Acará

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma caixa taxonómicaAcará

P. altum.
Estado de conservação
Espécie pouco preocupante
Pouco preocupante
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Actinopterygii
Ordem: Perciformes
Família: Cichlidae
Género: Pterophyllum
Heckel, 1840
Espécie-tipo
Pterophyllum scalare
Lichtenstein, 1823
Distribuição geográfica
Distribuição da espécie na América do Sul(em destaque [nota 1])
Distribuição da espécie na América do Sul
(em destaque [nota 1])
Espécies
P. scalare (Lichtenstein, 1823)
P. altum (Pellegrin, 1903)
P. leopoldi (Gosse, 1963)

Acará (Pterophyllum) é um gênero de peixes de água doce pertencente à família Cichlidae,[1] presente na área norte da América do Sul. Compreende atualmente três espécies: acará-bandeira, acará-Orinoco e acará-anão, que se caracterizam pelas suas variadas colorações, pelo formato triangular do seu corpo e pelas suas longas barbatanas dorsal e caudal. Todas vivem em cardumes e alimentam-se predominantemente de pequenos crustáceos, peixes, larvas, insetos e outras matérias orgânicas.[2] Na época da reprodução, formam casais que passam a defender um território e afasta dele todos os peixes que o habitam.

Nativos da bacia Amazônica,[3] habitam pequenos rios e lagos com densa vegetação aquática. Podem ter tamanhos variados de acordo com a espécie, sendo que a maior pode chegar a 20 centímetros de comprimento. É uma espécie ornamental, uma das mais populares de águas tropicais, e de grande valor comercial. Foi uma das primeiras a aparecer no mundo da aquariofilia e ainda é uma das mais comuns do mercado. Suscetível a várias doenças infecciosas, é um peixe resistente e pouco exigente em relação à qualidade da água, sendo uma das espécies mais indicadas para iniciantes. No entanto podem ser agressivos com alguns peixes, não sendo indicado mantê-los com peixes muito pequenos.

Taxonomia[editar | editar código-fonte]

Pertencente à tribo Heroini, na família Cichlidae, na classe Actinopterygii a biologia deste gênero ainda é pouco estudada.[4][nota 2] A primeira a ser descrita foi a Pterophyllum scalare pelo zoólogo alemão Martin Lichtenstein em 1823,[5] sendo que gênero Pterophyllum só foi descrito 17 anos mais tarde pelo zoólogo austríaco Johann Jakob Heckel em 1840.[6] Em 1903, Pelegrin Franganillo-Balboa introduziu a espécie Pterophyllum altum.[7] A última espécie catalogada como pertencente ao gênero foi Pterophyllum leopoldi, descrita pelo naturalista britânico Philip Henry Gosse em 1963.[8] A espécie tipo do gênero é P. scalare.[9]

A posição taxonômica dos acarás é a seguinte:[10][11]

Espécies[editar | editar código-fonte]

O gênero possui oficialmente três espécies:[12]

  • Acará-anão (P. leopoldi): Recebe o terma anão como designação popular por ser a menor espécie do gênero.[13]
  • Acará-bandeira (P. scalare): É a espécie mais popular do gênero, sendo a mais explorada como peixe ornamental.[14]
  • Acará-Orinoco (P. altum): Recebe o termo Orinoco como designação popular pela sua ampla distribuição ao longo do rio Orinoco, na Venezuela.[15]

Outras espécies[editar | editar código-fonte]

Entre as espécies que empregam o termo acará em sua designação popular se destacam:

Descrição biológica[editar | editar código-fonte]

Distribuição geográfica e habitat[editar | editar código-fonte]

Característica dos locais onde os acarás são geralmente encontrados. As raízes servem de esconderijo contra predadores.

