Never Let Me Down

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Nota: Este artigo é sobre o álbum; para a sua faixa-título, veja Never Let Me Down (canção)
Never Let Me Down
Álbum de estúdio de David Bowie
Lançamento 20 de Abril de 1987[1]
Gravação Meados de 1986 até o início de 1987[2]
Estúdio(s) Mountain Studios, Montreux, Suíça

Power Station studios, Manhattan, Nova York

Gênero(s)
Duração 48:06 (LP)
53:07 (CD)
Formato(s) LP e CD
Gravadora(s) EMI America
Produção David Bowie, David Richards
Cronologia de David Bowie
Tonight
(1984)
Black Tie White Noise
(1989)
Cronologia de Tin Machine
Tin Machine
(1989)

Never Let Me Down é o décimo sétimo álbum de estúdio de David Bowie, lançado em abril de 1987 pela EMI. Bowie concebeu o álbum como a fundação para uma turnê teatral mundial, tendo composto e gravado a maior parte das canções na Suíça. Ele considerou o álbum uma volta à música rock. Três singles foram lançados a partir do álbum, "Day-In Day-Out", "Time Will Crawl" e "Never Let Me Down", todos atingindo o Top 40 britânico.

Um dos maiores sucessos comerciais de Bowie, Never Let Me Down foi certificado com Disco de Ouro pela RIAA no início de julho de 1987, menos de três meses após seu lançamento, e entrou para o top 10 em vários países da Europa, apesar de só ter alcançado o n°34 nas paradas estadunidenses. Apesar do sucesso comercial, o álbum foi mal recebido por fãs e críticos, que frequentemente veem a segunda metade dos anos 1980 como um ponto baixo da criatividade e da integridade musical de Bowie. Mais tarde, Bowie se distanciou do álbum, mas admitiu ter um apreço por muitas das faixas do álbum, até fazendo um remix de "Time Will Crawl" (uma de suas canções prediletas) para a coletânea retrospectiva iSelect (2008).

Para promover o álbum, Bowie realizou a Glass Spider Tour, uma turnê mundial que, na época, foi a maior, mais teatral e mais elaborada turnê que o cantor empreendera em sua carreira. A turnê, assim como o álbum, foi bem-sucedida comercialmente, porém grande alvo de críticas. O fracasso do álbum e da turnê nas críticas foi um dos fatores que levaram Bowie a procurar uma nova forma de motivação criativa para si, levando-o a criar a banda Tin Machine em 1989 e modificar seu repertório de shows durante a turnê Sound + Vision, de 1990. Bowie não lançou outro álbum solo até Black Tie White Noise, de 1993.

Desenvolvimento do álbum[editar | editar código-fonte]

Vista de Montreux, na Suíça, onde Bowie gravou o álbum.

Após a ascensão da sua fama e o sucesso do álbum Let's Dance, de 1983, e da subsequente turnê Serious Moonlight Tour, Bowie se sentiu desconexo da sua nova grande base de fãs, e após a má recepção de Tonight (1984), ele estava tentando fazer o próximo álbum de forma diferente.[3] Segundo David Buckley, biógrafo de Bowie, diferentemente do que outros autores afirmam, o cantor não tinha "se encontrado"; muito pelo contrário: "ele perdera virtualmente todo o sentido de como se relacionava com sua arte".[4] Como resultado, Bowie disse que gostaria de voltar a gravar com um pequeno grupo de rock que tivera anteriormente em sua carreira, e que fez o álbum como "um movimento de volta à música rock. Muito diretamente."[3] Bowie sentia que o som e o estilo do seu novo álbum lembravam o disco Scary Monsters (1980) e eram menos parecidos com seus últimos álbuns.[5]

Bowie passou meados de 1986 na sua casa na Suíça compondo com seu amigo Iggy Pop.[6] Ele escreveu Never Let Me Down com a intenção de tocar canções num show teatral.[7] Então, ele gravou algumas demos com Erdal Kızılçay antes de trabalhar no álbum com a banda completa.[8] Pela primeira vez desde o álbum Scary Monsters, Bowie tocou instrumentos no disco, além de cantar.[9][10] Para algumas faixas do álbum, Bowie tocou teclado, sintetizador, guitarra rítmica e, em duas faixas do álbum ("New York's in Love" e "'87 and Cry"), ele tocou a guitarra principal.[11]

O álbum levou três meses para ser composto e gravado.[8] Bowie reconheceu que as canções no álbum não continham um estilo musical coeso, afirmando que isso refletia o seu eclético gosto musical na época e declarando que o álbum foi "um reflexo de todas os estilos de escrita que eu usara pelos anos anteriores."[11]

