Les Misérables (musical)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Les Misérables
Logotipo oficial do Musical.
Música Claude-Michel Schönberg
Letra Alain Boublil e Jean-Marc Natel (letras francesas)
Herbert Kretzmer (adaptação em Inglês)
Libreto Claude-Michel Schönberg
Alain Boublil
Trevor Nunn e John Caird (adaptação)
Produção 1980 Paris
1985 West End
1987 Broadway
1987 USA 1 ºturnê
1987 Japão
1988 USA 2º Turnê
1988 USA 3º Turnê
1992 UK Tour
1992 Madrid
1995 Concerto do 10º Aniversário
2000 Argentina
2001 São Paulo
2002 México
2006 Broadway Revival
2009 UK Tuor do 25º Aniversário
2010 Concerto do 25º Aniversário
2010 Espanha
4º USA Turnê
2012 Filme
2012 Coreia do Sul
2013 Toronto
2013 Espanha
2013 Puerto Rico
2014 Broadway Revival
Várias produções em todo o mundo
Prêmios Tony Award de Melhor Musical

Les Misérables, também conhecido informalmente por Les Mis ou Les Miz, é um musical francês composto por Claude-Michel Schönberg em 1980, com libreto de Alain Boublil e letras de Herbert Kretzmer. É um dos musicais mais famosos e mais encenados pelo mundo. É baseado no romance épico francês Les Misérables, de Victor Hugo, o musical se passa na França do início do século XIX e acompanha as histórias entrelaçadas de um elenco personagens que lutam por redenção e pela revolução.

Dessa trilha sonora, vencedora do Tony Award, se destacam canções como I Dreamed a Dream, cantada em solo pela personagem Fantine durante o primeiro ato. Diversos artistas gravaram versões dessa canção desde a premiere do musical, em outubro de 1985, incluindo Neil Diamond, Aretha Franklin, David Essex, e Michael Crawford.

História[editar | editar código-fonte]

O compositor francês Alain Boublil teve a idéia de adaptar o romance de Victor Hugo em um musical enquanto assistia uma apresentação do musical Oliver! em Londres:

Assim que o Artful Dodger subiu ao palco, Gavroche veio à mente. Foi como um golpe no plexo solar. Eu comecei a ver todos os personagens de Les Misérables: Valjean, Javert, Gavroche, Cosette, Marius e Éponine-no olho da minha mente, rindo, chorando e cantando no palco.[1]

Ele lançou a idéia para o compositor Claude-Michel Schönberg, e os dois desenvolveram uma sinopse áspera. Eles trabalharam até á análise do estado mental e emocional de cada personagem, bem como a da audiência. Schönberg em seguida, começou a escrever a música, enquanto Boublil começou a trabalhar no texto. De acordo com Boublil, "... eu poderia começar a trabalhar com as palavras. Este eu fiz-me depois decidir sobre o assunto e título de cada música em colaboração com meu amigo, o poeta Jean-Marc Natel." Dois anos depois, uma fita demo de duas horas com Schönberg com acompanhamento ao piano e cantando cada papel foi concluída. Um álbum desta colaboração foi gravado no CTS Studios em Wembley e foi lançado em 1980, vendendo 260 mil cópias.

O álbum conceitual inclui Maurice Barrier como Jean Valjean, Jacques Mercier como Javert, Rose Laurens como Fantine, Yvan Dautin como Thénardier, Marie-France Roussel como Mme. Thénardier, Richard Dewitte como Marius, Fabienne Guyon como Cosette, Marie-France Dufour como Éponine, Michel Sardou como Enjolras, Fabrice Bernard como Gavroche, Maryse Cedolin como Young Cosette, Claude-Michel Schönberg como Courfeyrac, Salvatore Adamo como Combeferre, Michel Delpech como Feuilly, Dominique Tirmont como M. Gillenormand, e Mireille como o cabelereiro.

