Rio Parnaíba

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Rio Parnaíba
Lavagem de roupas no Rio Parnaíba
Comprimento 1 850 km
Posição: 69
Nascente Chapada das Mangabeiras
Altitude da nascente 700 m
Foz Oceano Atlântico
Afluentes
principais
Rio Poti, Gurgueia, Canindé, Uruçuí-Preto, Longá, das Balsas.
País(es)  Brasil
País(es) da
bacia hidrográfica
Bacia Hidrográfica do Parnaíba
Dunas no Delta do Rio Parnaíba

O Rio Parnaíba, conhecido como "Velho Monge",[1] é um rio brasileiro que banha os estados do Maranhão e do Piauí. Etimologicamente, o termo vem do língua tupi e significa "mar ruim", através da junção dos termos paranã ("mar") e aíb ("ruim").[2] Contudo, José de Alencar, em seu romance Iracema, estabelece que o significado de fato é "rio que é braço de mar" (pará nhanhe hyba).[3]

História[editar | editar código-fonte]

Nicolau Resende descobriu o rio Parnaíba por volta de 1640, quando sofreu um naufrágio nas proximidades de sua foz. Antes do seu nome atual, possuiu vários outros :Fam Quel Coous (Miler, 1519); Rio Grande (Luis Teixeira, 1574); Rio Grande dos Tapuios (Gabriel Soares Moreno, 1587); Paravaçu (Padre Antônio Vieira, 1650); Paraguas (Guillaume de L’isie, 1700); Param-Iba, (Dauville). O nome Parnaíba se deve ao bandeirante paulista Domingos Jorge Velho, nome dado em recordação da terra onde nasceu, a vila de Santana de Parnaíba, nas margens do Rio Tietê em São Paulo.

Com a formação do território da província do Piauí, em 1718, o Rio Parnaíba serviu como uma divisão geográfica com o vizinho estado do Maranhão.

Importância[editar | editar código-fonte]

Toda a economia, toda a história deste estado de alguma maneira se liga ao Parnaíba tem um importante papel sócio-econômico. Isto se verifica, principalmente, pela potencialidade de seus recursos naturais que propiciam aptidão para o desenvolvimento de inúmeras atividades: pesqueiras e agropastoris, de navegabilidade, de energia elétrica, de abastecimento urbano, de lazer, dentre outras.

A possibilidade de navegação deste rio facilitou o povoamento e as comunicações até pouco tempo atrás.No início da década de 1910, o parlamentar maranhense Christino Cruz foi homenageado pela Companhia de Navegação a Vapor do Parnaíba, que batizou com o seu nome o T.S.S. Christino Cruz, um dos seus navios a vapor. Hoje, a navegação é feita, principalmente na época de cheias, por pequenas embarcações.

O Rio Parnaíba foi o berço da capital do estado do Piauí, a cidade de Teresina. Esta foi projetada e construída em suas margens em função da importância estratégica de sua navegabilidade, visando a alavancar o crescimento do estado e deter a influência que o Maranhão começava a exercer sobre o interior piauiense. Embora seja a divisa natural dos dois estados, é um fato reconhecido que sua relevância histórica, econômica e cultural é bem maior para o Piauí que para o Maranhão, a ponto de ser exaltado no próprio Hino do estado do Piauí.

Problemas[editar | editar código-fonte]

No Baixo Parnaíba, é onde se observa maior desmatamento de suas margens e maior assoreamento. É, também, a região onde encontra-se maior número de fábricas, como fábricas de celulose, açúcar e álcool. É onde se encontram os maiores núcleos urbanos, que lançam grande quantidade de esgotos sem tratamento no rio. A ocupação de suas margens, a derrubada da mata ciliar e a construção de Usina Hidrelétrica de Boa Esperança levaram a seu assoreamento – e consequente perda de sua navegabilidade –, à redução de seu volume de água e ao desaparecimento de espécies animais antes comuns na região.

Poluição[editar | editar código-fonte]

O Rio Parnaiba é um dos rios mais poluídos de Teresina. Existem projetos que lutam pela preservação do rio, como o projeto "Salve os Rios de Teresina", um projeto criado pelo professor Elielson Maciel Santana e seus alunos.

Usina Hidrelétrica[editar | editar código-fonte]

Na altura do município piauiense de Guadalupe, no Médio Parnaíba, existe a Barragem de Boa Esperança, que faz parte da Usina Hidrelétrica de Boa Esperança, construída pelo presidente Castelo Branco. A usina é parte integrante do sistema Companhia Hidrelétrica do São Francisco. É a mais importante do Nordeste Ocidental brasileiro e represa cinco bilhões de metros cúbicos de água do Rio Parnaíba. O açude vem prestando alguns benefícios à população, permitindo a criação de peixes e regulando o regime de cheias do rio (evitando as grandes enchentes que deixam desabrigados, em sua maioria, a população ribeirinha residentes nas margens mais baixas da capital Teresina), apesar de contribuir para o assoreamento que prejudica principalmente a região do Baixo Parnaíba.

