Stop Online Piracy Act

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Wiki letter w.svg
Por favor, melhore este artigo ou secção, expandindo-o(a). Mais informações podem ser encontradas na página de discussão. Considere também a possibilidade de traduzir o texto das interwikis.
Lamar Smith, proponente do projeto

O Stop Online Piracy Act (em tradução livre, Lei de Combate à Pirataria Online), abreviado como SOPA, foi um projeto de lei da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos de autoria do representante Lamar Smith e de um grupo bipartidário com doze participantes. O projeto de lei amplia os meios legais para que detentores de direitos de autor possam combater o tráfego online de propriedade protegida e de artigos falsificados.[1] . No dia 20 de janeiro de 2012, Lamar Smith suspendeu o projeto. Segundo ele a suspensão é "até que haja um amplo acordo sobre uma solução".[2]

O projeto tem sido objeto de discussão entre seus defensores e opositores. Seus proponentes afirmam que proteger o mercado de propriedade intelectual e sua indústria leva a geração de receita e empregos, além de ser um apoio necessário nos casos de sites estrangeiros.[3] Seus oponentes alegam que é uma violação à Primeira Emenda, além de uma forma de censura[4] e irá prejudicar a Internet,[5] ameaçando delatores e a liberdade de expressão.[6]

Conteúdo[editar | editar código-fonte]

A lei autorizaria o Departamento de Justiça dos Estados Unidos e os detentores de direitos autorais a obter ordens judiciais contra sites que estejam facilitando ou infringindo os direitos de autor ou cometendo outros delitos e estejam fora da jurisdição estadunidense. O procurador-geral dos Estados Unidos poderia também requerer que empresas estadunidenses parem de negociar com estes sites, incluindo pedidos para que mecanismos de busca retirem referências a eles[7] [8] e os domínios destes sites sejam filtrados para que sejam dados como não existentes[9] .

Tramitação[editar | editar código-fonte]

O SOPA foi apresentado dia 26 de outubro de 2011 por um grupo bipartidário de legisladores ao Comitê Judiciário da Câmara dos Representantes. Os principais autores do projeto são Lamar S. Smith, John Conyers, Bob Googlatte e Howard Berman[10] .

O comitê realizou audiências nos dias 16 de novembro de 15 de dezembro do mesmo ano e agendou a continuação dos debates para janeiro de 2012. Em 17 de janeiro de 2012 Lamar Smith disse que os trabalhos prosseguiriam apenas em fevereiro. Porém, após os protestos do dia 18 de janeiro do mesmo ano, Lamar Smith disse que "o Comitê Judiciário irá adiar suas considerações sobre a lei até que haja um acordo amplo para uma solução"[11] .

Defensores[editar | editar código-fonte]

As grandes empresas de entretenimento dos EUA são as que apoiam o projeto, entre elas: The Walt Disney Company, Universal Music Group, Motion Picture Association of America, Recording Industry Association of America, Wal-Mart, Toshiba, Time Warner e CBS entre outras.[12] Algumas, porém, depois dos constantes protestos, retiraram seu apoio ao SOPA, como fizeram a Eletronic Arts e a Sony.[13] [14]

Diante de um comitê organizado pelo congresso um representante da Motion Picture Association of America argumentou que o objetivo da lei é proteger dois milhões de postos de trabalhos estadunidenses e 95 mil pequenos negócios vinculados à indústria do cinema e televisão[15] .

Opositores[editar | editar código-fonte]

Entre os opositores estão as principais empresas que atuam na Internet como o Facebook, Twitter, Google, Yahoo!, LinkedIn, Mozilla, Wikimedia, Zynga, Amazon, eBay[16] [17] , Reddit[18] , 4chan e 9GAG. Também organizações de direitos humanos, como Repórteres Sem Fronteiras e Human Rights Watch. A empresa de registro de domínios Go Daddy inicialmente apoiou a proposta. O posicionamento atraiu fúria de seus clientes, levando-a reconsiderar o apoio[17] .

Membros da administração do presidente estadunidense Barack Obama fizeram um anúncio online no qual dizem que não apoiarão legislações que reduzam a liberdade de expressão, aumentem o risco da ciber-segurança ou enfraqueçam a dinâmica e a inovação na Internet global[19] .

Protestos[editar | editar código-fonte]

A comunidade da Wikipédia debateu a respeito de sua posição quanto ao SOPA[20] e a versão anglófona aprovou um blecaute para o dia 18 de janeiro de 2012, a decisão foi tomada no dia 16 de janeiro de 2012 pela Wikimedia Foundation.