Naquele ano, em setembro de 1980, uma versão teatral dirigida pelo veterano do cinema francês Robert Hossein foi produzido no Palais des Sports, em Paris. O show foi um sucesso, com 100 apresentações visto por mais de 500.000 pessoas [2]

A maioria do elenco do álbum conceitual voltou para interpretar os personagens no musical. Inicialmente lançado como um álbum conceitual, a primeira adaptação musical de Les Misérables para os palcos foi apresentada em Paris, em 1980, e foi um sucesso entre o público francês. Mas o espetáculo teve de sair de cartaz três meses depois da estreia, porque o contrato expirou. Em 1982, o produtor Cameron Mackintosh deu uma cópia do álbum conceitual ao diretor Peter Farago, que, impressionado pelo álbum, perguntou a Mackintosh se ele se interessaria em produzir uma versão em inglês para o show. Mackintosh, primeiramente ficou em dúvida, finalmente resolveu produzir o espetáculo.

Les Misérables no Palace Theatre em Londres.

Uma equipe britânica de produção foi designada por Mackintosh para adaptar o musical francês para o público inglês. Após dois anos de desenvolvimento, a versão em inglês estreou em Londres, em outubro de 1985. A maioria das resenhas de críticos foram bastante negativa: alguns estudiosos da literatura condenavam a transformação de um clássico francês em um musical, outros pensavam que havia ficado muito pesado. Mas a opinião do público divergia da crítica, pois os espectadores aclamavam o show a cada noite de apresentação. Depois de três meses os comentários dos críticos melhoraram. A produção de Londres, a partir de março de 2013, foi executado continuamente desde outubro de 1985: o musical é o segundo mais longo de West End depois da peça, The Mousetrap[3] . Em 2010, ele desempenhou o seu desempenho de número décimo milésimo em Londres, no Queen Theatre. Em 3 de outubro de 2010, o show comemorou o seu 25 º aniversário com três produções em execução em Londres: a produção original no Queen Theatre; a tuor produção de 25º aniversário; e o concerto do 25 º aniversário na Londres O2 Arena. [4]

A produção da Broadway abriu em 12 de março de 1987 e ficou em execução até 18 de maio de 2003, fechando depois de 6680 performances. É o quinto espetáculo da Broadway de maior duração na história e foi a segunda maior na época.[5] O espetáculo foi indicado para 12 prêmios Tony e venceu oito, incluindo Melhor Musical e Melhor Trilha Sonora Original .

Posteriormente, várias turnês e produções internacionais e regionais têm sido encenado, bem como produções de shows e de rádio. Várias gravações também foram feitas. A remontagem da Broadway, inaugurado em 2006, no Teatro Broadhurst e fechou em 2008, foi o primeiro colocado na enquete da BBC Radio, "Musicais essências nº 1" da Grã-Bretanha em 2005, recebendo mais de quarenta por cento dos votos. [1]A versão do filme dirigida por Tom Hooper foi lançado no final de 2012 com críticas geralmente positivas.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Ilustração para o livro Les Misérables, de Victor Hugo que inspirou o emblema do musical

Ato I[editar | editar código-fonte]

Les Misérables começa numa prisão de Toulon, na França, em 1815, onde os prisioneiros realizam trabalhos forçados. Após dezenove anos de prisão (cinco por roubar um pedaço de pão e o resto por tentar fugir), Jean Valjean, é posto em liberdade condicional pelo inspetor e policial Javert. Pela lei, Valjean deve carregar a mostra um cartão amarelo, sendo malvisto em todos os lugares por onde passa. Mas o Bispo de Digne oferece comida e abrigo a Valjean, que rouba os talheres de prata do religioso e foge, sendo rapidamente capturado pela polícia. Entretanto, o Bispo mente para salvar Valjean, e ainda o presenteia com dois castiçais de prata, aconselhando-o a iniciar uma nova vida. Perplexo pela bondade e misericórdia do Bispo, ele segue o conselho e quebra sua liberdade condicional.

Passados oito anos, Valjean, tendo mudado seu nome para Monsieur Madeleine para assumir uma outra identidade, torna-se um dono de fábrica bem sucedido e é nomeado prefeito da cidade de Montreuil-sur-Mer. Uma de suas funcionárias, Fantine, entra numa briga após as suas colegas de trabalho terem descoberto que ela esconde uma filha fora de casamento, que vive com um dono de hospedaria e com sua esposa. Monsieur Madeleine inicialmente acaba com o conflito, mas pede ao seu capataz que resolva a situação. As outras trabalhadoras exigem a demissão de Fantine. O capataz, que já havia sido rejeitado por Fantine em assédios que fez anteriormente, concorda, demitindo-a.

