Timeu (diálogo)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Timaeus (em grego antigo: Τίμαιος, Timaios), é um dos diálogo de Platão, principalmente na forma de um longo monólogo do personagem-título, escrito por volta de 360 a.C. O trabalho apresenta a especulação sobre a natureza do mundo físico e os seres humanos. É seguido pelo diálogo Crítias.

Falantes do diálogo são Sócrates, Timeu de Locros, Hermócrates e Crítias. Alguns estudiosos acreditam que Crítias que aparece no diálogo não é o mesmo Crítias da Tirania dos Trinta, mas seu avô, que também era chamado Crítias.[1] [2] [3]

Introdução[editar | editar código-fonte]

Manuscrito de Timeu, tradução para latim de Calcídio

O diálogo ocorre um dia após Sócrates descrever seu estado ideal. Nas obras de Platão tal discussão ocorre em A República. Sócrates sente que sua descrição de estado ideal não foi suficiente para fins de entretenimento e que "Eu ficaria feliz em ouvir um relato sobre a realização de operações com outros estados" (19b).

Hermócrates quer obrigar Sócrates e menciona que Crítias sabe exatamente sobre isso (20b) para então fazê-lo. Crítias começa a contar a história da viagem de Sólon ao Egito, onde ouve a história de Atlântida e como Atenas costumava ser um estado ideal que, posteriormente, travou uma guerra contra Atlântida (25a). Crítias acredita que se adiantando em suas explicações e menciona que Timeu dirá parte da história da origem do Universo para o homem. A história de Atlântida é adiada e escrita então em Crítias. O conteúdo principal do diálogo segue-se pela exposição de Timeu.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

A Natureza do Mundo Físico[editar | editar código-fonte]

Timeu começa com uma distinção entre o mundo físico e o mundo eterno. O mundo físico é o mundo que muda e perece: é o objeto de parecer e de sensação irracional. O mundo eterno não muda nunca: por isso é apreendido pela razão (28).

Os discursos sobre os dois mundos são condicionados pela natureza distinta de seus objetos. De fato, "uma descrição do que é imutável, fixo e claramente inteligível será imutável e fixo", (29b), enquanto uma descrição do que muda, provavelmente, também vai mudar e ser apenas provável.

Timeu sugere que nada "se torna ou muda" sem causa, então a causa do universo deve ser um demiurgo ou um deus, uma figura que Timeu refere-se a como o pai e criador do universo. E já que o universo é justo, o demiurgo deve ter olhado para o modelo eterno para transformá-lo e não à um modelo perecível (29a). Assim, usando o mundo eterno e perfeito de " formas" ou ideais como um modelo, ele começou a criar o nosso mundo, que anteriormente só existia em um estado de desordem.

Questões relativas à Obra[editar | editar código-fonte]

No diálogo Timeu, Platão utiliza a noção de Demiurgo como inteligência ordenadora do Universo, noção esta que Platão recebeu de Anaxágoras[4] . Todavia, diferentemente deste Nous de Anaxágoras, o Demiurgo em Platão não seria apenas inteligência, uma vez que haveria nele um caráter artesanal, que constitui, ao lado da persuasão e da ação ordenadora, a atividade prática desse artífice[5] . O Demiurgo contempla e produz, existindo nele atividades teórica e prática inseparáveis. Ele não seria um simples artesão, mas aquele que produz transferindo para as cópias as virtudes de um modelo[6] .

No diálogo, há uma série de analogias ligadas ao trabalho manual do artesão. De fato, o Demiurgo produz a "Alma do Mundo", a "alma humana" e a "alma vegetativa" utilizando técnicas de metalurgia (35a-b, 41d, 77a); constitui o "Corpo do Mundo" como uma construção (semelhante a construção de prédios: 34b, 36d-e); na produção da esfericidade do "Corpo do Mundo" (33b), na fabricação dos ossos (73e) e do esqueleto (73e - 74a) utiliza técnicas de cerâmica. Além disso, é qualificado de modelador de cera (74c) e conhecedor da arte de entrançar (78b-c)[7] .

