X (álbum de Kylie Minogue)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
X
Álbum de estúdio de Kylie Minogue
Lançamento 21 de novembro de 2007 (2007-11-21)
Gravação 2006–07
Estúdio(s)
Gênero(s) Dance-pop, R&B, hip hop
Duração 45:12
Idioma(s) Inglês
Formato(s) CD, download digital
Gravadora(s) Parlophone
Produção Bloodshy & Avant, Guy Chambers, Cutfather, Cathy Dennis, Freemasons, Calvin Harris, Jonas Jeberg, Kish Mauve, Greg Kurstin, Richard "Biff" Stannard, Eg White
Cronologia de Kylie Minogue
Body Language
(2003)
Aphrodite
(2010)
Singles de X
  1. "2 Hearts"
    Lançamento: 9 de novembro de 2007 (2007-11-09)
  2. "In My Arms"
    Lançamento: 15 de fevereiro de 2008 (2008-02-15)
  3. "Wow"
    Lançamento: 17 de fevereiro de 2008 (2008-02-17)
  4. "All I See"
    Lançamento: 11 de março de 2008 (2008-03-11)
  5. "The One"
    Lançamento: 25 de julho de 2008 (2008-07-25)

X é o décimo álbum de estúdio da artista musical australiana Kylie Minogue. O seu lançamento ocorreu em 21 de novembro de 2007 pela Parlophone Records. O disco representa um afastamento musical dos trabalhos anteriores de Minogue, apresentando uma influência de gêneros nunca experimentados pela artista. Tendo como gêneros musicais predominantes o dance-pop, R&B e hip hop, o trabalho possui influências do electro e do rock. Liricamente, as faixas refletem vários assuntos, com a cantora afirmando mais tarde que queria que o CD fosse "mais coerente" em relação à direção lírica. As gravações ocorreram entre 2006 e 2007 em estúdios de alguns países da Europa, com a produção musical ficando a cargo de Bloodshy & Avant, Guy Chambers, Cutfather, Cathy Dennis, Freemasons, Calvin Harris, Jonas Jeberg, Kish Mauve, Greg Kurstin, Richard "Biff" Stannard e Eg White.

Optando por restabelecer sua carreira após o lançamento da coletânea Ultimate Kylie (2004) e iniciar a Showgirl: The Greatest Hits Tour (2005), digressão cancelada no começo da parte do Reino Unido e Austrália pela cantora ter sido diagnosticada com câncer de mama, Minogue começou a gravar canções em 2006 com diversos produtores, com o Scissor Sisters afirmando que a artista estava "aberta a coisas diferentes", bem como foi divulgado que Calvin Harris estaria participando do projeto. O trabalho continuou em 2007, ano no qual foram divulgadas versões inacabadas de novas canções da artista, com tabloides dizendo que poderia ser um marketing da editora de Minogue para divulgar o disco. A capa do álbum e as fotos de seu encarte correspondente foram feitas por William Baker, com a primeira recebendo análises prezando sua "estranheza".

X recebeu análises positivas ​​da mídia especializada, a qual elogiou a produção, a escrita inovadora de Minogue e muitos acreditaram que ela era verdadeiramente bem-vinda de volta à cena pop. Entretanto, alguns profissionais ficaram divididos quanto a se o álbum foi para um "retorno", e alguns notaram o tema inconsistente. Obteve um desempenho comercial mediano, atingindo a liderança na tabela da Austrália, enquanto listou-se entre as vinte primeiras posições do Reino Unido, Suíça, Áustria, República Checa, Alemanha e Hungria. Em território estadunidense, entrou na 139ª posição da Billboard 200, comercializando 6 mil cópias em sua primeira semana de lançamento, com a Reuters descrevendo o álbum como um "fracasso". O material recebeu certificação de platina pela Australian Recording Industry Association (ARIA) e British Phonographic Industry (BPI). Em âmbito global, vendeu mais de um milhão de exemplares até julho de 2008.

De X surgiram cinco singles. O primeiro, "2 Hearts", atingiu a primeira posição das tabelas da Austrália e Espanha e teve um sucesso comercial médio, listando-se nas dez primeiras posições em diversos países. O segundo e terceiro, "In My Arms" e "Wow", foram lançados simultaneamente, com o primeiro conseguindo as vinte melhores colocações das paradas de países como Alemanha, Áustria, França, e o segundo as vinte melhores em países como Reino Unido, Irlanda, Austrália, França e Nova Zelândia. Os vídeos musicais de ambas as canções foram lançados no final de janeiro de 2008 pelo Channel 4, com "Wow" tendo que ser reeditado pelo forte uso de luzes. O quarto, "All I See", foi lançado para o território estadunidense, mas só conseguiu entrar nas paradas do Canadá e Hungria. O quinto e último, "The One", foi lançado apenas por venda digital, entrando na parada do Reino Unido e das duas regiões da Bélgica, bem como nas tabelas radiofônicas da Nova Zelândia e Hungria. Para divulgar o disco, a cantora apresentou faixas do disco em seu especial intitulado The Kylie Show, participou de programas de televisão tanto europeus como estadunidenses, e iniciou a turnê KylieX2008, na qual arrecadou 14 milhões de libras na parte inglesa; esta teve um registro gravado com mesmo nome, lançado em dezembro de 2008 como DVD e em julho de 2009 como blu-ray.

Antecedentes e desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

Calvin Harris (imagem) foi um dos produtores que trabalharam em X com Minogue em meados do desenvolvimento do disco.

Em novembro de 2004, a gravadora da artista lançou a coletânea Ultimate Kylie. A mesma foi bem recebida pelos críticos,[1][2] com a British Phonographic Industry certificando o álbum como platina tripla, pelas vendas de 900 mil unidades,[3] e a Australian Recording Industry Association certificando como platina quádrupla, pelas vendas de 280 mil unidades.[4] Em maio de 2005, enquanto promovia o disco com a turnê Showgirl: The Greatest Hits Tour, a cantora foi diagnosticada com câncer de mama, tendo que cancelar as datas de todos os concertos.[5] Dias depois do diagnóstico, foi submetida a uma cirurgia, e esta conseguiu ser feita, mesmo com ninguém divulgando quanto tempo a recuperação total da artista levaria.[6] Em novembro de 2005, foi anunciada pelo seu promotor de concertos a volta da turnê no final de 2006, a qual se chamaria Showgirl: The Homecoming Tour e teria a Austrália e Reino Unido como partes, por ser estes países os cancelados no meio da primeira turnê.[7] Mais tarde, em julho de 2006, ele disse que a artista estava em estúdio gravando um novo material.[8] A cantora disse no recomeço da turnê que estava "realmente inspirada, mais do que eu estava por um bom tempo", e também disse que "quase não parou" em seu momento de recuperação, pois ela estava registrando novas faixas, fazendo sessões de fotos e gravando novos vídeos para os telões da digressão.[9]