Então, Fantine canta sobre seus sonhos despedaçados e sobre o pai de sua filha, que a abandonou. Desesperada por dinheiro - pois precisa enviar uma quantia aos donos da hospedaria, que cuidam de sua filha -, ela vende sua gargantilha e seu cabelo e depois se torna uma prostituta. Ela se envolve numa briga com um futuro cliente, e é presa por Javert (que agora é o inspetor policial de Montreuil-sur-Mer). Mas Monsieur Madeleine chega e, compreendendo sua participação na ruína de Fantine, ordena que soltem-na e que levem-na a um hospital imediatamente.

Logo depois, o prefeito se depara com um homem (Fauchelevent) preso sob uma carroça desgovernada. Ele o resgata, levantando a carroça com suas próprias mãos, sem auxílio de ninguém. Javert, que presencia a cena, se recorda da força incomum de um prisioneiro, Jean Valjean, que ele procurava a algum tempo por ter quebrado sua liberdade condicional. Contudo, Javert assegura o prefeito de que Valjean foi preso recentemente e que logo mais será julgado. Incapaz de ver um inocente ser preso em seu lugar, Monsieur Madeleine, que é o verdadeiro Valjean, confessa ao tribunal a verdade, e, como prova, mostra uma marca que tem no peito, feita na prisão.

Antes de voltar à prisão, Valjean visita a agonizante Fantine e promete encontrar sua filha, Cosette, e cuidar dela. Mas Fantine morre sem ver a filha, delirando, em sonhos onde a ouve brincar. Javert então chega para prender Valjean, que pede apenas mais três dias de liberdade para que possa buscar Cosete e cumprir o juramento que fez a Fantine. Como Javert recusa, desconfiado, Valjean dá uma pancada em Javert e foge.

A cena então se transfere para uma hospedaria em Montfermeil, gerenciada pelos Thénardiers, onde Cosette vive. Os Thénardier abusam da menina, forçando-a a realizar trabalhos, enquanto dão uma vida confortável à própria filha, Éponine. Numa noite escura, Cosette imagina uma vida melhor, mas logo Madame Thénardier ordena que ela busque água. A hospedaria enche à noite, e os Thénardier usam diversos métodos para enganar os clientes e cobrar mais taxas.Valjean encontra Cosette buscando água e paga aos Thénardier a quantia exorbitante de 1500 francos para que deixem-no levar Cosette consigo para Paris.

Passam nove anos. Paris é uma cidade tumultuada porque o líder popular General Lamarque, único no governo que demonstra preocupação com o povo, está enfermo e pode morrer logo. Gavroche, um menino de rua, se mistura as prostitutas e aos mendigos, enquanto os estudantes Marius Pontmercy e Enjolras discutem o provável morte do estimado Lamarque.

Uma gangue de rua liderada pelos Thénardier se prepara para assaltar Valjean, que se estabeleceu em Paris, onde Thénardier o reconheceu após anos, como o homem que levou Cosette. Quando a gangue se estabelece no local planejado, Éponine, a filha dos Thenardier, vê Marius, que ela secretamente ama, e adverte-o a ficar longe do lugar. Quando Marius tenta perguntar a Éponine o que irá acontecer, ele acidentalmente se choca com Cosette, se apaixonando por ela imediatamente. Logo, os Thénardier e sua gangue tentam roubar Valjean e Cosette. Os dois são resgatados por Javert, que só reconhece Valjean após a fuga inesperada deste. Javert olha fixamente para o céu noturno e jura pelas estrelas do céu que irá encontrar esse seu prisioneiro tão procurado. Para isso, ele pede ajuda a Deus. E Marius, apesar de ainda nem saber o nome de Cosette, tenta persuadir a relutante Éponine a ajudar a encontrá-la.

A cena se transfere para um encontro político num pequeno café, onde um grupo de estudantes liderado por Enjolras se prepara para uma revolução que estão certos que ocorrerá após a morte do General Lamarque. Marius chega atrasado, cheio de pensamentos de amor por Cosette. Quando Gavroche traz a notícia da morte do General, os estudantes marcham sobre as ruas para conquistar o apoio popular.