Todas as espécies do gênero são provenientes da América do Sul e habitam basicamente as mesmas regiões. Com distribuição restrita à bacia Amazônica, o acará-bandeira pode ser encontrado nos rios Ucayali, no Peru, Solimões e Amazonas, no Brasil, rio Essequibo, na Guiana e rio Oiapoque, na Guiana Francesa.[19] O acará-Orinoco encontra-se distribuído no rio Negro, no Brasil e nos rios Orinoco, Atabapo e Inírida na Venezuela.[20] Já o acará-anão pode ser encontrado nos Solimões e Manacapuru, no Brasil, e nos rios Rupununi e Essequibo, na Guiana.[21]

Habitam rios com abundante vegetação aquática, com água límpida e às vezes lamacenta.[22] Geralmente são encontrados junto a madeiras e vegetação submersa, que servem de abrigo contra predadores.[4] Preferem locais de água com baixa dureza e de características ácida, com pH inferior a 7.0.[4] Vivem em pântanos e lagos de várzea.[22][23][24]

Comportamento e reprodução[editar | editar código-fonte]

Alevinos de acará sobre uma planta.

Com outras espécies os acarás são peixes pacíficos, porém possuem um comportamento territorialista. Na natureza vivem em cardumes e estabelecem hierarquia entre si.[4]

Atinge a maturidade sexual com oito meses de vida e destaca-se pelo seu comportamento reprodutivo. A sua estratégia reprodutiva é caracterizada principalmente pela sua agressividade na defesa do território e o seu cuidado parental.[25] É um peixe ovíparo.[26] Formam casais por meio do cortejo sexual que dura em média 1 ou 2 dias.[27] As fêmeas preferem os machos maiores, mais agressivos, territoriais e experientes, e avaliam os parceiros através do comportamento de corte.[28] Geralmente escolhem como local de desova plantas ou folhas largas, provavelmente por apresentarem maior superfície para conter os ovos e maior oxigenação, e passam a limpá-lo constantemente.[27] Desovam em média 300 ovos, mas dependendo da experiência do casal podem desovar mais de 1.000 ovos.[29] Após a ovoposição o macho dá início a fertilização. Apresentam cuidado biparental com o ovos, que geralmente eclodem após três dias. A membrana do ovo é rompida pela cauda dos alevinos.[29]

Após o seu nascimento as larvas podem ser alimentadas com náuplios de artêmias.[30] Nesse período a contribuição do macho é muito importante para o sucesso reprodutivo, uma vez que as fêmeas dificilmente conseguem proteger as larvas dos predadores.[25] Os adultos cuidam dos filhotes durante 21 dias.[31] Em seguida, após o primeiro ciclo reprodutivo, o casal procura um novo parceiro, frequentemente na mesma estação reprodutiva, para dar início a um segundo cilo e dificilmente mantém relações com o parceiro anterior.[32]

Características[editar | editar código-fonte]

Exemplar cinza com tons e amarelos.

O tamanho dos acarás varia de acordo com a espécie. O acará-bandeira é considerado um peixe de médio porte, podendo chegar a 15 centímetros de comprimento.[33] O acará-anão é a menor espécie do gênero, podendo chegar a 5 centímetros de comprimento.[34] Já o acará-Orinoco pode chegar a 20 centímetros de comprimento, sendo a maior espécie do gênero.[35] Todas as espécies possuem o corpo lateralmente comprido e achatado[36] com formato triangular, criados pelas suas barbatanas dorsal e caudal relativamente alongadas.[37] Não possuem dimorfismo sexual evidente.[38]

As suas cores variam, podendo ter o corpo acinzentado ou totalmente negro.[39] Dentro destas variedades encontram-se à venda exemplares com tons brancos, pretos, laranjas, amarelos, prateados e às vezes vermelhos.[31]

Alimentação[editar | editar código-fonte]

Os acarás possuem hábito alimentar carnívoro mas aceitam uma grande variedade de alimentos, sendo considerado espécies onívoras. Na natureza alimentam-se predominantemente de pequenos crustáceos, peixes, insetos, vermes, plâncton, fitoplâncton, zooplâncton e plantas.[40][41][42] Em cativeiro podem ser alimentados com rações em flocos, sendo que as rações peletizada e extrusada são mais adequadas para o crescimento e o desenvolvimento das espécies,[43] mas preferem alimentos vivos, como as artêmias, larvas de mosquitos, dáfnias e os Culex.[44] Também posem ser alimentados com cenoura e patê de coração de boi.[37].