No começo de 2007, uma faixa chamada "Excuse My French" vazou na internet, e levantou dúvidas por parte dos tabloides se seria o primeiro single do disco.[10] Mais tarde, o sítio oficial de Minogue disse em uma postagem que não era a mesma que estava cantando na obra, e que ela "nunca gravou uma canção com este nome", também dizendo que seu décimo álbum não conteria a faixa.[10] No começo de abril de 2007, o produtor escocês Calvin Harris foi divulgado por um portal de notícias como sendo um dos quais estavam trabalhando para o novo álbum da artista, e alegando que isso rapidamente também se transformou em uma amizade entre Kylie e Harris.[11] Pouco depois, o produtor disse em uma entrevista que "ela foi brilhante para trabalhar" com ele, bem como falou que fizeram uma faixa que descreveu como "suja, suada e um pouco errada".[12] Um mês após o pronunciamento, cinco canções da cantora vazaram e foram enviadas para sites de compartilhamento de arquivos, e fãs alegaram em alguns fóruns que um conjunto de três CDs, dos quais continham 49 demos, existiam e que pessoas poderiam encontrá-los.[13] Alguns tabloides disseram que poderia ser um marketing por parte da gravadora de Minogue de vazar as faixas, com Lucy Holmes, uma sósia de Minogue, dizendo que os vazamentos não atrapalhariam as vendas do disco.[13] Além disso, em setembro de 2007, duas faixas intituladas "In The Mood For Love" e "Spell of Love" foram vazadas na internet pelo produtor Mylo em seu sítio oficial, saindo do ar horas depois.[14]

Gravação e composição[editar | editar código-fonte]

Odeio ter arrependimentos, pois algumas coisas lá são incríveis, mas tinha uma voz mesquinha na minha cabeça que queria que elas fossem um pouco mais coerentes. Perceber as coisas depois que já acontecerem pode ser uma droga. Você pensa: 'eu queria ter pensado nisso ou ter tido mais força de vontade'.

—Minogue em uma entrevista, na qual disse que queria que X e Body Language fossem "mais coerentes" em relação às composições.[15]

A artista conheceu Harris por Jamie Nelson, seu A&R, o qual ouviu os trabalhos do produtor e perguntou se ele gostaria de trabalhar com Minogue. Eles escreveram e gravaram músicas juntos, sendo as que entraram para a edição final "In My Arms" e "Heart Beat Rock".[16][17] No começo de fevereiro de 2007, foi afirmado que a cantora estaria trabalhando com o disc jockey (DJ) Roger Sanchez, com este dizendo que a cantora estava "se movendo em uma direção diferente".[18] Pouco depois, foi divulgado que o grupo Scissor Sisters estava ajudando Minogue no processo de escrita e gravação do projeto, com Jake Shears, vocalista da banda, dizendo que a musicista "tem bom senso, boa escrita e é incrivelmente aberta a coisas diferentes".[18] A cantora disse que, enquanto estava em sua recuperação do câncer, a mesma "dançava um pouco ao redor da sala de estar", e disse que isto lhe deu muita energia que descreveu como "boa" e que espera que "a minha música faça o mesmo para pessoas que precisam dele tanto quanto eu".[19] Em 2006, durante o processso de gravação do CD, foi divulgado pela cantora Nelly Furtado planos para gravar um dueto entre ela e Minogue para a volta da segunda a música.[19] No entanto, esta não foi gravada, com Minogue dizendo em uma entrevista que a proposta de gravação da canção "está ainda em aberto".[19] Três anos depois do lançamento de X, a cantora disse que queria que este, juntamente com Body Language, fosse "mais coerente" em relação às composições.[15] A cantora ainda falou sobre a retiração de músicas que falavam de sua cura com o câncer do produto final de X, comentando que "estava voltando e tinha feito canções sobre minha experiência, minha doença, e elas não entraram no álbum. Não sei o motivo. Se elas não eram boas o suficiente [ou] se a gravadora não achou que elas eram apropriadas".[15]

Demonstração de 18 segundos de "Speakerphone", a qual apresenta uma batida impulsionada e Minogue cantando com vocais codificados.[20]

Demonstração de 26 segundos de "Wow". A faixa tem como estilo musical o electro, e se abre com um piano estridente,[21][22] sendo comparada por vários críticos com "Holiday", de Madonna.[23][20]

Problemas para escutar estes arquivos? Veja a ajuda.

Musicalmente, a maior parte do álbum foi identificada como um "cálculo de música dance-pop", com a Allmusic citando "Like a Drug" e "The One", respectivamente a segunda e sétima faixa do álbum, como exemplos.[24] Dave Hughes, da Slant Magazine, comentou sobre a influência R&B do álbum, escrevendo que "[a faixa] 'Speakerphone' é particularmente notória, pelo menos parcialmente, porque o seu som de bateria sutilmente anuncia a intenção deste registro, [que é] flertar com o hip hop de uma forma que é totalmente inadequada para Minogue, e também porque ela afoga sua voz em inundações de vocoder".[25] A primeira canção do álbum é "2 Hearts", o primeiro single do disco que é, musicalmente, uma faixa electro rock.[21] "Like a Drug" é uma canção electro descrita pelo PopMatters como "de alta qualidade",[26] enquanto "In My Arms" é uma canção que contém uma "profusão" de sintetizadores distorcidos.[27] Tom Ewing, da Pitchfork, comentou que o tema "é como uma versão leitora de cassete de Justice".[21] Quarta faixa do disco, "Speakerphone" começa com um número de harpa que é descrita pela Pitchfork como "tentadora", e é conduzida a uma linha do baixo com uma batida impulsionada e Minogue cantando com vocais codificados.[21][20]

A quinta obra "Sensitized" utiliza amostras de "Bonnie and Clyde", interpretada por Serge Gainsbourg e Brigitte Bardot;[20] já o sexto tema, "Heart Beat Rock", é uma canção derivada do R&B e hip hop, sendo comparada a obras de Gwen Stefani.[20][28] Segue-se "The One", uma faixa dance-pop de andamento métrico, e contém instrumentação derivada de guitarras e sintetizadores de código morse.[21] A oitava obra do disco, "No More Rain", é uma canção reminiscente a trabalhos da década de 1990 da cantora americana Madonna que apresenta letras com referência a pensamentos de Minogue em relação "a sensação de voltar ao palco".[20][29] "All I See", uma obra inspirada no R&B, foi citada pelo New York Times, o qual disse que esta "soa como uma música [que] Janet Jackson deve ter gravado".[20][28][29] A décima faixa "Stars" tem letras relacionadas ao "significado da vida".[29] "Wow", décima primeira faixa do disco, é uma canção electro que se abre com um piano estridente.[21][22] O tema foi comparado por vários críticos com "Holiday", da cantora Madonna.[23][20] A penúltima faixa "Nu-di-ty" é musicalmente derivada do hip hop, e apresenta vocais de apoio "quase gagos" e gritos.[20] A última canção, intitulada "Cosmic", não apresenta efeitos vocais como em outras faixas e "confia em suas esvoaçantes batidas de tambor e hesitantes cordas para puxar o ouvinte".[20] O número bônus "Magnetic Electric" foi descrito pelo sítio GoodRichard como tendo "uma linha de baixo efervescente, distorcida, barulhenta, e um refrão cativante com vocais cauterizantes".[20] "White Diamond", também um bônus do disco, é uma faixa de andamento lento que contém apenas uma instrumentação com um piano.[20]

Lançamento e capa[editar | editar código-fonte]

