Castelo Rá-Tim-Bum

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Castelo Rá-Tim-Bum
Informação geral
Formato Didático
Gênero Comédia, educativo, Fantasia, infantil
Duração 28 minutos (aprox.)
Estado Finalizado
Criador(es) Cao Hamburger
Anna Muylaert
País de origem  Brasil
Idioma original (português brasileiro)
Produção
Diretor(es) Anna Muylaert
Produtor(es) TV Cultura
FIESP
Elenco Cássio Scapin
Sérgio Mamberti
Rosi Campos
Cinthya Rachel
Luciano Amaral
Freddy Allan
Ângela Dip
Paschoal da Conceição
Eduardo Silva
Wagner Bello
Marcelo Tas
Teresa de Athayde
Fabiana Prado
Vinicius de Andrade
Cláudio Chakmati
Fernando Gomes
Reginaldo Vieira
Henrique César
Riva Nimitz
Ivan Mesquita
Maria Aparecida Baxter
Flávio de Souza
Henrique Stroeter
Patrícia Gasppar
Paulo Castelli
Aírton da Silva
(ver mais).
Tema de abertura "Castelo Rá-Tim-Bum"
Hélio Ziskind, André Abujamra e Luiz Macedo
Tema de encerramento "Castelo Rá-Tim-Bum"
Hélio Ziskind, André Abujamra e Luiz Macedo
Exibição
Emissora de televisão original TV Cultura
Formato de exibição 480i (SDTV)
Transmissão original 9 de maio de 199424 de dezembro de 1997
N.º de temporadas 4
N.º de episódios 90 (+ 1 especial) (lista de episódios)
Cronologia
Rá-Tim-Bum
Ilha Rá-Tim-Bum
Programas relacionados Castelo Rá-Tim-Bum, o Filme

Castelo Rá-Tim-Bum é uma série de televisão brasileira infanto-juvenil e educativa que foi produzida e exibida pela TV Cultura. Foi exibida originalmente entre 9 de maio de 1994[1] e 24 de dezembro de 1997, totalizando 90 episódios e mais um especial.

É considerado um dos melhores produtos audiovisuais da história da televisão brasileira.[2] O programa já marcou audiência média de 12 pontos, a maior de qualquer outro programa educativo da TV Cultura, atingindo até médias de 14 pontos em reprises de episódios.[3]

Parcialmente inspirado no também educativo Rá-Tim-Bum, deu origem a uma franquia televisiva, da qual também faz parte Teatro Rá-Tim-Bum e Ilha Rá-Tim-Bum. Castelo Rá-Tim-Bum é uma criação do dramaturgo Flávio de Souza e do diretor Cao Hamburger, com roteiros de Dionísio Jacob (Tacus), Cláudia Dalla Verde, Bosco Brasil, Anna Muylaert, bonecos de Jésus Sêda[4], entre outros.

Devido ao seu caráter educativo, a produção fez parte da parceria entre Fiesp e TV Cultura, tal como vários programas infanto-educativos da emissora. Nos créditos, é possível ver os logotipos de: Fiesp, Sesi e Senai. O programa era voltado ao público de 3 a 8 anos de idade. A série já Será exibida pela TV Brasil e também pela TV Rá-Tim-Bum. O orçamento da série foi o mais caro da história da TV Cultura, com os primeiros 70 episódios custando 1,2 milhões de dólares, ou 16 bilhões de cruzeiros.[5]

Enredo[editar | editar código-fonte]

Nino é um garoto de 300 anos que vive com seu tio, o Dr. Victor, um feiticeiro e cientista, e com sua tia-avó Morgana, uma feiticeira de 6.000 anos de idade. Os três moram num castelo perto da cidade de São Paulo.

Aprendiz de feiticeiro, Nino nunca frequentou uma escola, por causa da idade nada comum de 300 anos. Seus pais o deixaram morando com Victor e Morgana, porque precisavam viajar numa expedição no espaço sideral, levando seus dois irmãos mais novos. Apesar de ter amigos animais e sobrenaturais no Castelo, Nino, sentindo falta de amigos como ele, resolve fazer um feitiço que aprendeu com seu tio Victor, e acabou trazendo para o Castelo, três crianças que tinham acabado de sair da escola.

