João de Deus e Mattos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
João de Deus e Mattos
Nascimento Desconhecido
Desconhecido
Morte Desconhecido
Desconhecido
Cidadania Brasil
Alma mater Universidade de Coimbra
Ocupação cientista

João de Deus e Mattos foi um cientista brasileiro, especialmente voltado a estudos de taxidermia. Estudou ciências na Universidade de Coimbra. Esteve à frente da gestão do Museu Nacional, de 1822 a 1823 e de 1835 a 1837. Antes de assumir a direção do museu, atuou como preparador, porteiro e guarda da instituição. Foi em sua gestão que foi incorporada ao acervo a coleção de tucanos, doada por José Bonifácio de Andrade e Silva.[1] Este, também selecionou as penas de tucanos que foram usadas na produção do manto imperial de Dom Pedro I. Aposentou-se do museu em 1952, após trinta e quatro anos de vínculo com a instituição.[2][3][4]

Foi discípulo de Francisco Xavier Cardoso Caldeira, o Xavier dos Pássaros, no ofício de taxidermização. Sua formação em taxidermia levou-o a curar esse tipo de itens no acervo geral do Museu Nacional.[3][5] Aposentado, doou para o acervo do museu uma coleção de 2 000 itens marinhos.[6]

Referências

Precedido por
Frei José da Costa Azevedo
Diretor(a) do Museu Nacional
1822 — 1823
Sucedido por
João da Silva Caldeira
Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) cientista é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.