Ameaças[editar | editar código-fonte]

Doenças[editar | editar código-fonte]

As doenças que mais acometem os acarás são causadas por infestações parasitárias e bacterianas.[45] Contudo, este gênero também pode ser afetado por fungos, nematoides e vírus,[45] que geram uma alta taxa de mortalidade das espécies do gênero.[46] Especificamente para os acarás são encontrados os seguintes parasitas: ectoparasitas, como os Gyrodactylidae e Dactylogyridae,[47] protozoários, como Ichthyobodo necator,[48] Spironucleus vortens, Hexamita meleagridis e Hexamita symphysodonis,[49] microbactérias, como Mycobacterium marinum e Mycobacterium fortuitum,[50] bactérias dos gêneros Bacillus, Porphyromonas, Fusobacterium e Bacteroides,[51] e nematoides principalmente do gênero Capillaria.[52]

Em cativeiro, as doenças que mais atacam os acarás:

  • Monogenea: por ectoparasitas.[47]
  • Tuberculose: causada por bactérias.[53]
  • Metacercárias: pelos parasitas Clinostomum marginatum.[54]
  • Pasteurellosis: causada por bactérias gram-negativas e anaeróbicas do gênero Pasteurella.[56]
  • Hexamitoses: provocadas por protozoários como o Hexamita meleagridis e o Hexamita symphysodonis.[57][58]

Criação em cativeiro[editar | editar código-fonte]

Os acarás têm sido amplamente explorados como peixes ornamentais, uma vez que são de fácil manejo e bem aceitos no mercado internacional.[59] Destacam-se pela sua beleza e convivência pacífica com vários outros peixes, estando entre as oito espécies de peixes ornamentais mais importadas pelos Estados Unidos.[60] São bastante valorizados na aquariofilia devido ao seu pequeno porte e as suas cores variadas.[61]

São pouco exigentes em relação à condições em que vivem, porém os aquários devem obedecer alguns critérios em relação ao controle dos parâmetros de água. Devem ser mantidos em aquários com no mínimo 1 metro de comprimento e 50 centímetros de altura.[62] Preferem águas ligeiramente quentes, que não excedam 30°C,[63] e com pH ácido, em torno de 4.8 e 6.2.[35] Não devem ser mantidos com peixes muito pequenos, como os néons (Paracheirodon innesi), pois podem acabar comendo-os.[64] Algumas espécies também não são indicadas, como os acarás-disco (Symphysodon discus), pois segundo alguns aquariofilistas quando mantidos em um mesmo aquário a quantidade de parasitas especialmente internos tendem a aumentar entre os dois gêneros. No entanto, alguns criadores disseram nunca ter tido problemas ao juntá-los.[64] Aceitam bem alimentos vivos e rações em flocos industrializadas.[43][44]

Galeria[editar | editar código-fonte]

Acarás-bandeira no Biodomo de Montreal.
Ficheiro:OrnicoAngelFish3800ppx7.jpg
Cardume de acarás-Orinoco.
Acará-anão.
Alevinos de acará-bandeira alimentando-se de artêmias salinas.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Wikispecies
O Wikispecies tem informações sobre: Acará
Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Acará

Notas

  1. O acará encontra-se distribuído em todos os países destacadas pelo mapa, a exceção do Equador e Bolívia. As Guianas, pouco destacas pelo mapa, também são habitadas pelas espécies.
  2. Não se sabe muito sobre a taxonomia, classificação e biologia deste gênero. O conhecimento básico que se tem acesso atualmente encontra-se apresentado por meio de fontes que contêm poucas informações sobre as espécies catalogadas como pertencentes a ele, uma vez que os biólogos e pesquisadores têm poucas oportunidades de estudar as espécies, principalmente em seu habitat natural. Essa descrição foi efetuada por meio dos padrões de comportamento, cor, características físicas e exames genéticos e de ADN.