O guitarrista Carlos Alomar classificou o álbum como "sem inspiração", tanto pelo novo método de Bowie, que ia contra o seu experimentalismo dos anos 1970, como pela pressão externa da EMI. Bowie deixara a RCA no início da década para alcançar novos patamares, mas a experiência com a gravadora acabou sendo frustrante. Segundo Alomar, Bowie "não queria ir para o estúdio e gravar um álbum", mas foi obrigado a isto. Aliado a estes fatores, havia o fato de que, não obstante a fortuna adquirida por Bowie ao longo dos anos, ele não estava feliz com sua vida pessoal, o que o levou a reflexões sobre sua carreira e sobre o que desejava ser.[4]

Desenvolvimento das canções[editar | editar código-fonte]

Bowie escreveu a principal faixa do álbum, "Day-In-Day-Out", devido à sua preocupação com o tratamento recebido pelos sem-teto nos Estados Unidos, e queria se posicionar quanto ao assunto.[12] Algumas redes baniram o vídeo da faixa, o que Bowie achou ridículo.[3] A canção também foi o principal single do álbum. Uma versão com a faixa cantada em espanhol foi lançada em 2007, quando o EP "Day-In Day-Out" foi lançado digitalmente.[13]

Uma das inspirações para a canção "Tim Will Crawl" foi o desastre de Chernobil, ocorrido em 1986.

"Time Will Crawl", que Bowie declarou ser sua faixa favorita do álbum, foi inspirada pelos acontecimentos do desastre de Chernobil e pela ideia de que alguém do seu próprio bairro poderia ser o responsável pelo fim do mundo.[14] Bowie disse que seus vocais na canção "deviam muito a Neil Young", e observou que a variedade de vozes usadas no álbum foi uma referência às múltiplas influências musicais que tivera no passado. Bowie tocou a canção no programa Top of the Pops, da BBC, mas essa performance nunca foi ao ar.[15] Essa faixa foi o segundo single do álbum.

A faixa-título, "Never Let Me Down", é sobre Coco Schwab, assistente pessoal de longa data do cantor. Bowie escreveu a canção como uma referência direta ao seu relacionamento com Coco, de modo a formar um contraste com o resto das faixas do álbum, que ele via como majoritariamente alegóricas.[5] A canção foi a última escrita para o álbum, composta e gravada em um dia durante a última semana de mixagem do disco nos Power Station studios, em Nova York.[16] Bowie atribuiu sua performance vocal na canção a John Lennon.[11] A canção também foi tocada no Top of the Pops, indo ao ar, primeiramente, na versão americana do programa.[15] Essa faixa foi regravada e lançada como o terceiro single do álbum. Mais tarde, um crítico chamou a canção de "uma das faixas mais subestimadas" de Bowie.[17]

"É um título pomposinho, né? Visto fora de contexto, é bastante abrasivo, mas no contexto da canção e das faixas no álbum, acho que é algo irônico para ser usado como título. É também há algo de vaudevilliano na capa. Os dois [título e capa], combinados, são um pouco cômicos."

David Bowie, sobre a capa e o título do álbum.[16]

Bowie chamou a faixa "Beat of Your Drum" uma canção de Lolita, uma "reflexão sobre garotas jovens... Meu Deus, ela só tem catorze anos, mas ser preso vale a pena!"[16]

A canção "Zeroes", que a Rolling Stone disse ser a canção mais animadora e bem-sucedida do álbum,[18] é, de acordo com Bowie, uma viagem nostálgica: "Eu queria colocar todos os clichês dos anos 60 em que eu podia pensar! 'Parando, e rezando, e deixando o amor entrar,' todas essas coisas. Eu espero que haja uma indicação bem-humorada na música. Mas o sub-texto é definitivamente o de que os aparatos do rock não são o que foram feitos para ser."[11]

A faixa "Glass Spider" é um tipo de estória mitológica baseada num documentário que Bowie vira[11] sobre viúvas-negras que dizia que as aranhas deixam os esqueletos de suas presas em suas teias. Bowie também achou que a teia da Glass Spider ("Aranha de Vidro") daria um bom cenário para a turnê, assim criando o nome e os figurinos de palco da turnê de apoio do álbum.[19]

O ator Mickey Rourke pediu a Bowie para participar de uma das canções, sendo que os dois se conheceram em Londres, onde Rourke estava enquanto gravava o filme A Prayer for the Dying. Rourke cantou o rap da canção "Shining Star (Makin' My Love)." Bowie, jocosamente, referiu-se à performance de Rourke como um "rap metodológico".[3] Bowie descreveu a canção como algo que "reflete situações da vida real, e como as pessoas estão tentando se unir em face a tantos desastres e catástrofes, socialmente, nunca sabendo se elas mesmas sobreviverão. A única coisa que têm em para se segurarem é o outro; apesar disso poder resultar em algo terrível, é a única coisa que têm. É só uma cançãozinha de amor vinda desse ambiente."[16] Ele rejeitou a ideia de que a sua voz "alta e pequena" (que atribuiu a Smokey Robinson) na canção era um novo personagem (que seguiria Ziggy Stardust ou o Thin White Duke), dizendo que, na verdade, era só o que a faixa precisava, já que tentara cantar com sua voz usual e não gostara do resultado: "Isso nunca me incomodou, mudar vozes para se adequar a uma faixa. Você pode brincar com isso." "Shinnig Star" foi uma das primeiras escolhas de Bowie para single do álbum, mas EMI teve a palavra final e não lançou a canção como single.[20] Um remix da faixa foi disponibilizado no iTunes quando o EP "Never Let me Down" foi lançado digitalmente, em 2007, pela primeira vez.[21]

