José Carlos Bernardo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde junho de 2018). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Gnome globe current event.svg
Este artigo ou seção se refere ou tem relação com alguém que morreu recentemente.
A informação apresentada pode mudar com frequência. Não adicione especulações, nem texto sem referência a fontes confiáveis. (Editado pela última vez em 13 de junho de 2018.)
Twemoji 1f464.svg
Disambig grey.svg Nota: Se procura outras pessoas com o mesmo cognome, veja Zé Carlos.
José Carlos Bernardo
Nascimento 28 de abril de 1945
Juiz de Fora
Morte 12 de junho de 2018 (73 anos)
Cidadania Brasil
Estatura 172 centímetros
Peso 73 quilogramas
Ocupação futebolista

José Carlos Bernardo (Juiz de Fora, 28 de abril de 1945 - Belo Horizonte, 12 de junho de 2018), conhecido como Zé Carlos, foi um jogador de futebol brasileiro.

Contratado ao Sport Club Juiz de Fora em 1965, durante os três primeiros anos na Raposa revezou no meio de campo com os titulares Piazza, Tostão e Dirceu Lopes.

Em 1969, o técnico Gérson dos Santos acabou com o problema. Audacioso, lançou o sistema que chamava de "quadrado", no qual os quatro jogavam juntos. Tostão foi deslocado para jogar no ataque e o esquema deu certo.

Habilidoso, antevia as jogadas e executava passes e lançamentos preciosos. Outra qualidade sua eram as cobranças de falta e as finalizações a gol. Até 2015 era o jogador que por mais vezes havia atuado com a camisa estrelada, foram 619 jogos entre 1965 e 1977. Em 2015 a marca foi ultrapassada pelo goleiro Fábio. Nesse período foi campeão, dentre outros, da taça Brasil e da copa libertadores o que o coloca entre os grandes ícones da torcida cruzeirense.

Em 1978 foi levado pelo mineiro de Bom Jardim de Minas, Carlos Alberto Silva (1939/2017) para jogar no Guarani de Campinas. Carlos Alberto, em Minas, havia dirigido a Caldense.

Os que viveram à época afirmam que Zagallo não o levou para a Copa de 1970, no México, porque o lobby da imprensa paulista em prol de Clodoaldo era muito grande. Já Dirceu Lopes, os analistas afirmam que ele, Dirceu Lopes, teve a "infelicidade" de jogar na mesma posição de Pelé. Para levar Dirceu, Zagallo precisaria fazer sua terceira improvisação no time. As duas outras foram Piazza na zaga e Rivelino deslocado para a ponta esquerda, com Edu, do Santos, sendo barrado.

Zé Carlos sofria de sequelas de um Acidente vascular cerebral Isquêmico, e contou com a ajuda não só do Cruzeiro, mas também dos torcedores do clube mineiro. O ex-jogador veio a falecer no dia 12 de junho de 2018, aos 73 anos.[1]

Títulos[editar | editar código-fonte]

Guarani

Referências


Bandeira de BrasilSoccer icon Este artigo sobre um futebolista brasileiro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.