Outros sites também protestaram de outras formas neste dia, como o Google que alterou sua página inicial cobrindo de preto seu logotipo[21] . A empresa de jogos Mojang Specifications retirou seu site do ar e o substituiu por uma mensagem, a Wired colocou faixas pretas sobre os textos da página inicial e o site Tumblr permitiu que os próprios usuários fechassem seus blogs durante o dia[22] . No Brasil também ocorreram manifestações, como a realizada no site da Turma da Mônica que teve o conteúdo substituído por uma mensagem assinada por Maurício de Sousa[23] . Também participaram o Instituto de Defesa ao Consumidor e o músico e ex-ministro Gilberto Gil[24] .

Impactos sobre o software livre[editar | editar código-fonte]

A Eletronic Frontier Foundation afirmou estar preocupada com o que o projeto de lei pode causar aos programas livres e de código aberto.[25] Segundo a fundação, programas como Mozilla Firefox podem estar ameaçados por causa de extensões que tem o potencial de violar direitos autorais.[25]

Reações aos protestos[editar | editar código-fonte]

Primeiros atos do governo americano[editar | editar código-fonte]

Ativistas do Anonymous utilizando máscaras de Guy Fawkes

Logo após o dia de protesto contra o SOPA que aconteceu em vários sites no dia 18 de janeiro de 2012, entre eles a Wikipédia, deixando-os indisponíveis, o governo americano iniciou a reação contra a pirataria na Internet fechando o site de compartilhamento de arquivos Megaupload.[26] Segundo o júri estadunidense, o site, chamado por eles de "Mega Conspiracy" (Mega Conspiração), foi um dos principais responsáveis por mais de 500 milhões de dólares de prejuízo à indústria de entretenimento, ao facilitar o acesso aos filmes sem cumprir as regras dos direitos do autor vigentes no país. Eles também teriam movimentado 175 milhões de dólares em rendimentos criminosos.[26] [27] Outros 18 domínios que pertencem ao Megaupload receberam ordem para serem fechados pelo governo americano. O FBI prendeu o dono do site, Kim Dotcom, às vezes chamado de Kim Schmitz. Os EUA afirmaram que as violações aos copyrights eram "demasiadamente exageradas". O site foi fechado momentos após esse anúncio.[26] [27] Logo após a ação americana, o grupo ativista Anonymous, em retaliação à derrubada do Megaupload, anunciaram em sua página oficial que realizariam ataques a sites de empresas que apoiam o SOPA e do governo federal dos EUA.[28] O grupo afirmou estar lutando pela "liberdade na Internet" e tirou do ar os sites do Departamento de Justiça dos Estados Unidos, da Universal Music, empresa que apoia abertamente o SOPA, e da Associação da Indústria Fonográfica dos EUA.[28] [29] O assunto tomou as redes sociais em poucos momentos. Os Anonymous afirmam que "99% da população" é contra o projeto.[29]

Polêmica[editar | editar código-fonte]

Christopher Dodd, político estadunidense

Comentando os protestos ocorridos em 18 de janeiro de 2012, o presidente e chefe executivo da Motion Picture Association of America e ex-senador Christopher Dodd[30] disse que foi uma resposta irresponsável e um desserviço para as pessoas que dependem dos serviços, além de um abuso de poder por parte dos sites[31] . Rupert Murdoch, presidente da News Corporation comentou através do Twitter que a blogosfera obteve sucesso em aterrorizar os congressistas, referindo-se aos senadores que retiraram o apoio após os protestos[32] . A revista Forbes publicou uma matéria na qual Lamar Smith, autor do projeto, é chamado de hipócrita. Em seu site, ele utilizou uma imagem sem a correta atribuição e permissão do autor o que o tornaria vítima da própria lei que está propondo caso fosse aprovada[33] .