Além disso, no Timeu encontra-se a "teoria das formas inteligíveis", que explicaria a natureza do mundo sensível[8] . Pelas ideias poder-se-ia explicar a natureza do universo ou da totalidade das coisas sensíveis. Estas estão sujeitas a geração e foram criadas de acordo com um modelo (paradigma eterno). Assim, causas imutáveis seriam aplicadas ao que é instável por natureza e as coisas sensíveis teriam nas formas inteligíveis a própria possibilidade de existência[9] .

As "formas inteligíveis" existiriam em si mesmas ou teriam em si mesmas seu próprio princípio de existência (51b-c), não dependendo do Demiurgo para existir. Elas seriam também eternas (27d, 29a, 37d-e, 52a) e não poderiam existir no que é apenas imortal, pois o Demiurgo é imortal, mas não é eterno (12)[10] .

[editar | editar código-fonte]

Participam do diálogo Sócrates, Crítias, Timeu e Hermócrates.

Citação[editar | editar código-fonte]

No diálogo o personagem Timeu, após a fala de Crítias, que inclui curto relato sobre a Atlântida, inicia sua explicação sobre a origem do universo até a criação do homem e lança algumas questões fundamentais[11] :

Cquote1.svg Timeu: ... A meu parecer, será preciso, de início, distinguir o seguinte. Em que consiste o que sempre existiu e nunca teve princípio? E em que consiste o que devém e nunca é? O primeiro é apreendido pelo entendimento com a ajuda da razão (em grego: λόγου), por ser sempre igual a si mesmo, enquanto o outro o é pela opinião (em grego: δόξῃ), secundada pela sensação (em grego: αἰσθήσεως) carecente de razão (em grego: ἀλόγου), porque a todo instante nasce e perece, sem nunca ser verdadeiramente. E agora: tudo o que nasce ou devém procede necessariamente de uma causa (em grego: αἰτίου), porque nada pode originar-se sem causa. Cquote2.svg

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. See Burnet, John (1914). Greek Philosophy, Part 1: Thales to Plato. London: Macmillan, p. 328
  2. Taylor, AE (1928). A commentary on Plato's Timaeus. Oxford: Clarendon, p. 23.
  3. Nails, Debra (2002). "Critias III," in The People of Plato. Indianapolis: Hackett, pp. 106–7.
  4. Hildeberto Bitar, Introdução ao Timeu, in: PLATÃO. Timeu - Crítias - O Segundo Alcebíades - Hípias Menor (Trad. Carlos Alberto da Costa Nunes. Belém: EDUFPA, 2001, p. 28.
  5. Hildeberto Bitar, Introdução ao Timeu, in: PLATÃO. Timeu - Crítias - O Segundo Alcebíades - Hípias Menor (Trad. Carlos Alberto da Costa Nunes. Belém: EDUFPA, 2001, pp. 28-29.
  6. Hildeberto Bitar, Introdução ao Timeu, in: PLATÃO. Timeu - Crítias - O Segundo Alcebíades - Hípias Menor (Trad. Carlos Alberto da Costa Nunes. Belém: EDUFPA, 2001, p. 28.
  7. Hildeberto Bitar, Introdução ao Timeu, in: PLATÃO. Timeu - Crítias - O Segundo Alcebíades - Hípias Menor (Trad. Carlos Alberto da Costa Nunes. Belém: EDUFPA, 2001, p. 29.
  8. Hildeberto Bitar, Introdução ao Timeu, in: PLATÃO. Timeu - Crítias - O Segundo Alcebíades - Hípias Menor (Trad. Carlos Alberto Nunes. Belém: EDUFPA, 2001, p. 29.
  9. Hildeberto Bitar, Introdução ao Timeu, in: PLATÃO. Timeu - Crítias - O Segundo Alcebíades - Hípias Menor (Trad. Carlos Alberto Nunes. Belém: EDUFPA, 2001, pp. 29-30.
  10. Hildeberto Bitar, Introdução ao Timeu, in: PLATÃO. Timeu - Crítias - O Segundo Alcebíades - Hípias Menor (Trad. Carlos Alberto Nunes. Belém: EDUFPA, 2001, p. 30.
  11. PLATÃO. Timeu - Crítias - O Segundo Alcebíades - Hípias Menor (Trad. Carlos Alberto Nunes. Belém: EDUFPA, 2001, p. 30.


Ícone de esboço Este artigo sobre filosofia / um filósofo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.