Did It Again (canção de Kylie Minogue)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
"Did It Again"
Single de Kylie Minogue
do álbum Impossible Princess
Lado B "Tears"
Lançamento 24 de novembro de 1997 (1997-11-24)
Formato(s) CD single, fita cassete, VHS
Gênero(s) Pop rock
Duração 4:22
Gravadora(s) Deconstruction
Composição Kylie Minogue, Steve Anderson, Dave Seaman
Produção Brothers in Rhythm, Minogue (vocal)
Cronologia de singles de Kylie Minogue
Último
"Some Kind of Bliss"
(1997)
"Breathe"
(1998)
Próximo
Lista de faixas de Impossible Princess
Último
"Some Kind of Bliss"
(3)
"Breathe"
(5)
Próximo

"Did It Again" é uma canção da artista musical australiana Kylie Minogue, contida em seu sexto álbum de estúdio Impossible Princess (1997). Foi composta por Kylie Minogue, Steve Anderson e Dave Seaman, sendo produzida pelos dos últimos em conjunto com Alan Brenmer, que juntos formam o Brothers in Rhythm, com a artista encarregando-se da produção vocal. Na época da emissão do disco, a cantora foi relatada pela mídia de estar com anorexia. A cantora desafirmou os boatos e escreveu a faixa como resposta, também para os motivos dos tabloides estarem publicado coisas sobre sua vida pessoal e pelo mal desempenho de "Some Kind of Bliss", primeira faixa de trabalho do CD. Mais tarde, a obra foi reescrita por Anderson e Seaman, contendo, segundo a cantora, um "significado diferente".

O tema foi emitido em CD, fita cassete e VHS simultaneamente em 24 de novembro de 1997, servindo como o segundo single do disco. Musicalmente, "Did It Again" é uma canção derivada do pop rock que contém instrumentação através de guitarras e bateria. Liricamente, o tema fala sobre sua auto-consciência e auto-ódio, incorporando a si mesma nas letras da faixa quando ela não aprende com seus erros passados. As análises pelos críticos de música contemporânea foram positivas, com alguns críticos elogiando a composição e realçando esta como uma faixa de destaque. Comercialmente, teve um desempenho baixo, tendo como melhor posição a 15ª posição na ARIA Charts e sendo certificada ouro pela Australian Recording Industry Association (ARIA). Na UK Singles Chart, teve como melhor colocação a décima quarta.

O vídeo musical correspondente foi dirigido por Petro Romanhi, e apresenta quatro clones de Minogue em diferentes roupas e lutando umas com as outras; o conceito veio logo após o diretor e Minogue verem artigos e revistas, publicados entre os anos 80 e 90, dando rótulos a cantora. A recepção em relação ao vídeo foi positiva, com críticos citando a "brilhante" satirização das personagens e tendo suas respectivos costumes exibidos em museus da Austrália e Reino Unido e recebendo o prêmio australiano do MTV Video Music Awards de 1998. Para sua divulgação, a cantora apresentou-a no programa televisivo The National Lottery Live e incluiu-a no repertório de sua turnê Intimate and Live Tour (1998). Além disso, a composição foi incluída em diversas compilações de grandes sucessos da artista, como na Hits+ (2000) e na Ultimate Kylie (2004).

Antecedentes e desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

O produtor Dave Seaman trabalhou na faixa tanto na produção quanto tocou uma das guitarras utilizadas.

"É um pouco de música de uma menina, comigo dizendo a mim mesma e nunca aprendendo a lição, especialmente com os homens. Ela [a própria Minogue] está a me olhar nos olhos e dizer 'Sua boba, pare de ser muito inteligente e [com] excesso de neuroticismo'."