Livre da solidão, Nino recebe a visita dos três diariamente, além das visitas especiais de um velho amigo seu, o entregador de pizza Bongô; da charmosa repórter de TV, Penélope; da lenda folclórica Caipora; e de um ET, o Etevaldo. Para preencher o lado maligno da história, está o Dr. Abobrinha, um especulador imobiliário que deseja derrubar o Castelo e construir em seu lugar um prédio de cem andares.

Características[editar | editar código-fonte]

Cenários[editar | editar código-fonte]

Exposição do Castelo Rá-Tim-Bum no MIS-SP.
Quarto da Morgana.
Recriação da Biblioteca do Castelo.

Quadros[editar | editar código-fonte]

Personagens[editar | editar código-fonte]

Personagens principais[editar | editar código-fonte]

  • Nino (Antonino Stradivarius Victorius II) Cássio Scapin: Nascido em São Vicente, província da Terra de Vera Cruz. Filho de Antonino Quântico Stradivarius II e de Ninotchka Astrobaldo Stradivarius (Nino usa o número do nome do pai - II - por honra). Personagem principal da série, presente em todos os episódios. O quarto de Nino possui vários brinquedos e o papel de parede é recheado de páginas de quadrinhos. Os pais de Nino não apareceram no programa porque estavam viajando. Em 1990 eles foram viajar por dez anos para o espaço. O seu cabelo tem formato de tigelinha e apenas um fio fica de pé. Mesmo tendo 300 anos de idade, é uma criança, mesmo não aparentando, e por vezes ele tem um comportamento muito infantil, imaturo e desobediente, mas no fundo, o Nino é um bom garoto que gosta de ajudar os seus melhores amigos, não importa o que aconteça.
  • Dr. Victor Stradivarius (Victor Astrobaldo Stradivarius Victorius I) Sérgio Mamberti: É irmão da mãe de Nino (Ninotchka Astrobaldo Stradivarius) e portanto, seu tio. Um poderoso feiticeiro, amigo das máquinas, animais e crianças. Inventor incrivelmente talentoso também, trabalha para uma companhia de função não especificada (muito provavelmente uma firma tecnológica). Victor age como um pai para Nino e é rígido com ele quando este está sendo muito teimoso ou preguiçoso com suas obrigações, com frequência fazendo o tio do garoto exclamar seu bordão "Raios e Trovões!", o qual causa os próprios. Victor tem alguns milênios de idade, o que lhe proporcionou a chance de conhecer figuras históricas, entre elas podendo-se citar sua amizade com Leonardo da Vinci. Logo no primeiro episódio é revelado que possui 3000 anos. Ele também possui um lado brincalhão e alegre e sempre fica feliz quando vê o Nino brincando com o seus amigos.
  • Tia Morgana (Ana Morgana Maria Gioconda Teresa Cecília Luísa Astrobaldo Demétrio Fonseca Stradivarius Victorius) Rosi Campos: Tia-avó de Nino, uma poderosa feiticeira que completou 6000 anos em um episódio da série. Morgana viveu muito, estando presente em muitos grandes eventos e passagens da história e de lendas. No quadro "Feitiçaria", Morgana proporcionava aos que assistiam o programa conhecimento sobre as muitas histórias que conhecia, desde lendas místicas da mitologia até fatos históricos como a construção da Grande Muralha da China ou a invenção do Dinheiro. Tem em Adelaide sua fiel companheira e mascote de bruxa. Seu quarto fica na torre mais alta do castelo. Atua como uma mãe para Nino durante a série e é um tanto mais paciente com Nino do que Victor, apesar de raramente se zangar com o Nino. Mesmo que todos saibam que a Morgana é uma bruxa amorosa, tem gente que tem muito medo dela, até o Bongô, que conhece muito bem a Morgana. Quando a série de televisão terminou, Rosi reviveu seu papel como Morgana no teatro com um peça A Saga da Bruxa Morgana E O Enigma do Tempo.
  • Zequinha Freddy Allan: É o mais novo da turma. Zeca é pequeno, sapeca e muito curioso, chegando a ser desagradável em muitas situações. Tanto que, ao menor sinal de alguma coisa que ele não compreenda, logo ele dispara: "Por quê?", iniciando uma sequência de "porquês" até alguém perder a calma e berrar "Porque sim, Zequinha!" ou variações da mesma, trazendo o quadro de "Por quê?" para responder a dúvida dos personagens. Em alguns episódios, também demonstra ser um tanto glutão e esfomeado.
  • Biba Cinthya Rachel: É a mais velha da turma e tem 10 anos. Uma garota negra bastante esperta, feminina e decidida. Quando não está tirando sarro dos meninos ou agindo como a mais 'responsável' do grupo, Biba gosta de soltar o verbo e dar luz a ideias que geram tanto aventuras como confusões entre o grupo e os demais habitantes do castelo. Adora contar vantagem para cima de Pedro, insinuando ser mais madura que ele por ser mulher, mas no fundo tem uma queda por ele.
  • Pedro Luciano Amaral: É o menino mais velho da turma, de mesma idade de Biba. Pedro é, como sua aparência demonstra, um pouco mais intelectual que seus demais amigos. Sempre com boas ideias para brincadeiras ou para exercer sua própria criatividade, Pedro praticamente torna-se líder do grupo na ausência de Nino, por ser o mais esperto. Tem uma queda por Biba, o que mostrado em alguns episódios da série. Ele usa uma camiseta estampada, uma cartola azul e óculos vermelhos, mas em vários episódios os óculos que são azuis e a cartola vermelha.

