Whatever Happened to the Man of Tomorrow?

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Whatever Happened to the Man of Tomorrow?
Whatever Happened to the Man of Tomorrow?.jpg

A capa do volume encadernado de 1997, uma versão alterada da arte de Superman #423
Editora Estados Unidos DC Comics
Publicação
Publicado em Superman #423 e Action Comics #583
Formato de publicação Arco de história
Publicação original Setembro de 1986
Qte. de edições 2
Gênero (s) História em quadrinhos americana de super-herói
Personagens Superman
(ver mais)
Equipe criativa
Roteirista(s) Alan Moore
Desenhista(s) Curt Swan
Arte-finalista(s) George Pérez
Kurt Schaffenberger
Colorista(s) Gene D'Angelo
(versão original)
Tom McGraw
(recolorização)
Projecto Banda Desenhada  · Portal da Banda Desenhada

Whatever Happened to the Man of Tomorrow? (em português: O que aconteceu ao Super-Homem?, O Adeus e O que aconteceu ao Homem de Aço? nas versões de 1991[1] , 2003[2] e 2006[3] , respectivamente) é uma clássica "história imaginária" de Superman escrita por Alan Moore. Desenhada por Curt Swan e arte-finalizada por George Pérez e Kurt Schaffenberger, foi publicada originalmente em 2 partes, ambas lançadas em setembro de 1986 em Superman #423 e Action Comics #583, e propõe o que seria "a última história" do personagem, encerrando a narrativa estabelecida entre 1938 e 1986 e o trabalho do editor Julius Schwartz nas revistas.

Moore pretendia, com a trama, homenagear toda a mitologia até então construída com Superman, criando uma trama que sintetizasse tudo o que ele significava[4] e que servisse como resolução para todos os elementos de seu enredo.[5] Durante a história, Lois Lane narra, para um jornalista do Planeta Diário, os eventos que haviam transcorrido dez anos antes e que marcaram o fim da carreira de Superman após anos de combate ao crime: violentos e sucessivos ataques por parte de seus inimigos, a revelação pública de sua identidade secreta e a morte tanto de alguns de seus entes queridos quanto de super-vilões.

Comumente citada como uma das melhores histórias do personagem, a trama já foi apontada por crítica e público como uma das mais memoráveis histórias em quadrinhos já publicadas e se tornou, ainda, uma referência sobre como "encerrar" uma revista e sua continuidade.

O termo "Homem do Amanhã" (Man of Tomorrow) é uma referência ao conceito de "Übermensch" citado em Assim Falou Zaratustra, de Friedrich Nietzsche. A obra do filósofo alemão foi uma das bases para a criação do personagem.[6]

Antecedentes e contexto[editar | editar código-fonte]

A revista Action Comics #1, lançada em abril de 1938 pela DC Comics (então denominada "National Allied Publications"), marcou o início da publicação do personagem Superman, criado por Jerry Siegel e Joe Shuster[7] e, já naquele momento, as histórias do personagem se mostraram um sucesso, com a tiragem de 200 mil exemplares[8] da revista esgotando-se rapidamente[9] A partir de sua quarta edição, Action já começaria a apresentar um significativo aumento em suas vendas, em comparação com os demais títulos da National: entre 1938 e 1939, já possuía uma tiragem de mais de 500 mil exemplares.[10]

A popularidade do personagem seguiria aumentando, e, na década de 1940, cada exemplar de Action Comics vendia 900 mil cópias, uma tiragem à época superada apenas pela revista Superman, que vendia cerca de 1,25 milhão de exemplares por mês.[10] No decorrer das décadas seguintes, o personagem passaria por significativas mudanças, e as tramas publicadas também evoluiriam, como um reflexo do cotidiano dos Estados Unidos: Se nas suas primeiras aparições Superman enfrentava criminosos comuns e políticos corruptos, com o tempo suas histórias passariam a ganhar um viés mais "extraordinário" com o surgimento dos primeiros "supervilões" a enfrentar o personagem.[10] Com o surgimento do Comics Code Authority, em 1954, foram impostas uma série de regras que visavam a impedir que as histórias influenciassem negativamente as crianças americanas, e a necessidade de se criar histórias "mais leves" para a revista seria imperiosa na caracterização do personagem: os conceitos de "bom-mocismo" começariam a ser fortemente representados[11] [12] e os atos do personagem fariam com que ele fosse visto de forma pouco elogiosa como um "super-escoteiro".[13]

Com a publicação, na 123ª edição da revista The Flash, da história "Flash of Two Worlds", surgiria o conceito do "Multiverso DC", uma representação ficcional da interpretação da mecânica quântica que propõe a existência de universo paralelos. A partir da história, ficaria estabelecido que os personagens surgidos durante o período denominado "Era de Ouro dos Quadrinhos" (entre 1938 e 1955), bem como as histórias por eles protagonizadas, pertenceriam a um universo paralelo denominado Terra 2, distinto daquele em que ocorriam as histórias publicadas pela editora durante a década de 1960.[14] Como as histórias de Superman vinham sendo publicadas ininterruptamente, era preciso esclarecer quais edições de Action Comics pertenceriam ao cânone estabelecido, e em 1969 ficou decidido que o personagem surgido em Action Comics #1 era Kal-L, o Superman da Terra 2 e somente as histórias publicadas durante a década de 1960 poderiam ser consideradas como protagonizadas pelo "Superman da Terra 1".[15]

O "multiverso" acabaria se revelando um conceito excessivamente confuso: inúmeros universos paralelos foram surgindo nos anos seguintes, confundindo e afastando leitores. Frente a esta situação, a editora decidiu que era preciso "unificar" todas as publicações sob um único universo coeso e compartilhado. Mas, para poder renovar os personagens, era preciso encerrar tudo que vinha sendo publicado. Aproveitando que 1985 marcaria o 50º aniversário da editora, a DC Comics decidiu lançar "Crise nas Infinitas Terras", uma minissérie em 12 edições que causaria a destruição de todas as "terras paralelas", estabelecendo uma nova, revitalizada história.[16] [17]

