Castelo Rá-Tim-Bum

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Castelo Rá-Tim-Bum
Informação geral
Formato série
Gênero
Duração 30 minutos
Criador(es) Cao Hamburger
Flávio de Souza
País de origem  Brasil
Idioma original língua portuguesa
Produção
Diretor(es) Anna Muylaert e Cao Hamburger (geral)
Câmera Multicâmera
Elenco
Tema de abertura "Castelo Rá-Tim-Bum", Hélio Ziskind, André Abujamra e Luiz Macedo
Empresa(s) produtora(s) TV Cultura
FIESP
Exibição
Emissora original TV Cultura
Formato de exibição 480i (SDTV)
Transmissão original 9 de maio de 199424 de dezembro de 1997
Temporadas 4
Episódios 90 (+ 1 especial)
(lista de episódios)
Cronologia
Programas relacionados Castelo Rá-Tim-Bum, o Filme

Castelo Rá-Tim-Bum é uma série de televisão brasileira infanto-juvenil e educativa, produzida e exibida pela TV Cultura entre 9 de maio de 1994[1] e 24 de dezembro de 1997, totalizando 90 episódios e mais um especial. É considerado um dos melhores produtos audiovisuais da história da televisão brasileira.[2] O programa já marcou audiência média de 12 pontos, a maior de qualquer outro programa educativo da TV Cultura, atingindo até picos de 14 pontos em reprises de episódios.[3]

Enredo[editar | editar código-fonte]

Nino é um garoto de 300 anos que vive com seu tio, o Dr. Victor, um feiticeiro e cientista, e com sua tia-avó Morgana, uma feiticeira de 6.000 anos de idade. Os três moram em um castelo em algum bairro implícito na cidade de São Paulo. Aprendiz de feiticeiro, Nino nunca frequentou uma escola, por causa da idade nada comum de 300 anos. Seus pais o deixaram morando com Victor e Morgana, porque precisavam viajar numa expedição no espaço sideral, levando seus dois irmãos mais novos. Apesar de ter amigos animais sobrenaturais no Castelo, Nino, sentindo falta de amigos como ele, resolve fazer um feitiço que aprendeu com seu tio Victor, e acabou trazendo para o Castelo, três crianças que tinham acabado de sair da escola.

Livre da solidão, Nino recebe a visita dos três diariamente, além das visitas especiais de um velho amigo seu, o entregador de pizza Bongô; da charmosa repórter de TV, Penélope; da lenda folclórica Caipora; e de um ET, o Etevaldo. Para preencher o lado maligno da história, está o Dr. Abobrinha, um especulador imobiliário que deseja derrubar o Castelo e construir em seu lugar um prédio de cem andares.

Produção[editar | editar código-fonte]

Parcialmente inspirado no também educativo Rá-Tim-Bum, deu origem a uma franquia televisiva, da qual também faz parte Teatro Rá-Tim-Bum e Ilha Rá-Tim-Bum. Castelo Rá-Tim-Bum é uma criação do dramaturgo Flávio de Souza e do diretor Cao Hamburger, com roteiros de Dionísio Jacob (Tacus), Cláudia Dalla Verde, Bosco Brasil, Anna Muylaert, bonecos de Jésus Sêda[4], entre outros. Devido ao seu caráter educativo, a produção fez parte da parceria entre Fiesp e TV Cultura, tal como vários programas infanto-educativos da emissora. Nos créditos, é possível ver os logotipos de: Fiesp, Sesi e Senai. Embora o programa fosse voltado ao público de 3 a 8 anos em fase educacional, atingia uma massa de audiência entre 3 e 16 anos.[5]

Castelo Rá-Tim-Bum teve o orçamento mais caro de um programa da história da TV Cultura, com os primeiros 70 episódios custando 1,2 milhões de dólares – ou 16 bilhões de cruzeiros, como era o dinheiro da época.[6] Inicialmente, a série chamaria-se Castelo do Doutor Victor ou Castelo Encantado.[7]

Cenários[editar | editar código-fonte]

Personagens[editar | editar código-fonte]

Elenco[editar | editar código-fonte]