Episódios[editar | editar código-fonte]

Trilha sonora[editar | editar código-fonte]

Castelo Rá-Tim-Bum
Trilha sonora de Vários artistas
Lançamento 17 de dezembro de 1995[6]
Idioma(s) Português
Formato(s) CD, download digital
Gravadora(s) Velas, Universal Music
Produção André Abujamra e Luiz Macedo

A trilha sonora da série Castelo Rá-Tim-Bum foi lançada em 17 de dezembro de 1995 pela Velas.[6] Anos mais tarde, a trilha sonora foi relançada pela Universal Music.[7][8]

Lista de faixas
N.º Título Compositor(es) Intérprete(s) Duração
1. "Abertura"   André Abujamra Carlinhos, Ringo, Marcos Bowie, Cidinha & Rita Kfouri 01:01
2. "Zeca, Nino, Pedro, Biba"   Fernando Salem, Luiz Macedo Fernando Salem 02:58
3. "Penélope"   Fernando Salem, Luiz Macedo Roger 02:24
4. "Morgana"   André Abujamra, Maurício Pereira Rosi Campos & Fernando Gomes 02:39
5. "Etevaldo"   Fernando Salem, Luiz Macedo Paulinho Moska 02:21
6. "Ratinho Tomando Banho"   Hélio Ziskind Hélio Ziskind 01:14
7. "Felino Sabidão"   Fernando Salem, Luiz Macedo Ed Motta 02:23
8. "Mau"   André Abujamra, Maurício Pereira Maurício Pereira 02:03
9. "Porque Sim Não É Resposta"   Hélio Ziskind Hélio Ziskind 01:37
10. "Celeste, a Cobra"   André Abujamra, Fernando Salem, Luiz Macedo Vânia Bastos 02:32
11. "Dr. Abobrinha"   André Abujamra, Maurício Pereira Gerson de Abreu 02:45
12. "Caipora"   Fernando Salem, Luiz Macedo Pena Branca & Xavantinho 02:27
13. "Lavar as Mãos"   Arnaldo Antunes Arnaldo Antunes 01:20
14. "Bongô"   André Abujamra, Maurício Pereira Skowa 02:34
15. "Ratinho Escovando os Dentes"   Hélio Ziskind Hélio Ziskind 01:22
16. "Somar É Legal"   Fernando Salem Fernando Salem 01:22
17. "Que Som É Esse?"   Hélio Ziskind Fernando Ziskind 04:03
18. "Como se Faz Disco?"   Wandi Doratiotto Wandi Doratiotto 01:19
Duração total:
35:44

Elenco[editar | editar código-fonte]

Cassio Scapin, o Nino.
Ângela Dip como Penélope.
Celeste.
Gato Pintado.

Bonecos[editar | editar código-fonte]

Adaptações[editar | editar código-fonte]

Livros[editar | editar código-fonte]

  • O Álbum do Nino
  • O Diário de Bordo do Etevaldo
  • As Experiências de Tíbio e Perônio
  • As memórias de Morgana
  • Os Enigmas do Mau
  • As Fofocas da Celeste
  • As Aventuras do Bongô
  • As Reportagens da Penélope
  • As Estripulias de Biba, Pedro e Zeca
  • Verdades e Mentiras sobre o Dr. Abobrinha
  • Lendas e Causos da Caipora
  • Dicionário do Castelo Rá-Tim-Bum
  • As Invenções do Doutor Victor
  • Castelo Rá-Tim-Bum, O Livro {Novelização de Castelo Rá-Tim-Bum, o Filme}