No começo de setembro de 2007, a cantora anunciou "2 Hearts" como seu novo single, com o lançamento de X sendo anunciado sete dias depois.[30][31] O álbum originalmente iria se chamar Magnetic Electric, também nome de uma faixa incluída na versão com faixas bônus do disco. No entanto, fãs em fóruns se referiam ao disco com a letra X, dando o nome a obra.[32] A cantora, um mês antes do lançamento oficial da obra, lançou um mashup com músicas do álbum em seu sítio oficial.[33] Neste, tinha as faixas "2 Hearts", "Like a Drug", "The One" e "In My Arms" juntadas.[34]

A capa do álbum e as imagens de seu encarte foram fotografadas por William Baker.[17] A capa foi lançada juntamente com a pré-venda em 22 de outubro de 2007, e retrata Minogue com cabelos curtos, batom vermelho e cobrindo sua boca com a mão.[33] Robbie Daw, em uma revisão das capas de álbuns de Minogue para o portal Idolator, sentiu que a capa era "super elegante". Da mesma forma, Mike Wass, na mesma publicação, apreciou a "estranheza" do capa.[35]

Crítica profissional[editar | editar código-fonte]

Críticas profissionais
Pontuações agregadas
Fonte Avaliação
Metacritic 65/100[36]
Avaliações da crítica
Fonte Avaliação
AllMusic[24] 3.5 de 5 estrelas.
BBC Music[37] favorável
The Guardian[22] 3 de 5 estrelas.
The New York Times[29] mixado
Pitchfork Media[21] 6.6/10
PopMatters[26] 6 de 10 estrelas.
Rolling Stone[38] 3.5 de 5 estrelas.
Slant Magazine[25] 2.5 de 5 estrelas.
Spin[39] 3.5 de 5 estrelas.
The Village Voice[40] favorável

X recebeu geralmente análises positivas dos críticos de música. O portal Metacritic, com base em vinte e quatro análises recolhidas, concedeu ao disco uma média de sessenta e cinco pontos, de uma escala que vai até cem, indicando "resenhas geralmente favoráveis".[36] Chris Long, da BBC Music, elogiou o disco como "um álbum embalado com vitalidade e, como sempre dos lançamentos de Kylie, grande quantidade de diversão", notando que a "tendência atual do electro é uma das que sempre irão atender Kylie, e é algo que ela usa certo com X".[37] James Hunter, do The Village Voice, afirmou que "não é a produção, [bem] como ela é abundantemente sexy, que faz com que [o álbum] seja excelente: é como Kylie tem ouvidos para músicas fantásticas pop rock re-estilizadas para 2008, e ela se aproxima delas não meramente com [um] divertido brilho sonoro, mas a música como totalmente vital".[40] Mark Sutherland escreveu para a Billboard que "os produtores hip [...] e compositores pesados de grande impacto [...] estão todos presentes e corretos, mas eles nunca ofuscam a fórmula alegre/pop atrevido/dance de Minogue", condecorando ao álbum um "retorno verdadeiramente bem-vindo".[41] Barry Walters, da Spin, expressou que "normalmente, os ganchos e melodias de X e o zumbido perfeito e que atrai o público adolescente de Minogue consegue [um] êxtase revestido de doces".[39] Em uma resenha para o The New York Times, Kelefa Sanneh comentou que "através de X, não é levantado próprios padrões elevados da Sra. Minogue, que às vezes é encontrado", referindo-se a "Speakerphone", como "uma canção meta-dance, intoxicado com si mesma".[29]

Sharon O'Connell, da Yahoo! Music, descreveu o álbum como "excelente, brilhante, conjunto maliciosamente sofisticado de exercícios de pista de dança completamente modernos, é o registro que esperamos que Girls Aloud possa fazer. Não há transgressões criativas emocionantes e Kylie não vai ganhar um Pulitzer por sua prosa, mas como produções pop vão, é um pêssego".[23] Alexis Petridis, da The Guardian, sentiu que "um monte de canções não parecem ser sobre qualquer coisa", adicionando que "X são negócios como de costume para um álbum de Kylie Minogue: um punhado de grandes faixas cercadas por material que é tão obviamente preenchidas [que] você poderia o injetar em paredes da cavidade e economizar até 33% em suas contas de energia".[22] Similarmente, Peter Robinson, da The Observer, fez uma revisão de X junto com Blackout, álbum de Britney Spears lançado na mesma época, dizendo que "ouvindo faixas animadas, mas frágeis, tais como 'Wow' e 'Sensitized', seria fácil acusar [o] X de Kylie de ser preguiçoso, mas o inverso é mais verdadeiro: este é um álbum tão bem pensado e tão cuidadosamente traçado que, durante a sua construção, qualquer senso de perspectiva parece ter sido perdido. Blackout, no entanto, tem um senso de espontaneidade e divertido estampado em toda a coisa", também dizendo que o disco de Minogue é "apenas uma coleção de faixas ligeiramente acima da média. Um típico 'álbum Kylie', em outras palavras".[42] Jax Spike, da About.com, descreveu o álbum como "uma gloriosa fusão da glam electronica e do dance [que] definitivamente brilha como um grande exemplo da fusão do electropop", enquanto notou que "mesmo que algumas das baladas de X arrastam o disco para baixo as vezes, o álbum como um todo representa um grande retorno para Kylie e definitivamente se move para frente do que ela fez com Light Years e Fever".[43]

Chris True, da Allmusic, relatou que enquanto um pouco do álbum é "muito muito bom", ele disse que o disco "falta — quando tudo é apresentado como um total — o que as últimas coleções [de Minogue] realmente tinham: a consistência".[24] Dave Hughes, da Slant Magazine, argumentou que "um dos aspectos mais contemporâneos (e menos agradáveis) de X é a sua produção dispersa, o que lhe dá a desordem focalmente agrupada em um déficit de atenção mais típico de um registro de Gwen Stefani que o de Minogue".[25] Tom Ewing, da Pitchfork, opinou que "X pode parecer como uma iniciador de revisão para os fãs de Minogue, que ignoraram os últimos anos da parada pop — aqui está um pouco do estilo pop de parque infantil repetitivo de Gwen Stefani; aqui estão alguns cortes em pedaços da nova Britney Spears; aqui está um pouco da ardência de Sugababes. Aqui está o electro disco, cosmic disco, e claramente disco [e] disco, além de acenar para o street dance da década de 1980 e o R&B da década de 2000 [...] como seria de se esperar, nem todos esses estilos se adequam a ela".[21] Evan Sawdey, de PopMatters, afirmou que Minogue está "no fogo para a primeira metade de X", mas rejeitou a segunda metade, que descreveu como "uma longa corrente preenchida de alta classe" e "uma grande lista de músicas esquecíveis".[26] Michael Hubbard, da musicOMH, escreveu que "de X, treze faixas fazem o que as canções Kylie sempre fazem — [se] intensificam até uma batida e obtém energia em torno de letras sem desafios sobre dança, sexo e pouco mais. Juntas elas fazem um álbum que soa caro lançado diretamente [na] base de audiência existente de Kylie", mas concluiu que o álbum é "mais preenchido do que assassino".[44] Robert Christgau deu ao disco a menção honrosa de uma estrela ((1-star Honorable Mention)) e deu congratulações a cantora: "um especial feliz aniversário para a ex-ingênua australiana, que acaba de completar 40 anos e ainda pode [com] credibilidade cantar: 'Garoto, você começou isso / Você esta ficando louco pelo meu corpo'".[nota 1][45] Gilberto Tenório, da Revista O Grito!, disse que "com X, Kylie Minogue não traz nenhuma reviravolta artística, entretanto o disco cumpre bem o papel de divertir e mostra o que ela sabe fazer de melhor: embalar as pistas de dança".[46] Da mesma forma, Aaron M., do Território da Música, comentou que "coroando o renascimento de Minogue, X é um ótimo álbum que deve insistentemente marcar presença nas melhores pistas de dança do planeta".[47]