Ator / Voz Personagem
Cássio Scapin Antonino Stradivarius Victorius II (Nino)
Luciano Amaral Pedro
Cinthya Rachel Biba
Freddy Allan Zequinha
Sérgio Mamberti Dr. Victor Astrobaldo Stradivarius Victorius I
Rosi Campos Ana Morgana Maria Gioconda Teresa Cecília Luísa Astrobaldo
Demétrio Fonseca Stradivarius Victorius (Morgana)
Pascoal da Conceição Dr. Pompeu Pompílio Pomposo (Dr. Abobrinha)
Angela Dippe Penélope
Patrícia Gasppar Caipora
Wagner Bello Etevaldo
Eduardo Silva Bongô
Flávio de Souza Tíbio
Henrique Stroeter Perônio
Marcelo Tas Telekid
Fabiana Prado Lana
Theresa Athayde Lara
Vários músicos[nota 1] João de Barro
Dilmah Souza Patativa 1
Ciça Meirelles Patativa 2
Vinícius de Andrade Apresentador do Circo

Bonecos de manipulação[editar | editar código-fonte]

Ator / Voz Personagem
Álvaro Petersen Jr. Celeste
Godofredo
Cláudio Chakmati Mau
Porteiro
Radialista
Fernando Gomes Gato Pintado
Relógio
Fura Bolo
Luciano Ottani Adelaide
Theo Werneck Tap
Gérson de Abreu Flap
Marcos Magalhães (animação) Ratinho
João Ferreira Livro falante
Felizberto
Girassol carnívoro

Episódios[editar | editar código-fonte]

Obras derivadas[editar | editar código-fonte]

Livros[editar | editar código-fonte]

  • O Álbum do Nino
  • O Diário de Bordo do Etevaldo
  • As Experiências de Tíbio e Perônio
  • As memórias de Morgana
  • Os Enigmas do Mau
  • As Fofocas da Celeste
  • As Aventuras do Bongô
  • As Reportagens da Penélope
  • As Estripulias de Biba, Pedro e Zeca
  • Verdades e Mentiras sobre o Dr. Abobrinha
  • Lendas e Causos da Caipora
  • Dicionário do Castelo Rá-Tim-Bum
  • As Invenções do Doutor Victor
  • Castelo Rá-Tim-Bum, O Livro baseada em Castelo Rá-Tim-Bum, o Filme

Filme[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Castelo Rá-Tim-Bum, o Filme

Em 1999, foi lançado Castelo Rá-Tim-Bum, o filme, com direção de Cao Hamburger. O longa é vagamente baseado na série de televisão, sem nenhuma continuidade de enredo, com a adição de novos personagens. Os quadros educativos foram deixados de lado em favor da narrativa. A aparência do castelo foi modificada: ao invés de tradicional maquete, o Palácio dos Cedros, no bairro Ipiranga, em São Paulo, serviu de locação para as cenas externas. Nino, que era interpretado pelo adulto Cássio Scapin, passou a ser vivido pelo ator infantil Diegho Kozievitch. As demais crianças, que eram vividas por atores pré-adolescentes, foram interpretadas por crianças mais novas, dando a entender que o filme se passa cronologicamente antes da série(quando Nino era mais novo e ainda não conhecia Pedro, Biba e Zeca, que na época do filme não eram nascidos). O filme teve um orçamento total de sete milhões de reais, pouco comum para um filme infanto-juvenil brasileiro, e foi um sucesso na época tanto que foi já foi exibido diversas vezes até pela Rede Globo[8] tempos depois e, posteriormente, pela própria TV Cultura.[5]

Peças teatrais[editar | editar código-fonte]

