costas perto da pélvis, acima da crista ilíaca.
  • Hérnia de Grynfelt ou Lombar superior: Similar a de Petit, mas abaixo da última costela.
  • Hérnias cerebrais ou cranianas: caracterizada pelo avanço do tecido encefálico para outras cavidades cranianas, para o exterior da caixa craniana (acompanhadas de traumatismos cranianos) ou invadindo o foramen magnum.

Complicações[editar | editar código-fonte]

As maiores complicações das hérnias abdominais são o encarceramento e o estrangulamento. O encarceramento é a manutenção de partes do conteúdo abdominal no saco herniário, ou seja, fora da cavidade abdominal, sem retorno deste conteúdo para o seu lugar correto. No estrangulamento, além do encarceramento, há o sofrimento do intestino ou de qualquer outra estrutura dentro do saco herniário, devido à compressão dos vasos sanguíneos, com consequente redução ou impedimento à circulação sanguínea .

O estrangulamento é uma urgência e a cirurgia para o tratamento da hérnia deve ser realizada o mais rápido possível, pois a parte do órgão que não recebe sangue e oxigênio eventualmente sofre isquemia e necrose(apodrecimento). Depois a parte afetada se rompe e ocorre a perfuração do intestino, liberando seu conteúdo diretamente na cavidade abdominal, espalhando a flora intestinal em locais sem defesa adequada e a necrose pode espalhar coágulos pelo sangue. Após alguns dias o paciente pode morrer de infecção generalizada (septicemia).

Outras complicações incluem hemorragia interna, desencadeamento de problemas auto-imune, inflamação e hidrocele (acumulo de fluídos no saco herniado).

Referências