Singles[editar | editar código-fonte]

"2 Hearts" foi estreada na BBC Radio 1 em 9 de outubro de 2007, servindo como o primeiro single de X, logo após seu vazamento na internet junto com remixes.[48][49] Posteriormente, foi disponibilizado na iTunes Store duas versões do single, ambas contendo remixes e os lados B "I Don't Know What It Is" e "King or Queen", em 9 de novembro de 2007.[50] O número foi ainda comercializado em CD single, maxi single e vinil.[51] Comercialmente, a obra obteve um resultado mediano, culminando nas tabelas da Austrália e Espanha e atingindo as dez primeiras colocações em vários países, como Itália, Suécia, Reino Unido, Noruega e Suíça.[52][53] Seu vídeo musical correspondente foi dirigido por Dawn Shadforth e estreou em 11 de outubro de 2007 no perfil da cantora na rede social MySpace.[54][55] As cenas retratam Minogue cantando em um palco, com seu visual sendo comparado pelos tabloides com o de Marilyn Monroe.[54][56]

Para continuar a divulgação do álbum, "In My Arms" e "Wow" foram lançados simultaneamente; o primeiro foi lançado em 15 de fevereiro de 2008 para a Europa, com o segundo sendo emitido para a Austrália e Reino Unido dois dias depois. Todas as versões foram editadas para venda digital, contendo como lados B as canções "Do It Again", "Carried Away" e "Cherry Bomb".[57][58][59][60] Em termos comerciais, ambas as canções tiveram um êxito comercial também médio; "Wow" listou-se entre as vinte mais vendidas em diversos territórios, como na região Flandres da Bélgica, Reino Unido, Irlanda, Austrália, França e Nova Zelândia,[61] enquanto "In My Arms" entrou nas vinte primeiras colocações de países como Alemanha, Áustria, França, Suécia, Suíça e em ambas as regiões da Bélgica.[62] O vídeo musical das obras foram dirigidos por Melina Matsoukas e estreados também juntos em 30 de janeiro de 2008, no canal de televisão Channel 4 do Reino Unido;[63] no entanto, o vídeo de "Wow" foi banido da rede de televisão e teve de ser reeditado dias depois, por ser considerado muito chamativo e por ter efeitos de iluminação estroboscópica.[64]

Especialmente a divulgação do disco em território estadunidense, "All I See" foi lançada para download digital em 11 de março de 2008, servindo como o quarto foco de promoção total de X.[65] Posteriormente, uma versão com o rapper Mims foi enviada para as rádios mainstream e rhythmic da região em 15 de abril de 2008.[66] A obra também foi disponibilizada em um extended play (EP) digital, no qual foi emitido apenas para a Austrália e oito meses depois do lançamento oficial.[67] Comercialmente, a obra não teve sucesso, entrando apenas na 87ª posição da parada do Canadá e na 36ª da Hungria.[68][69] Seu vídeo musical, filmado totalmente em preto-e-branco e em um fundo branco, foi dirigido por William Baker, sendo filmado em três horas, enquanto Minogue estava no intervalo dos ensaios da turnê KylieX2008, e lançado em 18 de abril de 2008 pelo sítio oficial de Minogue.[70] Este teledisco apresenta Minogue com várias roupas diferentes, juntamente com Marco da Silva, um de seus dançarinos da turnê.[70]

"The One" foi lançada apenas para download digital em vários países como Reino Unido, Alemanha, Itália e Espanha em 25 de julho de 2008, servindo como a quinta e última faixa de trabalho total de X.[71] Mais tarde, foi lançada como um extended play (EP) para a Austrália e em um formato contendo apenas a faixa para a Nova Zelândia.[72] Comercialmente, a obra obteve um desempenho baixo, classificando-se nas trinta melhores posições em territórios como Reino Unido e nas duas regiões da Bélgica, também entrando em paradas radiofônicas, como a da Nova Zelândia, Eslováquia, Hungria e República Checa.[73][53][74][75][76][77] Seu vídeo musical, o qual uma das influências foi O Mágico de Oz, foi dirigido por Ben Ib e estreou em 11 de agosto de 2008 na página oficial de Minogue na internet.[78][79] Apresenta efeitos caleidoscópios, e começa com a exibição da cantora em silhueta, enquanto que o resto do vídeo mostra a mesma cantando a canção.[78]

Divulgação[editar | editar código-fonte]

Minogue apresentando "2 Hearts" na turnê KylieX2008 (2008−09).

Antes do lançamento do álbum, Minogue apresentou seis canções do álbum e quatro de suas canções de sucesso em um especial de televisão feito para a própria, intitulado The Kylie Show e transmitido pela ITV em 10 de novembro de 2007.[80] A cantora também juntou-se à Jo Whiley na Radio 1 para uma apresentação especial promovendo o novo álbum, chamado Kylie and Whiley, durante o qual eles recriaram uma cena de Neighbours.[81] Depois do lançamento do disco, a cantora apareceu em janeiro de 2008 no programa televisivo australiano Sunrise.[82]

Para promover o álbum nos Estados Unidos, Minogue apareceu em programas televisivos e shows. Em março de 2008, ela deu uma entrevista ao Today Show with Matt Lauer,[83] também apresentando "All I See" e "Can't Get You Out of My Head" ao vivo nos resultados do programa americano Dancing with the Stars, no mês seguinte; este episódio foi assistido por mais de 17 milhões de pessoas.[84][85] Minogue se apresentou no The Late Late Show with Craig Ferguson,[84] também aparecendo no The Ellen DeGeneres Show e performou "All I See" no 7 de abril de 2008.[86] Sua última apresentação em território estadunidense foi no Idol Gives Back, um especial da sétima temporada do American Idol no dia seguinte, juntamente com outros dos grandes nomes da música, como Gloria Estefan, Céline Dion, Bono, Annie Lennox, Maroon 5, Emma Bunton, Geri Halliwell e outros.[87] Mesmo com todos estas divulgações do disco na região, a cantora disse que "posso andar na rua aqui [em Los Angeles] e ninguém me reconhece".[85] A cantora também se expressou em relação ao disco meses depois em uma entrevista com o jornal The Sun, no qual disse que estava "desapontada" com este, mas que estava satisfeita com os singles "In My Arms" e "2 Hearts", dizendo que "Dado o tempo que tivemos, é o que é. 'Wow', 'In My Arms', 'The One' e '2 Hearts' são crackers. Eles vão para fora como um sapo em uma meia".[88]

KylieX2008[editar | editar código-fonte]

Ver artigos principais: KylieX2008 e KylieX2008 (DVD)