Cosette também é tomada por pensamentos de amor a Marius, e Valjean compreende que sua “filha” está crescendo, mas se recusa a contar a ela sobre seu passado e sobre sua mãe. Apesar dos seus próprios sentimentos, Éponine conduz Marius até Cosette, e ao chegar lá, evita que a gangue de seu pai roube a casa de Valjean, gritando alto e afugentando os ladrões, que temem em serem presos. Valjean, ouve os ruídos e, convencido de que é Javert que o procura for a da casa, diz a Cosette que se mudará com ela para outro país.

Na véspera da Insurreição Parisiense, Valjean se prepara para o exílio; Cosette e Marius se separam, com o desespero de nunca mais se encontrarem; Éponine lamenta sua solidão e lamenta por não poder ficar com Marius; Marius decide juntar-se aos outros estudantes e eles se preparam para o conflito que está por vir; Javert planeja espionar os estudantes para descobrir seus segredos; e os Thénardier aguardam, se preparando para roubar objetos dos corpos que morrerão na batalha.

Ato II[editar | editar código-fonte]

Como os alunos se preparam para construir uma barricada (At the Barricade - Upon These Stones), Javert, disfarçado como um dos rebeldes, os voluntários de "espionagem" sobre as tropas do governo. Enquanto isso, os anúncios Marius Eponine tem que se disfarçou como um menino e juntou-se aos revolucionários. Ele envia-la com uma carta para entregar a Cosette, que servirá também para obter Eponine à segurança. Valjean intercepta a carta, prometendo Eponine ele dirá Cosette sobre a carta. Após Eponine folhas, Valjean lê a carta, aprendendo sobre Marius e Cosette relacionamento. Ao andar pelas ruas de Paris, Eponine decide, apesar do que ele disse a ela,se juntar Marius na barricada (On My Own).

Os alunos construir a sua barricada (At the Barricade) e então desafiar um exército de aviso de entrega ou de morrer. Javert volta e mentiras para os estudantes sobre os planos do governo para atacar (Javert 's Arrival), mas é exposto como um espião por Gavroche (Little People). Eponine é baleado quando ela retorna para as barricadas e morre nos braços de Marius (A Little Fall of Rain). Valjean também chega à barricada em busca de Marius como a primeira batalha estoura, e ele salva Enjolras disparando um sniper (o primeiro ataque). Como recompensa, ele pede para ser o único a matar Javert, mas libera-lo e ainda lhe dá o endereço. Os alunos se contentam com uma noite (Drink With Me), Valjean, enquanto reza a Deus para salvar Marius do ataque que está por vir (Bring Him Home).

Conforme se aproxima a madrugada, Enjolras percebe que as pessoas tenham abandonado, e envia as mulheres e os pais de crianças longe das barricadas, mas resolve que eles devem lutar (Dawn of Anguish). Com munições em execução durante o segundo ataque, Gavroche corre para recolher mais cartuchos. Como ele recolhe as balas e corre na direção da barricada, ele levou três tiros e morre pouco mais do outro lado. ( "The Second Attack / Death of Gavroche"). Enjolras e os alunos percebem que eles morrem muito provável. O Exército dá um último aviso para se render, mas os rebeldes se recusam, e em nome da França, eles lutam, e todos são mortos, exceto Valjean e Marius (A Batalha Final).

Marius transportando um ferido nas costas, Valjean escapa pelos esgotos. Enquanto isso, Thénardier também está nos esgotos, roubando objetos de valor fora dos cadáveres da batalha, rindo que ele está realizando um serviço "à cidade" (Cão come cão). Thénardier leva um anel fora de mão Marius como Valjean está descansando, e depois foge quando vê Valjean se levantar. Quando Valjean chega a questão do esgoto, ele corre para Javert, que tem sido esperando por ele. Valjean implora Javert a dar-lhe mais uma hora para trazer Marius a um médico, e Javert relutantemente concorda. Depois deixa Valjean, Javert incapaz de suportar o dom da misericórdia de Valjean para com ele, comete suicídio, atirando-se no Seine (Javert é suicídio).

De volta às ruas, várias mulheres choram a morte dos jovens estudantes (Ligar). Marius também chora por seus amigos (Empty Chairs at Empty Tables). Como ele imagina que o salvou das barricadas, Marius Cosette conforto, dizendo-lhe que ela nunca vai sumir (Every Day) e reafirmam seu amor. Valjean, em seguida, confessa a Mário que ele é um fugitivo e diz que ele deve ir embora porque a sua presença coloca em perigo Cosette (Valjean's Confession). Valjean torna Marius nunca promessa de dizer Cosette e Marius faz apenas uma espécie de tentativa de segurá-lo de volta.

