Eleições estaduais na Paraíba em 1955

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
‹ 1954 Brasil 1958
Eleições estaduais na  Paraíba em 1955
3 de outubro de 1955
(Turno único)
FlavioRibeiroCoutinho.jpg Replace this image male.png
Candidato Flávio Coutinho Renato Bastos
Partido UDN PST
Natural de Pilar, PB Não disponível
Vice Pedro Gondim Não havia
Votos 180.228 19.251
Porcentagem 90,35% 9,65%


Brasão da Paraíba.svg
Governador da Paraíba

As eleições estaduais na Paraíba em 1955 aconteceram em 3 de outubro como parte das eleições gerais em nove estados cujos governadores exerciam um mandato de cinco anos.[nota 1][nota 2][1]

Graças às articulações de José Américo de Almeida visando a sua sucessão, os grandes partidos realizaram um acordo em torno do nome de Flávio Coutinho ao Palácio da Redenção. Médico graduado em 1907 pela Universidade Federal da Bahia, ele exerceu sua profissão em Belém antes de retornar à Paraíba onde se estabeleceu como usineiro à frente da Usina Santa Rita. Correligionário de Epitácio Pessoa, foi prefeito de Itabaiana por breve período. Em 1924 foi eleito deputado estadual, porém renunciou ao ser escolhido segundo vice-presidente do estado no governo João Suassuna. Eleito deputado federal, teve o mandato extinto por causa da Revolução de 1930.[2] A seguir militou em partidos de âmbito estadual e durante o Estado Novo integrou órgãos como o Conselho de Administração e presidiu o Departamento Administrativo da Paraíba, além de presidir a Associação Comercial do respectivo estado e o Sindicato da Indústria do Açúcar, o qual fundou. Nascido em Pilar, foi prócer e fundador da UDN paraibana ao lado de José Américo de Almeida e Argemiro de Figueiredo, presidiu o diretório estadual da legenda e foi eleito deputado estadual em 1947 figurando como suplente de deputado federal no pleito seguinte. Eleito governador em 1955 para um mandato de cinco anos, licenciou-se do cargo para tratamento de saúde e por fim renunciou. Ressalte-se que o percentual obtido por Flávio Coutinho jamais foi superado na história paraibana.[3][4][nota 3][nota 4][nota 5]

A eleição para vice-governador foi decidida em prol do advogado Pedro Gondim. Nascido em Alagoa Nova e diplomado na Universidade Federal de Pernambuco em 1938, ingressou no PSD nos agonizes do Estado Novo elegendo-se deputado estadual em 1947, 1950 e 1954, mandato do qual se licenciou para assumir a Secretaria de Agricultura no governo José Américo de Almeida.[5] Eleito vice-governador na condição de candidato único em 1955, assumiu o governo em 1958 por conta da licença que o governador Flávio Coutinho solicitou para tratamento de saúde e foi governador interino até renunciar a fim de concorrer ao executivo estadual em 1960.[6][nota 6]

Resultado da eleição para governador[editar | editar código-fonte]

Segundo o Tribunal Superior Eleitoral houve 199.479 votos nominais (97,53%), 37.425 votos em branco (0,75%) e 2.859 votos nulos (1,69%), resultando no comparecimento de 239.763 eleitores.[1]

Candidatos a governador do estado
Candidatos a vice-governador Número Coligação Votação Percentual
Flávio Coutinho
UDN
Ver abaixo
-
-
UDN, PSD, PL, PSB
180.228
90,35%
Renato Bastos
PST
Não havia
-
-
PST (sem coligação)
19.251
9,65%
  Eleito(a)

Resultado da eleição para vice-governador[editar | editar código-fonte]

Conforme mencionado acima, a eleição para vice-governador teve candidato único. Foram apurados também 56.890 votos em branco (23,74%) e 2.721 votos nulos (1,13%), resultando no comparecimento de 239.763 eleitores.[1]

Candidatos a vice-governador
Candidatos a governador do estado Número Coligação Votação Percentual
Pedro Gondim
PSD
Ver acima
-
-
UDN, PSD, PL, PSB
180.152
100%
  Eleito(a)

Notas

  1. Alagoas, Maranhão, Mato Grosso, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Rio Grande do Norte e Santa Catarina.
  2. Os governadores eleitos em 1947 terminariam seus mandatos no mesmo dia que o presidente Eurico Gaspar Dutra e a partir de então alguns estados fixaram em cinco anos o mandato de seus governadores na ausência de uma vedação constitucional, e assim os estados acima faziam eleições a cada lustro. Goiás aderiu à regra do quinquênio em 1960.
  3. A cidade de Itabaiana mencionada nesta página é a que fica na Paraíba, não a cidade homônima que fica em Sergipe.
  4. O cargo de vice-presidente equivalia ao de vice-governador do estado.
  5. Em toda a história o país, somente os 95,90% de Edmundo Macedo Soares no Rio de Janeiro em 1947 superam o percentual estabelecido por Flávio Coutinho.
  6. O governo interino de Pedro Gondim durou de 04 de janeiro de 1958 à 18 de março de 1960, assim o poder foi entregue ao deputado José Fernandes de Lima, presidente da Assembleia Legislativa da Paraíba, quando o governador Flávio Coutinho renunciou ao cargo meses depois.

Referências

  1. a b c «Banco de dados do Tribunal Superior Eleitoral». Consultado em 13 de julho de 2016 
  2. «Câmara dos Deputados do Brasil: deputado Flávio Coutinho». Consultado em 13 de julho de 2017 
  3. Governador da Paraíba renunciou (online). Jornal do Brasil, Rio de Janeiro (RJ), 02/08/1960. Primeiro caderno, p. 04. Página visitada em 13 de julho de 2017.
  4. «Banco de dados do Tribunal Regional Eleitoral da Paraíba». Consultado em 13 de julho de 2017 
  5. «Câmara dos Deputados do Brasil: deputado Pedro Gondim». Consultado em 13 de julho de 2017 
  6. Gondin (sic) deixou o governo da Paraíba com medo de que o titular viesse a morrer (online). Jornal do Brasil, Rio de Janeiro (RJ), 20/03/1960. Primeiro caderno, p. 05. Página visitada em 13 de julho de 2017.