PAS-22

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
PAS-22
Localização orbital 105.5° E
Lançamento 24 de dezembro de 1997 (19 anos)
Veículo Proton-K/Blok-DM3
Operador Hong KongAsiaSat (1997–1998)
Estados UnidosHughes (1998–1999)
Estados UnidosPanAmSat (1999–2002)
Vida útil (15 anos planejado)[1]

(4 em atividade)
Fabricante Hughes Aircraft
Órbita Geoestacionária
Peso 6.200 kg
Designação COSPAR 1997-086A

O PAS-22 (também conhecido por AsiaSat 3 e HGS-1) era um satélite de comunicação geoestacionário que foi construído pela Hughes Aircraft, ele esteve colocado na posição orbital de 105.5 graus leste e foi operado primeiro pela AsiaSat, depois pela Hughes e por último pela PanAmSat. O satélite foi baseado na plataforma HS-601HP e sua expectativa de vida útil era de 15 anos.

História[editar | editar código-fonte]

O satélite foi resgatado de uma órbita geoestacionária de transferência inutilizado por meio da gravidade da Lua.

O AsiaSat 3 foi lançado em 1997 pela AsiaSat Ltd de Hong Kong para fornecer comunicações e serviços de televisão na Ásia, Oriente Médio e Australásia, foi colocado na posição órbita de 105.5° E. No entanto, uma falha da quarta fase do bloco acelerador DM3 deixou o satélite encalhado numa órbita altamente inclinada (51 graus), embora ainda totalmente funcional. Foi declarado uma perda total pelas seguradoras. O satélite foi transferido para a Hughes Global Services Inc., com um acordo para dividir os lucros com as seguradoras.

Edward Belbruno e Rex Ridenoure ouviram falar sobre o problema e eles propuseram um mês de transferência em baixa trajetória 3-5 energia que iria balançar após a Lua e deixar o satélite em órbita geoestacionária em torno da Terra. A Hughes não tinha capacidade de controlar o satélite a uma distância tal, e optou, em vez de uma trajetória de retorno livre estilo Apollo que exigia apenas alguns dias para ser concluído. Esta manobra removeu apenas 40 graus de inclinação orbital e não deixou o satélite em uma órbita geoestacionária, ao passo que a manobra de Belbruno teria retirado todos os 51 graus de inclinação e deixou-o em órbita geoestacionária.[2]

Embora a Hughes acabou não usando a trajetória de transferência de baixa energia, o discernimento para usar um desvio gravidade lunar foi fundamental para o resgate do satélite. A Hughes não tinha considerado essa opção até que foi contatado por Ridenoure.[3]

Depois que o satélite estava em uma órbita estável, o mesmo foi ordenado a liberar seus painéis solares, que haviam sido arrumados durante a decolagem e manobras. Dos dois painéis solares do satélite único lançado, e tornou-se evidente que o aparato a bordo não estava funcionando corretamente, que os cientistas atribuíram a ciclos de aquecimento e resfriamento nos satélites que operam em faixas não concebidos para viajar para a órbita correta. Em 1999, o HGS-1 foi adquirido pela PanAmSat, e foi renomeado para PAS-22, e mudou-se para 60° W. Ela foi desativada em julho de 2002, e se mudou para uma órbita cemitério. Ela foi desativada em julho de 2002, e se mudou para uma órbita cemitério.

Lançamento[editar | editar código-fonte]

O satélite foi lançado ao espaço em 24 de dezembro de 1997, às 23:19 UTC, abordo de um foguete Proton-K/Blok-DM3 a partir do Cosmódromo de Baikonur, no Cazaquistão. Ele tinha uma massa de lançamento de 6.200 kg.

Veja também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Krebs, Gunter. «AsiaSat 3, 3S / HGS 1 / PAS 22». Gunter's Space Page. Consultado em 15 de maio de 2010 
  2. «Hughes Goes to Moon to Salvage Satellite: First Commercial Lunar Mission.». Hughes Press Release. 29 de abril de 1998 
  3. «New Book Reveals How Engineers Saved Hughes Satellite on Christmas Day 1997». Space Daily. 11 de janeiro de 2006