Produção[editar | editar código-fonte]

Julius Schwartz (esquerda) pretendia com Whatever Happened to the Man of Tomorrow? produzir "a última história" de Superman, e o britânico Alan Moore (direita), um grande admirador do personagem, ofereceu-se para escrevê-la.
Cquote1.svg Eu comecei a pensar no que colocaria em minhas duas últimas histórias [como editor]. E, no meio daquela noite, me ocorreu uma ideia: vou fazer as pessoas acreditarem que minhas últimas edições de "Superman e "Action Comics" realmente seriam as últimas edições das revistas. Cquote2.svg

Com a conclusão do evento "Crise nas Infinitas Terras", a continuidade ficcional iniciada na década de 1960 seria encerrada, e a partir de outubro de 1986 até dezembro daquele ano, o único título protagonizado por Superman seria a minissérie The Man of Steel, escrita e desenhada por John Byrne, que fora contratado pela DC Comics para reformular o personagem, criando inclusive uma uma nova origem. A partir de The Man of Steel que seriam contadas as novas histórias do personagem, estabelecendo um novo cânone.[19]

O editor Julius Schwartz, responsável pelas revistas do personagem desde a década de 1970, deixaria a função, e passou a buscar um roteirista para a sua última história no cargo. Sua intenção era fazer "a última história" do personagem. Inicialmente, Schwartz pretendia ter Jerry Siegel, cocriador do personagem e autor de suas primeiras histórias, como o roteirista, e embora este tenha se mostrado bastante entusiasmado com a ideia, não pode aceitar.[20]

Schwartz, durante uma conversa com o escritor britânico Alan Moore - que à época escrevia a aclamada revista Swamp Thing - expôs seu problema, e Moore rapidamente se ofereceu, brincando que, se Schwartz contratasse outra pessoa, ele o assassinaria[20] . Moore então, se debruçou sobre todos os elementos da mitologia do personagem, como a Supergirl, a Legião de Super-Heróis, a cidade engarrafada de Kandor, a amizade com Jimmy Olsen e Perry White, o triângulo amoroso com Lois Lane e Lana Lang e o relacionamento com Krypto, o Super-Cão, produzindo um roteiro com o objetivo de representar qual seria "história final" das revistas do personagem, encerrando tudo que havia sido escrito até então.[4] [21] [18]

Para desenhar a história, Schwartz afirmou nunca ter tido dúvida de quem contratar: Curt Swan[20] [18] que, durante a década de 1950 e até metade da década seguinte, foi o responsável pela arte da tira de jornal do personagem e continuaria nos anos seguintes a desenhar inúmeras histórias do personagem, desenhando-o de tal forma que chegou a ser apontado como "artista definitivo" do personagem.[4] [22]

Enredo[editar | editar código-fonte]

Whatever Happened to the Man of Tomorrow? transcorre da seguinte forma:[nota 1]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Parte 1: Superman #423[editar | editar código-fonte]

Quando um repórter entrevista Lois Lane, então casada com um homem chamado Jordan Elliot, para uma matéria sobre "os últimos dias de Superman", ela começa a explicar o que havia acontecido para que o herói desaparecesse, dez anos antes: Após muitos confrontos, Superman (e a cidade de Metrópolis) viviam dias relativamente tranquilos, com os quatro dos mais perigosos inimigos do personagem inativos. Brainiac - que, à época, já havia convertido todo o seu corpo numa estrutura robótica[4] - havia sido danificado além do reparável, Lex Luthor estava desaparecido há anos, e Terraman e o Parasita haviam destruído um ao outro. Segundo a própria Lois, "parecia não haver mais contra quem lutar", então Superman passou a se dedicar à realização de pesquisas no espaço.[23]

A despedida de Bizarro[24] [5]

Mim finalmente entenderam o que mim precisam para ser perfeita duplicata imperfeita.
São o pequeno meteoro de kryptonita azul que mim carregam em invólucro de chumbo para dar sorte! Entendem... Você está vivo, Superman... E, para ser perfeita duplicata imperfeita, então, mim temos que... Temos que...
Hã... Tudo ficando e-escuro...
Olá, Superman. Olá.

E retornando de uma destas pesquisas que Superman encontra-se frente ao primeiro incidente: Metrópolis destruída, vítima não de um atentado à bomba, mas, surpreendentemente, de Bizarro - que até então era um ser bem-intencionado, mas dotado de um raciocínio reverso o levava a fazer o contrário do que pretendia[12] [25] - e, quando Superman exige uma explicação, Bizarro diz que tudo era parte de um plano para seu "auto-desenvolvimento" para que se tornar a "duplicata imperfeita perfeita": já que Superman era um "super-herói" e salvava vidas, ele decidiu se tornar um vilão e matar; já que o planeta Krypton foi destruído e Super-Homem veio à Terra como um bebê, Bizarro decidiu destruir o Mundo Bizarro e vir a Terra como um adulto; e já que Superman estava vivo, Bizarro havia decidido se suicidar usando um pedaço de Kryptonita azul.[26] [25]