Uma turnê em função de promover o álbum foi anunciada no final de novembro de 2007, e iria se chamar KylieX2008.[89][90] Os ingressos das primeiras oito datas divulgadas foram esgotados em menos de duas horas no começo de dezembro de 2007, quando foram colocados à venda.[91] Além disso, foi a turnê mais cara da cantora, com a artista gastando 20 milhões de dólares para esta, sendo quatro vezes mais do que foi gasto na Showgirl: The Greatest Hits Tour, que custou 5 milhões de dólares.[92] O repertório era composto por 28 músicas, sendo elas principalmente as contidas em X, bem como algumas canções não lançadas por Minogue e outras antigas. Os concertos foram divididos em oito segmentos: Xlectro Static, Cheer Squad, Beach Party, Xposed, Naughty Manga Girl, Starry Nights, Black Versus White e o bis.[93] A digressão recebeu avaliações positivas dos avaliadores, que consideraram esta a melhor da cantora.[94] KylieX2008 conseguiu ser bem sucedida comercialmente, arrecadando GBP 14 milhões somente na parte inglesa da turnê, de acordo com a Billboard Boxscore.[95] Também foi gravado um registro da turnê, que recebeu o mesmo nome e foi lançada via DVD em 1º de dezembro de 2008.[96] Mais tarde, foi lançada uma versão blu-ray, em 27 de julho de 2009.[97] A turnê recebeu uma ampliação para o território estadunidense, intitulada For You, for Me Tour, que foi realizada em outubro de 2009.[98]

Lista de faixas[editar | editar código-fonte]

N.º Título Compositor(es) Produtor(es) Duração
1. "2 Hearts"   Jim Eliot, Mima Stilwell Kish Mauve 2:51
2. "Like a Drug"   Mich Hedin Hansen, Jonas Jeberg, Engelina Andrina, Adam Powers Cutfather, Jeberg 3:18
3. "In My Arms"   Kylie Minogue, Calvin Harris, Richard "Biff" Stannard, Paul Harris, Julian Peake C. Harris, Stannard 3:32
4. "Speakerphone"   Christian Karlsson, Pontus Winnberg, Henrik Jonback, Klas Åhlund Bloodshy & Avant 3:54
5. "Sensitized"   Guy Chambers, Cathy Dennis, Serge Gainsbourg Chambers, Dennis 3:57
6. "Heart Beat Rock"   Minogue, Karen Poole, Harris, John Lipsey C. Harris 3:24
7. "The One"   Minogue, Stannard, James Wiltshire, Russell Small, John Andersson, Johan Emmoth, Emma Holmgren Stannard, Freemasons 4:05
8. "No More Rain"   Minogue, Poole, Karlsson, Winnberg, Jonas Quant Greg Kurstin 4:02
9. "All I See"   Jeberg, Hansen, Edwin Serrano, Raymond Calhoun Cutfather, Jeberg 3:05
10. "Stars"   Minogue, Stannard, P. Harris, Peake Stannard, P. Harris, Peake 3:41
11. "Wow"   Minogue, Poole, Kurstin Kurstin 3:10
12. "Nu-di-ty"   Poole, Karlsson, Winnberg Bloodshy & Avant 3:04
13. "Cosmic"   Minogue, Eg White White 3:09
Duração total:
45:12
Notas
A - denota remixadores
  • Na edição estadunidense, "Carried Away" é uma faixa bônus presente apenas na edição em MP3 distribuída pela Amazon.[108]

Créditos[editar | editar código-fonte]

Lista-se abaixo os profissionais envolvidos na elaboração de X:[17]

Desempenho nas tabelas musicais[editar | editar código-fonte]

De acordo com a rádio Undercover, X comercializou 16 mil unidades durante a semana de 3 de dezembro de 2007 na Austrália, país nativo de Minogue, debutando na primeira posição da ARIA Charts.[109] O disco marcou o terceiro álbum que ficou na primeira posição na nação nativa de Minogue,[110] também conseguindo ser o 49ª mais vendido de 2007 no país.[111] Mais tarde, recebeu uma certificação de platina pela Australian Recording Industry Association, por exportar mais de 70 mil exemplares.[112] Na França, X estreou na 19ª posição da tabela musical da região,[113] entrando depois na 158ª posição como o mais vendido de 2008.[114] Após somar vendas superiores a 50 mil unidades, a Syndicat National de l'Édition Phonographique acabou por certificar a obra como ouro;[115] esta certificação também foi dada para o álbum na Rússia, Irlanda, Hungria, e Bélgica.[116][117][118][119] Nos Estados Unidos, a obra entrou na 139ª posição da Billboard 200, com vendas superiores a 6 mil cópias na semana de lançamento no território, com a Reuters considerando o álbum um "fracasso de vendas".[85]

No Reino Unido, X comercializou 82 mil cópias durante a sua semana de lançamento no Reino Unido, debutando na quarta posição da UK Albums Chart, ficando atrás de Leona Lewis, Shayne Ward e Westlife, que ficaram na primeira, segunda, e terceira posição, respectivamente.[120] Neste país, a obra foi certificada como disco de platina pelas 300 mil unidades faturadas.[121] O disco também se posicionou no 40º posto da tabela japonesa Oricon.[122] O álbum em um todo teve um considerável sucesso de gráficos em toda a Europa, alcançando a 9ª posição na Suíça; 16ª posição na Áustria e República Checa, 15ª posição na Alemanha, 20ª na Hungria e 14ª na Irlanda. Também teve as trinta melhores colocações na Bélgica, Espanha e Suécia, e as quarenta melhores na Dinamarca e Itália.[123][124][125][126] A nível mundial, segundo o The Times, a obra registrou vendas de um milhão de unidades mundialmente até julho de 2008.[127]

Histórico de lançamento[editar | editar código-fonte]

Região Data Formato Gravadora
 Japão[103][145] 21 de novembro de 2007 CD, CD+DVD, download digital EMI
 Austrália[146] 23 de novembro de 2007 Festival Mushroom, Warner Bros.
 França[147][148] EMI
 Alemanha[149][150]
 Itália[151][152]
Taiwan[106][153]
CD, CD + DVD
 Irlanda[154]
Download digital
Parlophone
 Reino Unido[155][156] 26 de novembro de 2007
CD, CD+DVD, download digital
 Canadá[157] 27 de novembro de 2007 CD EMI
 Suécia[158] 28 de novembro de 2007
CD, download digital
 Brasil[159] 20 de fevereiro de 2008 CD
 Estados Unidos[107] 1º de abril de 2008
CD, download digital
Capitol, Astralwerks
Taiwan[160] 28 de novembro de 2008 CD+DVD (edição de turnê) EMI
 Austrália[161] 29 de novembro de 2008 2-CD (edição de turnê) Warner