Referências

  1. Dr. Bailly, Nicolas (15 de janeiro de 2008). «WoRMS taxon details: Pterophyllum». World Register of Marine Species (em inglês). WoRMS. Consultado em 16 de março de 2013 
  2. Martha Beatriz Soriano Salazar e Daniel Hernández Ocampo, Maio-Agosto de 2002. Tasa de Crecimiento del Pez Ángel Pterophyllum scalare (Perciformes: Cichlidae) en Condiciones de Laboratorio.. (em espanhol). Acta Universitaria - Guanajuato, México. Vol.: 12. N°: 2.
  3. Maria do Socorro RF Cacho, Sathyabama Chellappa e Maria Emília Yamamoto, 2006. Reproductive success and female preference in the amazonian cichlid angel fish, Pterophyllum scalare (Lichtenstein, 1823).(em inglês). Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Postgraduate Program in Aquatic Bioecology. Vol.: 4. N°: 1.
  4. a b c d Felipe de Azevedo Silva Ribeiro, Laurindo André Rodrigues, João batista Kochenborger Fernandes, 2007. Desempenho de juvenis de acará-bandeira (Pterophyllum scalare) com diferentes níveis de proteína bruta na dieta. (em português) Universidade Estadual Paulista. Centro de Aqüicultura da Unesp. Pág(s):196 - Introdução.
  5. Integrated Taxonomic Information System. «Pterophyllum scalare (Schultze in Lichtenstein, 1823)». ITIS (em inglês). ITIS Report. Consultado em 23 de março de 2013 
  6. Integrated Taxonomic Information System. «Pterophyllum Heckel, 1840». ITIS (em inglês). ITIS Report. Consultado em 29 de março de 2013 
  7. Integrated Taxonomic Information System. «Pterophyllum altum Pellegrin, 1903». ITIS (em inglês). ITIS Report. Consultado em 29 de março de 2013 
  8. Integrated Taxonomic Information System. «Pterophyllum leopoldi (Gosse, 1963)». ITIS (em inglês). ITIS Report. Consultado em 29 de março de 2013 
  9. Animal Diversity Web, 2012. «Pterophyllum scalare - Angelfish» (em inglês). ADW. Consultado em 23 março de 2013 
  10. Encyclopedia of Life. «Taxonomic Information for Pterophyllum (Angelfishes)». EOL (em inglês). EOL Report. Consultado em 23 de março de 2013 
  11. Animal Diversity Web, 2012. «Pterophyllum altum» (em inglês). ADW. Consultado em 23 março de 2013 
  12. FishBase. «Fish Identification: Find Species - 3 Species of Family Cichlidae with Genus Pterophyllum (Cichlids)» (em inglês). Consultado em 28 de março de 2013  horizontal tab character character in |título= at position 66 (ajuda)
  13. Encyclopedia of Life. Pterophyllum leopoldi - Details Freshwater Angelfish. (em inglês). EOL Report. EOL. Página visitada em 28 de março de 2013.
  14. Nascimento Aline L., Augusto Cesar P. Souza, Eliana Feldberg, Jaime R. Carvalho Jr., Regina M. S. Barros, Julio C. Pieczarka1 e Cleusa Y. Nagamachi. Cytogenetic analysis on Pterophyllum scalare (Perciformes, Cichlidae) from Jari River, Para´ state..(em inglês). Universidade Federal do Pará. Departamento de Gene´tica, Centro de Ciências Biológicas. Instituto de Pesquisas da Amazônia. Centro Jovem de Aquarismo. Vol.: 59. N°: 2. Pág(s):139-139 - Introduction.
  15. Encyclopedia of Life. Pterophyllum altum - Details Deep Angelfish. (em inglês). EOL Report. EOL. Página visitada em 28 de março de 2013.
  16. Torres, Armi G. «Symphysodon discus Heckel, 1840: Red discus». FishBase (em inglês). Consultado em 28 de março de 2013 
