Ana Moura

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Ana Moura (Timóteo).
Ana Moura
Ana Moura, 2021
Informação geral
Nome completo Ana Cláudia Moura Pereira
Nascimento 17 de setembro de 1979 (42 anos)
Local de nascimento Santarém, Portugal
Nacionalidade Portuguesa
Género(s) Fado, adult contemporary, worldbeat
Instrumento(s) Vocal
Página oficial www.anamoura.pt

Ana Moura ComIH (Santarém, Portugal, 17 de setembro de 1979[1]) é uma cantora portuguesa. O site All Music considera que Ana Moura é a fadista mais bem-sucedida a iniciar carreira no século XXI. A artista já vendeu mais de um milhão de discos no mundo todo, sendo uma das recordistas de vendas de discos em Portugal.[2]

Biografia[editar | editar código-fonte]

De seu nome completo Ana Cláudia Moura Pereira, é natural de Coruche, mas como esta vila não dispunha de maternidade foi nascer na capital do distrito, ou seja, Santarém[3].

Houve um momento particular, na noite de 18 de Julho de 2010, em que a arte de Ana Moura alcançou um patamar singular, relevante no panorama global porque é essa a sua real dimensão. Chamada por Prince para um encore mágico na sua apresentação no festival SBSR, a cantora, com a sua presença e com toda a sabedoria já contida na garganta, silenciou até às lágrimas uma plateia de dezenas de milhares de pessoas. A sua voz entregou-se a “A Sós Com A Noite” e a “Vou Dar de Beber à Dor”, mas, na verdade, qualquer canção poderia ter resultado no mesmo arrebatamento colectivo que ali se sucedeu. Nesse momento, Ana Moura provou ter algo de tão singular quanto universal: uma capacidade de interpretação que ultrapassa códigos de género, que se sobrepõe a línguas, que parece prenunciar uma nova cultura. Um futuro que há muito se aguarda.

Quando subiu ao palco com Prince, Ana já tinha uma bagagem, uma carreira, e uma vida inteira de imersão nessa força – a da música - que sempre a puxou. A sua relação com a música começou antes de ter entrado num estúdio: talvez no momento em que, ainda no útero, ouviu a sua mãe cantar fados, mas também sentiu os sons que se desprendiam do gira-discos lá de casa que tocava os discos de Fausto e Ruy Mingas, de José Afonso ou Bonga.

Com raízes familiares em África, talvez haja até algum eco distante, carregado pela sua herança genética, que ainda antes desse momento já a empurrasse para o que é hoje. Mas houve um percurso, claro: começou por aprender com a voz dos pais, que cantavam sempre que podiam e, ainda menina, ao mesmo tempo que aprendia a ler, já cantava fados com o mesmo empenho e inocência com que dançava sembas ou kizombas.

Em concerto, Varsóvia, 2009

A adolescência levou-a para mais perto de Lisboa, para Carcavelos, onde se matriculou no liceu e na Academia dos Amadores de Música, experimentando usar a sua voz noutros contextos, talvez não condizentes com o seu âmago, mas certamente mais em sintonia com o que outros rapazes e raparigas da sua idade escutavam, tocavam, cantavam ou dançavam. Ainda assim, um “Povo que Lavas no Rio” que começou por ser de Amália, mas haveria de ser também reclamado por António Variações, também merecia a sua atenção, encaixado entre as versões dos êxitos que se esperaria ouvir re-interpretados por jovens de 15 ou 16 anos.

Ao aprendizado familiar, fundo e variado, e à experiência escolar e académica diferente, mas também importante, Ana não demoraria a somar outro caminho que se revelaria importante para a sua formação artística. Num bar em Carcavelos, numa noite de cantorias, arrisca um fado sem saber que está presente o guitarrista António Parreira que imediatamente lhe reconhece a força indómita e a originalidade da postura. Começa aí o seu percurso pelas casas de fados que culmina com Maria da Fé a render-se e a convidá-la para se apresentar regularmente na sua casa, o mítico Senhor Vinho.

Pode dizer-se que a partir daí os dados estavam lançados: Miguel Esteves Cardoso , prestigiado jornalista que nunca escondeu uma desmedida paixão por Amália Rodrigues, reconheceu em Ana o mesmo fulgor e dedicou-lhe inflamadas palavras que tiveram efeitos imediatos, trazendo-lhe a atenção de editoras. A Universal propôs-lhe ingresso no seu catálogo e a primeira manifestação dessa aliança foi “Guarda-me a Vida na Mão”, com Jorge Fernando, outro “amaliano” de gema, a assumir a produção e a assinatura de boa parte dos temas.

Seria lícito escrever-se que o resto é história. Com uma visão já muito mais vasta do que a que o fado por si só poderia conter, Ana Moura acercou-se do flamenco e das tradições ciganas trazendo para a sua beira Pedro Jóia e os Ciganos d’Ouro e vincou claramente que não lhe interessava o dogma nem as ideias guardadas em redomas. Que há um mundo que pode ser novo se alguém tiver coragem para o inventar.

Ana Moura em concerto, 2013

À estreia sucederam os álbuns “Aconteceu ” e “Para Além da Saudade ”, que lhe permitiram somar sucesso em cima de sucesso e expandir o mapa das suas apresentações, ganhando mundo para a sua voz. Ana Moura chegou ao conhecimento do grande público, o álbum alcançou a tripla platina, por vendas superiores a 45 mil unidades, levando a cantora a permanecer 120 semanas no Top 30 de Portugal. Com o mesmo disco recebeu uma nomeação para os Globos de Ouro, na categoria de Música, para Melhor Intérprete Individual, que acabou por perder para Jorge Palma.

Das melhores casas de fados de Lisboa transitou para o Carnegie Hall em Nova Iorque e daí para o Rolling Stones Project, aventura liderada pelo saxofonista da mítica banda britânica, Tim Ries, que cruzava o cancioneiro eternizado na voz de Mick Jagger com intérpretes seleccionados de várias partes do mundo. Como Ana Moura, que a esse projecto ofereceu as suas versões de “Brown Sugar” e “No Expectations”.

Dizer que os próprios Rolling Stones se renderam é pouco: numa passagem do grupo de “Satisfaction” pelo Estádio Alvalade XXI sobe ao palco e interpreta, com Mick Jagger e companhia, “No Expectations” superando, obviamente, as expectativas de toda a gente. Logo aí ficou o sinal de que Ana estava numa divisão à parte. Tão à parte que nesse álbum, além de um tema composto especialmente para si por Tim Ries, “Velho Anjo”, figurava ainda uma rara colaboração de uma daquelas vozes que escutava em casa em criança, Fausto, que lhe ofereceu “E Viemos Nascidos do Mar”. Outras contribuições chegaram de Amélia Muge, que escreveu “O Fado da Procura”, do espanhol Patxi Andion, que com ela cantou “Vaga, no azul amplo solta” e, claro, nesse trabalho consta também “Os Búzios” de Jorge Fernando, um dos primeiros grandes sucessos da artista que não tardaria a ter aos seus pés o Coliseu dos Recreios e a arrecadar o prestigiado Prémio Amália Rodrigues.

Semanas e semanas e semanas no topo das tabelas de vendas traduziram uma empatia muito especial com o público que nela encontrou um claro símbolo. Depois, veio o álbum “Leva-me aos Fados” em que contava, uma vez mais, com peças escritas por Jorge Fernando ou Amélia Muge, mas também José Mário Branco, um disco que repetiu e até ampliou o sucesso. O mundo continuava a ir ter com Ana Moura: Prince voou propositadamente para Paris para a ouvir, e conhecer, e desse encontro resultou o tal momento especial de 2010.

Esta última década foi passada a correr, a voar, sempre mais longe e mais alto, transformando-se como artista, assumindo as diferentes peles e culturas que nela sempre correram. Pouco depois desse encontro com Prince houve outro, no Rio de Janeiro, com Gilberto Gil, com quem deu voz ao “Fado Tropical” de Chico Buarque. Fado tropical: talvez um bom rótulo para aquilo que a sua voz contém - uma alma atlântica, maior do que as fronteiras que a viram nascer, certamente.

Uma das fotos do álbum "Desfado"

Talvez “Desfado”, o seu massivo e global sucesso de 2012, contenha no título outro bom rótulo, afirmando-a como alguém que, sendo capaz de desmontar uma linguagem, é igualmente capaz de inventar algo de absolutamente novo. Este disco ter-se mantido nos Tops nacionais de vendas quase ininterruptamente desde que foi lançado, é um sinal claro de que continua a não haver nada assim, com tamanho vigor e força, algo que só a originalidade profunda consegue conjurar.

A 27 de Janeiro de 2015 foi feita Comendadora da Ordem do Infante D. Henrique.

Em 2016 Ana lançou “Moura”, aquele que é ainda o seu mais recente registo de longa duração. Continuou a cruzar mundo, encheu as mais prestigiadas salas globais, cruzou-se com gigantes, somando às suas experiências com Prince, Rolling Stones ou Gilberto Gil, encontros com Caetano Veloso ou Herbie Hancock. Do fado ao funk e à soul, do flamenco ao rock e ao jazz, do samba ao futuro, não parece haver nada que Ana não incorpore de forma natural. Recebeu ainda um Globo de Ouro na categoria de Melhor Música com "Dia de Folga", canção com letra e música de Jorge Cruz.

Em 2016 em Nova Iorque, uma vez mais no Carnegie Hall, Ana cantou o tema angolano “Birin Birin” dedicando-o à memória de Prince, falecido alguns dias antes desse concerto. Numa emocional homenagem que levou o famoso crítico Ben Ratliff a escrever sobre a sua voz, tentando, talvez, desvendar o mistério do seu apelo: “Ela tem um forte e claro alcance de notas nos pontos mais altos da sua voz de contralto, em que se apoia fortemente, com efeitos poderosos”. Esse efeito poderoso de que o crítico tentava extrair a fórmula é, afinal de contas, o resultado de alguém que nunca quis estar presa a uma única ideia. A sua liberdade é o nosso futuro. E isso sentiu-se de forma clara quando, com produção de Branko, participou ao lado de Bonga, outro dos ecos da sua infância, numa antologia de homenagem a Amália, com uma inventiva versão de “Valentim” com nervo suficiente para animar os bailes de um futuro sem fronteiras.

“Ela tem uma presença e uma voz tremendas”, garantiu, em 2016, o The Guardian, reconhecendo a tal força que se traduz em talento, em coragem e em visão e que tem sido o vector mais importante de uma carreira que nunca parou de crescer em direcção ao futuro.

E foi esse mesmo futuro que se continuou a desvendar na sua colaboração com Conan Osiris e Branko e que se traduziu no extraordinário “Vinte vinte”. São apenas 3 minutos e 33 segundos, a “tela” típica da canção pop, que há décadas é usada por artistas para imprimir nas nossas memórias palavras e melodias, sons e ritmos que usamos para celebrar as nossas identidades, para assinalar revoluções, para fazermos avançar os tempos. Mas esta canção é diferente porque contém mundos dentro, contém luminosas ideias e entusiasmantes possibilidades. É o princípio de algo novo. O arranque de um futuro que se quer brilhante e é Ana Moura que o vai iluminar.


Discografia[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Discografia de Ana Moura

Álbuns de estúdio[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um cantor é um esboço relacionado ao Projeto Música. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Ana Moura