Minogue numa entrevista com a revista Company sobre a canção.[1]

Em 1992, depois de tablóides britânicos acusarem sua equipe de criação, dizendo que sua música era "barata" e "datada" para outros artistas no rótulo, a cantora deixou a PWL com sede em Londres.[2] Ela tinha assinado um contrato de três álbuns com o rótulo dance britânico Deconstruction em 1992,[3][4] e lançou seu primeiro álbum auto-intitulado através desta em setembro de 1994, o qual recebeu recepção mista dos críticos de música.[5] No ano posterior, Minogue começou a ter uma relação pessoal com o fotógrafo francês Stéphane Sednaoui, e juntos eles embarcaram em uma série de viagens através dos Estados Unidos e do Sudeste Asiático.[6] Depois das viagens, Minogue começou a trabalhar em seu sexto álbum, sendo influenciada pelos trabalhos de Björk e Shirley Manson, além das bandas Garbage, Towa Tei e U2.[6]

Ainda em 1997, a cantora foi relatada pela mídia de estar com anorexia;[7] ela negou os boatos e escreveu "Did It Again" como resposta.[8] A canção foi originalmente intitulada "Clever Girl (Did It Again)",[9] com a artista começando a escrever a faixa enquanto os tabloides ingleses publicavam rumores sobre sua vida pessoal, e após a pouca recepção que o primeiro single de Impossible Princess, "Some Kind of Bliss", recebeu. No entanto, ela reescreveu os versos originais juntamente com Anderson e Seaman, com Minogue dizendo que, após alterações, a faixa conteve um "significado diferente".[8][10][11] Ela também comentou que "algumas das canções de Impossible Princess estão perto do coração, mas essa música foi um pouco de voz no meu ombro".[8]

Composição e recepção crítica[editar | editar código-fonte]

"Did It Again" foi gravada no Real Word, localizada em Sarm West e no DMC Studios localizado na Inglaterra, sendo mixada por Alan Bremnar no Real World.[12] Greg Bone, Dave Seaman e Anderson tocaram as guitarras, com Anderson também tocando a bateria e o teclado.[12] Produzida por Brothers in Rhythm e tendo a produção vocal por Minogue, "Did It Again" é uma faixa pop rock.[12] Michael Dwyer, da revista Western Australia comentou sobre a saída de Minogue da dance music e do bubblegum pop e sua maturidade desde seu trabalho com Stock, Aitken e Waterman, afirmando que "'Some Kind Of Bliss' e 'Did It Again' já provaram que a nossa Kylie tem mais truques na manga, desta vez a qual o Stock, Aitken e Waterman sempre sonhou e seu sexto álbum cordas para seu reverência cuidadosamente cultivada".[13] O escritor inglês Sean Smith, autor de Kylie (2014), comentou que "Did It Again" foi outra faixa, juntamente com "I Don't Need Anyone", de Impossible Princess que "realmente não soou como Kylie". Ele comparou de longe que "Did It Again" foi "uma mistura de bateria e guitarra elétrica que pode ter sido o caminho para o famoso álbum Revolver, dos The Beatles".[14] Revisando seu álbum de compliação Greatest Hits 87–97 (2003), Michael Paoletta, da revista Billboard, viu a composição como um rock progressivo.[15]

A faixa recebeu análises positivas dos críticos de música.[16] MacKenzie Wilson, da Allmusic, selecionou "Did It Again" como um destaque de sua compliação Hits+.[17] Jack Foley, da Indie London descreveu o tema como uma das "gravações mais vendidas" de Minogue que "continuam a encher as pistas de dança apesar de ser implacavelmente desempenhado em seu auge".[18] Darrin Farrant, da The Age, disse: "o melhor de Impossible Princess foi claramente 'Did It Again', Minogue sorrindo e suportando, a multidão se junta a ela para cantar cada palavra".[19] Avoledo, do BlogCritics.org, descreveu a canção como brusca, mas disse que é uma "astuta e auto-consciente olhar na celebridade sem sequer mencionar a fama".[20] Um revisor da revista Music Week premiou "Did It Again" com três estrelas de cinco, declarando que os vocais de Minogue "tomam uma beira mal-humorada", mas que "não são fortes o suficiente para fazerem muito melhor do que o desempenho modesto de 'Some Kind of Bliss'".[21] Natasha Tripney, da musicOMH, disse: "Did It Again relembra você em seu valente, mas descontroladamente calcula a mal tentativa de se transformar em Indie Kylie circa 1997, apenas realmente servindo para destacar as limitações de sua voz neste processo".[22] Michael R. Smith, da Daily Vault, sentiu que a faixa representa o álbum "perfeitamente" e rotulou as faixas como "jóias ocultas". Smith sentiu que a obra foi "outra canção menosprezada" do álbum Impossible Princess e rotulou isto como um "indie clássico".[14] No final de 1997, "Did It Again" foi posicionada na 81ª posição da anual Triple J Hottest 100.[23] No ARIA Music Awards de 1998, foi indicado para "Single of The Year", mas perdeu para o single "Torn", de Natalie Imbruglia.[24]