"'87 & Cry" foi originalmente escrita por Bowie como um posicionamento sobre Margaret Thatcher, então primeira-ministra do Reino Unido.

Bowie chamou "New York's in Love" de uma canção sarcástica sobre a vaidade das cidades grandes.[16]

Bowie originalmente escreveu a canção "'87 & Cry" como um posicionamento sobre Margaret Thatcher, que, na época, era a Primeira-ministra do Reino Unido. A canção se referia à distinção entre o governo autoritário e os cidadãos (os "cães"),[22] e Bowie admitiu que a letra beirava o surreal, descrevendo pessoas "comendo as energias dos outros para conseguirem o que queriam."[16] A faixa foi lançada como lado B do terceiro single do álbum, "Never Let Me Down".[23]

"Too Dizzy" foi a primeira canção escrita por Bowie e seu novo colaborador, Erdal Kizilcay, para o álbum, feita como uma homenagem aos anos 1950. Bowie disse que "os verdadeiros assuntos dos anos 50 ou eram amor, ou eram ciúmes, então pensei em falar sobre ciúmes, porque é muito mais interessante". Na época, Bowie chamou a faixa de um "desperdício" e pareceu surpreso de tê-la incluído no álbum.[16] A canção foi retirada dos relançamentos subsequentes de Never Let Me Down.

Quando perguntado sobre sua escolha em incluir "Bang Bang", de Iggy Pop, no álbum (ao invés de possivelmente co-escrever uma nova faixa), Bowie afirmou: "Iggy fez tantas coisas boas que as pessoas acabam nunca ouvindo... Acho que essa é uma das suas melhores canções, 'Bang Bang', e ainda não foi ouvida, e agora talvez seja."[3] "Bang Bang" foi lançada como single promocional em CD em 1987.

No geral, Bowie resumiu o álbum após seu lançamento, em 1987, como um esforço para "restabelecer o que eu costumava fazer, que era um álbum orientado pelas guitarras. Acho que o próximo álbum será ainda mais assim".[19] Seu trabalho seguinte seria Tin Machine (1989), álbum de rock orientado pelas guitarras.

Recepção da crítica[editar | editar código-fonte]

Críticas profissionais
Avaliações da crítica
Fonte Avaliação
Allmusic 2 de 5 estrelas.[24]
People (mista)[25]
Robert Christgau C+[26]
MusicHound "woof"[27]
Rolling Stone (desfovorável)[28]
The Rolling Stone Album Guide 1 de 5 estrelas.[29]
Spin (favorável)[30]
Trouser Press (desfavorável)[31]

As vendas iniciais do disco foram altas,[32] mas diminuíram decepcionantemente,[33] já que as resenhas do álbum foram mistas e não muito positivas. Ira Robbins escreveu que "apesar da casual excursão pelo rock barulhento... parece, à primeira vista, ser impetuoso e leve, o primeiro lado sendo bastante bom, oferecendo letras provocativas de cultura pop com entusiasmo primário e suporte despreocupado."[34] Em 1987, a revista Spin chamou o álbum de "uma obra realizada com inspiração e brilhantismo. Está carregada de um espírito positivo que faz da arte um alimento para a alma; imbuída com a energia contagiante que dá às pernas a ideia de dançar",[35] mas, em 1989, outro crítico da revista chamou o álbum de "decepcionante".[36] A Rolling Stone chamou o álbum de "um pastiche bizarro e despreocupado, com elementos de todos os Bowies anteriores," "sem foco," e possivelmente "o álbum mais barulhento e desleixado de Bowie. [...] Ser barulhento e desleixado não é necessariamente algo ruim, mas sinto em dizer, Never Let Me Down é, também, uma espécie de bagunça."[37] Outro crítico manteve um otimismo geral para o potencial das faixas do álbum, reclamando somente que a "produção opressiva" arruinara as canções.[38] A Billboard, em sua retrospectiva de 1987, chamou Never Let Me Down de "provavelmente o disco mais subestimado do ano" e considerou o álbum a "Escolha dos Críticos" do ano.[39]

