Nieuport 10

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Translation arrow.svg
Este artigo resulta, no todo ou em parte, de uma tradução do artigo «Nieuport 10» na Wikipédia em inglês, na versão original. Você pode incluir conceitos culturais lusófonos de fontes em português com referências e inseri-las corretamente no texto ou no rodapé. Também pode continuar traduzindo ou colaborar em outras traduções. (Data da tradução: 20 de setembro de 2017)Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Nieuport 10
Caça
Descrição
Tipo / Missão Aeronave de reconhecimento aéreo, caça e treinamento
País de origem  França
Fabricante Nieuport
Período de produção 1915-1918
Primeiro voo em 1914 (105 anos)
Introduzido em 1915
Variantes Nieuport 12
Tripulação 1, piloto
Especificações (Modelo: Nieuport 10 C.1 (caça))
Dimensões
Comprimento 7,09 m (23,3 ft)
Envergadura 8,20 m (26,9 ft)
Altura 2,7 m (8,86 ft)
Área das asas 18  (194 ft²)
Alongamento 3.7
Peso(s)
Peso vazio 411 kg (906 lb)
Peso carregado 658 kg (1 450 lb)
Propulsão
Motor(es) 1 x motor a pistão giratório Le Rhône 9C
Potência (por motor) 80 hp (59,7 kW)
Performance
Velocidade máxima 139 km/h (75,0 kn)
Alcance (MTOW) 249,49 km (155 mi)
Autonomia 2,5 h(s)
Teto máximo 4 572 m (15 000 ft)
Razão de subida 2,1 m/s
Armamentos
Metralhadoras / Canhões 1 x metralhadora Lewis montada acima da asa superior

O Nieuport 10 foi um sesquiplano francês da Primeira Guerra Mundial que foi utilizado em uma grande variedade de tipos de missões incluindo reconhecimento aéreo, caça e treinamento.

Design e desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

Em janeiro de 1914, o designer Gustave Delage ingressou na Société Anonyme des Etablissements Nieuport, e iniciou o trabalho em uma série de aeronaves que permaneceria em produção para o resto da Primeira Guerra Mundial. O Nieuport 10 foi um destes primeiros modelos e foi originalmente concebido para participar da corrida Gordon Bennett Trophy de 1914. Mas com o início da Primeira Guerra o concurso foi cancelado e o modelo passou para a designação militar para uma aeronave de reconhecimento, assim entrando em serviço em 1915.

O modelo possuía um distintivo "V" em seus montantes entre as asas. As asas inferiores eram menores em área que as asas superiores. O conceito foi intencionado para ter a força de um biplano com células de asas de corda com visibilidade boa como em um monoplano parasol.[nota 1]

Muitos modelos foram convertidos ou construídos como caças monopostos, onde cobria-se o cockpit dianteiro e adicionava-se uma metralhadora Lewis ou Vickers para disparo na parte de cima da asa superior, desta forma a aeronave era usada como um caça.

Dois maiores tipos foram produzidos a partir do Nieuport 10 – o Nieuport 11 Bébe – um pequeno avião, designado para iniciar como um monoposto, e o Nieuport 12 – um modelo mais potente biposto com asa superior mais larga. Em adição a produção foi focada na versão de treino sob a designação Nieuport 83 E.2 com mudança de detalhes. Uma única versão triplana, usando o airframe do Nieuport 10 foi construída para testes com asas escalonadas incomuns.

Detalhes de asas e ailerons do Nieuport 10

Uso operacional[editar | editar código-fonte]

Muitos dos ases da aviação franceses voarem no Nieuport 10, o mais conhecido deles foi Georges Guynemer que usou vários Nieuport 10, todos marcados "Vieux Charles". Jan Olieslagers foi o piloto de um Nieuport 10 que tornou-se o primeiro belga a abater outra aeronave, enquanto a primeira vitória aérea canadiana foi também realizada abordo de um Nieuport 10, pilotado pelo Subtenente Arthur Ince.

