Hífen

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde março de 2015). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
-

Sinais gráficos

apóstrofo ( ' ) ( )
parênteses ( ( ) )
colchetes ou parênteses retos[ ] )
chaves ou chavetas ( { } )
dois pontos ( : )
vírgula ( , )
travessão ( ) ( )
meia-risca ( )
hífen ( )
reticências ( )
ponto final ( . )
ponto de exclamação ( ! )
ponto de interrogação ( ? )
pontos de interrogação e de exclamação invertidos ( ¿ ) ( ¡ )
til ( ~ )
ponto e vírgula ( ; )
barra ( / )
espaço (   )
ponto mediano, mid dot ou mini mid dot ( · )

Outros sinais tipográficos

ampersand ou e comercial ( & )
asterisco ( * )
símbolo de direitos autorais ( © )
arroba ( @ )
aspas ( “ ” )
barra inversa ou contrabarra ( \ )
chevron ( < > )
moeda ( ¤ )
ponto lista ( )
obelisco ( ) ( )
grau ( ° )
indicador ordinal ( ) ( )
cerquilha ou cardinal ( # )
plica ( )
parágrafo ( § )
pé de mosca ( )
porcentagem ( % )
símbolos matemáticos
      ( + ) ( ) ( × ) ( ÷ ) ( = ) ( ± )
símbolos monetários
      ( ¤ ) ( $ ) ( ¢ ) ( £ ) ( ¥ ) ( )
traço inferior ou underscore ( _ )
barra vertical ou pipe ( | )
sinal de conclusão ( .·. )
sinal de idem ( )
dois pontos triangulares ( ː )

sinais diacríticos · editar 

O hífen é um sinal diacrítico[1] de pontuação usado para ligar os elementos de palavras compostas (couve‐flor; ex‐presidente) e para unir pronomes átonos a verbos (ofereceram‐me; vê‐lo‐ei).[2]

Serve igualmente para fazer a translineação de palavras, isto é, no fim de uma linha, separar uma palavra em duas partes (ca‐/sa; compa‐/nheiro).

O hífen costuma ser também usado para unir os valores extremos de uma série, como números (1–10), letras (A–Z) ou outras, indicando ausência de intervalos na enumeração. Entretanto, o uso correcto em tal pretexto seria a meia-risca (Ferrovia Cabo–Cairo).

Tipografia[editar | editar código-fonte]

O hífen tipográfico é bastante curto, ‐. Entretanto, o uso de fontes de máquinas de escrever e computador monoespaçadas, assim como a conveniência na digitação, levou à difusão do hífen‐menos indiferenciado, -.

Não confundir[editar | editar código-fonte]

O hífen não é o mesmo que a meia-risca, nem que o travessão, nem que a subtração.

  • A meia‐risca, maior, serve para ligar elementos em série (ex.: 1997–2006, ou A–Z, ou Lisboa–Porto).
  • O travessão, muito maior, serve para indicar mudança de interlocutor e para isolar palavras ou expressões.
  • O sinal de menos, menor, é usado na matemática para indicar a subtração de determinado número.

Note as diferenças:

— Travessão
– Meia‐risca
‐ Hífen
- Hífen‐menos
− Subtração

Uso do hífen com prefixos[editar | editar código-fonte]

Com certos prefixos, só devemos usar hífen se a palavra seguinte começar com H, R, S ou vogal igual. Se o segundo elemento começar por uma vogal diferente, devemos escrever tudo junto (sem hífen). Estas regras são simplificadas pelo Acordo Ortográfico de 1990.

Exemplos:

auto-adesivo (passa a autoadesivo), auto-análise (passa a autoanálise), autobiografia, autoconfiança, autocontrole, autocrítica, autodestruição, autodidata, auto-escola (passa a autoescola), autógrafo, auto-hipnose, auto-idolatria (passa a autoidolatria), automedicação, automóvel, auto-observação, autopeça, autopiedade, autopromoção, auto-retrato (passa a autorretrato), auto-serviço (passa a autosserviço), auto-suficiente (passa a autossuficiente), auto-sustentável (passa a autossustentável), autoterapia;

contra-almirante, contra-ataque, contrabaixo, contraceptivo, contracheque, contradança, contradizer, contra-espião (passa a contraespião), contrafilé, contragolpe, contra-indicação (passa a contraindicação), contramão, contra-ordem (passa a contraordem), contrapartida, contrapeso, contraponto, contraproposta, contraprova, contra-reforma (passa a contrarreforma), contra-senso (passa a contrassenso), contraveneno;

extraconjugal, extracurricular, extraditar, extra-escolar (passa a extraescolar), extragramatical, extra-hepático, extrajudicial, extra-oficial (passa a extraoficial), extrapartidário, extraterreno, extraterrestre, extratropical, extravascular.