  • Em 1997 Flávio de Souza decidiu adaptar o universo da série para o teatro, criando o musical infantil Castelo Rá-Tim-Bum em: Onde Está o Nino?, que estreou em 11 de maio sob direção de Mira Haar.[9] Do elenco televisivo foram escalados apenas Cassio Scapin, Luciano Amaral, Cinthya Rachel e Freddy Allan, além dos manipuladores dos bonecos, tendo ainda a adição de Cleide Eunice Queiroz como a antagonista Lordana, bruxa prima de Morgana, em uma história que narrava as desventuras das crianças em busca de finalmente dar mãos e pés para Celeste.[9] A peça teve grande repercussão e ficou em cartaz até 12 de outubro de 1998.[10]
  • Em 11 de março de 2006 Rosi Campos estreou o espetáculo A Saga da Bruxa Morgana e o Enigma do Tempo, escrita e dirigida por Cláudia Borioni.[11] A peça contava a história de Morgana contra Midiucrus, um bruxo do mal que volta 6 mil anos no tempo para tentar deter o nascimento dela, forçando-a a também viajar em seu próprio passado.[12] Sem nenhum outro membro do seriado, o elenco era formado por Carlo Briani, Luciana Vendramini e Cris Nicolotti.[13]
  • Em 2009 Rosi retornou aos palcos com outra produção, A Bruxa Morgana: Como Tudo Começou, que contava a história de duas crianças de mundos diferentes que se tornam amigas e decidem fugir quando os povos se colocam contra, encontrando pelo caminho Morgana, que tem as respostas de todos os mistérios do mundo.[14][15] Originalmente a peça se chamaria A Saga da Bruxa Morgana e o Princípio de Todas as Coisas.[16]
  • Em 2012 Rosi voltou a incorporar a personagem no espetáculo A Saga da Bruxa Morgana e a Família Real, peça educacional que explicava às crianças sobre a história do Brasil através do entretenimento.[17][18]
  • Em 2012 Flávio de Souza escreveu a primeira produção solo para Penélope, intitulada Penélope, a Repórter Cor-de-Rosa. trazendo Angela Dippe de volta no personagem, que ficou em cartaz originalmente entre 29 de setembro a 25 de novembro.[19] A peça desvenda onde começou amor de Penélope pela cor-de-rosa e narra suas aventuras como jornalista.[20] Devido ao sucesso, a peça voltou aos palcos em 17 de março de 2013 e viajou o Brasil, sendo prorrogada até o fim de 2014.[21][22]
  • Em 9 de setembro de 2017 é lançado o musical Castelo Rá-Tim-Bum: O Musical, que não trouxe nenhum membro do elenco original, nem os mesmos autores da série.[23] A história seguia a premissa do começo da série, sobre o solitário Nino que consegue finalmente fazer amigos, trazendo uma nova roupagem aos personagens da original, como Dr. Abobrinha, Morgana, Penélope, Caipora e até mesmo participações especiais marcantes como Zula e Ulisses.[24]
  • Em 2017 também Cassio Scapin retornou ao papel de Nino para estrelar Admirável Nino Novo, que estreou em 7 de outubro com uma proposta diferente dos demais espetáculos infantis por não trazer mais ninguém no elenco, sendo um monólogo e contando apenas com a voz de Ney Matogrosso como o Espírito da Aventura, além da utilização de projeções e efeitos especiais.[25] Na história, Nino passa por uma crise existencial por seus amigos terem crescido e vivido novos desafios, enquanto ele não, buscando novas aventuras em sua vida.[26] Devido ao sucesso, a peça excursionou pelo Brasil e permaneceu em cartaz durante todo o ano de 2018, sendo estendida até 2019.[27]
  • Em 2018 Rosi estrelou mais uma peça sobre Morgana, intitulada A Saga da Bruxa Morgana contra o Infalível Senhor do Tempo, que ficou em cartaz entre 9 de junho e 29 de julho.[28] A peça narrava as aventuras de Morgana e seus afilhados para encontrar o Senhor do Tempo e descobrir com exatidão quantos anos ela tinha, uma vez que ela lembrava apenas ter mais de 6 mil, fazendo uma viagem em seu passado.[29]

Exposição[editar | editar código-fonte]

Exposição do Castelo Rá-Tim-Bum no MIS-SP.
Recriação da Biblioteca do Castelo.

Em 2014 a TV Cultura fechou uma parceria com o Museu da Imagem e do Som (MIS), de São Paulo, para a realização de uma exposição em comemoração aos 20 anos de estreia do seriado, ficando aberta ao público entre 16 de julho e 12 de outubro.[30] A exposição contou com a recriação de todos os cenários e objetos de cenas do castelo da forma mais fiel possível – incluindo a árvore central – e exibição dos bonecos originais e peças de roupas oficiais utilizadas pelos personagens, além de outros ambientes que traziam fotografias, reportagens e acervo visual, onde os visitantes podiam sentar e, sob o uso de fones de ouvidos, assistir entrevistas dos personagens e produção sobre o projeto.[31]

