Surucucu

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Lachesis muta)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura a surucucu africana, veja Biúta.
Como ler uma infocaixa de taxonomiaSurucucu
Lachesis muta muta
Lachesis muta muta
Estado de conservação
Espécie vulnerável
Vulnerável
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Reptilia
Ordem: Squamata
Subordem: Serpentes
Família: Viperidae
Género: Lachesis
Espécie: L. muta
Nome binomial
Lachesis muta
(Linnaeus, 1766)

Lachesis muta, vulgarmente conhecida como surucucu, surucutinga, surucucutinga, surucucu-de-fogo, surucucu-pico-de-jaca e cobra-topete,[1] é a maior serpente peçonhenta da América Latina[2].[3] O Brasil possui duas subespécies do gênero Lachesis: L. muta muta e L. muta rhombeata. [4]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

Surucucu vem do tupi suruku'ku, ç'uru cu cu ou çuú'u'u significa “que morde muito”.[5][1] Já "surucucutinga" e "surucutinga" vêm do tupi suruku'kutinga, ou seja, "surucucu branca".

Seu gênero, Lachesis, é uma referência a Láquesis, uma das três Moiras mitológicas gregas que decidiam o destino dos seres humanos e deuses. Muta ("muda" em latim) é uma referência ao fato de a surucucu vibrar sua cauda, como a cascavel, sem, no entanto, produzir o ruído que esta produz.[carece de fontes?]

Características[editar | editar código-fonte]

Apresenta grande porte, chegando atingir 3,5 metros de comprimento.[6] Fosseta loreal bem aparente entre o olho e a narina.[6] Porção dorsal da cabeça apresenta tom amarelo-alaranjado, com várias manchas escuras e de tamanhos irregulares.[6] O corpo também apresenta tons amarelo-alaranjados ou claro com manchas negras em forma de losangos mais claros no centro distribuídos ao longo do corpo.[6] Escamas dorsais pontudas, o que lembra a casca da jaca.[6] O ventre é branco. A cauda é curta, negrejada e com escamas eriçadas na ponta. [6]

Acidentes[editar | editar código-fonte]

Acidentes com serpentes do gênero Lachesis, são chamados, acidentes laquéticos.[7]

Acidentes ofídicos por Lachesis têm pouca frequência, porém com alto grau de severidade que se caracteriza por acentuado dano tecidual e efeitos sistêmicos como: hipotensão e bradicardia, tonturas, náuseas, além de cólicas abdominais e diarréia.[2] Representam cerca de 1,4 % dos acidentes que ocorrem por ano no Brasil.[8]

Ao contrário do que muitos acreditam, serpentes não vão intencionalmente até uma pessoa para picá-la. Os acidentes ocorrem porque as vítimas não percebem a sua presença e se aproximam demasiadamente.[9] Por isso quando se está em seu habitat natural, deve-se ter atenção redobrada, além de se estar devidamente calçado, com botas de cano alto ou perneiras de couro, botinas, sapato fechado, uma vez que a maioria dos acidentes (cerca de 80%) ocorrem nos membros inferiores (pés e pernas).[7]

Habitat[editar | editar código-fonte]

Vive em florestas densas, principalmente na Amazônia, mas conhecem-se registros na literatura da presença desse animal até em áreas isoladas de resquícios de Mata Atlântica como na região de Serra Grande, município de Uruçuca, na Bahia.[3]

A espécie Lachesis muta, está ameaçada de extinção, enquadrada na categoria de Espécie vulnerável (VU).[10]

No estado da Bahia ocorre nos municípios de: Amargosa, Belmonte, Camamu, Entre Rios, Ibicaraí, Ilhéus, Itacaré, Maraú, Mutuípe, Pau brasil, Piraí do Norte, Santa Cruz de Cabrália, São Felipe, Teixeira de Freitas, Una, Uruçuca e Valença.[11]

