Beatriz da Conceição

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Beatriz da Conceição
Informação geral
Nome completo Beatriz da Conceição Mendes Lage
Também conhecido(a) como Bia
Nascimento 21 de agosto de 1939
Local de nascimento Porto
Data de morte 26 de novembro de 2015 (76 anos)
Local de morte Lisboa
Nacionalidade Portuguesa
Ocupação(ões) Fadista

Beatriz da Conceição Mendes Lage, mais conhecida por Beatriz da Conceição (Porto, 21 de agosto de 1939Lisboa, 26 de novembro de 2015), foi uma fadista portuguesa. Foi uma das personalidades do fado mais activas da segunda metade do século XX.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Beatriz da Conceição Mendes Lage[1] nasceu em 21 de agosto de 1939, no Porto.[2][3][4]

Por volta do ano de 1960, foi numa visita a Lisboa que entrou na casa de fados de Márcia Condessa,[2] também ela fadista. Saboreando sangria, Beatriz da Conceição trauteou uns versos e foi desafiada a cantar um fado.[5] Imediatamente foi convidada pela proprietária para integrar o elenco do estabelecimento. Não regressa ao Porto[4] radicando-se na capital portuguesa.[3]

O primeiro disco da Beatriz da Conceição surge em 1965, para a etiqueta RCA. Um EP de título Fui por Alfama.[3]

Fez questão de criar o seu próprio repertório, recorrendo a poetas como Domingos Gonçalves Costa, João Dias, César de Oliveira ou Vasco de Lima Couto.[2][4] Mais tarde, destaca-se José Carlos Ary dos Santos, que lhe escreveu, com música de Fernando Tordo, "Meu Corpo", um tema também conhecido como "Fado da Bia".[2][3] Este fado foi criado para a revista Uma no Cravo, Outra na Ditadura, onde Beatriz da Conceição, ao ter que substituir Tonicha, necessitou de um tema original de um dia para o outro.[3]

O Teatro de Revista foi, de resto, uma componente relevante da sua carreira artística. Um dos seus maiores sucesso surgiu na representação de John Português, no Teatro ABC, tendo o tema principal, "John Português", sido cortado pela censura.[2] Entre outros êxitos de Beatriz da Conceição saídos dos palcos encontram-se "Fado Para Esta Noite", "Lisboa da Cor da Ponte" ou "Três Santinhos Populares".[3][6][4]

Já na década de 90 participou em Grande Noite (1992) e Cabaret (1994), musicais feitos para televisão por Filipe La Féria.[2]

Um dos pontos altos da sua carreira a nível internacional foi o álbum Tears of Lisbon, lançado em 1996 pela Sony Classical.[7] Com António Rocha foi convidado pelo belga Paul Van Negel, diretor do agrupamento de música erudita Huelgas-Ensemble, a participar neste trabalho,e respectivos concertos, que conjugaram fado tradicional e música do século XVI,[7] incluindo composições de Manuel Mendes (1547–1605) e nomes mais actuais como Joaquim Pimentel, Fontes Rocha, Paulo Valentim, Armando Machado, Francisco Viana ou Fernando Tordo.[3]

Em 2007, Beatriz da Conceição actuou no londrino Queen Elizabeth Hall, numa noite intitulada "The Grand Divas Of Fado" que abriu o festival Atlantic Waves. O espectáculo reuniu seis vozes da canção nacional: Aldina Duarte, Joana Amendoeira, Mafalda Arnauth, Raquel Tavares e a também veterana estreante em palcos britânicos Maria da Fé.[3][6][8]

Beatriz da Conceição recebeu em 2008 o Prémio Carreira atribuído pela Fundação Amália Rodrigues.[3][9][6][10] Também em 2008 foi homenageada na sua terra natal, juntamente com Lenita Gentil, com o espectáculo Alma Lusitana apresentado no Teatro Sá da Bandeira.[3][11]

Em 2012, Beatriz foi a figura central do documentário O Fado da Bia, realizado por Diogo Varela Silva, com intervenções de Camané, Carminho, Carlos do Carmo, Aldina Duarte, Jorge Fernando, Ana Moura, Helder Moutinho e Raquel Tavares, esta última que já tinha assinalado publicamente a fadista como uma das suas maiores referências.[12].[13]

Beatriz da Conceição destacou como sua grande referência fadista Lucília do Carmo, destacando também Argentina Santos e Fernanda Maria nas vozes femininas enquanto que nos fadistas masculinos enunciou, como seus preferidos, Alfredo Marceneiro, Carlos Ramos, Tony de Matos, Max, Manuel de Almeida e Tristão da Silva.[3]

Em mais de 50 anos de carreira, cantou nas principais casas de fado de Lisboa[2] e tornou-se numa referência para as novas gerações.[6]

Beatriz da Conceição faleceu a 26 de novembro de 2015, com 76 anos de idade, no Hospital de São José, em Lisboa.[9][6]

Discografia[editar | editar código-fonte]

Singles e EP[editar | editar código-fonte]

  • 1965 - Fui por Alfama (EP, RCA)[3]

Álbuns de estúdio[editar | editar código-fonte]

  • 1979 - Beatriz Da Conceição (LP, Movieplay)[14]

Compilações[editar | editar código-fonte]