À época, Bowie não estava preocupado com a performance relativamente fraca do álbum nas paradas, dizendo: "Eu fiz quase vinte álbuns na minha carreira, e, até agora, esse é o terceiro mais vendido de todos. Então não posso estar muito decepcionado. Mas mesmo assim, é uma decepção que não tenha sido tão dinâmico como deveria. [...] Mas eu realmente não me sinto pessimista em relação ao disco. Pelo que eu sei, é um dos melhores álbuns que já fiz. Como eu disse: Never Let Me Down vendeu muito para mim. Então, estou bastante feliz."[20] Apesar das crescentes críticas da imprensa, Bowie disse que Never Let Me Down foi um dos álbuns mais aprazíveis e energéticos que fizera num bom tempo.[12][40]

Imagem pública[editar | editar código-fonte]

Bowie na capa da revista Musician de agosto de 1987: "de volta ao alto nível".

Bowie, tendo feito quarenta anos no ano em que o álbum foi lançado, apareceu diversas vezes em capas de revista durante 1987. Ele apareceu ao lado de Tina Turner na capa da revista In Fashion (com a expressão "Forever cool" - "Sempre arrojados"),[41] e sozinho na capa da Musician[11] e na edição "Style" de aniversário de vinte anos da Rolling Stone,[42] parte de uma série de fotografias da época tiradas pelo fotógrafo Herb Ritts.[5] Artigos sobre o álbum e a turnê de Bowie apareceram em revistas adolescentes como Mademoiselle[43] e Teen,[44] sendo que a primeira chamou Bowie de "o candidato principal para a personagem mais legal do rock." Bowie foi escolhido como um das mais expressivas pop stars do ano (1987) na retrospectiva de fim do ano da Billboard.[39]

Performances ao vivo[editar | editar código-fonte]

Bowie (ao centro) no palco de um show em Berlim para a promoção de Never Let Me Down.

Bowie sabia que promoveria o álbum com uma turnê, e em entrevistas disse: "Vou fazer uma coisa de palco este ano, e isso me deixa muito animado, porque vou me arriscar novamente", mas quando perguntado sobre detalhes, ele se recusava a dar qualquer informação, dizendo: "só farei o que sempre fiz, que é manter as coisas interessantes."[5]

Bowie tocou várias das faixas do álbum durante uma turnê de imprensa que precedeu a Glass Spider Tour, uma turnê altamente teatral que atingiu uma audiência de cerca de seis milhões de fãs.[45] Bowie queria produzir um tipo de apresentação que seguiria a partir ponto em que sua turnê Diamond Dogs, de 1974, havia parado.[41] Embora considerada um sucesso comercial e de público,[46] a turnê foi rejeitada pela crítica. Bowie planejou suas turnês seguintes de forma a evitar especialmente os aspectos que foram alvo de crítica na Glass Spider Tour, como as apresentações excessivamente teatrais. Desde então, focou mais na música em si.[47][48][49] Apesar das críticas, Bowie afirmou que as performances nesta turnê foram a maior diversão que tivera até esse ponto da sua carreira.[19]

Legado do álbum[editar | editar código-fonte]

Inicialmente, após o lançamento do álbum, Bowie estava animado para voltar ao estúdio e gravar mais material, tendo composto canções que não haviam sido gravadas para Never Let Me Down. Ele disse que queria gravar mais música "experimental", referindo-se ao seu trabalho com Brian Eno nos anos 1970.[50] Porém, devido às críticas negativas recebidas pelo álbum e sua turnê, Bowie deixou esse planos de lado e, em seu lugar, formou a banda de rock Tin Machine, que usou para rejuvenescimento artístico e criativo.[51]

"Hoje eu ouço Never Let Me Down e queria ter sido menos indiferente à produção do álbum, porque havia algumas faixas boas, mas eu as negligenciei e ficaram muito fracas musicalmente; e eu não teria feito desta forma se estivesse mais envolvido."

David Bowie, 1993[52]

Sua visão sobre o álbum foi tornando-se cada vez mais amarga, com o passar do tempo. Em 1990, durante entrevistas para sua turnê Sound+Vision Tour, Bowie comentou que sentia que estivera num "lamaçal" enquanto fazia o álbum, e expressou descontentamento com a perda de boas faixas ao permitir à produção do álbum que fosse criado um sentimento de "música de sessão".[53]

Um ano depois, enquanto trabalhava com a Tin Machine no segundo álbum do grupo, ele falou sobre seus últimos álbuns: "Pode-se dizer que eu estava terrivelmente infeliz no fim dos anos 80. [...] Eu estava no submundo da aceitação comercial. 1983, 84, 85, 86, 87 - esses cinco anos foram simplesmente terríveis. [...] Never Let Me Down tinha boas canções que eu negligenciei. Eu não me apliquei verdadeiramente. Eu não estava muito certo sobre o que eu deveria estar fazendo. Eu queria que houvesse alguém, na época, para me contar."[54]

Em 1993, enquanto fazia turnês de imprensa para seu álbum Black Tie White Noise, Bowie reconheceu que, apesar de Never Let Me Down ter vendido mais que todos seus álbuns anteriores (exceto Let's Dance), ele sentia que, enquanto o fizera, ele perdera quase todo o seu interesse em compor.[55] Ele declarou: "No fim, não perdi as canções, mas perdi o som. [...] Eu literalmente as perdi ao dá-las a pessoas muito boas para arranjá-las, mas não me envolvendo, chegando quase à indiferença."

