Jerry Siegel

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Jerry Siegel
Jerome Siegel
Jerry Siegel (1976) retouched.jpg

Nascimento 17 de Outubro de 1914 Cleveland, Ohio, Estados Unidos
Morte 28 de janeiro de 1996 (81 anos) Los Angeles, Califórnia, Estados Unidos
Nacionalidade estadunidense
Área(s) de atuação escritor
Pseudônimo(s) Joe Carter[1] , Jerry Ess[1] , Herbert S. Fine
Trabalhos de destaque Superman, Action Comics #1

Jerome Jerry Siegel (17 de Outubro de 1914 - 28 de Janeiro de 1996) é uma das maiores figuras da história dos quadrinhos mundial. Artista norte-americano, criou em conjunto com Joe Shuster, o Superman.

Nascido a 17 de Outubro de 1914 em Cleveland, Ohio, sempre mostrou-se um ávido fã por histórias de ficção científica. Em 1929 (com 15 anos) publicou seu primeiro fanzine, intitulado "Cosmic Stories".[2] Muitos outros exemplares do mesmo gênero foram publicados mais tarde, mas seu sucesso pleno ainda estava por vir. E não demorou muito, pois veio juntamente com um futuro novo amigo, que acabara de mudar-se do Canadá. Esta pessoa era Joe Shuster.

Shuster e Siegel encontraram-se logo após a chegada do primeiro em Cleveland. Devido ao fascínio de ambos pela ficção, logo viraram bons amigos. Além disso, Siegel encantara-se pela arte de Shuster, o qual desenhava especialmente bem.

Em 1932, a dupla lançava no seu primeiro fanzine, chamado "Science Fiction", o conto The Reign of the Super-Man que foi o ponto de partida para o nascimento do Superman, personagem que mais tarde passou a ter a grande fama que tem.

Primeiros anos[editar | editar código-fonte]

Jerry Siegel era filho de imigrantes judeus da Lituânia, o mais jovem de seis irmãos. Seu pai, Mitchell Siegel (nome real Mikhel Segalovich) foi um pintor de placas que abriu uma loja de materiais e encorajou seu filho com inclinações artísticas. Mitchell morreu após um ataque cardíaco, quando sua loja foi roubada. Jerry estava na escola primária nessa época.[3] [4]

Jerry Siegel era um fã de filmes e quadrinhos, especialmente de revistas populares de ficção científica. Começou a se correponder com outros fãs do gênero, inclusive o futuro autor Jack Williamson. Em 1929, Siegel publicou o que pode ter sido o primeiro fanzine de ficção científica, Cosmic Stories, escrito com uma máquina de datilografia e anunciado nos classificados de Science Wonder Stories. Ele publicaria muitas outras revistas e similares nos anos seguintes.

Siegel se matriculou na Escola Secundária de Glenville em Cleveland, Ohio e trabalhou para um semanário estudantil, The Torch. Angariou alguma fama entre seus colegas com uma paródia de Tarzan chamada "Goober the Mighty." Aos dezesseis anos, ainda em Glenville, ele conheceu seu melhor amigo e futuro colaborador, Joe Shuster. Siegel descreveu assim sua amizade com Shuster:

Quando Joe e eu nos conhecemos, foi como dois elementos se juntassem em uma perfeita reação química.

A dupla criativa iniciou o trabalho nos quadrinhos com a célebre revista do Major Malcolm Wheeler-Nicholson chamada New Fun. Os personagens iniciais foram o mosqueteiro "Henri Duval" e o lutador sobrenatural contra o crime Doutor Oculto, no número 6 de outubro de 1935.