  17. Luna, Susan M. «Geophagus brasiliensis (Quoy & Gaimard, 1824): Pearl cichlid». FishBase (em inglês). Consultado em 28 de março de 2013 
  18. Froese, Rainer e Garilao, Cristina V. «Cichlasoma bimaculatum (Linnaeus, 1758)». FishBase (em inglês). Consultado em 28 de março de 2013 
  19. Catalogue of Life (11 de março de 2013). «Catalogue of Life: Pterophyllum scalare (Schultze, 1823)». Catalogueoflife.org (em inglês). Consultado em 17 de março de 2013 
  20. Catalogue of Life (11 de março de 2013). «Catalogue of Life: Pterophyllum altum Pellegrin, 1903». Catalogueoflife.org (em inglês). Consultado em 17 de março de 2013 
  21. Catalogue of Life (11 de março de 2013). «Catalogue of Life: Pterophyllum leopoldi (Gosse, 1963)». Catalogueoflife.org (em inglês). Consultado em 17 de março de 2013 
  22. a b Encyclopedia of Life. Pterophyllum scalare: Details Freshwater Angelfish. (em inglês). EOL Report. EOL. Página visitada em 17 de março de 2013.
  23. Carla Rezende, Daniel Munari, Juan Guevara, Joyce Barbos e Agustín Camacho. «Assembléia de peixes associada à macrófita Paspalum repens (Poaceae) em uma área de várzea no Rio Solimões» (PDF). Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia. Consultado em 22 de março de 2013 
  24. Armando A. Ortega-Salas1, Isabel Cortés G.2 e Hugo Reyes-Bustamante, 2009. Fecundity, growth, and survival of the angelfish Pterophyllum scalare (Perciformes: Cichlidae) under laboratory conditions.(em inglês). Instituto de Ciencias del Mar y Limnología. Departamento de Investigaciones Científicas y Tecnológicas. Universidad de Sonora, Rosales y Niños Héroes. Vol.: 57.N°: 3.
  25. a b Wallace Henrique de Oliveira, Goiânia 2009.Proteína bruta, energia digestível de densidade de estocagem do ciclídeo ornamental acará-bandeira (Pterophyllum scalare) (em português) Universidade Federal de Goiás. Escola de veterinária Programa de pós-graduação em ciência animal. Cap.: 1 - Considerações gerais.
  26. Núcleo do meio ambiente (NUMA), 2009. Subsídios à formulação de políticas de desenvolvimento local. Diagnóstico da pesca familiar extrativista com espécies ornamentais na Vila Igarapé-Açú, no município de Capitão Poço, Nordeste do Pará - Acará-banderira (Pterophyllum scalare).(em português) Universidade Federal do Pará. Cap.: 1. Pág.: 45.
  27. a b Maria do Socorro R.F. Cacho, Maria Emília Yamamoto e Sathyabama Chellappa, 1999. Comportamento reprodutivo do acará bandeira, Pterophyllum scalare Cuvier &Valenciennes (Osteichthyes, Cichlidae). (em português). Centro de Biociências, Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Departamento de Fisiologia. Setor de Psicobiologia. Departamento de Oceanografia e Limnologia .Cap.: Material e métodos Pág(s): 654-655-. Cap.: Resultados e discussão .Pág(s): 657-658-659-661.
  28. Maria do Socorro R. F. Cacho, Sathyabama Chellapa e Maria Emília Yamamoto, Junho de 2007. Efeito da experiência de macho no sucesso reprodutivo do acará-bandeira, Pterophyllum scalare Lichtenstein, 1823, (Osteichthyes, Cichlidae). (em português). Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN. Revista Brasileira de Zoociências. Programa de pós-graduação em Bioecologia Aquática. Pág(s): 42 - Introdução.
