Minas & Armadilhas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Minas & Armadilhas
Informação geral
Origem Lisboa
País  Portugal
Gênero(s) Punk rock
Período em atividade 1978 - 1979
Influência(s) Sex Pistols, The Clash
Integrantes Paulo Borges
Paulo Ramos
Zé Eduardo
Peter Machado

Minas & Armadilhas foi uma das primeiras bandas portuguesas de punk rock, formada em Lisboa em 1978. Tiveram uma passagem efêmera e sem qualquer registo discográfico.[1][2]

História[editar | editar código-fonte]

Com influências do movimento e cultura punk que surgiu em Inglaterra no final da década de setenta, os Minas & Armadilhas abraçam os valores de contra cultura num ato de revolta contra o status quo e o conformismo social que rapidamente se voltou a instalar no Portugal pós 25 de Abril.[3]

A banda era formada por Paulo Borges (voz), Paulo Ramos (guitarra), Zé Eduardo (baixo) e Peter Machado (bateria).[4] Realizam o primeiro concerto no dia 5 de maio de 1979 no liceu D. Pedro V em Lisboa juntamente com os Aqui d’el-Rock e Xutos & Pontapés.[2][5] Participam no dia 3 de junho de 1979 no "Festival Antinuclear - Pelo Sol" no Parque Eduardo VII em Lisboa com os UHF, Trovante, Rão Kyao, Pedro Barroso, Vitorino, Fausto, entre outros.[6] A sua atuação fica marcada pelo incêndio no amplificador emprestado pelos UHF e que condicionou as atuações das restantes bandas.[5] Faziam a sua própria divulgação distribuindo a fanzine "Estado de Sítio", editada por Paulo Borges, sobre notícias da música punk e informação da atividade da banda. A edição de fanzines tornou-se uma espécie de auto promoção das bandas, pois o rock não era divulgado em Portugal pelas rádios, jornais nem pela televisão.[7]

Realizam o último concerto em outubro de 1979 na Sociedade Filarmónica Alunos de Apolo com o guitarrista João Cabeleira no lugar de Paulo Ramos, que tinha deixado o grupo meses antes. À semelhança dos Faíscas, os Minas & Armadilhas terminam a carreira sem editar comercialmente a sua música.[2]

Membros[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «A Um Passo Da Loucura». Arte Sonora. Consultado em 24 de abril de 2015 
  2. a b c Paulo Bettencourt Lemos (Outubro 2011). «A Importância do Punk em Portugal (Pág.33)» (PDF). Faculdade Letras-Universidade Coimbra. Consultado em 24 de abril de 2015 
  3. «Entrevista a Paulo Borges». Revista Progredir. 2012. Consultado em 24 de abril de 2015 
  4. a b c d e «Minas & Armadilhas». Punk Music Catalogue. Consultado em 24 de abril de 2015 
  5. a b Paulo Ramos. «Minas & Armadilhas». Pinterest. Consultado em 24 de abril de 2015 
  6. António Manuel Ribeiro (2014). Por Detrás do Pano. 35 histórias contadas na rádio & outras confissões. 1 Susana Engel ed. Avenida da Liberdade nº 166, 1º andar, 1250-166 Lisboa: Chiado Editora. pp. 219–222. ISBN 978-989-51-2692-7 
  7. Finais dos anos 70: os pioneiros dos fanzines punk em Portugal (Pag.9). Universidade de Évora. Página visitada em 24 de abril de 2015

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]