Em 1995, Bowie falou mais sobre como achava que sua criatividade e sua música haviam sofrido após o sucesso de Let's Dance:

[A grande fama da época] não significava absolutamente nada para mim. Não me fazia sentir-me bem. Me sentia insatisfeito com tudo que eu estava fazendo, e uma hora isso se refletiu no meu trabalho. Let's Dance foi um álbum excelente de certo estilo, mas os dois álbuns seguintes [Tonight and Never Let Me Down] mostraram que a falta de interesse no meu próprio trabalho estava se tornando transparente. Meu ponto mais baixo foi Never Let Me Down. Foi um álbum tão horrível. Cheguei a um ponto, hoje, em que não me julgo muito. Eu ponho para fora o que eu faço, seja nas artes visuais ou na música, porque sei que tudo que faço é sincero. Mesmo se for um fracasso artístico, não vai me incomodar como Never Let Me Down me incomoda. Eu não deveria nem ter me incomodado indo ao estúdio gravar aquele álbum. [Risos.] De fato, às vezes, quando eu o toco, questiono se realmente o gravei.[56]

Nenhuma canção do álbum foi tocada nas turnês de Bowie após 1987. Apesar disso, à pedido de Bowie, Mario J. McNulty remixou "Time Will Crawl"[57] na compilação de canções favoritas selecionadas pelo cantor, iSelect.[58] O remix também foi incluído na coletânea comemorativa de 50 anos de carreira, Nothing Has Changed.[59]

Faixas[editar | editar código-fonte]

Esse foi o primeiro álbum com canções de duração diferente nos lançamentos em vinil, cassette e CD, sendo que quase todas as faixas deste último têm um maior tempo de duração.[60]

LP: EMI AMLS 3117 (Reino Unido)[editar | editar código-fonte]

Todas as canções escritas e compostas por David Bowie (exceto onde anotado). 

Lado A
N.º Título Duração
1. "Day-In Day-Out"   4:38
2. "Time Will Crawl"   4:18
3. "Beat of Your Drum"   4:32
4. "Never Let Me Down" (Letra de Bowie, música de Bowie e Carlos Alomar) 4:03
5. "Zeroes"   5:46
Lado B
N.º Título Duração
1. "Glass Spider"   4:56
2. "Shining Star (Makin' My Love)"   4:05
3. "New York's in Love"   3:55
4. "'87 and Cry"   3:53
5. "Too Dizzy" (Letra de Bowie, música de Bowie e Erdal Kızılçay) 3:58
6. "Bang Bang" (Iggy Pop, Ivan Kral) 4:02
Duração total:
48:06

A versão encurtada do LP foi lançada, pela primeira vez digitalmente, em 2007, no iTunes (exceto "Too Dizzy").

CD: EMI CDP 7 46677 2 (Reino Unido)[editar | editar código-fonte]

Todas as canções escritas e compostas por David Bowie (exceto onde anotado). 

N.º Título Duração
1. "Day-In Day-Out"   5:35
2. "Time Will Crawl"   4:18
3. "Beat of Your Drum"   5:03
4. "Never Let Me Down" (Letra de Bowie, música de Bowie e Carlos Alomar) 4:03
5. "Zeroes"   5:46
6. "Glass Spider"   5:30
7. "Shining Star (Makin' My Love)"   5:04
8. "New York's in Love"   4:32
9. "'87 and Cry"   4:18
10. "Too Dizzy" (Letra de Bowie, música de Bowie e Erdal Kızılçay) 3:58
11. "Bang Bang" (Iggy Pop, Ivan Kral) 4:28
Duração total:
53:07

LP/CD: EMI EYS-91221/CP32-5398 (Japão)[editar | editar código-fonte]

O lançamento original da versão japonesa do álbum incluía uma regravação exclusiva da canção "Girls" (de Tina Turner) cantada em japonês. No LP, a canção foi colocada ao fim do Lado A.

N.º Título Notes Duração
6. "Girls"   Música e letras de Bowie e Kızılçay, tradução para o japonês de Hiro Hozumi, orientação de Kiri Teshigahara 4:00

Reedições[editar | editar código-fonte]

A faixa "Too Dizzy" foi excluída de reedições subsequentes do álbum, a pedido de Bowie, pois era a canção no disco de que menos gostava.[23]

Reedição de 1995 [Virgin CDVUS 98 (Reino Unido)][editar | editar código-fonte]

A Virgin Records relançou o álbum em CD com três faixas bônus.