Superman[editar | editar código-fonte]

Siegel e Shuster criaram um vilão careca telepata chamado "The Superman," que desejava dominar o mundo. Ele apareceu numa história curta chamada "O reino do Super-Homem" de Science Fiction #3, um fanzine de ficção científica que Siegel publicara em 1933.[5] O personagem não fez sucesso. Depois de uma noite mal dormida em 1934, o personagem seria alterado para uma versão mais próxima do atual Superman.[6] Siegel e Shuster começaram então a jornada de seis anos tentando encontrar um editor para o personagem. The Superman foi oferecido aos editores de Consolidated Book Publishing, que tinham publicado um livro de quadrinhos em preto e branco de 48 páginas chamado Detective Dan: Secret Operative No. 48. Mesmo respondendo com uma carta encorajadora aos jovens artistas, a Consolidated nunca mais voltaria a publicar quadrinhos. Shuster se irritou e queimou todas as páginas de The Superman, restando apenas a capa salva por Siegel que a retirou do fogo. Siegel e Shuster então alteraram o personagem tornando-o comparável a Slam Bradley, um aventureiro criado pela dupla e que aparecera em Detective Comics #1 (março de 1937).[7] Em 1938, após uma proposta para More Fun Comics — publicado pela National Allied Publications, a precursora da DC Comics — o editor Vin Sullivan escolheu a nova aventura do personagem da dupla para a capa de Action Comics #1 (junho de 1938). No ano seguinte, Siegel & Shuster iniciaram a distribuição licenciada da tira do Superman. Siegel criaria o Espectro nesse mesmo período.

Em 1946, Siegel e Shuster, ao final do período do contrato de dez anos para produzirem as histórias do Superman, processaram a National pelos direitos do personagem. Em 1947, a dupla voltara ao editor Sullivan, que fundara e era o editor da Magazine Enterprises; na nova editora lançaram o cômico combatente do crime chamado Funnyman. Siegel então assumiria o cargo de diretor de arte da editora Ziff-Davis, em princípio da década de 1950. Mais tarde retornou à DC para escrever sem créditos as histórias do Superman a partir de 1959, sob a supervisão do editor do Superman da Era de Prata, Mort Weisinger. Novamente processou a DC pelos direitos de sua criação, em 1967, o que levou a que sua ligação com seu personagem mais famoso se interrompesse novamente.

Siegel mais tarde trabalharia para a Marvel Comics, usando o pseudônimo de "Joe Carter" ao roteirizar as aventuras do "Tocha Humana" que apareceram na revista Strange Tales #112-113 (setembro-outubro de 1963), criando a namorada adolescente do herói chamada Doris Evans; e, com seu próprio nome, uma história retroativa dos X-Men com o Anjo, que apareceu em Marvel Tales e Ka-Zar.[8] Siegel escreveu também para a Archie Comics, quando criou versões cômicas de super-heróis para a editora; para a Charlton Comics, onde criou alguns super-heróis; e para a inglesa Lion, escrevendo para aventuras de The Spider. Em 1968 ele trabalhou para a Western Publishing, escrevendo histórias dos Junior Woodchucks (Escoteiros-mirins), criados por Carl Barks. Na década de 1970, ele foi contratado pela Mondadori Editore, a editora italiana dos personagens da Disney que publicava a revista Topolino (nome no país do Mickey Mouse), creditado como roteirista ("soggettista e sceneggiatore")[9] [10] .

Em 1986, Siegel foi convidado pelo editor da DC Comics, Julius Schwartz, para escrever uma aventura imaginária do Superman chamada Superman: Whatever Happened to the Man of Tomorrow?, a última história do personagem antes de ser reformulado na fase pós-Crise pelas mãos de John Byrne com a minissérie The Man of Steel. Siegel não aceitou e o roteiro passou para Alan Moore. A história foi publicada em setembro de 1986 em duas partes nas revistas Superman #423 e Action Comics #583.

Siegel morreu em 1996. Em 2005, ele foi premiado postumamente com o prêmio Bill Finger pela excelência de seus escritos para os quadrinhos. Ele entrou para o Hall da Fama Jack Kirby em 1993.

Ações na Justiça[editar | editar código-fonte]

Siegel & Shuster versus Time Warner[editar | editar código-fonte]

Em 1975, Siegel lançou uma campanha pública de protesto contra a DC Comics, reclamando do tratamento que ele e Shuster recebiam da empresa;[11] A Warner Communications que controlava a DC aceitou pagar aos autores uma quantia vitalícia de 20 mil dólares por ano[12] e garantiu que todos os quadrinhos , episódios de série de TV (que inclui a popular série Smallville), filmes e mais tarde jogos eletrônicos com o Superman fossem creditados como "Superman, criado por Jerry Siegel e Joe Shuster."