Vídeo musical[editar | editar código-fonte]

Desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

Um vídeo musical acompanhante foi dirigido por Petro Romanhi, sendo gravado em Londres, na Inglaterra.[8] Foi filmado durante um período de dois dias, sendo necessário gravar cada personagem individualmente. Minogue e seu colaborador de longo prazo e amigo, William Baker, desenhou as roupas para cada clone: Sex Kylie, Cute Kylie, Indie Kylie, e Dance Kylie. Cada clone representa uma diferente aparência e persona; Baker descreveu Sex Kylie como uma "drag queen" com uma atitude de "vadia" e aparência de "piranha".[25] Dance Kylie tem, de acordo com Baker, uma "irritante diversão", enquanto Cute Kylie tinha shorts cor de violeta e um sutiã.[25] A roupa original era azul, mas rapidamente foi mudado devido à problemas de blue screen.[25] A roupa para Indie Kylie, a qual eram calças vermelhas com uma camisa de gola alta, foi inspirado pelos filmes da Star Trek que eram assistido por design de moda britânico, Pellicano.[25]

Frances Whiting, do Sunday Mail, discutiu sobre o vídeo musical com Minogue, que mencionou que o vídeo foi um caminho "divertido" para retratar suas imagens da mídia ao longo de sua carreira. Em relação a sua fase Indie Kylie, a cantora comentou: "Eu não me importo de ser rotulada [como] Indie Kylie, eu tive tantos rótulos, mas os rótulos são um pouco bobos porque eu sou muitas coisas, tudo o que somos".[26] O conceito para o vídeo foi criado por Romanhi depois deste descobrir vários artigos e revistas de Minogue entre os anos 80 e do início para os meados dos anos 90, ao longo com sua influência do filme americano Usual Suspects, mas Minogue estava cética em relação ao resultado final.[27] Em uma entrevista com a MTV australiana, Minogue revelou que o vídeo foi baseado em sua vida como uma celebridade, declarando:[27]

Sinopse e recepção[editar | editar código-fonte]

Indie Kylie, Dance Kylie, Sex Kylie e Cute Kylie no vídeo.

Os personagens são Sex Kylie, Cute Kylie, Indie Kylie e Dance Kylie, os quais contribuiram para a imagem de Minogue durante sua carreira. A artista comentou que a gravação demorou "mais do que o esperado", porque Romanhi queria o resultado fosse "preciso".[28] Embora Minogue disse que Indie Kylie foi a vencedora da batalha, ela sentiu que Cute Kylie representava ela mesma do que os outros três personagens.[28] O vídeo abre com Sex Kylie cantando e Cute Kylie a empurrando. Indie Kylie aparece, com Dance Kylie ficando na frente desta.[29] Durante o vídeo, todas as quatro personagens brigam e xingam umas as outras. O vídeo termina com Cute Kylie segurando um taco de basebol, declarando que ela foi a vencedora de todas as quatro.[29] Apesar do final do vídeo e Minogue comentar que Cute Kylie divertiu-se mais no vídeo, Minogue disse que Indie Kylie foi a vencedora.[27]

O vídeo teve uma recepção positiva dos críticos, e ganhou o prêmio australiano do MTV Video Music Awards de 1998.[30] Erika Brooks Adickman, da Idolator, disse que "o irônico vídeo tinha o ícone pop reconhecendo tudo no que ela se reinventou ao longo dos anos".[31] O website americano BuzzFeed hospedou uma enquete para leitores online votarem no melhor personagem do vídeo de "Did It Again".[32] Como resultado, Indie Kylie venceu com 36% dos votos, enquanto Cute Kylie teve 26%, Dance Kylie teve 20% e Sex Kylie, 18%.[32] Durante uma entrevista que Minogue deu para a revista Jetstar Airways, o jornalista Simon Price declarou que as quatro "diferentes Kylies" foram "brilhantemente" satirizadas no vídeo.[33] As roupas utilizadas no vídeo, juntamente com acessórios que abrangem a carreira de Minogue, foram parte de uma exibição no National Portrait Gallery na Austrália, durante maio de 2005;[34][35] estas também foram expostas em outra exibição com mesmo tema em fevereiro de 2007.[36] Um desenho com as quatro Kylies juntas foi feito por Jill Lamarina e adicionado ao livro de banda desenhada Female Force: Kylie Minogue, publicado pela Bluewater Comics.[37]

