Hiponatremia hipoosmolar

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Hiponatremia hipoosmolar (ou hipotônica) é uma condição na qual a hiponatremia está associada com baixa osmolalidade.[1]

Quando a osmolaridade plasmática está baixa, o estado de volume do fluido extracelular pode ser: hipovolêmico, normovolêmico ou hipervolêmico.

Hipovolêmico[editar | editar código-fonte]

A doença causadora deve ser tratada e deve ser dada solução salina isotônica introvenosa. É importante citar que a restauração súbida do volume sanguíneo para o normal irá parar o estímulo para a secreção continuada de ADH. Assim, uma diurese imediata de água irá ocorrer. Isso pode causar um aumento súbito e dramático na concentração do sódio sérico e colocar o paciente em risco para uma mielinólise pontino central. Esse transtorno é caracterizado por lesão neurológica importante, frequentemente permanente.

Por causa deste risco, os pacientes com hiponatremia hipovolêmicas podem precisar de infusão de água assim como reposição de volume. Dessa maneira diminui-se as chances de um aumento muito rápido no nível de sódio sérico enquanto o volume sanguíneo aumenta e os níveis de ADH caem.

Normovolêmica[editar | editar código-fonte]

Hipervolêmica[editar | editar código-fonte]

Colocar o paciente em restrição de água também pode ajudar nestes casos.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Gross P. (2008). "Treatment of hyponatremia". Intern. Med. 47 (10): 885–91. PMID 18480571.