Notas

  1. No original: "Boy, you got it, got it / You got me feelin' crazy 'bout my body".

Referências

  1. Sendra, Tim. «Kylie Minogue - 'Ultimate Kylie'». Allmusic. Rovi Corporation. Consultado em 30 de abril de 2016. 
  2. Shawahn, Jason. «Kylie Minogue - 'Ultimate Kylie'». About.com. Consultado em 30 de abril de 2016. 
  3. «Certified Awards». BPI. Consultado em 9 de abril de 2016. 
  4. «ARIA Charts – Accreditations – 2006 Albums». ARIA. Consultado em 9 de abril de 2016. 
  5. Grace, Francie (17 de maio de 2005). «Kylie Minogue Has Breast Cancer». CBS News. Consultado em 9 de abril de 2016. 
  6. Sams, Christine (22 de maio de 2005). «Kylie's surgery a success». SMH. Consultado em 9 de abril de 2016. 
  7. «Kylie announces homecoming dates». BBC News. 21 de novembro de 2005. Consultado em 30 de abril de 2016. 
  8. «Family fell to pieces, says Kylie». BBC News. 4 de julho de 2006. Consultado em 30 de abril de 2016. 
  9. «Pop princess lands in Sydney». SMH. 5 de novembro de 2006. Consultado em 9 de abril de 2016. 
  10. a b «Kylie Minogue Denies "Excuse My French"». AceShowbiz. 13 de março de 2007. Consultado em 30 de abril de 2016. 
  11. «Kylie and Calvin Sitting in a Tree?». MTV UK. 16 de abril de 2007. Consultado em 30 de abril de 2016. 
  12. «Exclusive: Calvin Harris on Kylie». MTV UK. 27 de abril de 2007. Consultado em 30 de abril de 2016. 
  13. a b Griffin, Michelle (3 de junho de 2007). «Kylie's secret sounds». SMH. Consultado em 30 de abril de 2016. 
  14. Thorogood, Tom (26 de setembro de 2007). «Mylo's Kylie Mystery». MTV UK. Consultado em 30 de abril de 2016. 
  15. a b c «Kylie Minogue gostaria que seus álbuns "Body Language" e "X" tivessem mais coerência». UOL Música. 30 de junho de 2010. Consultado em 8 de maio de 2016. 
  16. «Calvin Harris Interview». Caught in the Crossfire. 28 de junho de 2007. Consultado em 1 de maio de 2016. 
  17. a b c (2007) Créditos do álbum X por Kylie Minogue [CD]. Parlophone (5099951395223).
  18. a b Moran, Jonathon (11 de fevereiro de 2007). «Kylie's Scissor cuts». The Daily Telegraph. Consultado em 1 de maio de 2016. 
  19. a b c Iannacci, Elio (29 de dezembro de 2007). «Kylie Minogue makes comeback». Toronto Star. Consultado em 8 de maio de 2016. 
  20. a b c d e f g h i j k l «Music review: Kylie, 'X'». GoodRichard.com. 26 de novembro de 2007. Consultado em 8 de maio de 2016. 
  21. a b c d e f g h Ewing, Tom (30 de novembro de 2007). «Kylie Minogue: X Album Review». Pitchfork. Consultado em 2 de maio de 2016. 
  22. a b c d Petridis, Alexis (23 de novembro de 2007). «CD: Kylie Minogue, X (Review)». The Guardian. Consultado em 8 de maio de 2016. 
  23. a b c O'Connell, Sharon (27 de novembro de 2007). «Kylie - X (Album Review)». Yahoo! Music. Consultado em 8 de maio de 2016. 
  24. a b c True, Chris. «X - Kylie Minogue». Allmusic. Consultado em 2 de maio de 2016. 
  25. a b c Hughes, Dave (18 de fevereiro de 2008). «Kylie Minogue: X». Slant Magazine. Consultado em 2 de maio de 2016. 
  26. a b c Sawdey, Evan (31 de março de 2008). «Kylie Minogue: X». PopMatters. Consultado em 2 de maio de 2016. 
  27. «Kylie Minogue: 'In My Arms'». Digital Spy. 22 de abril de 2008. Consultado em 5 de maio de 2016. 
  28. a b Scott, Bruce (5 de março de 2008). «Album Review: Kylie Minogue - X». Prefix Mag. Consultado em 8 de maio de 2016. 
  29. a b c d e Sanneh, Kelefa (26 de novembro de 2007). «Jordin Sparks, Amy Winehouse, Loren Stillman, Kylie Minogue, Gram Parsons, Flying Burrito Bros - Music Review». The New York Times. Consultado em 8 de maio de 2016. 
  30. «Kylie's New Single». MTV UK. 14 de setembro de 2007. Consultado em 8 de maio de 2016. 
  31. «Kylie Minogue - "X" Announcement». 21 de setembro de 2007. Consultado em 20 de maio de 2016. 
  32. «Kylie - X». Consultado em 8 de maio de 2016. 
  33. a b «The 'X' factor». GoodRichard.com. 22 de outubro de 2007. Consultado em 8 de maio de 2016. 
  34. «Download de faixas inéditas de Kylie Minogue». Teco Apple. MTV Brasil. 23 de outubro de 2007. Consultado em 8 de maio de 2016. 
  35. Daw, Robbie; Wass, Mike (24 de janeiro de 2014). «Kylie Minogue's Album Covers Reviewed». Idolator. Consultado em 8 de maio de 2016. 
  36. a b «X by Kylie Minogue». Metacritic. Consultado em 10 de maio de 2016. 
  37. a b Long, Chris (16 de novembro de 2007). «Review of Kylie Minogue - X». Consultado em 10 de maio de 2016. 
  38. Rosen, Jody (17 de abril de 2008). «Kylie Minogue: X». Rolling Stone. Consultado em 10 de maio de 2016. 
  39. a b Walters, Barry (Março de 2008). "Reviews". Spin (em inglês). [S.l.]: SPIN Media LLC. Consultado em 10 de maio de 2016. 
  40. a b «Robyn and Kylie Minogue». The Village Voice. 29 de abril de 2008. Consultado em 10 de maio de 2016. 
  41. Sutherland, Mark (23 de novembro de 2007). «X - Kylie Minogue (review)». Billboard. Nielsen Business Media. Consultado em 10 de maio de 2016. 
  42. «CDs: Britney Spears, Blackout and Kylie Minogue, X». The Guardian. 11 de novembro de 2007. Consultado em 10 de maio de 2016. 
  43. Spike, Jax. «Kylie Minogue - X». About.com. The New York Times Company. Consultado em 10 de maio de 2016. 
  44. «Kylie Minogue - X (review)». musicOMH (em inglês). 26 de novembro de 2007. Consultado em 10 de maio de 2016. 
  45. Christgau, Robert. «CG: Kylie Minogue». RobertChristgau.com. Consultado em 10 de maio de 2016. 
  46. Tenório, Gilberto (4 de dezembro de 2007). «Kylie Minogue - X». Revista O Grito!. Consultado em 11 de maio de 2016. 
  47. M., Aaron (18 de janeiro de 2008). «Kylie Minogue: X». Território da Música. Consultado em 11 de maio de 2016. 
  48. Lester, Paul (9 de outubro de 2007). «What is pop?». The Guardian. Consultado em 11 de maio de 2016. 
  49. Rakowski, Ian (10 de outubro de 2007). «Kylie Minogue's new single leaked online». News.com.au. Consultado em 11 de maio de 2016. 
  50. Conferir:
  51. Conferir:
  52. «Kylie Minogue - 2 Hearts (Ultratop)». Ultratop. Consultado em 11 de maio de 2016. 