Herdeiros de Siegel versus Time Warner[editar | editar código-fonte]

Em 16 de abril de 1999, a viúva de Siegel, Joanne Siegel, e a filha deles, Laura Siegel Larson, intimaram a empresa sobre direitos autorais.[12] Warner Bros. contestou essa intimação o que levaria a uma batalha legal. [13] Em 26 de março de 2008, o Juiz Stephen G. Larson da Corte da Califórnia sentenciou que os Siegel ficassem com uma parte dos direitos no país do personagem.[14] A sentença não afeta os direitos internacionais da Time Warner e da sua subsidiária DC Comics. Isso valia para os trabalhos publicados a partir de 1999.[15]

Superboy[editar | editar código-fonte]

Superboy foi objeto de uma batalha legal entre Time Warner, a proprietária da DC Comics e os herdeiros de Jerry Siegel. Os Siegels alegaram que Jerry Siegel era um trabalhador avulso quando propôs o personagem, que foi rejeitado pela DC à época. Quando retornou da Segunda Guerra Mundial, Siegel soube que a DC publicara uma história do Superboy, similar à sua proposta.[16]

Em 23 de março de 2006, o Juiz federal Ronald S. W. Lew deu ganho de causa aos Siegel. Warner Bros. e DC Comics entraram com recurso e ajuizaram uma moção em janeiro de 2007. Em 27 de julho de 2007, o Juiz Federal Larson (substituto de Lew) revogou a primeira sentença.[17]

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. a b Its BobRo the Answer Man (column): "Secret Identities," by Bob Rozakis, April 9, 2001
  2. Mike Ashley,Michael Ashley,Robert A. W. Lowndes. The Gernsback Days. [S.l.]: Wildside Press LLC, 2004. 217 pp. 0809510553, 9780809510559.
  3. Last Son, documentário sobre a criação do Superman que exibe a certidão de óbito de Mitchell <http://www.greendoorfilms.com/blog/>
  4. Colton, David. "Superman's story: Did a fatal robbery forge the Man of Steel?," USA Today (27 de agosto de 2008). Acessado wm 17 de fevereiro de 2009.
  5. Daniels, Les. Superman: The Complete History. 1st. ed. [S.l.]: Titan Books, 1998. ISBN 1-85286-988-7.
  6. Gross, John. "Books of the Times", New York Times, 15 de dezembro de 1987. Página visitada em 29-01-2007.
  7. Daniels (1998), p. 17.
  8. http://comics.org/search.lasso?query=joe+carter&type=writer&sort=alpha&Submit=Search
  9. Roberto Guedes (04/08/2008). Jerry Siegel, a Disney, os italianos, e a Banca do Mickey Blog Guedes Manifesto.
  10. Marcus Ramone (09/09/2010). Série de HQs de Jerry Siegel estreia em Tio Patinhas # 542 Universo HQ.
  11. Graham, Victoria. "Originators of Superman Destitute: Sold Rights in 1938 for $130," The State Journal (Lansing, Mich.), (25 de novembro de 1975), p. D-3.
  12. a b Dean, Michael (14-10-2004). "An Extraordinarily Marketable Man: The Ongoing Struggle for Ownership of Superman and Superboy". The Comics Journal 49 (263): 13–17. DOI:10.1021/jo00199a043.
  13. Vosper, Robert (fevereiro 2005). The Woman Of Steel Inside Counsel. Visitado em 26-01-2007. Cópia arquivada em 06-05-2007. "A DC não vai perder sua propriedade mais valiosa sem lutar na Justiça"
  14. "This Month in History," Smithsonian (junho de 2008).
  15. Ciepley, Michael. "Ruling Gives Heirs a Share of Superman Copyright" The New York Times, 29 de março de 2008. Acessado em 29-03-2008. Archived em 29-03-2008.
  16. McNary, Dave. "Super snit in 'Smallville'. (Skein faces copyright infringement charges)", Daily Variety, 5 April 2006. Página visitada em 08-12-2008.
  17. Trexfiles.com[ligação inativa]

Referências[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Jerry Siegel


Ícone de esboço Este artigo sobre autor ou ilustrador de banda desenhada é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.