A usina forma um grande lago artificial,na altura de Nova Iorque. Na cidade de Guadalupe, às margens do lago, há hotéis e balneários.

Geografia[editar | editar código-fonte]

O rio nasce nos contrafortes da Chapada das Mangabeiras, sul do Piauí, que, atualmente, é preservada pelo Parque Nacional das Nascentes do Rio Parnaíba. O rio nasce numa altitude de setecentos metros, da confluência principalmente de três cursos d'água: o Água Quente, na divisa do Piauí com o Maranhão, o Curriola e o Lontra, no Piauí. Percorre cerca de 1 450 km até sua desembocadura no Oceano Atlântico. Compreende três cursos:

O rio Parnaíba situa-se em uma área de transição entre o Nordeste árido, com vegetação pobre e a Amazônia, coberta de florestas, denominada Meio Norte do Brasil. O Rio Parnaíba banha vinte municípios do Piauí e 22 do Maranhão. O regime do Parnaíba é pluvial, como quase todos os rios e bacias brasileiras.

Tem declividade acentuada, de suas nascente até o município de Santa Filomena, sofrendo a partir daí uma redução gradativa, chegando, nos últimos quilômetros do seu percurso, a uma declividade de menos de 25 cm/km. No leito do Parnaíba corre, a cada ano, 20 bilhões de metros cúbicos de água, enquanto a precipitação pluviométrica média, ao longo das regiões que o rio percorre, está em torno de 1.500 mm/ano.

O Vale do Parnaíba possui mais de três mil quilômetros de rios perenes, centenas de lagoas, e ainda, a metade da água de subsolo do Nordeste,o avaliadas em dez bilhões de metros cúbicos ao ano. No Maranhão, os afluentes mais importante são o Rio Parnaíbinha, que apesar do nome tem maior volume de água e que o proprio Rio Parnaíba, o Rio Medonho e Rio Balsas.Os afluentes no estado do Piauí são Gurgueia, Uruçuí-Preto, Canindé, Poti e Longá.

Delta[editar | editar código-fonte]

Antes de penetrar no Oceano Atlântico, o Parnaíba forma um amplo e recortado delta - o único delta em mar aberto das Américas e um dos três maiores do mundo em extensão e beleza natural (os outros são o do rio Nilo, no Egito, e o do rio Mekong, no Sudeste asiático). O Delta do Parnaíba é um importante ponto turístico, atraindo gente de todo o mundo interessado no turismo ecológico. A capital do delta é a cidade que leva o nome do rio Parnaíba.

O Rio Parnaíba, desemboca em forma de delta de cinco bocas: Tutória, Caju, Carrapato, Canários, Igaraçu. Ele é navegável em quase todo o percurso de 1 485 km.

O Delta do Rio Parnaíba começa onde o rio se divide e onde se situa o ponto mais alto, que fica na ponta noroeste da Ilha Tucuns da Mariquita, onde a corrente do rio se bifurca para formar os dois braços do Igaraçu e do Santa Rosa. Desta bifurcação, que se subdivide em inúmeros braços e igarapés, saem os principais canais do rio, que vão, entremeados a inúmeras ilhas, terminar no oceano por meio de cinco grandes bocas, que são, de oeste para leste: Tutoia, Melanciera (também chamada de Carrapato), Ilha do Caju, Ilha das Canárias e Igaraçu. A extensão do Santa Rosa é de noventa quilômetros, a do Canárias é de 28 quilômetros e a do Igaraçu, de 32 quilômetros. O Santa Rosa fica no Maranhão; o Canárias separa os dois estados (Piauí e Maranhão) e o Igaraçu situa-se no Piauí, separando a Ilha Grande de Santa Isabel do continente.

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

Broom icon.svg
Seções de curiosidades são desencorajadas pelas políticas da Wikipédia.
Ajude a melhorar este artigo, integrando ao corpo do texto os itens relevantes e removendo os supérfluos ou impróprios.
  • É o maior rio genuinamente nordestino.
  • Serve de limite entre os estados do Maranhão e do Piauí.
  • É navegável em toda sua extensão.
  • Compõe, junto com as bacias do Rio Paraná e do Rio Amazonas, as três maiores bacias sedimentares brasileiras.

Referências

  1. http://istoepiaui.blogspot.com/2010/05/o-rio-parnaiba-velho-monge.html
  2. http://www.fflch.usp.br/dlcv/tupi/vocabulario.htm
  3. ALENCAR, José de. Iracema. [S.l.]: Bertrand, 1973. 163 pp. ISBN: 9788521902508.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Geografia do Brasil é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.