Concerto de U2 em Sarajevo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Concerto de U2 em Sarajevo
Pôster promocional do concerto
Concerto musical de U2
Local Sarajevo, Bósnia e Herzegovina
Arena Koševo Stadium
Digressão PopMart Tour
Álbum associado Pop

O concerto de U2 em Sarajevo foi feito no Koševo Stadium — situado em Sarajevo, capital da Bósnia e Herzegovina — no dia 23 de setembro de 1997 como parte da nona turnê musical da banda, PopMart Tour (1997-98), feita em suporte para o nono álbum de estúdio do grupo, intitulado Pop (1997). Este concerto fez do U2 o primeiro ato musical a apresentar-se no país desde o fim da guerra da Bósnia, ocorrida entre os anos de 1992 e 1995. A banda começou a se envolver com a cidade em 1993, durante a etapa europeia da turnê Zoo TV Tour (1992-93). Abordada pelo trabalhador humanitário estadunidense Bill Carter, que propôs em trazer a atenção para o cerco de Sarajevo, a banda realizou transmissões noturnas via satélite com os bósnios durante seus espetáculos. Estas associações foram alvos de críticas por parte de jornalistas, devido ao misturar entretenimento com a tragédia humana. Embora a guerra tenha feito com que o U2 fosse impossibilitado de visitar Sarajevo na época, eles prometeram, eventualmente, fazer um show na cidade. Depois do conflito terminar em novembro de 1995, que fez com que voltasse as visitas à Sarajevo, e com a ajuda de embaixadores das Organizações das Nações Unidas (ONU) e as tropas de manutenção da paz, o grupo marcou o concerto para 1997, que veio a acontecer em 23 de setembro daquele ano.

Para realizar o espetáculo em Sarajevo, a banda ofereceu um show beneficente ou um pequeno concerto; contudo, foi solicitado que o grupo fizesse uma apresentação completa da digressão PopMart Tour. Consequentemente, a performance destacou o palco extravagante da turnê, com a banda realizando um repertório típico da excursão. O concerto reuniu pessoas de diferentes etnias e que já haviam se enfrentado durante a guerra, e o serviço de trens foi retomado temporariamente para permitir que frequentadores de shows participassem da apresentação. Uma das canções interpretadas foi "Miss Sarajevo", escrita pela banda com o auxílio de Brian Eno que trata sobre um concurso de beleza realizado durante a guerra. Embora a banda tenha ficado descontente com a performance e o vocalista Bono tenha passado por dificuldades vocais, o concerto foi bem recebido e tem sido creditado como a melhoria de moral entre os bósnios. Os integrantes do grupo consideram o concerto como um de seus momentos de maior orgulho.

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Guerra em Sarajevo[editar | editar código-fonte]

Ver artigos principais: Guerra da Bósnia e Cerco de Sarajevo

A República Socialista Federativa da Iugoslávia foi composta de seis repúblicas: Bósnia e Herzegovina, Croácia, Eslovênia, Macedônia, Montenegro e Sérvia. Em 1991, a Croácia e a Eslovênia separaram-se da Iugoslávia. A Bósnia e Herzegovina — uma república com uma população constituída de descendentes de bósnios, croatas e sérvios — seguiu o exemplo das duas repúblicas em um referendo altamente controverso, causando tensão nas comunidades étnicas.[1] Os sérvios, cuja estratégia era criar um novo estado sérvio da República Sérvia (RS) que incluísse partes do território da Bósnia e Herzegovina,[2] cercaram Sarajevo com um exército militar de 18 mil combatentes entre as colinas circundantes, a partir das quais eles invadiram a cidade com armas que incluíram artilharias, morteiros, tanques, caminhões antiaéreos, metralhadoras pesadas, lança-foguetes e bombas aéreas.[3] Entre 2 de maio de 1992 até o fim da guerra, que ocorreu em 1995, os sérvios bloquearam a cidade. As forças do governo bósnio, que eram formadas por cerca de 40 mil militares dentro da cidade sitiada, possuíam pouco equipamento e eram impossibilitadas de romper o cerco. O governo muçulmano da Bósnia foi capturado em Sarajevo pelo exército da República Sérvia, que tomou controle de cerca de 70% da Bósnia na época. Muitos cidadãos muçulmanos foram forçados a abandonarem suas casas em um processo de limpeza étnica.[1] Mulheres e crianças que tentavam comprar comida foram frequentemente atingidos por armas vindas de militares sérvios e bósnios, numa tentativa de criar terror.[4] Minas foram pintadas brilhantemente de vermelho e amarelo, na esperança de que as crianças fossem busca-las por curiosidade.[5]

Reação da banda[editar | editar código-fonte]

Em 1993, o U2 passou pela Europa durante a etapa "Zooropa" da turnê Zoo TV Tour (1992-93). Antes de realizarem o concerto do dia 3 de julho de 1993 em Verona, na Itália, o grupo recebeu um fax da estação Radio-televizija Bosne i Hercegovine, que propôs uma entrevista à banda sobre a situação da banda. Os membros do grupo concordaram e encontraram-se com o trabalhador humanitário estadunidense Bill Carter, que atuou como correspondente estrangeiro da empresa, devido a restrições de viagens à Sérvia.[4][6] Carter descreveu suas experiências em Sarajevo ajudando bósnios a sobreviver nas condições vitais perigosas da cidade. Bono, vocalista da banda, irritou-se ao saber que aqueles que viviam em abrigos improvisados ​​na cidade tocavam música — incluindo canções da própria banda — em volumes altos para abafar o som das explosões.[4][7] Enquanto estava em Sarajevo, Carter assistiu a uma entrevista concedida por Bono para a rede televisiva musical MTV na qual mencionou o tema da etapa Zooropa da digressão como uma "Europa unificada". Sentido que tal objetivo era vazio e ignorava a situação da Bósnia, Carter procurou Bono.[8] Ele pediu para que o U2 fosse a Sarajevo para chamar a atenção da guerra e quebrar a "fadiga da mídia" que ocorreu antes de cobrir o conflito.[4]

Referências

  1. a b «Timeline: Break-up of Yugoslavia». BBC Online (em inglês). BBC News. British Broadcasting Corporation. 22 de maio de 2006. Consultado em 18 de setembro de 2014. Cópia arquivada em 22 de setembro de 2011 
  2. Hartmann, Florence (julho de 2007). «A statement at the seventh biennial meeting of the International Association of Genocide Scholars» (em inglês). Helsinki Committee for Human Rights in Serbia. Consultado em 18 de setembro de 2014. Cópia arquivada em 22 de setembro de 2011 
  3. Strange, Hannah (12 de dezembro de 2007). «Serb general Dragomir Milosevic convicted over Sarajevo siege» (em inglês). The Times. Consultado em 18 de setembro de 2014. Cópia arquivada em 22 de setembro de 2011 
  4. a b c d McCormick 2006, p. 252-253
  5. Smith, Mat (1997). «On the front line with Bono in Sarajevo». NME. ISSN 0028-6362 
  6. Flanagan 1996, p. 277
  7. Graham, Bill (11 de agosto de 1993). «A Crucial Link» (em inglês). Hot Press. Consultado em 18 de setembro de 2014. Cópia arquivada em 22 de setembro de 2011 
  8. Carter 2005, p. 170