  29. a b Mylena Taborda Piquera Peres, Curitiba, 2013. Plano de revitalização do aquário do passeio público de Curitiba. (em português). Universidade Federal do Paraná. Cap.: 5.1 - Peixes ornamentais - 5.1.1. Pterophyllum scalare. Pág(s):27 - Características reprodutivas. Pág(s): 28 - Reprodução.
  30. Julian David Alvarado Castillo, 2010 - São Paulo. Substituição precoce do alimento vivo por alimento inerte na larvicultura de acará bandeira (Pterophyllum scalare). (em português). Universidade Estadual Paulista. Centro de aquicultura da Universidade Estadual Paulista (UNESP). Pág(s):1-2-3-4-3 -Introdução.
  31. a b Felipe de Azevedo Silva Ribeiro, 2007 - São Paulo, Sistemas de criação para o Acará-bandeira, Pterophyllum scalare.(em português). Universidade Estadual Paulista. Centro de Aquicultura. Pág(s):4-5 - Cap.: Considerações gerais. Pág(s):22-23 - Cap.:2 - Material e métodos.
  32. Cacho, MSRF, Yamamoto, ME Chellappa, S, 2007. Mating system of the amazonian cichlid angel fish, Pterophyllum scalare. (em inglês).Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Postgraduate Programme in Aquatic Bioecology. Vol.:67. N°: 1.
  33. Luna, Susan M. «Pterophyllum scalare (Schultze, 1823): Freshwater angelfish». FishBase (em inglês). Consultado em 28 de março de 2013 
  34. Sa-a, Pascualita. «Pterophyllum leopoldi (Gosse, 1963)». FishBase (em inglês). Consultado em 28 de março de 2013 
  35. a b Sa-a, Pascualita. «Pterophyllum altum Pellegrin, 1903». FishBase (em inglês). Consultado em 28 de março de 2013 
  36. Mércia Rocha da Câmara, 2004 Biologia Reprodutiva do Ciclídeo Neotropical Ornamental Acará Disco, Symphysodon discus Heckel, 1840.(em português). Universidade Federal de São Carlos. Cap.: 1 - Introdução: Considerações gerais sobre os ciclídeos. Pág(s): 4.
  37. a b Mylena Taborda Piquera Peres, Curitiba, 2013. Plano de revitalização do aquário do passeio público de Curitiba. (em português). Universidade Federal do Paraná. Cap.: 5.1 - Peixes ornamentais - 5.1.1. Pterophyllum scalare. Pág(s):26 - Características gerais da espécie. Pág(s): 27 - Características alimentares.
  38. Thaís Billalba Carvalho, 2009 - São Paulo. A interferência da luminosidade na hierarquia social dos ciclídeos.(em português). Universidade Estadual Paulista. Centro de Aquicultura da Unesp- CAUNESP. Experimento I - A intensidade luminosa modula a interação agonística dos ciclídeos, Geophagus proximus, Oreochromis niloticus e Pterophyllum scalare. Pág(s): 17-18.
  39. Felipe de Azevedo Silva Ribeiro, 2010 - São Paulo. Policultivo de acará-bandeira e camarão marinho. (em português). Universidade Estadual Paulista. Centro de aquicultura da Universidade Estadual Paulista (UNESP). Cap.: 1 - Introdução. Pág(s): 10.
  40. Aline Sasha Schatzmann, Ari de Santi Junior, Luis Sérgio Moreira e Adolfo Jatobá, . Influência da larva de mosquito (Aedes ssp.) no desempenho zootécnico do Acará-Bandeira (Pterophyllum scalare). (em português). Instituto Federal Catarinense. Instituto Federal de educação, ciência e tecnologia Catarinense - Câmpus Araquari. Página visitada em 17 de março de 2013.