N.º Título Notes Duração
11. "Julie"   Lado B do single "Day-In Day-Out" (1987) 3:45
12. "Girls" (Edição estendida) (Bowie, Kızılçay) Lado B do single "Time Will Crawl" (1987) 5:38
13. "When the Wind Blows" (Letra de Bowie, música de Bowie e Kızılçay) Da trilha sonora de When the Wind Blows (1986) 3:36

Reedição de 1999 (EMI)[editar | editar código-fonte]

A EMI relançou o álbum em 1999 com som digitalmente remasterizado em 24 bits, mas sem faixas bônus e "Too Dizzy".

Reedição de 2007[editar | editar código-fonte]

Um relançamento japonês do álbum, baseado na reedição de 1999 da EMI, incluiu "Too Dizzy" na lista das faixas, mas a canção em si não está no disco.[61]

Reedição de 2009[editar | editar código-fonte]

Em 2009, o álbum foi relançado em formato SHM-CD. A reedição teve a mesma lista de faixas do relançamento de 2007.[62]

Créditos[editar | editar código-fonte]

Adaptado do folheto de Never Let Me Down.[63]

Músicos

Produção

Desempenho nas paradas[editar | editar código-fonte]

Singles[editar | editar código-fonte]

Vendas e certificações[editar | editar código-fonte]

Região Certificação Unidades certificadas/Vendas
 Canadá (Music Canada) Platina[91] 100,000*
 Estados Unidos (RIAA) Ouro[92] 500,000*
 França (SNEP) Ouro[93] 159,500[94]
 Reino Unido (BPI) Ouro[95] 100,000*
*números de vendas baseados nas próprias certificações