O teórico da mídia Lee Barron, autor da Social Theory in Popular Culture, discutiu o período de Impossible Princess e declarou: "A fase Impossible Princess represnta um período de sucesso comercial diminuído, marcando o momento em que Minogue conscientemente começou a se envolver em uma consciência lúdica da construção de sua imagem e referencialidade... Isto foi inequivocamente manifestado no vídeo promocional de 'Did It Again'", que contou com quatro Kylies, cada uma definida pelos rótulos que a mídia criou para ela".[38] Barron sentiu que nenhuma das personagens do vídeo ganharam, mas sim tiveram "a construção de uma inteiramente nova", e concluiu: "Porque, embora Minogue foi, neste momento, reflexivamente aludida a sua progressão de identidade retalhada, 'Indie Kylie' não brilhou com um público que compra gravações mais amplo, e consequentemente, 'Indie Kylie' foi descartada para 'Camp Kylie'"; este último citado foi um rótulo da mídia para seus esforços durante a era Light Years (2000).[38]

Apresentações ao vivo e outros usos[editar | editar código-fonte]

Minogue apresentou "Did It Again" no The National Lottery Live, ainda apresentando a faixa juntamente com "Some Kind of Bliss" e "I Don't Need Anyone" durante uma performance na MTV em 4 de outubro de 1997.[39][40] Em digressões, Minogue incluiu a obra somente na turnê Intimate and Live Tour, feita em 1998. Sendo incluída no quarto ato e sendo a primeira música deste,[41] a cantora se apresentava com blusa e calça azuis.[42]

A faixa foi adicionada em vários dos álbuns de compliação de Minogue. Sua primeira aparição foi no CD de 2000 Hits+, lançado pela Deconstruction, e no seu CD de 2001 Confide in Me, que consiste em sua maioria de singles lançados durante seu período na Deconstruction; Heather Phares, da Allmusic, elogiou as faixas incluídas do Impossible Princess, incluindo "Did It Again".[43][44] Também foi incluído na compliação de 2004 intitulada Artist Collection e, o que inclui a maior parte de sua era Impossible Princess, Ultimate Kylie, distribuído pela Parlophone.[45][46] A última aparição da faixa foi no primeiro disco do Confide in Me: The Irresistible Kylie, lançado em julho de 2007 pela gravadora independente Music Club.[47] O remix de The Trouser Enthusiasts' Goddess of Contortion e o de Razor n Go apareceu em suas compliações de remixes Mixes e Impossible Remixes, ambos lançados em 1998.[48][49]

Créditos[editar | editar código-fonte]

Todo o processo de elaboração de "Did It Again" atribui os seguintes créditos:

  • Kylie Minogue: vocais, composição, produção vocal
  • Steve Anderson: composição, guitarra, órgão Hammond
  • David Seaman: composição, guitarra
  • Greg Bones: guitarra
  • Alan Bremner: engenheiro, produção de mixagem
  • Paul Wright: engenheiro
  • Stephane Sednaoui: fotógrafo, designer
  • Farrow Design: designer da capa

Faixas e formatos[editar | editar código-fonte]

Primeiro CD single
N.º Título Duração
1. "Did It Again" (versão single) 4:15
2. "Tears"   4:27
3. "Did It Again" (Did It Four Times mix) 5:49
4. "Some Kind of Bliss" (vídeo musical) 3:40

Desempenho nas tabelas musicais[editar | editar código-fonte]

