Lutherstadt

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Lutherstädte (alemão para "cidades de Lutero"; singular: Lutherstadt) referem-se às cidades onde o alemão, reformador protestante Martinho Lutero visitou ou desempenhou um papel importante. Duas cidades, Lutherstadt Eisleben e Lutherstadt Wittenberg, têm "Lutherstadt" em seus nomes oficiais, enquanto Mansfeld-Lutherstadt é o nome extra-oficial de um bairro em Manfeld.[1] Estes três lugares que foram importantes para a vidade de Lutero foram premiados com o "Rótulo de Patrimônio Europeu".

União de Lutherstädte [editar | editar código-fonte]

A União de Lutherstädte foi fundada em 1993, por ocasião do 125º aniversário do monumento em memória de Martin Lutero em Worms. É formado por 16 cidades onde Lutero e seus ensinamentos desempenharam um papel importante.[2] :

Prêmio Das unerschrockene Wort[editar | editar código-fonte]

Na memória a obra de Martinho Lutero, membros de 16 cidades da União de Lutherstädte têm concedido o prêmio Das unerschrockene Wort ("O intrépido palavra") (10.000 euros) a cada dois anos desde 1996. O prêmio é concedido a pessoas "que, em palavras e em atos, contra a resistência, fez importantes declarações em uma situação ou para uma ocasião especial para o município ou o estado". Vencedores podem ser alemães ou estrangeiros.[3].

O prêmio foi concedido pela primeira vez em Worms, em 1996, e desde 1999 é concedido a cada dois anos. Os vencedores foram [4]:

  • 1996: Richard Schröder, teólogo e filósofo, por sua firme posição na RDA. Prêmio atribuído em Worms.
  • 1999: Hans Küng, teólogo: adjudicado em Eisenach para a firmeza com que ele representou o seu teses sobre a doutrina da fé Católica.
  • 2001: Uta Leichsenring: Presidente da polícia de Eberswalde; Concedido em Erfurt por seu comportamento corajoso contra o extremismo de direita e ataques xenófobos.
  • 2003: Gertraud Knoll : Pastor e político austríaco; Premiado em Magdeburg por seu compromisso contra o racismo.
  • 2005: Stephan Krawczkyk : Cantor e autor; premiado em Halle por suas apresentações em igrejas, apesar da censura do regime comunista SED.
  • 2007: Emel'Zeynelabidin: premiado em Speyer por sua decisão de não usar um lenço de cabeça como muçulmano.
  • 2009: Andrea Röpke: jornalista e cientista político; premiado em Zeitz por sua pesquisa sobre grupos de direita e subseqüente luta contra a violência de direita.
  • 2011: Dmitri Muratow e Novaya Gazeta : adjudicado em Heidelberg, por seus esforços contra a corrupção e as violações contra os direitos humanos e para o seu apego à liberdade de expressão e de imprensa na Rússia.
  • 2013 : Keine Bedienung für Nazistas : Iniciativa de alguns proprietários de hotéis em Regensburg de não fornecer serviços para racistas em suas instituições. Pussy Riot foi nomeado controversamente por esse preço. Premiado em abril de 2013 em Eisleben[5].
  • 2015: Mazen Darwish, Advogado e jornalista sírio; e o Centro de mídia e liberdade de expressão da Síria, premiado em Wittenberg.[6]
  • 2017: Markus Nierth, ex-prefeito honorário de Tröglitz e sua esposa Susanne Nierth, bem como o casal antinazista Horst e Birgit Lohmeyer, premiado em Torgau por sua ação contra o extremismo de direita.[7]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Notas e referências[editar | editar código-fonte]