Referências

  1. «Never Let Me Down is 30 Today». David Bowie. 20 de abril de 2017 
  2. Pegg, Nicholas (outubro de 2016). The Complete David Bowie New Edition: Expanded and Updated. Titan Books.
  3. a b c d e The Glass Spider Tour Press Conferences (Amsterdan) (vinil). 30 de março de 1987.
  4. a b c d e f g h i Buckley, David (24 de abril de 2012). Strange Fascination: David Bowie: The Definitive Story (em inglês). [S.l.]: Random House. ISBN 9781448132478  Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome ":12" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes
  5. a b c d Loder, Kurt (23 de abril de 1987), "Stardust Memories", Rolling Stone (498): 74–77, 80, 82, 168, 171
  6. Isler, Scott (agosto de 1987), "David Bowie Opens Up - A Little", Musician (106): 60–73
  7. The Glass Spider Tour Press Conferences (London) (vinil). 20 de março de 1987.
  8. a b Currie, David (1987), David Bowie: Glass Idol (1a ed.), London and Margate, Inglaterra: Omnibus Press, ISBN 0-7119-1182-7
  9. Fricke, David (dezembro de 1984), "David Bowie Interview", Musician  (74): 46–56
  10. Timothy, White (maio de 1983), "David Bowie Interview", Musician (55): 52–66, 122
  11. a b c d e f Isler, Scott (agosto de 1987), "David Bowie Opens Up - A Little", Musician (106): 60–73
  12. a b The Glass Spider Tour Press Conferences (Stockholm) (vinil). 28 de março 1987.
  13. «Day-In Day-Out (Extended Dance Mix) - EP de David Bowie no Apple Music». iTunes. Consultado em 21 de novembro de 2016. 
  14. David Bowie - The Interview (vinil). EMI America. 1987.
  15. a b «Top Of The Pops Appearances: David Bowie». www.bowiewonderworld.com. Consultado em 22 de novembro de 2016. 
  16. a b c d e f g «Dave In, Dave Out». Exploring David Bowie. 5 de fevereiro de 2013. Consultado em 22 de novembro de 2016. 
  17. «Never Let Me Down - David Bowie | Songs, Reviews, Credits | AllMusic». AllMusic. Consultado em 22 de novembro de 2016. 
  18. «Never Let Me Down». Rolling Stone 
  19. a b c The Glass Spider Tour Press Conferences (Sydney) (vinil). 27 de outubro de 1987.
  20. a b «David Bowie: The "Glass Spider" weaves his musical magic around the world». Exploring David Bowie. 5 de fevereiro de 2013. Consultado em 22 de novembro de 2016. 
  21. «Never Let Me Down (Extended Dance Remix) - EP by David Bowie on Apple Music». iTunes. Consultado em 22 de novembro de 2016. 
  22. Pareles, Jon (26 de abril de 1987). «DAVID BOWIE MINGLES GLAMOUR AND GLOOM». The New York Times. ISSN 0362-4331 
  23. a b Crankin' Out - The David Bowie Magazine (5), 1997.
  24. «Never Let Me Down - David Bowie | Songs, Reviews, Credits | AllMusic». AllMusic. Consultado em 22 de novembro de 2016. 
  25. Hiltbrand, David (25 de maio de 1987), «Picks & Pans: Never Let Me Down album review», People 
  26. Christgau, Robert (2 de junho de 1987), «Consumer Guide», New York, The Village Voice, consultado em 11 de agosto de 2012. 
  27. Graff, Gary; Durchholz, Daniel (eds) (1999). MusicHound Rock: The Essential Album Guide. Farmington Hills, MI: Visible Ink Press. p. 151. ISBN 1-57859-061-2 
  28. «Never Let Me Down». Rolling Stone 
  29. «David Bowie: Album Guide». rollingstone.com. Consultado em 13 de janeiro de 2016.. Cópia arquivada em 30 de maio de 2011 
  30. O'Brien, Glenn (maio de 1987), «Never Let Me Down album review», Spin Magazine: 29–30, consultado em 18 de abril de 2013. 
  31. Walker, John; Robbins, Ira; Neugebauer, Delvin. «TrouserPress.com :: David Bowie». TrouserPress.com. Consultado em 7 de julho de 2016. 
  32. Arts; entertainment reports from The (15 de maio de 1987). «Pop Charts». Los Angeles Times (em inglês). ISSN 0458-3035 
  33. «Bowie Back-up Alomar Sees Reason For Elation In Letdown». tribunedigital-chicagotribune 
  34. Robbins, Ira (1991). The Trouser Press Record Guide (4a ed.). New York: Collier Books. p. 84. ISBN 0-02-036361-3.
  35. LLC, SPIN Media (1 de maio de 1987). SPIN (em inglês). [S.l.]: SPIN Media LLC 
  36. Spin, julho de 1989, p. 110
  37. «Never Let Me Down». Rolling Stone 
  38. «David Bowie: Best of Bowie (2002)». www.dvdmg.com. Consultado em 22 de novembro de 2016. 
  39. a b Inc, Nielsen Business Media (26 de dezembro de 1987). Billboard (em inglês). [S.l.]: Nielsen Business Media, Inc. 
  40. The Glass Spider Tour Press Conferences (New York) (vinil). 18 de março de 1987.
  41. a b Morse, Steve (julho/agosto de 1987), "David Bowie (Cover Story)", In Fashion3 (10): 151, 153
  42. «David Bowie Posters at AllPosters.com». www.allposters.com. Consultado em 22 de novembro de 2016. 
  43. Mademoiselle, julho de 1987, p. 44.
  44. Teen, outubro de 1987.
  45. «The Boston Globe». Wikipedia (em inglês). 19 de novembro de 2016 
  46. «Marketing David Bowie». Entertainment Weekly's EW.com 
  47. Ressner, Jeffrey (10 de agosto de 1989), "Bowie's Bicoastal Blitz", Rolling Stone: 24
  48. Clarke, Tina (março de 1990), "Watch that Man", Music Express magazine: 9–12
  49. Varga, George (1–7 janeiro de 1992), "David Bowie Music Interview", The Star Entertainment Weekly
  50. «Bowie Is Back, And Bolder Than Ever His Controversial Glass Spider Tour Proves The Ageless Rocker Is Still Full Of Surprises». tribunedigital-orlandosentinel 