  53. a b «Kylie Minogue - Artist Chart History». Official Charts Company. Consultado em 11 de maio de 2016. 
  54. a b «Kylie Minogue - 2 Hearts (2007)». IMVDb. Consultado em 11 de maio de 2016. 
  55. «Kylie's bum is back boys!». The Sun. 11 de outubro de 2007. Consultado em 11 de maio de 2016. 
  56. «Kylie returns as 'Marilyn Minogue' in raunchy new video». Mail Online. 10 de outubro de 2007. Consultado em 11 de maio de 2016. 
  57. Adams, Cameron (17 de janeiro de 2008). «Kylie Minogue talks about leaks, love and moving on». The Herald Sun. Consultado em 11 de maio de 2016. 
  58. Lançamentos de "Wow" na Austrália (digital):
  59. Lançamentos de "Wow" no Reino Unido (digital):
  60. Lançamento de "In My Arms" na Europa (digital):
  61. «Wow by Kylie Minogue - Music Charts». Acharts.co. Consultado em 11 de maio de 2016. 
  62. «Kylie Minogue - In My Arms». Ultratop. Hung Medien. Consultado em 11 de maio de 2016. 
  63. «Video Premiere: Kylie Minogue's 'Wow' and 'In My Arms'». AceShowBiz. 30 de janeiro de 2008. Consultado em 12 de maio de 2016. 
  64. «Kylie Minogue's 'Wow' Video Banned From U.K. TV». AceShowBiz. 4 de fevereiro de 2008. Consultado em 12 de maio de 2016. 
  65. «Kylie Minogue - All I See». Amazon. Consultado em 12 de maio de 2016. 
  66. «Kylie Minogue - All I See (FMQB)». FMQB. Consultado em 12 de maio de 2016.. Cópia arquivada em 31 de março de 2008 
  67. «All I See - EP by Kylie Minogue». iTunes Store. Apple Inc. Consultado em 12 de maio de 2016. 
  68. «Kylie Minogue - Canadian Hot 100 (Chart History)». Billboard. Prometheus Global Media. Consultado em 12 de maio de 2016. 
  69. «Archívum – Slágerlisták». MAHASZ. Consultado em 12 de maio de 2016. 
  70. a b «Message from Kylie!». Kylie.com. 18 de abril de 2008. Consultado em 12 de maio de 2016. 
  71. Lançamento de "The One" na Europa (digital):
  72. Lançamento de "The One" na Oceania (digital):
  73. «Kylie Minogue - The One» (em neerlandês). Ultratop. Hung Medien. Consultado em 12 de maio de 2016. 
  74. «RadioScope New Zealand» (em inglês). Radioscope. 28 de setembro de 2008. Consultado em 12 de maio de 2016. 
  75. «SNS IFPI» (em eslovaco). Hitparáda – Radio Top 100 Oficiálna. IFPI Czech Republic. Nota: inserir 200842 para pesquisar. Consultado em 12 de maio de 2016. 
  76. «Archívum – Slágerlisták – MAHASZ» (em húngaro). Rádiós Top 40 játszási lista. MAHASZ. Consultado em 12 de maio de 2016. 
  77. «ČNS IFPI» (em tcheco). Hitparáda – Radio Top 100 Oficiální. IFPI Czech Republic. Nota: inserir 200841 para pesquisar. Consultado em 12 de maio de 2016. 
  78. a b «Video Premiere: Kylie Minogue's 'The One'». AceShowBiz. 12 de agosto de 2008. Consultado em 12 de maio de 2016. 
  79. Knight, David (13 de agosto de 2008). «Kylie's The One by Ben Ib». Promo News. Consultado em 12 de maio de 2016. 
  80. «Kylie Minogue - The Kylie Show (2007) (HD)». YouRepeat. Consultado em 10 de maio de 2016. 
  81. «Kylie and Whiley re-enact Neighbours» (em inglês). Consultado em 10 de maio de 2016. 
  82. «"Sunrise" Episode dated 14 January 2008». IMDb. Consultado em 12 de maio de 2016. 
  83. Robbie (1º de abril de 2008). «Music News: Matt Lauer Interviews Kylie Minogue, Plus Jesse McCartney, Fall Out Boy, George Michael». Towleroad. Consultado em 12 de maio de 2016. 
  84. a b «Kylie takes centre stage in US». The Age. 2 de abril de 2008. Consultado em 12 de maio de 2016. 
  85. a b c «Álbum de Kylie Minogue é fracasso de vendas nos Estados Unidos». G1. 11 de abril de 2008. Consultado em 12 de maio de 2016. 
  86. «Doctors didn't spot my breast cancer at first, Kylie reveals». Mail Online. 9 de abril de 2008. Consultado em 12 de maio de 2016. 
  87. «On the Scene: 'Idol Gives Back'». Entertainment Weekly. 7 de abril de 2008. Consultado em 12 de maio de 2016. 
  88. «Kylie: X didn't hit the spot». The Sun. News Group Newspapers. 29 de agosto de 2008. Consultado em 12 de maio de 2016.. Cópia arquivada em 14 de janeiro de 2013 
  89. "Kylie announces European tour dates". Visitado em 18 de dezembro de 2007.
  90. «Kylie Announces Tour». MTV UK. 28 de novembro de 2007. Consultado em 8 de maio de 2016. 
  91. «Kylie sells out in under 2 hours». MTV UK. 3 de dezembro de 2007. Consultado em 8 de maio de 2016. 
  92. «Kylie Minogue usa vestido transparente em abertura de turnê». Terra Música. Terra Networks. 7 de maio de 2008. Consultado em 12 de maio de 2016. 
  93. «KylieX2008 - Setlist». Setlist.fm. Consultado em 12 de maio de 2016. 
  94. «Critics Wowed By X2008 London Shows!». Kylie.com. 1º de agosto de 2008. Consultado em 12 de maio de 2016. 
  95. «Kylie Minogue - KylieX2008 (Boxscore)». Billboard Boxscore. 27 de setembro de 2008. Consultado em 12 de maio de 2016. 
  96. «Kylie - KylieX2008 (DVD) at Discogs». Discogs. Consultado em 12 de maio de 2016. 
  97. «Kylie - KylieX2008 (Blu-ray) at Discogs». Discogs. Consultado em 12 de maio de 2016. 
  98. «Kylie Minogue - For You, For Me Tour». Setlist.fm. Consultado em 12 de maio de 2016. 
  99. «X (Bonus Track Version) by Kylie Minogue». iTunes Store. Apple Inc. Consultado em 30 de abril de 2016. 
  100. «X (Bonus Track Version) by Kylie Minogue». iTunes Store. Apple Inc. Consultado em 30 de abril de 2016. 
  101. «X by Kylie Minogue». iTunes Store. Apple Inc. Consultado em 30 de abril de 2016. 
  102. «X by Kylie Minogue». iTunes Store. Apple Inc. Consultado em 30 de abril de 2016. 
  103. a b «X» (em japão). EMI Music Japan. Consultado em 12 de maio de 2016.. Cópia arquivada em 15 de março de 2012 
  104. «Kylie Minogue - X (Mexico Edition)». 991. Consultado em 14 de maio de 2016. 
  105. «Kylie Minogue - X (Sealed)». 991. Consultado em 14 de maio de 2016. 
  106. a b «Kylie – X» (em chinês). Gold Typhoon. Consultado em 12 de maio de 2016. 
  107. a b «X». Amazon.com. Consultado em 12 de maio de 2016. 
  108. «X – Kylie Minogue (MP3 Downloads)». Amazon. Consultado em 30 de abril de 2016. 
  109. «Kylie Tops Aussie Chart». Undercover. 3 de dezembro de 2007. Consultado em 12 de maio de 2016. 