A exposição atraiu atenção pública nacional e pessoas de diversas partes do país viajaram para vê-la, tendo um público de 2200 pessoas diariamente e uma fila de 1700 pessoas ao dia que não conseguiam comprar os ingressos esgotados.[32] Devido a petições na internet, a exposição foi prorrogada até 4 de fevereiro de 2015.[33] A exposição chegou ao fim com um público total de 410 mil pessoas.[34] Apesar do alto público atingido, a TV Cultura continuou recebendo pedidos para que reabrisse a exposição e, em 2017, fechou uma parceria com o Memorial da América Latina, também em São Paulo, para realiza-la novamente entre 31 de março e 30 de junho.[35]

O principal diferencial foi a recriação da fachada do Castelo em toda parte externa do Memorial, em proporções originais de como seria um castelo real, onde o público podia também percorrer e tirar fotos no jardim e na porta.[36] Devido ao sucesso, a exposição foi prorrogada até novembro e, novamente, até 4 de fevereiro de 2018.[37] Ao todo a nova edição recebeu 570 mil pessoas.[38] Em 2018, ainda recebendo pedidos, a TV Cultura começou a avaliar a possibilidade de levar a exposição para outras cidades, sendo que entre 24 de março e 10 de junho esta foi levada para Campinas, interior paulista, onde foi instalada em menor escala no espaço de eventos do Shopping Iguatemi Campinas.[39]

Trilha sonora[editar | editar código-fonte]

Castelo Rá-Tim-Bum
Trilha sonora de Vários artistas
Lançamento 17 de dezembro de 1995[40]
Gênero(s) Infantil
Idioma(s) Português
Formato(s)
Gravadora(s) Velas
Universal Music
Direção André Abujamra
Produção

A trilha sonora da série Castelo Rá-Tim-Bum foi lançada em 17 de dezembro de 1995 pela Velas.[40] Anos mais tarde, a trilha sonora foi relançada pela Universal Music.[41][42]

Lista de faixas
N.º TítuloCompositor(es)Intérprete(s) Duração
1. "Abertura"  André AbujamraCarlinhos, Ringo, Marcos Bowie, Cidinha & Rita Kfouri 01:01
2. "Zeca, Nino, Pedro, Biba"  Fernando Salem, Luiz MacedoFernando Salem 02:58
3. "Penélope"  Fernando Salem, Luiz MacedoRoger 02:24
4. "Morgana"  André Abujamra, Maurício PereiraRosi Campos & Fernando Gomes 02:39
5. "Etevaldo"  Fernando Salem, Luiz MacedoPaulinho Moska 02:21
6. "Ratinho Tomando Banho"  Hélio ZiskindHélio Ziskind 01:14
7. "Felino Sabidão"  Fernando Salem, Luiz MacedoEd Motta 02:23
8. "Mau"  André Abujamra, Maurício PereiraMaurício Pereira 02:03
9. "Porque Sim Não É Resposta"  Hélio ZiskindHélio Ziskind 01:37
10. "Celeste, a Cobra"  André Abujamra, Fernando Salem, Luiz MacedoVânia Bastos 02:32
11. "Dr. Abobrinha"  André Abujamra, Maurício PereiraGerson de Abreu 02:45
12. "Caipora"  Fernando Salem, Luiz MacedoPena Branca & Xavantinho 02:27
13. "Lavar as Mãos"  Arnaldo AntunesArnaldo Antunes 01:20
14. "Bongô"  André Abujamra, Maurício PereiraSkowa 02:34
15. "Ratinho Escovando os Dentes"  Hélio ZiskindHélio Ziskind 01:22
16. "Somar É Legal"  Fernando SalemFernando Salem 01:22
17. "Que Som É Esse?"  Hélio ZiskindFernando Ziskind 04:03
18. "Como se Faz Disco?"  Wandi DoratiottoWandi Doratiotto 01:19
Duração total:
35:44

Recepção[editar | editar código-fonte]

Audiência[editar | editar código-fonte]