Marius e Cosette são casados (Wedding Chorale). O acidente Thenardiers então a recepção do casamento disfarçado como "O Barão e Baronesa du Thénard" e dizer que Marius Valjean é um assassino, dizendo que fez dele carregando um cadáver no esgoto depois das barricadas caiu. Quando Thénardier mostra-lhe o anel que ele tirou o cadáver, Marius percebe que o "cadáver" que ele estava, e que Valjean salvou sua vida naquela noite. Depois de Marius socos Thénardier os noivos e deixar a Thenardiers aproveitar a festa e comemorar sua sobrevivência (Beggars na festa).

Enquanto isso, Valjean se prepara para a sua morte, nada tendo deixado para viver. Assim como os fantasmas de Fantine e Eponine chegar para levá-lo para o céu, Cosette e Marius em corrida, mesmo a tempo de se despedir de Valjean e Marius de lhe agradecer por ter salvado sua vida (morte Valjean). Cosette Valjean dá a sua confissão de ler quando ele finalmente está dormindo, e as almas de Fantine e Eponine guiá-lo para o Paraíso, a sua longa disputa sobre como todos, vivos e mortos, pedir, mais uma vez, "Do You Hear the People Sing? " (Finale).

Números Musicais[editar | editar código-fonte]

Personagens[editar | editar código-fonte]

Personagens em Ordem de Aparição
Personagens[6] Voz[7]
Jean Valjean Tenor Dramático
Inspetor Javert barítono ou baixo-barítono
Bispo Myriel barítono
O Encarregador da Fábrica barítono
A Garota da Fábrica mezzo-soprano lírica
Fantine Mezzo-Soprano Lírica
Senhora Contralto
Crone Soprano
Bamatabois barítono ou tenor
Fauchelevent baritono ou tenor
Champmathieu silenciosa
Cosette criança Voz Branca
Madame Thénardier contralto
Éponine criança silenciosa
Thénardier Barítono Lírico
Gavroche Voz Branca
Enjolras barítono ou tenor
Marius Pontmercy barítono ou baritenor
Éponine mezzo-soprano
Brujon barítono ou tenor
Babet barítono ou tenor
Claquesous barítono ou tenor
Montparnasse barítono ou tenor
Cosette soprano
Estudantes de Revolucionários baritono ou tenor
Combeferre barítono ou tenor
Feuilly barítono ou tenor
Courfeyrac baritono ou tenor
Joly barítono ou tenor
Grantaire baritone ou tenor
Jean Prouvaire barítono ou tenor
Lesgles barítono ou tenor

Elencos[editar | editar código-fonte]

Elencos
Personagem Original Gravação do Elenco Francês (1980) Original Gravação de Londres (1985) Original Elenco de Broadway (1987) Elenco do 10º Aniversario (1995) 1º Broadway Revival (2006) Elenco do 25º Aniversario (2010) Elenco de Londres em 2014[8] 2º Broadway Revival (2014)
Jean Valjean Maurice Barrier Colm Wilkinson Alexander Gemignani Alfie Boe Peter Lockyer Ramin Karimloo
Javert Jean Vallée Roger Allam Terrence Mann Philip Quast Norm Lewis David Thaxton Will Swenson
Fantine Rose Laurens Patti LuPone Randy Graff Ruthie Henshall Daphne Rubin-Vega Lea Salonga Celinde Schoenmaker Caissie Levy
Éponine Marianne Mille Frances Ruffelle Lea Salonga Celia Keenan-Bolger Samantha Barks Carrie Hope Fletcher Nikki M. James
Thénardier Yvan Dautin Alun Armstrong Leo Burmester Alun Armstrong Gary Beach Matt Lucas Tom Edden Cliff Saunders
Madame Thénardier Marie-France Roussel Susan Jane Tanner Jennifer Butt Jenny Galloway Wendy Ferguson Keala Settle
Marius Gilles Buhlmann Michael Ball David Bryant Michael Ball Adam Jacobs Nick Jonas Rob Houchen Andy Mientus
Cosette Fabienne Guyon Rebecca Caine Judy Kuhn Ali Ewoldt Katie Hall Emilie Fleming Samantha Hill
Enjolras Christian Ratellin David Burt Michael Maguire Aaron Lazar Ramin Karimloo Michael Colbourne Kyle Scatliffe
Gavroche Florence Davis
Cyrille Dupont
Fabrice Ploquin
Ian Tucker
Oliver Spencer
Liza Hayden
Braden Danner
RD Robb
Adam Searles Brian D'Addario
Jacob Levine
Austin Myers
Robert Madge Beau Cripps
Zac Lester
Max Robson
Joshua Colley
Gaten Matarazzo