  41. Felipe de Azevedo Silva Ribeiro, Bruno de Lima Preto e João Batista Kochenborger Fernandes, 2008. Sistemas de criação para o acará- Sistemas de criação para o acará---bandeira ( bandeira (Pterophyllum scalare). (em português). Universidade Estadual Paulista. Departamento de Ciências Animais. Universidade Federal Rural do Semi-Árido. Centro de Aquicultura. Vol.: 30. N°: 4. Pág(s): 460 - Introdução.
  42. García-Ulloa, M. e Gómez-Romero, H. J, 2005. Growth of angel fish Pterophyllum scalare [Gunther,1862 juveniles fed inert diets]. (em inglês). Universidad Autónoma de Guadalajara. Laboratorio de Ciencias Marinas. Pág(s): 51.
  43. a b Laurindo André Rodrigues e João Batista Kochenborger Fernandes, 2006. Influência do processamento da dieta no desempenho produtivo do acará bandeira (Pterophyllum scalare). (em português). Universidade Estadual Paulista. Vol.:29. N°: 1. Pág(s):114-115-116-117-118.
  44. a b Jorge Luma-Figueroa, dezembro de 1999 . Influencia de alimento vivo sobre la reproducción y crescimiento del Pez Ángel, Pterophyllum scalare (Perciformes: Cichlidae) . (em espanhol). Vol.: 9. N°: 2 .Pág(s): 22.
  45. a b FishBase. «List of diseases for Pterophyllum scalare» (em inglês). Consultado em 23 de março de 2013 
  46. JoAnn C. L. Schuh D. V. M, M. S. e Ian G. Shirley, 1990. Viral hematopoietc necrosis In a AngelFish (Pterophyllum scalare).(em inglês). American Association of Zoo Veterinarians. Journal of Zoo and Wildlife Medicine. Vol.: 21. N°: 1. Pág(s): 95.
  47. a b Marcos Tavares-Dias, Jefferson Raphael Gonzaga Lemos e Maurício Laterça Martins, 2010. Parasitic fauna of eight species of ornamental freshwater fish species from the middle Negro River in the Brazilian Amazon Region.(em inglês). Universidade Federal de Santa Catarina. Laboratório de Aquicultura e Pesca - Departamento de Aquicultura. Universidade Federal do Amazonas. Programa de Pós-graduação em Diversidade Biológica - Instituto de Ciências Biológicas. Vol.:19. N°: 2.
  48. Palacio, Allan. «Pterophyllum scalare Diseases - Ichthyobodo». FishBase (em inglês). Consultado em 24 de março de 2013 
  49. Stephen A. Smith, Chair, Sarah L. Poynton, John L. Robertson, Thomas Caceci e David S. Lindsay, 1999. Spironucleus vortens of the freshwater angelfish (Pterophyllum scalare): Growth requirements, chemotherapeu-tics, pathogenesis and immunity..(em inglês). Virginia Polytechnic Institute and State University. Pág(s): II-III-IV-V - Abstract.
  50. a b M. Pate, V. Jencic, M. Ocepek, 2005. Detection of mycobacteria in aquarium fish in Slovenia by culture and molecular methods.(em inglês). University of Ljubljana. University Clinic of Respiratory and Allergic Diseases - Veterinary Faculty Ljubljana. Pág(s):30-31-32.
  51. Rachel F. Ramirez e Beverly A. Dixon. «Enzyme production by obligate intestinal anaerobic bacteria isolated from oscars (Astronotus ocellatus), angelfish (Pterophyllum scalare) and southern flounder (Paralichthys lethostigma)». Reed Elsevier (em inglês). Elsevier B.V. Consultado em 28 de março de 2013 