infra-assinado, infracitado, infra-estrutura (passa a infraestrutura), infra-hepático, inframaxilar, infra-ocular (passa a infraocular), infra-renal (passa a infrarrenal), infra-som (passa a infrassom), infravermelho, infravioleta;

intra-abdominal, intracelular, intracraniano, intracutâneo, intragrupal, intra-hepático, intralinguístico, intramolecular, intramuscular, intranasal, intranet, intra-ocular (passa a intraocular), intra-racial (passa a intrarracial), intratextual, intra-uterino (passa a intrauterino), intravenoso, intrazonal;

neo-acadêmico (passa a neoacadêmico), neobarroco, neoclassicismo, neocolonialismo, neofascismo, neofriburguense, neo-hamburguês, neo-irlandês (passa a neoirlandês), neolatino, neoliberal, neologismo, neonatal, neonazista, neo-romântico (passa a neorromântico), neo-socialismo (passa a neossocialismo), neozelandês;

protocolar, proto-evangelho (passa a protoevangelho), protofonia, protagonista, proto-história, protoneurônio, proto-orgânico, prototórax, protótipo, protozoário.

pseudo-artista (passa a pseudoartista), pseudocientífico, pseudo-edema (passa a pseudoedema), pseudofilosofia, pseudofratura, pseudomembrana, pseudoparalisia, pseudopneumonia, pseudópode, pseudoproblema,

semi-aberto (passa a semiaberto), semi-alfabetizado (passa a semialfabetizado), semi-árido (passa a semiárido), semibreve, semicírculo, semiconsciência, semidestruído, semideus, semi-escravidão (passa a semiescravidão), semifinal, semi-inconsciência, semi-interno, semiletrado, seminu, semi-reta (passa a semirreta), semi-selvagem (passa a semisselvagem), semitangente, semitotal, semi-úmido (passa a semiúmido), semivogal;

supra-anal, supracitado, supra-hepático, supramencionado, suprapartidário, supra-renal (passa a suprarrenal), supra-sumo (passa a suprassumo), supravaginal;

ultra-aquecido, ultracansado, ultra-elevado (passa a ultraelevado), ultrafamoso, ultrafecundo, ultra-hiperbólico, ultrajudicial, ultraliberal, ultramarino, ultranacionalismo, ultra-oceânico (passa a ultraoceânico), ultrapassagem, ultra-radical (passa a ultrarradical), ultra-romântico (passa a ultrarromântico), ultra-sensível (passa a ultrassensível), ultra-som (passa a ultrassom), ultra-sonografia (passa a ultrassonografia), ultravírus.

Prefixos hiper, inter, super e sub[editar | editar código-fonte]

Se a palavra começar por B, R ou H, o hífen é obrigatório. Se a palavra começar por vogal ou consoante diferente, o hífen não deverá ser usado.

hiper-hidratação, hiper-reativo, hiper-humano, hiper-realismo, hiperativo, hiperglicemia, hiperinflação, hipermercado, hipermiopia, hiperprodução, hipersensibilidade, hipertrofia, hipertensão, hipertireoidismo, hipertexto, inter-relação, inter-regional, inter-racial, inter-humano, inter-helênico interação, interativo, intercâmbio, intercessão, interclubes, intercolegial, interface, interlinguístico, interlocutor, intermunicipal, intertextualidade, intervocálico, super-habilidade, super-racional, super-homem, super-requintado, superinvestidor, supermercado, superpopulação, supersecreto, superlotado, supervisão, supercílio, supersônico, sub-base, sub-reino, sub-reitor, sub-raça, subtítulo, subtotal, subeditor, subentendido, subgrupo, subconjunto, subpovoado, sublocação, sublingual, subnutrido, submundo, suboficial, subprefeito, subsolo, subterrâneo.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Nota: saiba como teclar uma meia-risca ou um travessão nos seus respectivos artigos da Wikipédia.

Obs.: O travessão feito pelo teclado deveria ser mais usado corretamente quando o caracter "undescore" é aplicado. Para tal, faz-se uso da tecla shift em conjunto com a tecla do algarismo 6 (seis) no teclado maior. O resultado será "_" ou "__" (se preferir maior). Hoje, utiliza-se mais o "-" (hífen) do que o "_" (travessão na base da letra ou underscore).

Referências

  1. Sabrina Vilarinho. Hífen - Acordo Ortográfico (em português) R7 Brasil Escola. Visitado em 29 de setembro de 2013.
  2. Vânia Duarte. O emprego do hífen (em português) R7 Brasil Escola. Visitado em 15 de julho de 2013.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]