Na continuidade até então estabelecida, Clark Kent havia deixado de ser um repórter do Planeta Diário e havia se tornado âncora de um telejornal ao lado de Lana Lang. Aproveitando-se disso, os vilões Mestre dos Brinquedos e Galhofeiro expõem a identidade secreta de Superman ao vivo: duas caixas são enviadas ao estúdio minutos antes do início da exibição do programa daquela noite. De uma saem brinquedos automatizados que começam a destruir as instalações. Todos os presentes buscam se afastar da linha de fogo, mas Kent é atingido diretamente, e é revelada a sua invulnerabilidade: apenas suas roupas haviam sido atingidas, revelando que sob o terno estava o uniforme azul e vermelho. Lana se espanta com a descoberta, e os vilões, através de um dos bonecos, revelam suas identidades e como haviam descoberto o segredo: através de Pete Ross, amigo de infância de Kent em Smallville, e cujo cadáver estava dentro da segunda caixa. Superman rastreia as ondas de rádio da transmissão e encontra o esconderijo dos dois.[25] [27]

Durante o enterro de Ross, Superman revela sua preocupação:[28]

Cquote1.svg Tenho um mau pressentimento. Bizarro, o Galhofeiro, o Mestre dos Brinquedos... Os três nunca passaram de incômodos. O que fez deles assassinos? (...)
Se os incômodos do passado retornam como assassinos... o que esperar quando reaparecerem os assassinos?
Cquote2.svg
O Polo Norte, local onde foi construída a Fortaleza da Solidão.

Enquanto Superman abandona a identidade de Clark Kent[28] , Lex Luthor procurava no Ártico os restos de Brainiac, destruídos em Action Comics #545, para estudá-los. Quando o crânio robótico de Brainiac revela-se ainda sentiente, ataca Luthor, dominando-o mentalmente e controlando seu corpo.[29] O híbrido Luthor-Brainiac então sequestra o Homem de Kryptonita a fim de executar sua vingança contra Superman.[30]

Após impedir um ataque ao Planeta Diário feito por um exército de Metallos, Superman leva Lois, Lana, Jimmy Olsen, Perry White e Alice, a esposa de White, para a Fortaleza da Solidão, por temer pela segurança de seus amigos mais íntimos. Krypto, o supercão, ressurge na Fortaleza depois de anos tendo aventuras no espaço.[31] Em um dado momento, a Legião dos Super-Heróis do século XXX aparece, acompanhada da Supergirl. Superman fica visivelmente chocado em reencontrar sua prima viva - esta Supergirl era uma versão "mais jovem", pois a personagem já havia morrido durante a Crise nas Infinitas Terras. Supergirl pergunta-se como ela pode estar ali, visto que "as leis de viagens no tempo" não permitiam que duas ou mais versões duma mesma pessoa de épocas diferentes coexistissem no mesmo período. Superman prefere poupá-la de dizer que ela já está morta nessa época e diz que a Superman "daquela época" estava numa viagem ao passado. A Legião entrega a Superman um souvenir, uma pequena estátua dele. Ao receber o presente, ele questiona por que a equipe havia decidido visitá-lo naquele dia específico, imaginando que, por serem do futuro, sabiam o que iria ocorrer e estavam ali para "prestar as últimas homenagens". Quando sozinho, Superman chora, imaginando que irá morrer.[32]

Parte 2: Action Comics #583[editar | editar código-fonte]

Curt Swan, Jenette Kahn e Julius Schwartz foram retratados na capa de Action Comics #583, se despedindo do personagem.[20]

No início da segunda parte, Lois apresenta ao jornalista o seu marido, Jordan Elliot, que se descreve como "um trabalhador comum".[33] A narrativa, então, é retomada:

Cquote1.svg Nós subimos à sacada e assistimos ao Superman destruir a chave dourada. Acho que foi então que percebemos que ele estava se preparando para um cerco. O cerco da Fortaleza da Solidão... O confronto final do Superman. Cquote2.svg
Lois Lane, no início da segunda parte[34]

Pela manhã, os temores de Superman começam a se concretizar: A Legião de Supervilões viaja do futuro afirmando que "de acordo com as lendas, Superman enfrentou seu maior inimigo nest período e deixar de existir". O híbrido Luthor-Brainiac ergue um campo de força ao redor da Fortaleza da Solidão e durante todo aquele dia, as tentativas dos heróis da Terra de atravessá-lo mostram-se infrutíferas. Dentre os heróis vistos estão Batman, Mulher Maravilha, Capitão Marvel, Vartox e Kristin Wells, a Supermulher. À noite, Jimmy Olsen e Lana Lang usam artefatos da "Sala de Troféus" da Fortaleza, adquirem superpoderes e partem para enfrentar os vilões antes que eles fossem capazes de invadir o local. Lana subjuga o Homem de Kryptonita, dando tempo para Jimmy desligar o gerador de campo de força.[35]

Na luta, Luthor consegue brevemente superar a influência de Brainiac e implora a Lana que o mate. Lana, então, quebra-lhe o pescoço, mas tem seus poderes radioativos eliminados pelo Rei Cósmico da Legião de Supervilões. Mekt Ranzz, o Lorde Trovão, então, aproveita a oportunidade para eletrocutá-la. Jimmy consegue danificar o gerador, mas, com Lana morta, se desespera e avança sobre a Legião, mas Brainiac ainda consegue manter controle sobre o cadáver de Luthor e o assassina. Um novo ataque à Fortaleza abre um rombo grande o suficiente para os vilões a invadirem e o Homem de Kryptonita toma a dianteira. O vilão é surpreendido por Krypto, que o ataca. Julgando que a radiação que estava emitindo seria suficiente para matar o cão, o vilão acaba sendo superado e, à dentadas, é morto. Krypto, entretanto, não resiste e também falece. Ao descobrir que Mekt matou Lana, Superman ataca-o com sua visão de calor, queimando-o. Assustados, mas certos de que Brainiac venceria, os três membros da Legião dos Supervilões fogem. O híbrido Luthor-Brainiac é desativado quando o corpo de Luthor atinge rigor mortis e Superman então calcula que somente um de seus inimigos ainda não havia aparecido, e somente ele poderia ser o responsável por tudo aquilo: o duende Mxyzptlk.[36]

O último diálogo[37]

Superman: Eu o matei, Lois! Eu tive intenção de matá-lo. Eu não poderia permitir que alguma coisa tão poderosa e maligna sobrevivesse. Então, me decidi e tomei a atitude. Desrespeitei meu juramento. Eu o matei.