Produção Brasileira[editar | editar código-fonte]

A versão nacional estreou no Brasil em 25 de Abril de 2001, no Teatro Abril em São Paulo. As letras e o libreto foram traduzidas por Claudio Botelho, se baseando na versão inglesa; No Brasil, o musical recebeu uma super produção, com o orçamento chegando a 3,5 milhões de reais[9] . Foi dirigido por Helzer de Abreu, e estrelado por Marcos Tumura, Saulo Vasconcelos e Alessandra Maestrina, como Jean Valjean, Javert e Fantine, respectivamente. O elenco brasileiro foi bem elogiado pelo diretor do musical, Ken Caswell, durante sua página pelo Brasil. [10]

A produção foi um marco no teatro musical nacional; foi a primeira franquia realizada no Brasil, e sinalizou o início da profissionalização especializada de Teatro Musical no país, que até então era desvalorizada e precária[11] .


Prêmios e Indicações[editar | editar código-fonte]

Original Produção de West End[editar | editar código-fonte]

Original Produção de West End
Ano Prêmio Categoria Nomeado Resultado
1985 Laurence Olivier Award Melhor Novo Musical Indicado
Melhor Ator em Musical Colm Wilkinson Indicado
Alun Armstrong Indicado
Melhor Atriz em Musical Patti LuPone Venceu
2012 Laurence Olivier Award[12] Audience Award for Most Popular Show Venceu
2014 Laurence Olivier Award[13] Audience Award para Mais Popular Show Venceu

Original Produção da Broadway[editar | editar código-fonte]

Original Produção da Broadway
Ano Prêmio Categoria Nomeado Resultado
1987 Tony Award Melhor Musical Venceu
Melhor Libreto Alain Boublil e Claude-Michel Schönberg Venceu
Melhor Música Claude-Michel Schönberg e Herbert Kretzmer Venceu
Melhor Ator Colm Wilkinson Indicado
Terrence Mann Indicado
Melhor Ator Coadjuvante Michael Maguire Venceu
Melhor Atriz em Musical Judy Kuhn Indicado
Frances Ruffelle Venceu
Melhor Direção Trevor Nunn e John Caird Venceu
Melhor Design Cênico John Napier Venceu
Best Figurino Andreane Neofitou Indicado
Melhor Iluminação David Hersey Venceu
Drama Desk Award Melhor Musical Venceu
Melhor Ator em Musical Colm Wilkinson Indicado
Melhor Ator Coadjuvante Michael Maguire Venceu
Melhor Atriz em Musical Judy Kuhn Indicado
Melhor Orquestração John Cameron Venceu
Melhor Música Claude-Michel Schönberg Venceu
Melhor Direção de Arte John Napier Venceu

2013 Toronto revival[editar | editar código-fonte]

2013 Toronto revival
Ano Prêmio Categoria Nomeado Resultado
2014 Dora Award[14] [15] Melhor Musical Indicado
Melhor Ator Ramin Karimloo Indicado
Mark Uhre Indicado
Aiden Glenn Indicado
Melhor Atriz Melissa O'Neil Venceu
Melhor Direção Laurence Connor e James Powell Indicado
Melhor Direção de Arte Matt Kinley Indicado
Melhor Figurino Andreane Neofitou e Christine Rowland Venceu
Melhor Design de Iluminação Paule Constable Indicado
Melhor Coreografia James Dodgson Indicado
Melhor Elenco Elenco inteiro Indicado

2014 Broadway revival[editar | editar código-fonte]

2014 Broadway revival
Ano Premio Categoria Nomeado Resultado
2014 Tony Award Melhor Revival de Musical Indicado
Melhor Ator em Musical Ramin Karimloo Indicado
Melhor Design de Som Mick Potter Indicado
Drama Desk Award Melhor Revival de Musical Indicado

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências