Castelo Rá-Tim-Bum, o Filme

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Castelo Rá-Tim-Bum, o Filme
Cartaz do filme.
 Brasil
1999 •  cor •  107 min 
Direção Cao Hamburguer
Produção Van Fresnot
Alain Fresnot
Cao Hamburger[1]
Coprodução TV Cultura
Produção executiva Van Fresnot
Roteiro Cao Hamburguer
José Rubens Chachá
José Carvalho de Azevedo
João Emanuel Carneiro
Fernando Bonassi
Victor Navas
Anna Muylaert
Baseado em Castelo Rá-Tim-Bum (série de TV criada por Flávio de Souza e Cao Hamburguer)
Elenco Diegho Kozievitch
Rosi Campos
Sérgio Mamberti
Marieta Severo
Pascoal da Conceição
Matheus Nachtergaele
Gênero Fantasia, aventura e comédia
Música André Abujamra
Direção de arte Clóvis Bueno
Vera Hamburger
Direção de fotografia Marcelo Durst
Figurino Verônica Julian
Edição Michael Ruman
Companhia(s) produtora(s) TV Cultura
A.F. Cinema e Vídeo
Distribuição Columbia Pictures
Lançamento 31 de dezembro de 1999
Idioma Português
Orçamento R$ 7 milhões
Receita R$ 3.031.875
Cronologia
Castelo Rá-Tim-Bum (série)
Site oficial
Página no IMDb (em inglês)

Castelo Rá-Tim-Bum, o Filme é um filme de fantasia brasileiro de 1999 dirigido por Cao Hamburguer e escrito por Anna Muylaert. O filme é baseado na série de televisão Castelo Rá-Tim-Bum, criada por Flávio de Souza e Cao Hamburguer, da TV Cultura. Foi lançado nos cinemas brasileiros no dia 31 de dezembro de 1999, sendo distribuído pela Columbia Pictures.[2]

Com o orçamento de R$ 7 milhões, o longa permanece até hoje como um dos filmes mais caros da história do cinema brasileiro. Entre os filmes de maior bilheteria de 1999 ele ficou na segunda posição com 918.329 ingressos, perdendo apenas para O Auto da Compadecida.[2] A receita gerada pelo filme foi de R$ 25.031.875.[3]

Enredo[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.
As colinas do Morumbi à beira da Marginal Pinheiros, fizeram parte do cenário do filme.

A história expande o conceito dos Stradivarius, uma família tradicional de feiticeiros, que é meramente mencionada na série original. Com a chegada iminente do alinhamento dos planetas, um evento que fortalece os poderes de todos os magos, a malvada Losângela (Marieta Severo) rouba o livro de magia de sua prima Morgana (Rosi Campos), o que causa a perda dos poderes de Morgana e do Dr. Victor (Sérgio Mamberti). Losângela se alia ao Dr. Abobrinha (Pascoal da Conceição) e seu ajudante Rato (Matheus Nachtergaele), ambos com intenções de demolir o Castelo.

As esperanças do Castelo ficam nas mãos do sobrinho de Morgana e Victor, Antonino ''Nino'' Stradivarius (Diegho Kozievitch), um menino de 300 anos aprendiz de feiticeiro. Nino também procura lidar com o fato de que não é um garoto normal, o que dificulta sua capacidade de fazer amigos. No entanto, é justamente fazendo amizade com as crianças Cacau (Mayara Constantino), João (Leandro Léo) e Ronaldo (Oscar Neto) que ele encontra um meio de salvar o Castelo e seus tios.

Gtk-paste.svg Aviso: Terminam aqui as revelações sobre o enredo.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Marieta Severo
Losangêla
Rosi Campos
Morgana
Sérgio Mamberti
Dr. Victor
Ator Personagem
Diegho Kozievitch Antonino Stradivarius Victorius III (Nino)
Rosi Campos Morgana Stradivarius
Sérgio Mamberti Dr. Victor Stradivarius
Marieta Severo Losângela Stradivarius / Madame Wandete
Pascoal da Conceição Dr. Abobrinha (Pompeu Pompílio Pomposo)
Matheus Nachtergaele Rato
Ângela Dip Pénelope
Leandro Léo João
Mayara Constantino Cacau
Oscar Neto Ronaldo
Fernando Vianna Porteiro 1
Reginaldo Faidi Porteiro 2
André Abujamra Gerente do Hotel Meia Lua
Rubens Rivellino Pai do João
Thereza Christie Mãe do João
Laís Marques Irmã do João
Tânia Castello Avó do João

Vozes[editar | editar código-fonte]

Ator Personagem
Gérson de Abreu Livro da Morgana
Luiz Carlos de Moraes Mau
Thiago Keplmair Livro do Nino
João Batista Sujo
Álvaro Petersen Feio
Guilherme Lepe Porteiro 1
Renato Márcio Porteiro 2

Ficha técnica[editar | editar código-fonte]

  • Roteiro: José Rubens Chachá, João Emanuel Carneiro, Anna Muylaert, José Carvalho de Azevedo, Victor Navas e Fernando Bonassi
  • Argumento e Roteiro Final: Cao Hamburger
  • Produção: AF Cinema e Vídeo
  • Produção Executiva: Van Fresnot
  • Direção de Produção: Fabiano e Caio Gullane
  • Direção: Cao Hamburger
  • Fotografia: Marcelo Durst
  • Direção de Arte: Vera Hamburger e Clovis Bueno
  • Bonecos: Luiz Ferré e Beto Dornelles, Silvio Galvão, Álvaro Apocalipse e Marcos Malafaia
  • Montagem: Michael Ruman
  • Música: André Abujamra
  • Efeitos de Computação Gráfica: Sebastián Caudron

Diferenças entre o filme e a série[editar | editar código-fonte]

  • O filme possui uma grande quantidade de diferenças em relação a série. dentre as principais, está a eliminação do teor educativo da franquia para dar lugar à narrativa.
  • Visualmente, o filme contrasta com o tom colorido e alegre da série ao se valer de um clima muito mais sombrio. Esta mudança à Adelaide, principalmente o design do castelo e o figurino

personagens.

  • Os personagens cômicos da série, como a cobra Celeste, o Godofredo, a gralha Adelaide, o gato Pintado, entre outros interpretados por bonecos desapareceram. O único que surge no filme é o Mau, que só aparece de relance, com um aspecto e voz diferente. Junto com ele aparecem mais dois personagens nunca vistos antes: O Feio, um bicho baseado no Godofredo (de longe até dá a impressão que é ele com um figurino diferente, mas não é) e o Sujo, que é um personagem inédito e que não parece com nenhum personagem da série.
  • Diversos personagens também foram alterados ou substituídos, dentre os quais:
  • Dr. Abobrinha - o imobiliário que pretende derrubar o castelo para construir em seu lugar um prédio de cem andares ganhou uma personalidade relativamente mais séria e cruel. Também ganhou um ajudante, Rato.
  • Rato - Personagem inédito, e, como já foi dito, é ajudante do Doutor Abobrinha. É medroso, bobalhão e bastante atrapalhado. Na série, o vilão jamais teve um ajudante; executava seus planos sozinho. Somente numa única ocasião usou um câmera num plano seu, interpretado por André Abujamra, porém o câmera foi usado de laranja e também acabou acreditando nos truques do Doutor Abobrinha.
  • Porteiro - o robô de lata da série foi substituído por dois leões de mármore dublados por Leandro Vianna e Reginaldo Faidi
  • Nino - na série, Nino era interpretado por um ator adulto (Cássio Scapin), o que tornava o fato do personagem ser um garoto de 300 anos mais verossímil, porém, mais cômico. No filme, Nino é interpretado por um ator mirim (Diegho Kozievitch), e teve sua personalidade extremamente brincalhona e curiosa suavizada, tornando o personagem mais sério e mais preocupado com sua solidão.
  • As crianças - os amigos de Nino (Zeca, Pedro e Biba) foram substituídos por novas crianças. As crianças da série sequer são mencionadas, o que leva à uma falha na continuidade, sendo que no original é dito que Zeca, Pedro e Biba foram as primeiras crianças "normais" com quem Nino fez amizade. No filme, o problema da solidão de Nino é solucionado por Ronaldo, João e Cacau, sendo mostrados como os primeiros amigos do garoto.
  • Penélope - A repórter caracterizada por seu figurino cor-de-rosa faz uma rápida aparição no filme como repórter de um telejornal, assistido por Nino na casa de João. Há uma pequena menção ao seu figurino original em uma fita rosa que ela usa no cabelo, porém, diferente da série, seu cabelo é moreno e sua aparência esta um pouco mais velha.
  • Tíbio e Perônio - No momento em que Morgana, pouco antes de perder os poderes, interrompe o discurso do Dr. Victor e insiste em ir embora devido a sua coceirinha na orelha, há um corte em que mostra , na plateia de cientistas, gêmeos de meia idade, usando óculos e cavanhaque. Uma homenagem aos cientistas originais.
  • Essas alterações não são explicadas em nenhum momento, e nem sequer são reveladas evidências apontando se a história do filme é situada em algum ponto da cronologia da série.