Variantes[editar | editar código-fonte]

  • Nieuport X.B
Primeira designação distinguindo-o do antecessor não relacionado o monoplano Nieuport X.
  • Nieuport X.AV
Designação da companhia em que o artilheiro/observador sentava-se à frente do piloto.
  • Nieuport X.AR
Designação da companhia em que o artilheiro/observador sentava-se na traseira e o piloto à frente.
  • Nieuport 10 A.2
Monoposto de reconhecimento (Artillerie), similar ao Nieuport X.AR.
  • Nieuport 10 C.1
Variante monoposto de caça. Inspirou o desenvolvimento do Nieuport 11 C.1.
  • Nieuport 10 E.2
Nieuport 10 A.2s usado para treino.
  • Nieuport 83 E.2
Construído com finalidade de treinamento com modificações detalhadas
  • Nieuport 10 triplane
Plataforma de testes para um triplano com asas em escalonamento incomum.
  • Nieuport-Macchi 10.000
Versão italiana do Nieuport 10 com muitos detalhes de modificações.
  • Nieuport 18 ou 18 metros Nieuport
Descrição não oficial de um modelo básico baseado em uma asa nominal com área de 18 metros quadrados.
  • Nakajima Army Type Ko 2 Trainer
Nieuport 83 E.2 construído sob licença no Japão
  • Trainer Type 2
Designação do Nieuport 83 E.2. siamês importado.

Operadores[editar | editar código-fonte]

Componente Aérea do Exército Belga
Força Aérea Brasileira
Serviço Aéreo do Exército dos Estados Unidos da Forças Expedicionárias Americanas – usados apenas como treinadores.
Aéronautique Militaire
Aviação Naval Francesa
Força Aérea da Finlândia (ex-exemplares da Rússia).
Serviço Aéreo da Rússia Imperial
Serviço Aéreo do Exército Imperial Japonês
Força Aérea Portuguesa – 7 treinadores Nieuport Ni.83E-2 recebidos em 1917.[nota 2]
Corpo Aeronautico Militare
Royal Naval Air Service – primeiro usuário. Nota o Royal Flying Corps não utilizou o Nieuport 10.
Força Aérea da Sérvia[nota 3]
Força Aérea Real Tailandesa
Exército Popular da República Popular da Ucrânia
Frota aérea dos Trabalhadores e Camponeses (ex-exemplares da Rússia).

Sobreviventes[editar | editar código-fonte]

Dois Nieuport-Macchi 10,000 estão em exposição na Itália, um no Museo Storico Italiano della Guerra e um no Museo della Scienza e della Tecnologia "Leonardo da Vinci", e um original Nieuport 83 E.2 que foi pilotado por Charles Nungesser está exposto no Old Rhinebeck Aerodrome nos Estados Unidos.

Galeria[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

  • Conteúdo relacionado com Nieuport 10 no Wikimedia Commons.
Lista relacionada

Notas

  1. Fitzsimons 1967/1969, p. 1989.
  2. Niccoli 1998, p. 20.
  3. Janić Č, Petrović O, Short History of Aviation in Serbia, Beograd, Aerokomunikacije, 2011. ISBN 978-86-913973-2-6

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Apostolo, Giorgio (1991). Aermacchi - from Nieuports to AMX. Milan, Italy: Giorgio Apostolo Editore (GAE) 
  • Bruce, J.M. (1998). Nieuport 10~12 - Windsock Datafile 68. Herts, UK: Albatros Publications. ISBN 978-1902207018 
  • Cooksley, Peter (1997). Nieuport Fighters In Action. Col: In Action Aircraft Number 167. Carrollton, TX: Squadron/Signal Publications. ISBN 978-0897473774 
  • Davilla, Dr. James J.; Soltan, Arthur (1997). French Aircraft of the First World War. Mountain View, CA: Flying Machines Press. ISBN 978-1891268090 
  • Durkota, Alan; Darcey, Thomas; Kulikov, Victor (1995). The Imperial Russian Air Service — Famous Pilots and Aircraft of World War I. Mountain View, CA: Flying Machines Press. ISBN 0-9637110-2-4 
  • Nicolli, Riccardo (janeiro–fevereiro de 1998). «Atlantic Sentinels: The Portuguese Air Force Since 1912». Air Enthusiast (73). pp. 20–35. ISSN 0143-5450 
  • Rimmell, Ray (1990). World War One Survivors. Bucks: Aston Publications. ISBN 0-946627-44-4 
  • Rosenthal, Léonard; Marchand, Alain; Borget, Michel; Bénichou, Michel (1997). Nieuport 1909-1950 Collection Docavia Volume 38. Clichy Cedex, France: Editions Lariviere. ISBN 978-2848900711 
  • Sanger, Ray (2002). Nieuport Aircraft of World War One. Wiltshire: Crowood Press. ISBN 978-1861264473 
  • Taylor, John W. R.; Alexander, Jean (1969). Combat Aircraft of the World. New York: Putnam. pp. 112–113. LCCN 68-25459 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]