  51. Barton, David (8 de junho de 1989), "David Bowie puts career on the line", Journal-American, p. D5
  52. Sutherland, Steve (27 de março de 1993), «Bowie and Brett 'Alias Smith and Jones' Part 2», NME, consultado em 6 de junho de 2013. 
  53. "Interview with Craig Bromberg", Smart (áudio), 1990.
  54. Cohen, Scott (setembro de 1991), "David Bowie Interview", Details: 86–97
  55. Campbell, Mary (6 de agosto de 1993), "David Bowie reflects on life after marriage", The Associated Press.
  56. «Brian Eno is MORE DARK THAN SHARK». www.moredarkthanshark.org. Consultado em 22 de novembro de 2016. 
  57. «Joe D'Ambrosio Management | Mario J. McNulty». jdmanagement.com. Consultado em 22 de novembro de 2016. 
  58. «iSelect - David Bowie | Songs, Reviews, Credits | AllMusic». AllMusic. Consultado em 22 de novembro de 2016. 
  59. «Nothing Has Changed (Deluxe Edition) by David Bowie on Apple Music». iTunes. Consultado em 22 de novembro de 2016. 
  60. Balaam, Dean (1990). «David Bowie Collectable CDs». Record Collector: 3–6 
  61. «RECORD COLLECTOR: David Bowie / Never Let Me Down (1987) | superdeluxeedition». www.superdeluxeedition.com. Consultado em 22 de novembro de 2016. 
  62. «Bowie Back Catalogue Due On Shm-cd In Japan - David Bowie Official Blog». David Bowie Official Website. Consultado em 22 de novembro de 2016. 
  63. Never Let Me Down (folheto do CD). David BowieEMI America Records. 1987.
  64. «Offizielle Deutsche Charts - Offizielle Deutsche Charts». www.offiziellecharts.de (em alemão). Consultado em 19 de julho de 2017. 
  65. Kent, David (1993). Australian Chart Book 1970–1992. St Ives, NSW: Australian Chart Book. ISBN 0-646-11917-6.
  66. «David Bowie – Never Let Me Down». Austriancharts.at. Consultado em 19 de julho de 2017. 
  67. «Item Display - RPM - Library and Archives Canada». www.collectionscanada.gc.ca (em inglês). Consultado em 19 de julho de 2017. 
  68. Salaverri, Fernando (stembro de 2005). Sólo éxitos: año a año, 1959–2002 (1a ed.). Espanha: Fundación Autor-SGAE. ISBN 84-8048-639-2.
  69. «Lyrics - David Bowie - Never Let Me Down - Too Dizzy». www.accessmymusic.info. Consultado em 19 de julho de 2017. 
  70. a b «Hit Parade Italia - ALBUM 1987». www.hitparadeitalia.it. Consultado em 19 de julho de 2017. 
  71. Oricon Album Chart Book: Complete Edition 1970-2005. Roppongi, Tóquio: Oricon Entertainment. 2006. ISBN 4-87131-077-9.
  72. Hung, Steffen. «David Bowie - Never Let Me Down». hitparade.ch. Consultado em 19 de julho de 2017. 
  73. Hung, Steffen. «norwegiancharts.com - David Bowie - Never Let Me Down». norwegiancharts.com. Consultado em 19 de julho de 2017. 
  74. Hung, Steffen. «charts.org.nz - David Bowie - Never Let Me Down». charts.org.nz. Consultado em 19 de julho de 2017. 
  75. «DAVID BOWIE | Artist | Official Charts». 3 de novembro de 2013. Consultado em 19 de julho de 2017. 
  76. Hung, Steffen. «swedishcharts.com - David Bowie - Never Let Me Down». swedishcharts.com. Consultado em 19 de julho de 2017. 
  77. Hung, Steffen. «David Bowie - Never Let Me Down - hitparade.ch». hitparade.ch. Consultado em 19 de julho de 2017. 
  78. Hung, Steffen. «Jahreshitparade 1987 - austriancharts.at». austriancharts.at. Consultado em 20 de julho de 2017. 
  79. «Item Display - RPM - Library and Archives Canada». www.collectionscanada.gc.ca (em inglês). Consultado em 20 de julho de 2017. 
  80. «InfoDisc : Les Albums (CD) de 1987 par InfoDisc». 1 de fevereiro de 2016. Consultado em 20 de julho de 2017. 
  81. Hung, Steffen. «Dutch Charts - dutchcharts.nl». dutchcharts.nl. Consultado em 20 de julho de 2017. 
  82. «Item Display - RPM - Library and Archives Canada». www.collectionscanada.gc.ca (em inglês). Consultado em 20 de julho de 2017. 
  83. a b c «David Bowie - Chart history | Billboard». www.billboard.com (em inglês). Consultado em 21 de julho de 2017. 
  84. a b «David Bowie - Chart history - Dance Club Songs». www.billboard.com (em inglês). Consultado em 21 de julho de 2017. 
  85. a b «David Bowie - Chart history | Billboard». www.billboard.com (em inglês). Consultado em 21 de julho de 2017. 
  86. a b c «david-bowie | full Official Chart History | Official Charts Company». www.officialcharts.com (em inglês). Consultado em 20 de julho de 2017. 
  87. a b Ultra Top Charts: David Bowie Time Will Crawl, acessado em 23 de julho de 2017
  88. «David Bowie | Awards | AllMusic». AllMusic. Consultado em 20 de julho de 2017. 
  89. «Item Display - RPM - Library and Archives Canada». www.collectionscanada.gc.ca (em inglês). Consultado em 21 de julho de 2017. 
  90. «David Bowie - Never Let Me Down». ultratop.be. Consultado em 21 de julho de 2017. 
  91. «Gold/Platinum - Music Canada». Music Canada (em inglês) 
  92. «Gold & Platinum - RIAA». RIAA (em inglês) 
  93. Lesueur, InfoDisc, Daniel Lesueur, Dominic Durand,. «InfoDisc : Les Certifications Officielles d'un Artiste depuis 1973 (Argent, Or, Platine, Diamant)». www.infodisc.fr (em francês). Consultado em 21 de julho de 2017. 
  94. «InfoDisc : Les Certifications (Albums) du SNEP (les Disques d'Or)». 28 de agosto de 2012. Consultado em 21 de julho de 2017. 
  95. «Certified Awards». www.bpi.co.uk. Consultado em 21 de julho de 2017.