Referências

  1. a b FERREIRA, A. B. H. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. Segunda edição. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986. p.1634
  2. a b CREMONES, C.M. Estudo da ação antiofídica do extrato das folhas e do suco de graviola (Annona muricata) no envenenamento por Lachesis muta rhombeata. 2011. 76p. Dissertação (Mestrado). Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto - Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2011.
  3. a b Da redação (21 de agosto de 2015). «'Globo Rural' destaca a maior serpente venenosa das Américas». Consultado em 3 de julho de 2017. 
  4. ROSENTHAL, R.; MEIER, J.; KOELZ, A.; MÜLLER, C.; WEGMANN, W.; VOGELBACH, P. (julho 2001). «Intestinal ischemia after bushmaster (Lachesis muta) snakebite - a case report». Elsevier Science Ltd. doi:10.1016/S0041-0101(01)00203-3. Consultado em 12 nov. 2018. 
  5. Teodoro Sampaio (1987). O Tupí na geografia nacional. [S.l.]: Cia. Editora Nacional. 359 páginas. ISBN 9788504002126 
  6. a b c d e f Argôlo 2004, p.181
  7. a b «Acidentes por animais peçonhentos - Serpentes». Ministério da Saúde. Maio 2017. Consultado em 12 nov. 2018. 
  8. PINHO, F.M.O.; PEREIRA, I.D. (Janeiro–Março 2001). «Ofidismo». São Paulo. Revista da Associação Medica Brasileira. 47 (1). doi:10.1590/S0104-42302001000100026. Consultado em 12 nov. de 2018. 
  9. BERNARDE, P. S. (2009). «Acidentes Ofídicos» (PDF). Universidade Federal do Acre - UFAC. Laboratório de Herpetologia - Centro Multidisciplinar - campus Floresta: 2. Consultado em 12 nov. 2018. 
  10. «Lista Oficial das Espécies da Fauna Ameaçadas de Extinção do Estado da Bahia.». Secretaria do Meio Ambiente. Agosto 2017. Consultado em 12 nov. 2018. 
  11. BRAZIL, T. K. (2010). Catálogo da fauna terrestre de importância médica na Bahia. Salvador: SciELO-EDUFBA. pp. p. 49 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Argôlo, Antônio Jorge Suzart (2004). As serpentes dos cacauais do sudeste da Bahia (pdf). Ilhéus: Editus. ISBN 85-7455-067-1 
  • Bernarde, Paulo Sérgio (2009). Acidentes ofídicos (PDF). [S.l.]: UFAC-Acre. Consultado em 15 de novembro de 2016. 
  • BERNARDE$^1$, Paulo Sérgio; de Oliveira GOMES, Jáson (2012). «Serpentes peçonhentas e ofidismo em Cruzeiro do Sul, Alto Juruá, Estado do Acre, Brasil» (PDF). Consultado em 15 de novembro de 2016. 
  • Bernarde, Paulo Sergio (2011). «Mudanças na classificação de serpentes peçonhentas brasileiras e suas implicações na literatura médica». Gazeta Médica da Bahia (1). Consultado em 15 de novembro de 2016. 
  • Bolaños, R.; Rojas, Oscar; Ulloa Flores, Carlos E. (1982). «Aspectos biomedicos de cuatro casos de mordedura de serpiente por Lachesis muta (Ophidia: Viperidae) en Costa Rica.». Rev. biol. trop. 30 (1): 53–8. Consultado em 15 de novembro de 2016. 
  • Carvalho Júnior, Arlindo Monteiro de; Alencar, Valma Pereira de; Costa, Fábio Gonçalves da; Cabral, Berenice; Dias, Edenilza Pereira de Farias; Arruda Júnior, Evanizio Roque de (1994). [http://bases.bireme.br/cgi-bin/wxislind.exe/iah/online/?
  • Cunha, Osvaldo Rodrigues da; Nascimento, Francisco Paiva do (1975). «Ofídios da Amazônia. VII. As serpentes peçonhentas do gênero Bothrops (jararacas) e Lachesis (surucucu) da região leste do Pará.(Ophidia, Viperidae)» 
  • Damico, Daniela CS; Bueno, Lilian GF; Rodrigues-Simioni, Léa; Marangoni, Sérgio; da Cruz-Höfling, Maria Alice; Novello, José Camillo (2005). %5bhttp://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S004101010500139X «Neurotoxic and myotoxic actions from Lachesis muta muta (surucucu) whole venom on the mouse and chick nerve–muscle preparations»%5d. Toxicon. 46 (2): 222–229. Consultado em 15 de novembro de 2016. 
