Ana Moura

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ana Moura
Ana Moura - 2013.JPG
Ana Moura em concerto, 2013
Informação geral
Nascimento 17 de setembro de 1979 (38 anos)
Local de nascimento Santarém, Portugal
Nacionalidade portuguesa
Género(s) Fado
Instrumento(s) Vocal
Gravadora(s) Universal
Página oficial www.anamoura.com.pt
Uma das fotos do último álbum "Desfado"

Ana Cláudia Moura Pereira ComIH (Santarém, Portugal, 17 de setembro de 1979[1]) é uma fadista portuguesa. Considerada a fadista mais bem sucedida e premiada do século XXI Ana Moura já vendeu mais de um milhão de discos no mundo todo, sendo uma das recordistas de vendas de discos em Portugal.[2]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Ana Moura é natural de Coruche, mas como esta vila não dispunha de maternidade, foi nascer na capital do distrito, ou seja, Santarém[3]. Os seus pais cantavam em festas familiares e aos seis anos Ana Moura já cantava o Cavalo Ruço, enquanto ouvia frequentemente a mãe trautear O Xaile de Minha Mãe. Na adolescência, altura em que se transfere para Carcavelos, frequenta a Academia dos Amadores de Música.

Apesar do interesse pelo Fado, Moura tem as suas primeiras atuações numa banda de covers de pop/rock, os Sexto Sentido, formado com colegas de escola. A experiência acaba por conduzir ao início de gravações de um disco com o músico Luís Oliveira, cujo lançamento fazia parte da agenda da multinacional Universal. O disco, no entanto, não chega a ser terminado.

Certo dia Ana Moura está num bar em Carcavelos, cede à tentação e canta um fado. Impressionando o guitarrista António Parreira, que estava presente na sala, este toma a iniciativa de apresentar a jovem a Maria da Fé. Contratada por Maria da Fé para o Senhor Vinho, Ana Moura tem nesta casa de fados uma verdadeira escola, onde bebe dos ensinamentos de Maria da Fé ou Jorge Fernando.

Os dotes da jovem fadista também conquistam Miguel Esteves Cardoso que, de forma indireta, contribui para a gravação do seu primeiro álbum. O acaso ocorreu após Esteves Cardoso ver Ana Moura cantar numa das suas primeiras aparições na televisão; o programa da RTP Internacional, Fados de Portugal, conduzido por António Pinto Basto. Esteves Cardoso resolve escrever uma crónica sobre ela n'O Independente (cf. O susto do fado e a beleza da verdade. A Preguiça, in O Independente, 16 de fevereiro de 2001), que será lida por Tozé Brito, então administrador da Universal. Brito resolve ir ao Senhor Vinho à descoberta daquela voz que conhecia apenas dos Sexto Sentido e logo propõe a Ana Moura a gravação do seu primeiro disco; surge assim Guarda-me a Vida na Mão (2003)[4].

Aconteceu (2004) e Para Além da Saudade (2007) foram os álbuns subsequentes; este último contem músicas como Os Búzios ou O Fado da Procura. Com este disco Ana Moura chegou ao conhecimento do grande público, o álbum alcançou a tripla platina, por vendas superiores a 55 mil unidades, levando a cantora a permanecer 120 semanas no Top 30 de Portugal. Com o mesmo disco recebeu uma nomeação para os Globos de Ouro, na categoria de Música, para Melhor Intérprete Individual, que acabou por perder para Jorge Palma.

Em 2007, Moura participou no concerto dos Rolling Stones no Estádio Alvalade XXI, em Lisboa, cantando, em dueto com Mick Jagger, o tema No Expectations.[5]

Depois de dois grandes concertos nos Coliseus do Porto e de Lisboa, Moura lança finalmente o seu primeiro DVD ao vivo, a 24 de Novembro de 2008, que obtém grande sucesso junto ao público, pelo seu excelente alinhamento.

Reconhecida internacionalmente como uma voz raríssima de Contralto, chegou também o reconhecimento dos pares e, em 2008, Ana Moura recebeu o Prémio Amália de melhor intérprete.