Após o arquivamento do projeto[34] , Chris Dodd, diretor-chefe da Motion Picture Association of America (MPAA) deu uma declaração afirmando que a instituição poderia cortar as verbas de campanhas de candidatos do governo[34] . Com isso, inúmeras petições foram feitas ao presidente Obama para que este dê explicações sobre a afirmação de Dodd.[34]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. House introduces Internet piracy bill. The Washington Post: Business. Página visitada em 25 de dezembro de 2011.
  2. [http://noticias.r7.com/tecnologia-e-ciencia/noticias/principal-defensor-de-lei-antipirataria-desiste-do-projeto-nos-eua-20120120.html Principal defensor de lei antipirataria suspende o projeto nos Estados Unidos] (20 de janeiro de 2012).
  3. SOPA (Stop Online Piracy Act) debate: Why are Google and Facebook against it?. The Washington Post: Business (17 de novembro de 2011). Página visitada em 25 de dezembro de 2011.
  4. Chloe Albanesius (16 de novembro de 2011). SOPA: Is Congress Pushing Web Censorship?. PC Magazine. Página visitada em 25 de dezembro de 2011.
  5. Chloe Albanesius (1 de novembro de 2011). Will Online Piracy Bill Combat 'Rogue' Web Sites or Cripple the Internet?. PC Magazine. Página visitada em 25 de dezembro de 2011.
  6. Trevor Timm (2 de novembro de 2011). Proposed Copyright Bill Threatens Whistleblowing and Human Rights. Electronic Frontier Foundation. Página visitada em 25 de dezembro de 2011.
  7. Grant Cross (16 de novembro de 2011). The US Stop Online Piracy Act: A Primer. PC World. Página visitada em 19 de janeiro de 2012.
  8. "Bill Summary by Congressional Research Service". Página visitada em 19 de janeiro de 2012.
  9. Declan McCullagh (17 de novembro de 2011). OpenDNS: SOPA will be 'extremely disruptive' to the Internet. CNet News. Página visitada em 19 de janeiro de 2012.
  10. Cecilia Kang (26 de outubro de 2011). House introduces Internet piracy bill. The Washington Post. Página visitada em 23 de janeiro de 2012.
  11. Johnatan Weisman (20 de janeiro de 2012). After an Online Firestorm, Congress Shelves Antipiracy Bills. The New York Times. Página visitada em 23 de janeiro de 2012.
  12. Letter to Congress in Support of Legislation. The Global Intelectual Property Center (22 de setembro de 2011). Página visitada em 26 de dezembro de 2011.
  13. TECHTUDO. Sony e outras empresas desistem de apoiar ação anti-pirataria. Correio do Estado. Página visitada em 19 de janeiro de 2012.
  14. EA e Sony Electronics descontinuam apoio à SOPA. Eurogamer (31 de dezembro de 2011). Página visitada em 19 de janeiro de 2012.
  15. Greg Sandoval (16 de novembro de 2011). Hollywood's SOPA testimony links job loss to piracy. CNet News. Página visitada em 19 de janeiro de 2012.
  16. Declan McCullagh. Silicon Valley execs blast SOPA in open letter. 14 de dezembro de 2011. Página visitada em 26 de dezembro de 2011.
  17. a b GoDaddy faces boycott over SOPA anti-piracy law support. BBC News (29 de novembro de 2011). Página visitada em 29 de novembro de 2011.
  18. SOPA protest swells as Google, Scribd, and Wordpress join. Ars Technica (17 de janeiro de 2012). Página visitada em 18 de janeiro de 2012.
  19. Victoria Espinel, Aneesh Chopra, Howard Schmidt. Combating Online Piracy while Protecting an Open and Innovative Internet. Whitehouse.gov Petition Tool.
  20. Wikipedia joins web blackout in Sopa Act protest. BBC News (17 de janeiro de 2012). Página visitada em 17 de janeiro de 2012.
  21. Wikipedia joins blackout protest at US anti-piracy moves. BBC News (18 de janeiro de 2012). Página visitada em 18 de janeiro de 2012.
  22. SOPA blackout spreads across the Internet. Ars Technica (18 de janeiro de 2012). Página visitada em 18 de janeiro de 2012.
  23. Até site da Turma da Mônica protesta contra lei antipirataria americana. Folha.com (18 de janeiro de 2012). Página visitada em 18 de janeiro de 2012.
  24. Sopa e Pipa geram maior protesto online da história da internet. ARede. Página visitada em 21 de janeiro de 2012.
  25. a b Brian Proffit (14 de novembro de 2011). Piracy bill could waylay FLOSS projects (em inglês). itworld. Página visitada em 19 de janeiro de 2012.
  26. a b c Associated Press (19 de janeiro de 2012). Governo dos EUA fecha Megaupload e prende seu fundador. G1. Página visitada em 19 de janeiro de 2012.
  27. a b Reuters (19 de janeiro de 2012). EUA acusam Megaupload de violação de direitos autorais. Reuters. Página visitada em 19 de janeiro de 2012.
  28. a b G1, São Paulo (19 de janeiro de 2012). Grupo hacker diz que derrubou site da Justiça e de gravadora nos EUA. G1. Página visitada em 19 de janeiro de 2012.
  29. a b Anonymous "vinga" fecho do Megaupload com ataque a sites dos EUA. Jornal de Notícias (19 de janeiro de 2012). Página visitada em 19 de janeiro de 2012.
  30. Mais de 10 mil sites se somam a protesto contra lei antipirataria. Folha.com (18 de janeiro de 2012). Página visitada em 18 de janeiro de 2012.
  31. SOPA Blackout: Chris Dodd weighs in. The State Column (18 de janeiro de 2012). Página visitada em 18 de janeiro de 2012.
  32. Dave Lee (19 de janeiro de 2012). Sopa and Pipa protests not over, says Wikipedia. Página visitada em 19 de janeiro de 2012.
  33. Paul Tassi (13 de janeiro de 2012). PIPA Weakens as SOPA Gets Hypocritical. Forbes. Página visitada em 21 de janeiro de 2012.
  34. a b c PEDRO MARTINS FREIRE. Sopa e Pipa acabam em escândalo que envolve Hollywood (em posrtuguês). DiáriodoNordeste. Página visitada em 24 de janeiro de 2012.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma lei é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.