Filme[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Castelo Rá-Tim-Bum, o Filme

Em 1999, foi lançado Castelo Rá-Tim-Bum, o filme, com direção de Cao Hamburger. O longa é vagamente baseado na série de televisão, sem nenhuma continuidade de enredo, com a adição de novos personagens. Os quadros educativos foram deixados de lado em favor da narrativa. A aparência do castelo foi modificada: ao invés de tradicional maquete, o Palácio dos Cedros, no bairro Ipiranga, em São Paulo, serviu de locação para as cenas externas. Nino, que era interpretado pelo adulto Cássio Scapin, passou a ser vivido pelo ator infantil Diegho Kozievitch. As demais crianças, que eram vividas por atores pré-adolescentes, foram interpretadas por crianças mais novas, dando a entender que o filme se passa cronologicamente antes da série(quando Nino era mais novo e ainda não conhecia Pedro, Biba e Zeca, que na época do filme não eram nascidos). O filme teve um orçamento total de sete milhões de reais, pouco comum para um filme infanto-juvenil brasileiro, e foi um sucesso na época sendo exibido até os dias de hoje pela Rede Globo e, posteriormente, pela TV Cultura.[9]

Recepção[editar | editar código-fonte]

Réplica do castelo em exposição no Memorial da América Latina.

Audiência[editar | editar código-fonte]

Antes mesmo de completar duas semanas no ar, a série já era um sucesso de IBOPE e público. Em sua estreia, conseguiu cravar 8 pontos no Ibope, o que equivalia na época a 318.320 domicílios. Em seu 2º episódio, também repetiu a mesma façanha. Sua estreia significou um aumento de 50% de audiência na faixa, já que o seu antecessor no horário, o infantil Glub-Glub, registrava de 3 a 4 pontos na audiência (aproximadamente 198 mil residências sintonizadas na época). O SBT, que no mesmo horário, com o extinto TJ Brasil, ocupava a vice-liderança com médias de 11 pontos no horário (437. 690 residências), viu sua hegemonia ser abalada, já que exatamente 1 semana depois de sua estreia o infantil da Cultura chegou a dois dígitos e registrou 10 pontos, segundo o DataIbope, dobrando em quase três vezes a audiência das 19h a 19h30 da época.[10]

Exibição[editar | editar código-fonte]

País Cadena(s) Título
Brasil Brasil TV Cultura Castelo Rá-Tim-Bum
TV Rá-Tim-Bum
Argentina Argentina Nickelodeon Latinoamérica Castillo Rá Tim Bum
Bolívia Bolívia
Chile Chile
Colômbia Colômbia
Costa Rica Costa_Rica
Equador Equador
Honduras Honduras
México México
Panamá Panamá
Paraguai Paraguai
Porto Rico Porto Rico
Uruguai Uruguai
Venezuela Venezuela
Chile Chile Chilevisión
Uruguai Uruguai Televisión_Nacional_Uruguay
Venezuela Venezuela ViVe

Referências

  1. Cartaz de anúncio do lançamento do programa
  2. «Confira fotos da exposição do Castelo Rá-Tim-Bum em São Paulo». ebc.com.br. Consultado em 16 de julho de 2014 
  3. «07 curiosidades incríveis sobre Castelo Rá-Tim-Bum». Eonline.com. Consultado em 17 de abril de 2013 
  4. «Site do artista plástico e bonequeiro» 
  5. Apolinário, Sônia (30 de maio de 1993). «'RÁ-TIM-BUM' VIRA UM CASTELO NA TV CULTURA». O Globo. Consultado em 12 de junho de 2015 
  6. a b «"Castelo Rá-Tim-Bum" em CD». Folha de S. Paulo. Consultado em 22 de outubro de 2014 
  7. «Castelo Ra Tim Bum». radio.uol.com.br. Consultado em 19 de julho de 2014 
  8. «Castelo Rá-Tim-Bum». iTunes Store. Consultado em 22 de outubro de 2014 
  9. «Columbia aposta no cinema brasileiro». Estadão. O Estado de S. Paulo. 3 de abril de 2001. Consultado em 9 de maio de 2013 
  10. Antenore, Armando (13 de maio de 1994). «'CASTELO' DOBRA AUDIÊNCIA DA CULTURA». Folha de S.Paulo. Consultado em 8 de junho de 2015 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]