  52. a b Rodrigo Yudi Fujimoto, Leandro Vendruscolo, Sergio Henrique Canello Schakch e Flávio Ruas de Moraes, 2006. Avaliação de três diferentes métodos para o Controle de monogenéticos e Capillaria sp. (nematoda: capillariidae), parasitos de acará-Bandeira. (Pterophyllum scalare Lichtenstein, 1823.(em português). Universidade Federal do Pará. Departamento de Patologia Veterinária - Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias da Unesp. Núcleo de Estudos Costeiros. Pág(s):183-184-185.
  53. Palacio, Allan Pterophyllum scalare Diseases - Fish tuberculosis.(em inglês). FishBase. Página visitada em 23 de março de 2013.
  54. Dimitri Ramos Alves, José Luiz Luque e Aline Rodrigues Paraguassu, 2001. Metacercárias de Clinostomum marginatum (Digenea: Clinostomidae) em acará-bandeira Pterophyllum scalare (Osteichthyes: Cichlidae) no estado do Rio de Janeiro, Brasil.(em português). Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Departamento de Parasitologia Animal - Curso de Pós-Graduação em Parasitologia Veterinária. Vol.: 25. N°: 1-2.
  55. Palacio, Allan. «Pterophyllum scalare Diseases - Pseudomonas». FishBase (em inglês). Consultado em 23 de março de 2013 
  56. Palacio, Allan. «Pterophyllum scalare Diseases - Pasteurellosis». FishBase (em inglês). Consultado em 23 de março de 2013 
  57. Palacio, Allan. «Pterophyllum scalare Diseases - Hexamitosis». FishBase (em inglês). Consultado em 23 de março de 2013 
  58. Gisele M. O'Brien, Vaughn E. Ostland e Hugh W. Ferguson, 1993. Spironucleus-associated necrotic enteritis in angelfish (Pterophyllum scalare).(em inglês). National Center for Biotechnology Information. Canadian Veterinary Medical Association. Vol.: 34. Pág(s): 301.
  59. Jhon Edison Jiménez-Rojas, Paola Andrea Alméciga-Díaz e Diego Mauricio Herazo-Duarte, 2012. Desempeño de juveniles del pez ángel Pterophyllum scalare alimentados con el oligoqueto Enchytraeus buchholzi.(em espanhol). Universitas Scientiarum - Bogotá. Scientific Eletronic Library Online. Vol.: 17.N°: 1.
  60. Jener Alexandre Sampaio Zuanon, Ana Lúcia Salaro, Eric Márcio Balbino, Alysson Saraiva, Moisés Quadros e Rodrigo Lima Fontanari, 2006. Níveis de proteína bruta em dietas para alevinos de acará-bandeira.(em português). Universidade Federal de Viçosa. Departamento de Biologia Animal da Universidade Federal de Viçosa. Programa de Pós-Graduação em Zootecnia - UFV. Curso de Zootecnia da UFV. Vol.: 35. N°: 5.
  61. Andréia Benedita Poletto 2009 - São Paulo. Citogenética comparativa de peixes da família Cichlidae.(em português). Universidade Estadual Paulista. Pós-graduação em Ciências Biológicas (Genética). Instituto de Biociências de Botucatu. Cap.: 1 - Biologia e evolução dos ciclídeos. Pág(s):10.
  62. Jacinto Salgueiro (16 de junho de 2012). «Pterophyllum scalare (Schultze in Lichtenstein, 1823)». Consultado em 30 de março de 2013 
  63. Estela Pérez,Fernando Diaz e Sonia Espina. «Thermoregulatory behavior and critical thermal limits of the angelfish Pterophyllum scalare (Lichtenstein) (Pisces: Cichlidae)». Reed Elsevier (em inglês). Elsevier. Universidade Nacional Autónoma de México. Consultado em 24 de março de 2013 
  64. a b Luke Dockerill (28 de abril de 2008). «Fish to keep with Discus». Practical Fishkeeping (em inglês). Consultado em 25 de janeiro de 2013