Antes mesmo de completar duas semanas no ar, a série já era um sucesso de IBOPE e público. Em sua estreia, conseguiu cravar 8 pontos no Ibope, o que equivalia na época a 318.320 domicílios. Em seu 2º episódio, também repetiu a mesma façanha. Sua estreia significou um aumento de 50% de audiência na faixa, já que o seu antecessor no horário, o infantil Glub-Glub, registrava de 3 a 4 pontos na audiência (aproximadamente 198 mil residências sintonizadas na época). O SBT, que no mesmo horário, com o extinto TJ Brasil, ocupava a vice-liderança com médias de 11 pontos no horário (437. 690 residências), viu sua hegemonia ser abalada, já que exatamente 1 semana depois de sua estreia o infantil da Cultura chegou a dois dígitos e registrou 10 pontos, segundo o DataIbope, dobrando em quase três vezes a audiência das 19h a 19h30 da época.[43]

Prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Ano Prêmio Categoria Resultado Ref.
1994 Prêmio APCA Melhor Programa Infantil Venceu [44]
1995 Festival de Nova York Medalha de Prata: Melhor Programa Infantil
Prêmio Sharp de Música Melhor Disco Infantil
1999 Troféu Imprensa Melhor Programa Infantil

Exibição[editar | editar código-fonte]

País Cadena(s) Título
Brasil Brasil TV Cultura Castelo Rá-Tim-Bum
TV Rá-Tim-Bum
Argentina Argentina Nickelodeon Latinoamérica Castillo Rá Tim Bum
Bolívia Bolívia
Chile Chile
Colômbia Colômbia
Costa Rica Costa Rica
Equador Equador
Honduras Honduras
México México
Panamá Panamá
Paraguai Paraguai
Porto Rico Porto Rico
Uruguai Uruguai
Venezuela Venezuela
Chile Chile Chilevisión
Uruguai Uruguai Televisión Nacional Uruguay
Venezuela Venezuela ViVe

Notas

  1. A cada episódio um músico diferente se caracterizava como João de Barro, uma vez que o quadro trazia um instrumento distinto a cada semana, o que necessitava diferentes profissionais especializados para tocá-los.