Lançamento[editar | editar código-fonte]

Crítica[editar | editar código-fonte]

Laurel Graeber do The New York Times disse que o filme "encantadoramente capta a vida de um estilo latino de Addams Family".[4] Graeber também descreveu o filme como uma "contraparte brasileira" da Família Adams.[4]

Prêmios[editar | editar código-fonte]

Trilha sonora[editar | editar código-fonte]

Castelo Rá-Tim-Bum, o Filme
Capa do CD.
Trilha sonora de Vários artistas
Lançamento 1999
Idioma(s) Português
Formato(s) CD
Gravadora(s) Sony Music
Produção André Abujamra

A trilha sonora incidental de Castelo Rá-Tim-Bum, o Filme foi composta por André Abujamra e Lulu Camargo,[6] contou com uma orquestra de aproximadamente 26 músicos regida pelo maestro Renato Lemos.[5][6]

  1. Abertura / Dança dos Planetas
  2. Minueto da Pianola / Abobrinha e Rato
  3. O Nino vai fazer uma Besteira
  4. Pipas, Amigos e Bicicletas
  5. Nino quer ir para a Escola
  6. A Transformação de Losângela
  7. O Encontro no salão do Castelo / Nino na casa das crianças
  8. A Invasão do Castelo
  9. Ópera Arepó - Rosi Campos e Sérgio Mamberti
  10. A Bruxa
  11. O Alinhamento dos Planetas / Final
  12. Estranho Não, Diferente - Karnak (com Leandro Léo e Diegho Kozievitch)
  13. Amigos Normais - Karnak (com Leandro Léo e Diegho Kozievitch)
  14. Sujo, Mau e Feio - Karnak (com Záfrica Brasil)

Referências

  1. «CASTELO RÁ-TIM-BUM, O FILME». R7. Consultado em 23 de julho de 2012 
  2. a b «Columbia aposta no cinema brasileiro». Estadão. O Estado de S. Paulo. 3 de abril de 2001. Consultado em 9 de maio de 2013 
  3. «Filmes Brasileiros Lançados - 1995 a 2012» (PDF). Ancine. Consultado em 18 de julho de 2013 
  4. a b Laurel Graeber (10 de agosto de 2001). «"Castelo Rá-Tim-Bum" ganha prêmio de direção de arte». The New York Times. Consultado em 18 de julho de 2013 
  5. a b Isabela Boscov (10 de fevereiro de 2001). «"Castelo Rá-Tim-Bum" ganha prêmio de direção de arte». UOL. Folha Online. Consultado em 18 de julho de 2013  Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "crtbv" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes
  6. a b «Orquestra mostra trilha do filme 'Castelo Rá-Tim-Bum'». Diário do Grande ABC. 13 de abril de 2000. Consultado em 18 de julho de 2013 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]