"Did It Again" entrou na 21ª posição da ARIA Charts. A faixa alcançou a 15ª colocação, sua melhor posição e colocação nas vinte melhores posições do álbum Impossible Princess.[50] A faixa ficou 17 semanas na parada, se tornando um de seus singles que ficaram nas vinte melhores posições da tabela por mais tempo.[50] A faixa foi certificada ouro pela Australian Recording Industry Association (ARIA) pelas vendas de 35 mil unidades.[51] No Reino Unido, "Did It Again" entrou e teve como melhor posição a 14ª na UK Singles Chart. Ele permaneceu nas cem melhores posições por oito semanas e foi o single com melhor posição do álbum, juntamente com "Breathe".[52]

Referências

  1. (7 de outubro de 1997) "Kylie Minogue Exclusive Interview". Company. IKN 8 Magazine.
  2. Desconhecido (29 de dezembro de 2007). «Pop star Kylie's showgirl success». BBC Entertainment. Consultado em 13 de julho de 2016. 
  3. Murphy, Ben (28 de julho de 2007). «Second Coming». DJ Mag. Consultado em 13 de julho de 2016. 
  4. St. Clarke, Jenny (2002). «Kylie: Naked». London, United Kingdom: Edury Press. ISBN 978-0091880965. Consultado em 13 de julho de 2016. 
  5. Confide in Me: The Irresistible Kylie (Liner notes do álbum, fornecido por Paul Lester). Kylie Minogue. Music Club. Julho de 2007. MCDLX043.
  6. a b Baker, William; Minogue, Kylie (2002). Kylie: La La La. (London, United Kingdom: Hodder & Stoughton. [s.n.]). ISBN 0-340-73439-6. 
  7. "Some Kind of Bliss". Vogue Australia. Visitado em 13 de julho de 2016.
  8. a b c d (1997) Créditos do álbum An Interview with Kylie Minogue (pergunta 31) por Kylie Minogue [CD]. Deconstruction (KM002).
  9. «Did It Again». Kylie.com. Arquivado desde o original em 14 de abril de 2012. Consultado em 13 de julho de 2016. 
  10. True, Chris. «Kylie Minogue Biography». Allmusic. Consultado em 13 de julho de 2016. 
  11. Aspinall, Julie (2 de julho de 2008). Kylie (Londres, Reino Unido: John Blake Publishing). 
  12. a b c (2003) Créditos do álbum Impossible Princess por Kylie Minogue (reedição com disco bônus) [CD]. Deconstruction.
  13. Dwyner, Michael. «Impossible Princess Reviews by Kylie Minogue». Kylie.co.uk (adaptado). Consultado em 13 de julho de 2016. 
  14. a b Smith, Sean (13 de março de 2014). Kylie (Londres, Inglaterra: Simon & Schuster Ltd). pp. 138–139. ISBN 978-1-4711-3580-4. 
  15. Paoletta, Michael (22 de novembro de 2003). «Billboard Picks Music». Billboard. Nielsen Business Media. Consultado em 13 de julho de 2016. 
  16. Flick, Larry (4 de abril de 1998). «Minogue makes mature turn on Deconstruction set». Billboard: 18. Consultado em 13 de julho de 2016. 
  17. Wilson, MacKenzie (7 de junho de 2000). «Allmusic. Rovi Corporation». Allmusic. Rovi Corporation. Consultado em 13 de julho de 2016. 
  18. Foley, Jack (20 de março de 2015). «Ultimate Kylie Review, by Kylie Minogue». Indie London. Consultado em 13 de julho de 2016. 
  19. Farrant, Darrin (3 de junho de 1998). «Impossible Princess Review». The Age. Kylie.co.uk (adaptado). Consultado em 13 de julho de 2016. 
  20. Avoledo, Pam (7 de dezembro de 2005). «Single Review - Kylie Minogue: "Did It Again".». BlogCritics.org. Consultado em 13 de julho de 2016. 
  21. «Reviews from Music Week». Music Week. Kylie.co.uk (adaptado). 8 de novembro de 1997. Consultado em 13 de julho de 2016. 
  22. Tripney, Natasha (22 de novembro de 2004). «Kylie Minogue – Ultimate Kylie (Parlophone)». MusicOMH. Consultado em 13 de julho de 2016. 