Referências

  1. Cartaz de anúncio do lançamento do programa
  2. «Confira fotos da exposição do Castelo Rá-Tim-Bum em São Paulo». ebc.com.br. Consultado em 16 de julho de 2014 
  3. «07 curiosidades incríveis sobre Castelo Rá-Tim-Bum». Eonline.com. Consultado em 17 de abril de 2013 
  4. «Site do artista plástico e bonequeiro» 
  5. a b «Columbia aposta no cinema brasileiro». Estadão. O Estado de S. Paulo. 3 de abril de 2001. Consultado em 9 de maio de 2013 
  6. Apolinário, Sônia (30 de maio de 1993). «'RÁ-TIM-BUM' VIRA UM CASTELO NA TV CULTURA». O Globo. Consultado em 12 de junho de 2015 
  7. Cultura, T. V. (10 de janeiro de 2019). «1. O Castelo Rá-Tim-Bum, inicialmente, iria se chamar Castelo do Doutor Victor ou Castelo Encantado.». @tvcultura. Consultado em 7 de abril de 2019 
  8. Canal Memórias da TV (11 de dezembro de 2017). Chamada - Castelo Rá-Tim-Bum: O Filme na Tela Quente - Inédito (23/12/2002). YouTube 
  9. a b «Rá-Tim-Bum agrada mesclando TV e teatro». Folha de S.Paulo. Consultado em 14 de outubro de 2018 
  10. «BATE-PAPO COM CÁSSIO SCAPIN - 12/10/1998 ÀS 18H00». UOL. Consultado em 14 de outubro de 2018 
  11. «Bruxa Morgana estreia no teatro». O Fuxico. Consultado em 14 de outubro de 2018 
  12. «A magia da bruxa Morgana». Revista Crescer. Consultado em 14 de outubro de 2018 
  13. «Bruxa de "Rá-Tim-Bum" estrela peça infantil». Folha de S.Paulo. Consultado em 14 de outubro de 2018 
  14. «A saga da Bruxa Morgana, como tudo começou». Hallan Moulin. Consultado em 14 de outubro de 2018 
  15. «ROSI CAMPOS VOLTA A VIVER A BRUXA MORGANA, NO TEATRO». O Fuxico. Consultado em 14 de outubro de 2018 
  16. «Uma bruxa para cuidar da família real». Estadão. Consultado em 14 de outubro de 2018 
  17. «Rosi Campos volta a viver bruxa Morgana». Revista Quem. Consultado em 14 de outubro de 2018 
  18. «Rosi Campos: 'Quero voltar a viver Morgana na televisão'». Revista Caras. Consultado em 14 de outubro de 2018 
  19. «Penélope, a Repórter Cor-de-Rosa revela bastidores de telejornal no Teatro Alfa». Arte View. Consultado em 14 de outubro de 2018 
  20. «Penélope do 'Castelo Rá-Tim-Bum' estrela peça até a próxima semana». UOL. Consultado em 14 de outubro de 2018 
  21. «Arteplural convida para a reestreia de Penélope, a Repórter Cor-de-Rosa». Balada Certa. Consultado em 14 de outubro de 2018 
  22. «Peça inspirada em personagem de seriado infantil estreia em Campinas». G1. Consultado em 14 de outubro de 2018 
  23. «Musical do Castelo Rá-Tim-Bum estreia em setembro; veja quem é quem». Revista Caras. Consultado em 14 de outubro de 2018 
  24. «Com musical, a magia do castelo está de volta». Diário do Grande ABC. Consultado em 14 de outubro de 2018 
  25. «Ator Cassio Scapin volta aos palcos como o bruxo Nino, de 'Castelo Rá-Tim-Bum'». Folha de S.Paulo. Consultado em 14 de outubro de 2018 
  26. «Admirável Nino Novo (SP)». Veja. Consultado em 14 de outubro de 2018 
  27. «Nino, do Castelo Rá-Tim-Bum, volta aos palcos em "Admirável Nino Novo", no Teatro Sérgio Cardoso». SP para Crianças. Consultado em 14 de outubro de 2018 
  28. «Rosi Campos volta a viver a bruxa Morgana». Revista Quem. Consultado em 14 de outubro de 2018 
  29. «Rosi Campos revive Bruxa Morgana no Teatro Porto Seguro». Catraca Livre. Consultado em 14 de outubro de 2018 
  30. «Exposição no MIS relembra 20 anos do programa 'Castelo Rá-Tim-Bum'». G1. Consultado em 14 de outubro de 2018 
  31. «Castelo Rá-Tim-Bum - A Exposição». MIS. Consultado em 14 de outubro de 2018 
  32. «50 fotos revelam os detalhes de Castelo Rá-Tim-Bum - A exposição». Cultura Mais. Consultado em 14 de outubro de 2018 
  33. «Exposição 'Castelo Rá-Tim-Bum' é prorrogada até janeiro no MIS em SP». G1. Consultado em 14 de outubro de 2018 
  34. «'Castelo Rá-Tim-Bum' termina temporada no MIS com 410 mil visitas». Folha de S.Paulo. Consultado em 14 de outubro de 2018 
  35. «Castelo Rá-Tim-Bum no Memorial da América Latina». Soul Urbanismo. Consultado em 14 de outubro de 2018 
  36. «Castelo Rá-Tim-Bum tem nova exposição no Memorial da América Latina». Explora Sampa. Consultado em 14 de outubro de 2018 
  37. «Exposição do 'Castelo Rá-Tim-Bum' é prorrogada até fevereiro». Folha de S.Paulo. Consultado em 14 de outubro de 2018 
  38. «Exposição "Rá-Tim-Bum, o Castelo" fica no Memorial até fevereiro». São Paulo.gov. Consultado em 14 de outubro de 2018 
  39. «Visitas à exposição 'Castelo Rá-Tim-Bum' serão agendadas». Liberal. Consultado em 14 de outubro de 2018 
  40. a b «"Castelo Rá-Tim-Bum" em CD». Folha de S. Paulo. Consultado em 22 de outubro de 2014 
  41. «Castelo Ra Tim Bum». radio.uol.com.br. Consultado em 19 de julho de 2014 
  42. «Castelo Rá-Tim-Bum». iTunes Store. Consultado em 22 de outubro de 2014 
  43. Antenore, Armando (13 de maio de 1994). «'CASTELO' DOBRA AUDIÊNCIA DA CULTURA». Folha de S.Paulo. Consultado em 8 de junho de 2015 
  44. ebc.com.br/ Castelo Rá-Tim-Bum é relembrado em exposição no Museu de Imagem e Som

Ligações externas[editar | editar código-fonte]