Lois Lane: M-Mas você não teve escolha! Não fez nada de errado...

Superman: Fiz sim. Ninguém tem o direito de matar. Nem Mxyzptlk, nem você, nem o Superman... Principalmente o Superman.

Mxyzptlk surge, e revela que ele usava a aparência de "um anãozinho engraçado" apenas como fachada, e que, após dois mil anos realizando apenas travessuras, estava entediado, e iria começar uma nova fase na sua vida imortal, agindo como vilão. Superman e Lois começam a fugir, e Lois então percebe o verdadeiro significado do presente que Superman havia recebido da Legião de Super-Heróis: na estátua, Superman era retratado segurando o projetor da Zona Fantasma, ferramenta utilizada para transportar outras pessoas para aquela dimensão. Superman toma o projetor em suas mãos, posicionando-o na direção do duende, que sabia que a única forma de escapar seria dizer seu próprio nome ao contrário, o que o transportaria de volta à sua dimensão de origem. Conforme Superman havia antecipado, no momento em o duende conseguiu dizer "Kltpzyxm", o raio projetado o enviava para a Zona Fantasma.[38]

Lois então narra ao repórter o fim de Superman: com o vilão rasgado ao meio, ele dirigiu-se ao compartimento de sua fortaleza onde ficavam guardadas as amostras de kryptonita dourada, a única que tirava permanentemente os poderes dos kryptonianos, e de lá saiu por uma abertura para o Ártico, para nunca mais ser visto. Lois conclui a entrevista dizendo que, embora o corpo nunca tivesse sido encontrado, ela sabia que Superman havia morrido.[39]

O repórter se despede de Lois e vai embora. Na última página da história, o filho de Lois com Jordan Elliot brinca com um pedaço de carvão enquanto os dois comentam o quanto que Jordan gosta de "viver uma vida normal". Quando o bebê joga fora não mais um pedaço de carvão, mas uma gema de diamante, "Jordan", piscando para o leitor, fecha a porta do quarto.[40]

Publicação[editar | editar código-fonte]

Nos Estados Unidos, a história foi publicada originalmente em edições soltas, e posteriormente em quatro volumes encadernados diferentes:

A primeira dessas republicações se deu em 1997, num encadernado reunindo apenas a história. Em 2006, a DC incluiu a história em DC Universe: the Stories of Alan Moore, onde encadernou todas as histórias que Moore havia escrito com personagens do Universo DC. Em 2009, a DC Comics anunciou que relançaria o material numa nova edição exclusiva, reunindo a história com as outras duas revistas que publicaram uma história do personagem escrita por Moore: Superman Annual #11 (publicação original de "For the Man Who Has Everything") e DC Comics Presents #84, uma história team-up com o Monstro do Pântano.[41] [42] Em 2010, uma nova versão desse mesmo encadernado seria lançada.[43]

No Brasil, foi publicada originalmente em formatinho na revista Super Powers # 21, de maio de 1991[44] [1] e em 2003 republicada pela Opera Graphica como "Super-Homem - O Adeus", numa criticada edição em preto e branco que ignorava a colorização de Tom McGraw que havia acabado de ser realizada pela DC Comics nos Estados Unidos.[21] [2] Em 2006, a Panini Comics, no nono volume da Coleção "Grandes Clássicos DC", publicou uma versão do volume encadernado The Stories of Alan Moore, e incluiu uma nova versão da história, recolorizada por McGraw.[45] [3]

Repercussão[editar | editar código-fonte]

Assustado, Superman chora na icônica última página de Superman #423. Uma das mais significativas[46] cenas das histórias em quadrinhos, o quadro é considerado marcante até por aqueles que não apreciaram a história.[47]

O final de Whatever Happened to the Man of Tomorrow, quando o segredo de "Jordan" é compartilhado com os leitores, é citado como uma das cenas memoráveis da história da DC Comics[48] e representativo no contexto das "histórias imaginárias".[49] A decisão tomada por Superman após matar um vilão no final da história é vista como significativa na bibliografia de Moore[46] e as mortes de Bizarro[21] [5] e Krypto[48] [50] são consideradas dois dos melhores momentos de toda a história dos quadrinhos. O escritor Grant Morrison - que possui uma histórica rivalidade com Moore[51] - citou a morte de Krypto, ainda que de forma irônica, como o mais memorável momento de toda a história do personagem durante uma entrevista realizada em 2008.[52]

A trama é comumente citada como uma das melhores do personagem e um "tributo" de Moore a Superman.[53] O blog americano "Girls Gone Geek" descreveu a história como "ora tocante, ora assombrosa e ora divertida", e "uma ótima leitura, seja você um fã fervoroso ou um leitor casual que só sabe o básico sobre Superman". Por "encerrar" a história de um personagem, a trama "destaca o problema com a falta de um data de validade dos icônicos personagens de quadrinhos", em especial se em comparação com tramas similares: "Por mais maravilhosa que seja a história de Gaiman - e foi maravilhosa - ela acabou prejudicada um pouco pelo fato de que todos sabíamos que Bruce Wayne não iria permanecer morto por muito tempo. (...) Claro que isso faz todo o sentido do ponto de vista comercial, uma vez que novos leitores continuam descobrindo ou redescobrindo esses personagens, mas o ponto [a ser observado] é que o nível de pungência alcançado por Moore na história é raro - até porque o meio não costuma permitir que ele seja alcançado".[54]