  110. a b «Kylie Minogue – X». Australian-charts.com. Hung Medien. Consultado em 12 de maio de 2016. 
  111. a b «ARIA Charts – End Of Year Charts – Top 100 Albums 2007». Australian Recording Industry Association. Consultado em 12 de maio de 2016. 
  112. a b «ARIA Charts – Accreditations – 2007 Albums». Australian Recording Industry Association. Consultado em 30 de abril de 2016. 
  113. a b «Kylie Minogue – X» (em French). lescharts.com. Hung Medien. Consultado em 12 de maio de 2016. 
  114. a b «Classement Albums – année 2008» (em French). Syndicat National de l'Édition Phonographique. Consultado em 12 de maio de 2016. 
  115. a b «Certificações (França) – Kylie Minogue – X» (em francês). Syndicat National de l'Édition Phonographique. Consultado em 30 de abril de 2016. 
  116. a b «Certificações (Rússia)» (em russo). National Federation of Phonogram Producers (NFPF). Consultado em 30 de abril de 2016. 
  117. a b «Certificações (Irlanda)» (em inglês). Irish Recorded Music Association. Consultado em 30 de abril de 2016. 
  118. a b «Adatbázis – Arany- és platinalemezek – 2008» (em húngaro). Magyar Hanglemezkiadók Szövetsége. Consultado em 30 de abril de 2016. 
  119. a b «Ultratop − Goud en Platina - 2007» (em inglês). Ultratop & Hung Medien / hitparade.ch. Consultado em 30 de abril de 2016. 
  120. «Leona Lewis remains number one». Music Week. 3 de dezembro de 2007. Consultado em 12 de maio de 2016. 
  121. a b «Certificações (Reino Unido) – X» (em inglês). British Phonographic Industry. Consultado em 30 de abril de 2016. 
  122. a b カイリー・ミノーグのアルバム売り上げランキング [Kylie Minogue album sales ranking] (em Japanese). Oricon. Consultado em 12 de maio de 2016. 
  123. a b «Kylie Minogue – X» (em alemão). Ultratop. Hung Medien. Consultado em 12 de maio de 2016. 
  124. a b «TOP50 Prodejní: Minogue Kylie – X» (em Czech). IFPI Czech Republic. Consultado em 12 de maio de 2016. 
  125. a b «Top 40 album- és válogatáslemez-lista – 2008. 20. hét». MAHASZ. Consultado em 12 de maio de 2016.. Cópia arquivada em 9 de agosto de 2011 
  126. a b «Top 75 Artist Album, Week Ending 29 November 2007». Chart-Track. Irish Recorded Music Association. Consultado em 12 de maio de 2016. 
  127. Sinclair, David (28 de julho de 2008). «Kylie Minogue at the O2 Arena, London live reviews». The Times. Consultado em 12 de maio de 2016. 
  128. «Kylie Minogue – X» (em alemão). Austriancharts.at. Hung Medien. Consultado em 12 de maio de 2016. 
  129. «Kylie Minogue, X» (em alemão). Media Control. Consultado em 12 de maio de 2016. 
  130. «Kylie Minogue – X» (em francês). Ultratop. Hung Medien. Consultado em 12 de maio de 2016. 
  131. «Kylie Minogue – X». Danishcharts.com. Hung Medien. Consultado em 12 de maio de 2016. 
  132. «Kylie Minogue – X». Spanishcharts.com. Hung Medien. Consultado em 12 de maio de 2016. 
  133. «Kylie Minogue – Chart history: Billboard 200». Billboard. Prometheus Global Media. Consultado em 12 de maio de 2016. 
  134. «Kylie Minogue – Chart history: Dance/Electronic Albums». Billboard. Prometheus Global Media. Consultado em 12 de maio de 2016. 
  135. «Album – Classifica settimanale WK 48 (dal 19-11-2007 al 25-11-2007)» (em Italian). Federazione Industria Musicale Italiana. Consultado em 12 de maio de 2016. 
  136. «Kylie Minogue – X». Charts.org.nz. Hung Medien. Consultado em 12 de maio de 2016. 
  137. «Kylie Minogue – X». Dutchcharts.nl. Hung Medien. Consultado em 12 de maio de 2016. 
  138. «2007 Top 40 Official Albums Chart UK Archive». Official Charts Company. 8 de dezembro de 2007. Consultado em 12 de maio de 2016. 
  139. «Kylie Minogue – X». Swedishcharts.com. Hung Medien. Consultado em 12 de maio de 2016. 
  140. «Kylie Minogue – X». swisscharts.com. Hung Medien. Consultado em 12 de maio de 2016. 
  141. «Kylie Minogue – X (Taiwan International Albums Chart)» (em inglês). Five Music. Consultado em 28 de julho de 2016. 
  142. «European Top 20 Charts – Week Commencing 10th December 2007» (PDF). Billboard. Pandora Archive. Consultado em 4 de fevereiro de 2014. 
  143. «Rapports Annuels 2008 – Albums» (em francês). Ultratop. Hung Medien. Consultado em 12 de maio de 2016. 
  144. «2008 Year End Charts – European Top 100 Albums». Billboard.biz. Prometheus Global Media. Consultado em 12 de maio de 2016. 
  145. X – スペシャル・エディション [X – Special Edition] (em japão). EMI Music Japan. Consultado em 12 de maio de 2016.. Cópia arquivada em 15 de março de 2012 
  146. «X – Kylie Minogue». JB Hi-Fi. Consultado em 12 de maio de 2016.. Cópia arquivada em 22 de outubro de 2012 
  147. «X: Kylie Minogue» (em francês). Amazon.fr. Consultado em 12 de maio de 2016. 
  148. «X [PAL, Edition spéciale, Import]» (em francês). Amazon.fr. Consultado em 12 de maio de 2016. 
  149. «Kylie Minogue // X» (em alemão). EMI Music Germany. Consultado em 12 de maio de 2016.. Cópia arquivada em 16 de outubro de 2012 
  150. «X – Special Edition (CD + DVD)» (em alemão). Amazon.de. Consultado em 12 de maio de 2016. 
  151. «Kylie Minogue – X» (em italiano). Internet Bookshop Italia. Consultado em 12 de maio de 2016. 
  152. «Kylie Minogue – X (2 CD + DVD Video)» (em italiano). Internet Bookshop Italia. Consultado em 12 de maio de 2016. 
  153. «Kylie – X (CD+DVD)» (em chinês). Gold Typhoon. Consultado em 12 de maio de 2016. 
  154. «X by Kylie Minogue». iTunes Store (Irlanda). Apple Inc. Consultado em 12 de maio de 2016. 
  155. «Kylie Minogue: X». HMV. Consultado em 12 de maio de 2016.. Cópia arquivada em 21 de novembro de 2011 
  156. «Kylie Minogue: X: Includes Dvd». HMV. Consultado em 12 de maio de 2016.. Cópia arquivada em 21 de novembro de 2011 
  157. «Kylie Minogue : X». ShopEMI. EMI Music Canada. Consultado em 12 de maio de 2016. 
  158. «Minogue Kylie : X 2007 (CD)» (em sueco). Ginza.se. Consultado em 12 de maio de 2016. 
  159. «Kylie Minogue – X». CD Point. Consultado em 12 de maio de 2016. 
  160. «Kylie – X (SEA Limited Tour Edition CD+DVD)» (em chinês). Gold Typhoon. Consultado em 12 de maio de 2016. 
  161. «Kylie X: Tour Edition». Sanity. Consultado em 12 de maio de 2016.