Onda de rádio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Ondas de rádio)
Ir para: navegação, pesquisa
Ondas de rádio[1]
Ciclos por segundo: 3 kHz a 300 GHz

Comprimento de onda: 10 km a 1 mm

Ondas de rádio são um tipo de radiação eletromagnética com comprimento de onda maior (e frequência menor) do que a radiação infravermelha. Como todas as outras ondas eletromagnéticas, viajam à velocidade da luz no vácuo. Elas são geradas naturalmente por raios ou por objetos astronômicos. Artificialmente, as ondas de rádio podem ser geradas para rádios amadores, radiodifusão (rádio e televisão), telefonia móvel, radar e outros sistemas de navegação, comunicação via satélite, redes de computadores e em inúmeras outras aplicações.

Tais ondas eletromagnéticas são também denominadas ondas hertzianas e popularmente conhecidas como ondas de radiofrequência ou simplesmente ondas de rádio. As ondas hertzianas podem ser produzidas por correntes elétricas de que oscilam rapidamente (ou seja, correntes elétricas de alta frequência) em um condutor (como uma antena).

Do ponto de vista físico, a menos de seu comprimento de onda e frequência, as ondas de rádio compartilham das mesmas propriedades de outras ondas eletromagnéticas, como a luz, a radiação infravermelha, raios X etc. São ainda conhecidas pelo termo inglês Radio frequency (RF) como em RF cavity.

Histórico[editar | editar código-fonte]

Gráfico aproximado da transmitância (ou opacidade) da Terra para os vários comprimentos de onda da radiação eletromagnética, incluindo as ondas de rádio.

As ondas de rádio foram inicialmente previstas pelo trabalho matemático feito em 1865 por James Clerk Maxwell.[2] Maxwell reportou propriedades ondulatórias da luz e similaridades em observações elétricas e magnéticas. Ele então propôs equações que descrevem as ondas de luz e de rádio como ondas de eletromagnetismo que viajam pelo espaço. Em 1887, o alemão Heinrich Hertz demonstrou existência das ondas eletromagnéticas de Maxwell gerando experimentalmente ondas de rádio em seu laboratório.[3] Posteriormente, muitas invenções foram criadas, fazendo uso das ondas de rádio, para transmitir informação pelo espaço.

Tais ondas, que em 1887 foram chamadas de "ondas indutivas" ou "ondas aéreas" por Hertz, hoje são chamadas ondas hertzianas, em homenagem a ele.

Usos das ondas de rádio[editar | editar código-fonte]

Radiocomunicações[editar | editar código-fonte]

Sistemas de rádio AM e FM.

Embora se empregue a palavra rádio, as transmissões de televisão, rádio e telefonia móvel estão incluídas nesta classe de emissões de radiofrequência. Outros usos são áudio, vídeo, radionavegação, serviços de emergência e transmissão de dados por rádio digital, tanto no âmbito civil como militar. Também são utilizadas por radioamadores.

De modo a receber sinais de rádio, como por exemplo, de estações de rádio AM ou FM, uma antena de rádio deve ser utilizada. No entanto, como a antena irá captar centenas de sinais de rádio ao mesmo tempo, um sintonizador de rádio é necessário para sintonizar em uma frequência em particular (ou em uma faixa de frequência).[4] Isso é tipicamente feito através de um ressonador (que, em sua forma mais simples, é um circuito com um capacitor e um indutor). O ressonador é configurado para ressonar em uma frequência em particular (ou em uma banda de frequência), de modo a amplificar os sinais de rádio em tal frequência, e ignorar os demais sinais.

Nesse contexto, é comum dividir as ondas hertzianas em faixas de frequência, que variam entre as frequências de 30 quilohertz (muito baixas) a 300 mil megahertz (extremamente altas). Essas bandas de frequências são classificadas em grupos, e estes grupos são comumente chamados por: onda curta, onda média e onda longa. Dentro destes segmentos, encontram-se as estações de radiodifusão, serviços de comunicação aérea, marítima, telegrafia etc.

Radioastronomia[editar | editar código-fonte]

Muitos dos objetos astronômicos emitem ondas de rádio. Em alguns casos, em várias bandas e em outros casos em uma frequência bem definida que corresponde com uma linha espectral,[5] por exemplo:

Radar[editar | editar código-fonte]

O radar é um sistema que usa este tipo de ondas eletromagnéticas para medir distâncias, altitudes, direções e velocidades de objetos estáticos ou móveis como aeronaves, barcos, veículos motorizados, formações meteorológicas e o próprio terreno. Baseia-se em emitir um sinal de rádio, que quando refletido por um corpo, sabe-se a sua posição exata, entre outras propriedades, através de cálculos relacionados com a velocidade de propagação da luz. Assim a partir deste eco pode-se conhecer informações do corpo em causa. Este aparelho tem inúmeras aplicações, tais como:


  • Na meteorologia;
  • No controlo de tráfego aéreo, terrestre e marítimo;
  • E uma grande variedade de usos militares.

Ressonâcia magnética nuclear[editar | editar código-fonte]

A ressonância magnética nuclear estuda os núcleos atómicos ao alinharmo-los a um campo magnético constante para posteriormente perturbar este alinhamento com o uso de um campo magnético alternado, de orientação ortogonal. Como resultado desta perturbação, dá-se origem a uma diferença de energia que é evidenciada ao se excitar tais átomos por uma radiação eletromagnética de mesma frequência. Estas frequências correspondem tipicamente ao intervalo de radiofrequências do espectro eletromagnético.

Outros usos das ondas de radio[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. ONDA de rádio. Dicionário Houaiss de Física. Rio de Janeiro: Editora Objetiva, 2005, p. 166
  2. Harman, Peter Michael. Título não preenchido. Favor adicionar. Cambridge, Inglaterra: Cambridge University Press, 1998. p. 6. ISBN 0-521-00585-X.
  3. Heinrich Hertz: The Discovery of Radio Waves
  4. Marshall, Brain (2000-12-07). How Radio Works.
  5. Radio frequencies of the astrophysically most important spectral lines, IAU; http://www.craf.eu/iaulist.htm