Em várias oportunidades o site americano Comic Book Resources enalteceu as qualidades da história. Uma eleição promovida entre seus visitantes a situou em 25º lugar dentre as 100 melhores histórias em quadrinhos de todos os tempos[55] e durante a série de postagens "A Year of Cool Comic Book Moments", publicadas em 2009 e reunindo 365 cenas memoráveis de histórias em quadrinhos o jornalista Brian Cronin mencionou a história quatro vezes[50] [5] [46] [56] - incluindo mais cenas dessa única história do que de qualquer outra.[50] Ainda em 2007 a história já era apontada pelo site como uma das mais importantes histórias do personagem.[57]

Embora seja considerada inclusive uma "obra-prima"[58] [59] e um dos "clássicos incontestáveis"[45] dos quadrinhos, a história não está a salvo de críticas: Dave Wallace, do site americano "Comics Bulletin", ao avaliar uma das republicações da história, observou que, embora fosse bem-sucedida em "encerrar uma Era", possuía várias falhas, como o pouco destaque dado a Lex Luthor. A maior crítica, entretanto, seria à narrativa: "o desejo de incluir todos os elementos-chave do elenco de apoio de Superman, bem como seus mais reconhecidos vilões criou uma história que mais parece uma série de momentos que precisavam acontecer do que uma história coesa, eficiente e atraente".[47]

Nos anos seguintes à sua publicação, a história se tornou uma referência sobre como "encerrar" uma revista e sua continuidade[53] [47] [60] [61] [62] [63] [64] . Nesse sentido, Greg McElhatton, do Comic Book Resources, comparou-a com Whatever Happened to the Caped Crusader, ainda que considerasse tal comparação "injusta": "[Whatever Happened to the Man of Tomorrow] é uma história fantástica, e isso muito se deve a Alan Moore, claro. Mas por ter sido 'o fim da linha' pro personagem, Moore teve um nível fantástico de liberdade no processo. Ele encerrou tudo que havia ali, e seguiu em frente. Por causa disso, eu não posso deixar de pensar que concordar em escrever 'Whatever Happened to the Caped Crusader?' foi o que eu chamaria de uma aposta ruim, porque, não importa o que você faça, de alguma forma você vai perder. Ao contrário da última história de Superman feita por Moore, esse não vai ser o fim de Batman. (...) Uma das coisas que a história de Moore trouxe, e que faltaram [em Whatever Happened to the Caped Crusader] foi aquele sentimento de admiração. Ler a conclusão da história de Gaiman é algo satisfatório e agradável, e em alguns aspectos funciona como um epílogo para o Batman pré-Crise, mas ler a conclusão da história de Moore, entretanto, me faz querer sentar novamente e reler tudo logo".[61] Em artigo publicado no jornal americano "The Stranger", o jornalista Paul Constant também comparou a história com Whatever Happened to the Caped Crusader e, embora tenha reconhecido que a história funcionava como um "fim" para o personagem e podia até ser considerada melhor que a história de Gaiman, contestou a importância exacerbada que a história havia recebido: "O próximo que vier me dizer que os superheróis são os mitos modernos vai levar um soco no rosto. Até onde eu sei, deuses e deidades não possuem marcas registradas nem são protegidos por advogados ciumentos contratados por corporações. (...) Introduções às versões anteriores de Tomorrow afirmavam que era um importante momento para o personagem porque, se os deuses nórdicos tem o Ragnarök e o deus cristão tem o Livro das Revelações, é claro que Superman também precisaria ter a sua resolução. Isso, naturalmente, é uma grande besteira".[64]

A história já foi citada também como uma das melhores "histórias alternativas" do personagem, ao lado de obras igualmente aclamadas como All Star Superman, Superman: Identidade Secreta e Superman: Red Son.[65] Dentre todas essas histórias, All Star Superman foi particularmente enaltecida pelo site americano Newsarama: "Jamais imaginou-se que isso seria possível, mas em se tratando de histórias sobre 'Os Últimos Dias de Superman', o clássico moderno que é 'Whatever Happened to the Man of Tomorrow?' pode muito bem ter que ceder um espaço no topo do pedestal."[66] .

O desenhista e escritor George Pérez considera o seu trabalho na história um dos melhores momentos de sua carreira.[67]

Nick Spencer[68] , J. Michael Straczynski[69] e Scott Snyder[70] - todos escritores que trabalharam com o personagem nos anos seguintes - apontam a história como a sua favorita. Straczynski chegou a descrever a história como "a mais perfeita história de Superman já contada" e a apontou como uma influência para seu trabalho no arco de história "Grounded".[71] George Pérez, por sua vez, afirmou em entrevista que participar da história, ainda que como arte-finalista, foi um dos melhores momentos de sua carreira.[67]

Em resenha publicada no site brasileiro Universo HQ, as duas partes da história foram apontadas, ao lado de outras histórias escritas por Moore com o personagem como bons exemplos que "reforçam a idéia de que as idéias anteriores ao evento não estavam desgastadas - eram os autores que tinham perdido o jeito de fazê-las brilharem de novo".[45] O site publicaria resenhas não apenas para a versão lançada em 2006 pela Panini Comics, mas também para as publicações anteriores da história, em Super Powers #21[22] e em Superman: O Adeus.[21] Ao analisar a história na resenha de Super Powers, Ricardo Malta apontaria sua excelência, comparando-a com o trabalho que John Byrne desenvolveria com o personagem nos anos seguintes: "Imagine o Cavaleiro das Trevas de Frank Miller sem toda a pompa e circunstância (...) e terá uma pequena idéia do que o roteirista faz aqui. (...) O roteiro de Moore é tão simples e eloqüente que até em pequenos detalhes é possível perceber sua excelência. Por exemplo, na página 90, pouco antes do Super-Homem dar um fim definitivo ao principal vilão, ao fundo é mostrada a prisão da Zona Fantasma. Nela estão três criminosos kryptonianos capturados por ele em outra ocasião. Poucos anos depois, em sua última participação na revista do personagem, John Byrne utilizaria os mesmos criminosos (em essência) para pôr fim ao maior, e talvez mais precioso dogma do Homem de Aço. Ele o faz matar os três a sangue-frio. Com todo respeito ao enorme ego de Byrne, a coincidência é evidente, ainda que a qualidade dos trabalhos seja diametralmente oposta. Alan Moore conseguiu dar ao Super-Homem momentos que certamente figuram entre os melhores de sua trajetória".[22] Samir Naliato apresentaria opinião semelhante ao avaliar O Adeus, dizendo que Moore havia conseguido "captar os principais conceitos dos personagens, tanto do Super-Homem, quanto dos vilões e personagens secundários".[21]

O site UGO, ao fazer uma retrospectiva de todas as histórias em quadrinhos do personagem, apontou Whatever Happened to the Man of Tomorrow como uma das mais importantes, principalmente por funcionar como uma resposta ao renomado ensaio "The Myth of Superman" - publicado por Umberto Eco em 1962[72] - ao oferecer uma história que ia contra o dilema narrativo que enfrentam as histórias de personagens publicados de forma contínua por um considerável período de tempo: enquanto Eco mostrava que, para funcionar, uma história que mostrasse o personagem casando, tendo filhos ou envelhecendo deveria ao final reverter esses anos, Moore mostrou que, numa "história imaginária" poderia fazer uso de toda a mitologia existente, expandi-la e encerrá-la mostrando esses eventos. Citando a história como "vista por muitos leitores como a melhor história já contada do personagem", o site elogiaria particularmente Action Comics #583: "a segunda parte da história de Moore apresenta algumas das mais tocantes cenas dentre todas as histórias de Superman, e isso inclui os filmes com Christopher Reeve. A história fica particularmente mais poderosa quando lida com aquela noção de encerramento que a produziu - aquela sensação de que está é, sim, a última história de Superman".[25]

Legado[editar | editar código-fonte]

Neil Gaiman revisitou a ideia de escrever "a última história" de um personagem com Whatever Happened to the Caped Crusader?, publicada em 2009.

Alan Moore revisitaria muitos dos temas em sua passagem pela revista do personagem "Supremo" - criado originalmente por Rob Liefeld como um pastiche de Superman - durante a década de 1990. Insatisfeito com a revisão promovida por John Byrne, que havia desconsiderado da mitologia do personagem inúmeros elementos importantes com o intuito de "simplificá-lo", Moore declararia que "Superman havia se tornado outro personagem", então ele buscaria, com Supremo, trabalhar com temas equivalentes aos elementos mais fantásticos das histórias publicadas antes de 1986.[73] [74] [75] [76]

As histórias foram amplamente bem-recebidas pela crítica, tanto por "recriar" Supremo/Superman "realçando o caráter mitológico e arquetípico do personagem"[77] quanto por oferecer uma significativa homenagem às histórias da Era de Prata dos Quadrinhos (1956-1970)[78] - uma tendência que seria seguida por outros escritores nos anos seguintes[77] e que havia surgido em Whatever Happened to the Man of Tomorrow, citada por historiadores como a precursora do movimento "Neo-Silver" que visava a resgatar os valores da Era de Prata frente ao que vinha sendo publicado na Era de Bronze (1970-1986)[79] e na Era de Ferro (1986-1999).

Neil Gaiman, por sua vez, escreveria para a DC em 2009 a história Whatever Happened to the Caped Crusader, considerada o equivalente para o personagem Batman.[53] [80] [61] [54] À época, o personagem estava tendo toda a sua mitologia reformulada pelo escritor Grant Morrison - que envolveu o surgimento de Damian Wayne, filho de Batman com Talia Al Ghul, e o retorno dos Batmen of All Nations[81] [82] [83] - e, assim como a publicação de Whatever Happened to the Man of Tomorrow antecedeu a de The Man of Steel, que reformulou Superman, a história de Gaiman se situa após os eventos narrados no arco de história de 2008 Batman R.I.P. e na minissérie Crise Final, e antecede a publicação de Batalha pelo Capuz.[84] [85] [86] Morrison continuou como escritor do personagem, e introduziu o personagem Dick Grayson - o primeiro Robin - como o novo Batman, e Damian Wayne como o novo Robin.[87]