  • Damico, Daniela CS; Lilla, Sérgio; de Nucci, Gilberto; Ponce-Soto, Luis A.; Winck, Flávia V.; Novello, José Camillo; Marangoni, Sérgio (2005). %5bhttp://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0304416505001777 «Biochemical and enzymatic characterization of two basic Asp 49 phospholipase A 2 isoforms from Lachesis muta muta (Surucucu) venom»%5d. Biochimica et Biophysica Acta (BBA)-General Subjects. 1726 (1): 75–86. Consultado em 15 de novembro de 2016. 
  • Ferreira, Tatiane; Camargo, Enilton A.; Ribela, Maria Teresa CP; Damico, Daniela C.; Marangoni, Sergio; Antunes, Edson; De Nucci, Gilberto; Landucci, Elen CT (2009). %5bhttp://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0041010108005564 «Inflammatory oedema induced by Lachesis muta muta (Surucucu) venom and LmTX-I in the rat paw and dorsal skin»%5d. Toxicon. 53 (1): 69–77. Consultado em 15 de novembro de 2016. 
  • de Freitas, Marco Antonio (2014). %5bhttps://www.researchgate.net/profile/Marco_Freitas2/publication/274042587_Chec_List_Squamatas_da_Mata_Atlantica_Norte_da_Bahia/links/5512cbe10cf268a4aaeb1142.pdf «Squamate reptiles of the Atlantic Forest of northern Bahia, Brazil»%5d (PDF). Check List. 10 (5): 1020–1030. Consultado em 15 de novembro de 2016. 
  • Lang, Kirsty (6 de outubro de 2013). Trying to save the heat-seeking Atlantic bushmaster. %5bS.l.%5d: BBC News 
  • Martins, Marcio; Molina, F. de B. (2008). %5bhttps://www.researchgate.net/profile/Marcio_Martins5/publication/273130334_Panorama_geral_dos_rpteis_ameaados_do_Brasil/links/54f868b20cf210398e968730.pdf «Panorama geral dos répteis ameaçados do Brasil»%5d (PDF). Livro vermelho da Fauna Brasileira ameaçada de extinção (ABM Machado, GM Drummond, AP Paglia, ed.). MMA, Brasília, Fundação Biodiversitas, Belo Horizonte: 327–334. Consultado em 15 de novembro de 2016. 
  • Nascimento, Francisco Paiva do; Cunha, Osvaldo Rodrigues da (1975). %5bhttp://repositorio.museu-goeldi.br/handle/mgoeldi/763 «Ofídios da Amazônia. VII. As serpentes peçonhentas do gênero Bothrops (jararacas) e Lachesis (surucucu) da região leste do Pará.(Ophidia, Viperidae)»%5d. Consultado em 15 de novembro de 2016. 
  • Pardal, Pedro Pereira de Oliveira; Bezerra, Ismael Silva; Rodrigues, Liliam da Silva; Pardal, Joseana Silva de Oliveira; Farias, Paulo Henrique Seabra de (2007). %5bhttp://scielo.iec.pa.gov.br/scielo.php?pid=S0101-59072007000100007&script=sci_arttext&tlng=es «Acidente por surucucu (Lachesis muta muta) em Belém-Pará: relato de caso»%5d. Revista Paraense de Medicina. 21 (1): 37–42. Consultado em 15 de novembro de 2016. 
  • Sanchez, E. O.; Magalhaes, A. (1990). %5bhttp://europepmc.org/abstract/med/1823238 «Purification and partial characterization of an L-amino acid oxidase from bushmaster snake (Surucucu Pico de Jaca) Lachesis muta muta venom.»%5d. Brazilian journal of medical and biological research= Revista brasileira de pesquisas medicas e biologicas/Sociedade Brasileira de Biofisica...%5bet al.%5d 24 (3): 249–260. Consultado em 15 de novembro de 2016. 

IsisScript=iah/iah.xis&src=google&base=LILACS&lang=p&nextAction=lnk&exprSearch=190848&indexSearch=ID «Acidentes ofídicos por surucucu (Lachesis muta rhombeata): relato de dois casos atendidos no HU»] Verifique valor |url= (ajuda) (PDF). CCS. 13 (3): 11–4. Consultado em 15 de novembro de 2016.  line feed character character in |url= at position 57 (ajuda)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Surucucu
Wikispecies
O Wikispecies tem informações sobre: Surucucu
Ícone de esboço Este artigo sobre Répteis, integrado no Projeto Anfíbios e Répteis é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.