  • 1996 - Sou um Fado desta Idade (CD, EMI-Valentim de Carvalho, Colecção "Caravela")[2][15]
  • 1997 - Beatriz da Conceição (n.º 75) (CD, Movieplay, Colecção O Melhor dos Melhores)[2][16]
  • 2008 - O melhor de Beatriz da Conceição (CD, iplay)[17]

Outros[editar | editar código-fonte]

Participações[editar | editar código-fonte]

  • 2000 - Asas no Tempo de João Tenreiro (CD, Voxom - Interfase) no tema "Este Povo que Eu Não Canto"[18]
  • 1996 - Tears of Lisbon da Huelgas-Ensemble, Paul Van Nevel (CD, Sony Classical) Temas: "Voltaste", "Eu Preciso de te Ver", "Noite", "Vesti a minha Saudade" e "Meu Corpo".[7][19]

Compilações[editar | editar código-fonte]

  • 1991 - O Melhor Fado (CD, Selecções do Reader's Digest) Tema: "Noite"[20]
  • 1994 - Fado Capital (CD, Ovação) Temas: "Dei-te um Nome em minha Cama" e "Deste-me um Beijo e Vivi".[21]
  • 1995 - Antologia do Mais Triste Fado (CD, Discossete) Temas: "Ovelha Negra" e "Meu Corpo".[22]
  • 2003 - Parque Mayer (CD, Valentim de Carvalho) Tema: "John Português".[23]

Referências

  1. «Certidão de lista de associadas da Audiogest» (pdf). IGAC/Ministério da Cultura. 25 de julho de 2007. Consultado em 18 de Janeiro de 2014. Cópia arquivada (PDF) em 24 de Dezembro de 2013 
  2. a b c d e f g h i Porto Editora (2003–2016). «Artigos de apoio : Beatriz da Conceição». Infopédia. Consultado em 18 de Janeiro de 2014 
  3. a b c d e f g h i j k l «Personalidades : Beatriz da Conceição». Museu do Fado. Março de 2009. Consultado em 14 de maio de 2016 
  4. a b c d «Biografias : Beatriz da Conceição». Macua de Moçambique. Consultado em 14 de maio de 2016 
  5. Manuel Pacheco (4 de fevereiro de 2007). «Beatriz da Conceição abre a alma do fado ao seu Porto natal». Jornal Público". Consultado em 10 de novembro de 2016 
  6. a b c d e Vítor Belanciano; Beatriz Dias Coelho (26 de novembro de 2015). «Morreu uma grande dama do fado: Beatriz da Conceição». Jornal Público". Consultado em 26 de novembro de 2015 
  7. a b c «Artigos de apoio : António Rocha». Infopédia : Língua Portuguesa com Acordo Ortográfico. Identifica erradamente o agrupamento como "Helgas Ensemle". Porto: Porto Editora. 2003–2016. Consultado em 5 de maio de 2016 
  8. Robin Denselow (3 de novembro de 2007). «Music : The Grand Divas Of Fado» (em inglês). Jornal The Guardian. Consultado em 14 de maio de 2016 
  9. a b Redação ; CF (26 de novembro de 2015). «Morreu a fadista Beatriz da Conceição». TVI24. Consultado em 26 de novembro de 2015 
  10. Diário Digital ; Agência Lusa (13 de abril de 2008). «Beatriz da Conceição recebe prémio carreira Amália Rodrigues». Diário Digital. Consultado em 14 de maio de 2016 
  11. «HomenagemAlma Lusitana para fadistas do Porto». Jornal de Notícias. 5 de maio de 2008. Consultado em 14 de maio de 2016 
  12. «Raquel Tavares - Lisboa garrida (Teatro da Trindade)». Destak TV. 11 de maio de 2008. Consultado em 9 de abril de 2009 
  13. O Fado da Bia (em inglês) no Internet Movie Database. Consultado em 2012-12-22.
  14. «Beatriz Da Conceição ‎– Beatriz Da Conceição». Discogs. Consultado em 14 de maio de 2016 
  15. «Catálogo - Detalhes do registo de "Sou um Fado desta Idade"». Fonoteca Municipal de Lisboa. Consultado em 23 de novembro de 2012 
  16. «Catálogo - Detalhes do registo de "Beatriz da Conceição; O melhor dos melhores; 75"». Fonoteca Municipal de Lisboa. Consultado em 23 de novembro de 2012 
  17. «Catálogo - Detalhes do registo de "O melhor de Beatriz da Conceição"». Fonoteca Municipal de Lisboa. Consultado em 23 de novembro de 2012 
  18. «Catálogo - Detalhes do registo de "Asas no Tempo"». Fonoteca Municipal de Lisboa. Consultado em 23 de novembro de 2012 
  19. «Catálogo - Detalhes do registo de "Tears of Lisbon = Die tranen von Lissabon = Les larmes de Lisbonne = As lágrimas de Lisboa"». Fonoteca Municipal de Lisboa. Consultado em 23 de novembro de 2012 
  20. «Catálogo - Detalhes do registo de "O Melhor Fado"». Fonoteca Municipal de Lisboa. Consultado em 23 de novembro de 2012 
  21. Fado Capital na Fonoteca Municipal de Lisboa. Acesso 2012-11-23
  22. «Catálogo - Detalhes do registo de "Antologia do Mais Triste Fado"». Fonoteca Municipal de Lisboa. Consultado em 23 de novembro de 2012 
  23. «Catálogo - Detalhes do registo de "Parque Mayer"». Fonoteca Municipal de Lisboa. Consultado em 23 de novembro de 2012 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]