Notas e referências

Notas

Referências

  1. a b MOORE, Alan; SWAN, Curt. [et al.]. "O que aconteceu ao Homem de Aço?" in Super Powers #21, Editora Abril, 1991
  2. a b MOORE, Alan; SWAN, Curt. [et al.]. Superman: O Adeus. Editora Opera Graphica, 2003.
  3. a b MOORE, Alan; CURT, Swan. [et al.]. "O que aconteceu ao Homem de Aço?" in Grandes Clássicos DC: Alan Moore, Panini Comics, 2006.
  4. a b c d Eduardo Marchiori. (Setembro/Outubro de 2009). "Dossiê Superman. Anos 1980: Reforma total". Revista Mundo dos Super-Heróis (18): 36-39. ISSN 9771980523001.
  5. a b c d Brian Cronin (21 de janeiro de 2009). A YEAR OF COOL COMIC BOOK MOMENTS – DAY 21 (em inglês) Comic Book Resources. Visitado em 7 de julho de 2011.
  6. O PODER DO CONCEITO: do Übermensch nietzschiano ao Superman americano (em português) DUBITO ERGO SUM (1997). Visitado em 17 de outubro de 2011.
  7. JONES, p. 80-84
  8. Comic with first Superman story sells for $1.5m (em inglês) The Independent (30 de março de 2010). Visitado em 19 de junho de 2011.
  9. Eric Nash (13 de dezembro de 2000). Jack Liebowitz, Comics Publisher, Dies at 100 (em inglês) Obituaries. The New York Times. Visitado em 19 de junho de 2011.
  10. a b c Eduardo Marchiori. (Setembro/Outubro de 2009). "Dossiê Superman. Anos 1930/1940: Início Promissor". Revista Mundo dos Super-Heróis (18): 24-26. ISSN 9771980523001.
  11. Manoel de Souza; Antônio Santos. (Agosto de 2006). "Super Dossiê". Revista Mundo dos Super-Heróis (1): 20-24. 97711676609101 ISSN 16766091.
  12. a b Luciano Lino. (Setembro/Outubro de 2009). "Dossiê Superman. Anos 1950: Censura, a supervilã". Revista Mundo dos Super-Heróis (18): 27-29. ISSN 9771980523001.
  13. Charlie McCollum (26 de junho de 2006). "Times change, but Superman endures as an American cultural icon". The Mercury News, p. 4C. LifeStyle.
  14. André Morelli. (Setembro/Outubro de 2010). "Dossiê 75 Anos de DC Comics. Anos 1960: Heróis em alta". Revista Mundo dos Super-Heróis (23): 24-27. ISSN 9771980523001.
  15. Claudio Murena e Antonio Santos. (Setembro/Outubro de 2009). "Dossiê Superman. Anos 1960: Mito em ascensão". Revista Mundo dos Super-Heróis (18): 30-31. ISSN 9771980523001.
  16. Eduardo Marchiori. (Setembro/Outubro de 2010). "Dossiê 75 Anos de DC Comics. Anos 1980: Ordem na casa". Revista Mundo dos Super-Heróis (23): 33-37. ISSN 9771980523001.
  17. Troy Brownfield (10 de setembro de 2010). Friday Flashback: 1986 - The Biggest Year in Comics (em inglês) Newsarama. Visitado em 3 de julho de 2011.
  18. a b c Paul Kupperberg. "Sobre 'O Que Aconteceu com o Homem de Aço?'". Publicado em Grandes Clássicos DC, vol. 9: Alan Moore, p. 164. ISBN 85-7351-247-4. Acessado em 4 de junho de 2011.
  19. MILLER, p.35-44
  20. a b c d Whatever Happened to the Man of Tomorrow? (em inglês) Superman.nu. Visitado em 1 de julho de 2011.
  21. a b c d e Samir Naliato. Super-Homem - O Adeus Universo HQ. Visitado em 19 de junho de 2011.
  22. a b c Review: SUPERPOWERS # 21 (em português). Visitado em 2 de julho de 2011.
  23. MOORE, p. 167-168
  24. MOORE, p. 171
  25. a b c d Whatever Happened to the Man of Tomorrow? (em inglês) UGO's World of Superman. Visitado em 2 de julho de 2011.
  26. MOORE, p. 169-171
  27. MOORE, p. 171-176
  28. a b MOORE, p. 176
  29. MOORE, p. 177-179
  30. MOORE, p. 184
  31. MOORE, p. 180-185
  32. MOORE, p. 185-189
  33. MOORE, p. 191
  34. MOORE, p. 192
  35. MOORE, 193-199
  36. MOORE, 198-207
  37. MOORE, p. 211
  38. MOORE, p. 207-211
  39. MOORE, p. 211-213
  40. MOORE, p.213-214
  41. Timothy Callahan (18 de março de 2009). WHEN WORDS COLLIDE (em inglês) Comic Book Resources. Visitado em 7 de julho de 2011.
  42. DC Comics' FULL May 2009 Solicitations (em inglês) Newsarama (14 de fevereiro de 2009). Visitado em 7 de julho de 2011.
  43. DC Comics' FULL JUNE 2010 SOLICITATIONS (em inglês) Newsarama (19 de março de 2010). Visitado em 7 de julho de 2011.
  44. Rogério de Campos (06/05/1991), Alan Moore Homenageia O Velho Super-Homem, Folha de São Paulo
  45. a b c Eduardo Nasi. Coleção Grandes Clássicos DC Comics #9 - Alan Moore (em português) Universo HQ. Visitado em 19 de junho de 2011.
  46. a b c Brian Cronin (22 de janeiro de 2009). A YEAR OF COOL COMIC BOOK MOMENTS – DAY 2 (em inglês) Comic Book Resources. Visitado em 7 de julho de 2011.
  47. a b c Dave Wallace (16 de maio de 2007). Daily Reviews: Superman: Whatever Happened to the Man of Tomorrow? (em inglês) Comics Bulletin. Visitado em 7 de julho de 2011.
  48. a b Brian Cronin (21 de agosto de 2010). THE 75 MOST MEMORABLE MOMENTS IN DC COMICS HISTORY (em inglês) Comic Book Resources. Visitado em 7 de julho de 2011.
  49. Shane Bailey (5 de julho de 2006). I ♥ imaginary stories (em inglês) Newsarama. Visitado em 7 de julho de 2011.
  50. a b c Brian Cronin (24 de janeiro de 2011). A YEAR OF COOL COMIC BOOK MOMENTS – DAY 24 Comic Book Resources. Visitado em 7 de julho de 2011.
  51. Watchmen 2: Grant Morrison diz que foi convidado a escrever a continuação (em português) Omelete (4 de julho de 2011). Visitado em 7 de julho de 2011.