Em concerto, Varsóvia, 2009

Em 2009 o norte-americano Prince confessa-se fã da fadista,[6] mostrando interesse em colaborar musicalmente com Moura, vindo a fazê-lo no Festival de Verão, Super Bock Super Rock, em 2010.[7]

"Leva-me aos Fados", lançado a 12 de Outubro de 2009 (apresentado na Casa da Música - Porto e Coliseu de Lisboa, a 20 e 21 de Outubro), foi Disco de Platina, estando semanas consecutivas no Top 10 dos discos mais vendidos. O álbum incluiu fados como Leva-me aos Fados (single de apresentação), Caso Arrumado, Rumo ao Sul e Fado Vestido de Fado.

Ana Moura recebeu, a 23 de Maio de 2010, nos "Globos de Ouro" o globo de "Melhor Intérprete Individual", para o qual estava nomeada juntamente com artistas como Carminho, David Fonseca ou Rodrigo Leão.

A 17 de Março de 2011, Ana Moura foi nomeada para "Best Artist Of The Year", um dos importantes prémios da prestigiada revista inglesa de música Songlines.

Em Junho e Julho do mesmo ano, a fadista efectuou uma pequena digressão aos Estados Unidos e ao Canadá, que incluiu concertos em quatro famosos festivais de Jazz - S. Fancisco, nos Estados Unidos, e Vancouver, Montreal e Otava, no Canadá. Em Montreal, Moura foi uma das cabeças de cartaz do 32º. festival de jazz internacional e no espectáculo agradou à sala cheia do Teatro Maisonneuve, no qual teve como convidado especial o saxofonista Tim Ries, criador do Projecto Rolling Stones. [8]

Em Novembro de 2012 é lançado o quinto disco da cantora, chamado de "Desfado". O álbum acaba por ser um sucesso sem precedentes, permanecendo no primeiro lugar do Top 30 de Portugal por bastante tempo. Juntamente com o lançamento do álbum, Moura fez uma torné pelo país e fora dele, com concertos centrados mais no norte de Portugal, e fora, passando pelos E.U.A., Canadá, México, Reino Unido, Áustria, Holanda, Alemanha, Noruega, Bélgica e ainda Angola.

A 27 de Janeiro de 2015 foi feita Comendadora da Ordem do Infante D. Henrique.[9] No final do mesmo ano, Moura lançou o trabalho mais recente titulado simplesmente "Moura", acompanhado pela canção Dia de Folga.

Em 2016, Ana Moura recebeu um Globo de Ouro na categoria de Melhor Música com "Dia de Folga", canção com letra e música de Jorge Cruz.[10]

Moura é atualmente uma das fadistas mais conceituadas de Portugal, pelo seu excelente timbre de voz, beleza e enorme simpatia para com o seu público.

Discografia[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Discografia de Ana Moura

Álbuns de estúdio[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Ana Moura». Infopédia 
  2. «Award-winning, chart-topping vocalist Ana Moura is the most successful and beloved fadista to appear in the 21st century.». Allmusic. Consultado em 4 de fevereiro de 2016 
  3. «Página no Myspace 2009». Myspace (em inglês). Myspace.com 
  4. «Editora». Universalmusic.pt. Consultado em 3 de maio de 2011 
  5. «MRV, Artigo do Blitz». Revista Blitz. Blitz.aeiou.pt. 20 de Julho de 2007 
  6. «Lusa, Artigo in Expresso». Semanário Expresso. Aeiou.expresso.pt. 21 de Julho de 2009. Consultado em 3 de maio de 2011 
  7. «Costa, Alexandre, Artigo in Expresso». Semanário Expresso. Aeiou.expresso.pt. 21 de Julho de 2010. Consultado em 3 de maio de 2011 
  8. «Festival International de Jazz de Montreal». Montrealjazzfest.com. 4 de Julho de 2011 
  9. «Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de "Ana Cláudia Moura Pereira". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 4 de abril de 2015 
  10. «Ana Moura recebe o terceiro Globo de Ouro - Universal Music Portugal». www.universalmusic.pt. Consultado em 15 de junho de 2016 
  11. «Ana Moura - Guarda-me a vida na mão». Instituto Camões 
  12. «Ana Moura - ACONTECEU». Instituto Camões 
  13. «Fonoteca da Câmara Municipal de Lisboa». Câmara Municipal de Lisboa. Fonoteca.cm-lisboa.pt 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) cantor é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.


O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Ana Moura