  23. «Triple J Hottest 100 Chart». Triple J. 1997. Consultado em 13 de julho de 2016. 
  24. «History: Winners by Year 1998: 12th Annual ARIA Awards». Australian Recording Industry Association. Consultado em 13 de julho de 2016. 
  25. a b c d Baker, William; Minogue, Kylie (7 de novembro de 2002). Kylie: La La La (Londres, Reino Unido: Hodder & Stoughton). 
  26. Whiting, Frances (26 de abril de 1998). «Princess Kylie on the Move». Sunday Mail. Kylie.co.uk (adaptado). Consultado em 13 de julho de 2016. 
  27. a b c «MTV Australia Interview». MTV. Kylie.com.br (adaptado). Julho de 1998. Consultado em 13 de julho de 2016. 
  28. a b Desconhecido (1998). "Light Lunch with Kylie Minogue". The Light Lunch.
  29. a b «Did It Again - Kylie Minogue». VEVO. Consultado em 14 de julho de 2016. 
  30. «VMA 1998». MTV. Consultado em 14 de julho de 2016. 
  31. «Kylie Minogue "Did It Again" Single Cover Art 1997». Idolator. Buzz Media. Consultado em 14 de julho de 2016. 
  32. a b «POLL: Who's The Best Kylie In Kylie Minogue's "Did It Again" Music Video?». BuzzFeed. Buzz Media. 28 de novembro de 2013. Consultado em 14 de julho de 2016. 
  33. Price, Simon (fevereiro de 2013). «Kylie Minogue». Jetstar Airways. Ink Publishing. Consultado em 14 de julho de 2016. 
  34. Anderson, Margot. «Kylie». National Portrait Gallery. Consultado em 14 de julho de 2016. 
  35. Staunton, Megan. «No butts about it, Kylie is a hit!». Government of Australia. Consultado em 14 de julho de 2016. 
  36. «Tickets stampede for Kylie's huge new show at the V&A». Daily Mail. Associated Newspapers Ltd. 7 de fevereiro de 2007. Consultado em 14 de julho de 2016. 
  37. Stone, Steven. "Female Force: Kylie Minogue". Bluewater Comics: 4 [S.l.] ISBN 978-1-4507-8966-0. Consultado em 14 de julho de 2016. 
  38. a b Barron, Lee (2013). "Social Theory in Popular Culture". Palgrave Macmillan [S.l.] p. 66. ISBN 978-1-137-30389-9. Consultado em 14 de julho de 2016. 
  39. «The National Lottery Live (15/11/1997)». BBC One. Consultado em 14 de julho de 2016. 
  40. «Some Kind Of Kylie MTV – Some Kind of Voice». MTV UK. Kylie.co.uk (adaptado). 4 de outubro de 1997. Consultado em 14 de julho de 2016. 
  41. «Intimate and Live». Steve Anderson Productions. Consultado em 19 de julho de 2016. 
  42. «Kylie Minogue - Did It Again (Intimate and Live Tour Sydney 1998)». Peggo. Consultado em 19 de julho de 2016. 
  43. «Hits + by Kylie Minogue». iTunes Store. Apple Inc. Consultado em 19 de julho de 2016. 
  44. Phares, Heather (12 de novembro de 2001). «Confide in Me (Album) – Kylie Minogue». Allmusic. Rovi Corporation. Consultado em 19 de julho de 2016. 
  45. «Kylie Minogue - Artist Collection». Discogs. Consultado em 20 de julho de 2016. 
  46. «Kylie Minogue - Ultimate Kylie». Discogs. Consultado em 20 de julho de 2016. 
  47. «Kylie Minogue - Confide In Me: The Irresistible Kylie». Discogs. Consultado em 20 de julho de 2016. 
  48. «Kylie Minogue - Mixes». Discogs. Consultado em 20 de julho de 2016. 
  49. «Kylie Minogue - Impossible Remixes». Discogs. Consultado em 20 de julho de 2016. 
  50. a b c «Kylie Minogue - Did It Again (ARIA Charts)». Australian Charts. Hung Medien. Consultado em 12 de julho de 2016. 
  51. a b «Kylie Minogue - Did It Again (Accreditations Singles: 1998)». Australian Recording Industry Association. Consultado em 12 de julho de 2016. 
  52. a b «Kylie Minogue - Did It Again (UK Singles Chart)». UK Singles Chart. Consultado em 12 de julho de 2016.