  52. Zack Smith (22 de outubro de 2008). All Star Memories: Grant Morrison on All Star Superman, 2 Newsarama. Visitado em 7 de julho de 2011.
  53. a b c Matt Brady (27 de julho de 2008). SDCC '08 - More on Gaiman-Batman with Dan DiDio (em inglês) Newsarama. Visitado em 7 de julho de 2011.
  54. a b E. Peterman (24 de março de 2010). G3 Rewind: Whatever Happened to the Man of Tomorrow? (em inglês) Girls Gone Geek. Visitado em 7 de julho de 2011.
  55. Brian Cronin (11 de dezembro de 2009). Top 100 Comic Book Storylines #25-20 (em inglês) Comic Book Resources. Visitado em 7 de julho de 2011.
  56. Brian Cronin (23 de janeiro de 2011). A Year of Cool Comic Book Moments – Day 23 (em inglês) Comic Book Resources. Visitado em 7 de julho de 2011.
  57. Brian Reed (21 de julho de 2007). 365 Reasons to Love Comics #202 (em inglês). Visitado em 7 de julho de 2011.
  58. Redação Newsarama (27 de junho de 2008). Super Articulate: DC Direct's Showcase Series 1 (em inglês) Newsarama. Visitado em 7 de julho e 2011.
  59. Tom Bondurant (16 de outubro de 2008). Towards A Modern Superhero Canon: “Beware My Power” (em inglês) Newsarama. Visitado em 7 de julho de 2011.
  60. Vaneta Rogers (22 de dezembro de 2010). It's the End of the [WILDSTORM Universe As We Know It] (em inglês) Newsarama. Visitado em 7 de julho de 2011.
  61. a b c Greg McElhatton (27 de abril de 2009). Review: Detective Comics #853 (em inglês). Visitado em 7 de julho de 2011.
  62. Tom Bondurant (30 de dezembro de 2010). Grumpy Old Fan: Wait ‘til next year (em inglês) Comic Book Resources. Visitado em 7 de julho ed 2011.
  63. Brian Cronin (1º de abril de 2010). Comic Book Legends Revealed #254 (em inglês) Comic Book Resources. Visitado em 7 de julho de 2011.
  64. a b Paul Constant (1 de julho de 2009). Two British Writers Murder Batman and Superman (em inglês) The Stranger. Visitado em 7 de julho de 2011.
  65. Kevin Melrose (6 de abril de 2007). 'I am, I am, I am Superman, and I can do anything' (em inglês) Newsarama. Visitado em 7 de julho de 2011.
  66. Redação Newsarama (22 de setembro de 2008). Best Shots: All Star Superman, Uncanny & More (em inglês) Newsarama. Visitado em 7 de julho de 2011.
  67. a b Steve Ekstrom (2 de março de 2009). Mega Con 2009: Talking to George Perez (em inglês) Newsarama. Visitado em 7 de julho de 2011.
  68. Kevin Mahadeo (20 de julho de 2010). SPENCER TAKES "ACTION" WITH JIMMY OLSEN (em inglês) Comic Book Resources. Visitado em 7 de julho de 2011.
  69. Robert Taylor (1 de julho de 2008). REFLECTIONS: J. MICHAEL STRACZYNSKI, PART II (em inglês) Comic Book Resources. Visitado em 7 de julho de 2011.
  70. Josie Campbell (29 de abril de 2011). FLASHPOINT FACTS: SNYDER AND FRANCIS BUILD "PROJECT SUPERMAN" Comic Book Resources. Visitado em 7 de julho de 2011.
  71. Shaun Manning (26 de julho de 2010). CCI: J. MICHAEL STRACZYNSKI (em inglês) Comic Book Resources. Visitado em 7 de julho de 2011.
  72. Eco, Umberto. In: Jeet Heer & Kent Worcester. Arguing Comics. [S.l.]: University Press of Mississippi, 2004. p. 162. ISBN 1-57806-687-5.
  73. On the then-current Superman (em inglês) Superman.nu. Visitado em 6 de julho de 2011.
  74. Joseph P. Rybandt. MOORE IS ALWAYS BETTER (em inglês) Superman.nu. Visitado em 6 de julho de 2011.
  75. Supreme (em inglês) Superman.nu. Visitado em 6 de julho de 2011.
  76. Marcelo Naranjo (17 de julho de 2008). Devir lança quarto e último volume de Supremo (em português) Universo HQ. Visitado em 7 de julho de 2011.
  77. a b Octavio Aragão. Homens de Aço e Ícones de Marfim: Supreme e a reconstrução do herói (em português) Universo HQ. Visitado em 7 de julho de 2011.
  78. Steven Grant (21 de maio de 2003). PERMANENT DAMAGE: Issue #88 (em inglês) Comic Book Resources. Visitado em 7 de julho de 2011.
  79. Peter Sanderson (2004). Comics in Context #33: A Boatload of Monsters and Miracles IGN. Visitado em 7 de julho de 2011.
  80. Lan Pitts (12 de fevereiro de 2009). Best Shots Extra: Batman #686 (em inglês) Newsarama. Visitado em 6 de julho de 2011.
  81. Diego Figueira. Review: Batman #70 (em português) Universo HQ. Visitado em 6 de julho de 2011.
  82. Diego Figueira. Review: Batman #71 (em português) Universo HQ. Visitado em 6 de julho de 2011.
  83. Thom Young (13 de agosto de 2007). Review: Batman #667 (em inglês) Comics Bulletin. Visitado em 6 de julho de 2011.
  84. Sérgio Codespoti (31 de julho de 2008). Qual será o destino do Batman? (em português) Universo HQ. Visitado em 6 de julho de 2011.
  85. Sérgio Codespoti (19 de novembro de 2008). Quem vai assumir a capa do Batman? (em português) Universo HQ. Visitado em 6 de julho de 2011.
  86. Érico Assis (18 de novembro de 2008). DC Comics confirma: Bruce Wayne aposenta o manto do Batman (em português) Omelete. Visitado em 6 de julho de 2011.
  87. Edurdo Nasi (26 de maio de 2009). Grant Morrison faz mudança radical em Batman (em português) Universo HQ. Visitado em 3 de julho de 2011.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]